Ban

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Petistas querem candidatura própria e criticam possível aliança com o PMDB nas eleições ao Governo do Pará.


Militantes do PT entregaram hoje (13), ao presidente regional da legenda, João Batista, carta na qual criticam a possibilidade de o PT abrir mão de candidatura própria, nas eleições ao Governo do Estado em 2014, para se aliar ao PMDB já no primeiro turno. 
Leia a cópia encaminhada ao Face da Perereca pelo professor Luís Cavalcante: 

“Senhor presidente do Diretório Regional do Partido dos Trabalhadores do Pará – João Batista 

Nesta terça-feira, 13 de agosto, nós militantes do Partido dos Trabalhadores estamos aqui para expressar nossa posição política sobre o destino do partido que construímos e procurar interferir em seu destino. Fazemos isso porque somos construtores de sua história e temos a certeza de que ele é uma ferramenta de transformação social que pertence aos trabalhadores brasileiros. 

Queremos de forma construtiva e respeitosa apresentar nossos argumentos sobre os rumos que acreditamos que o PT deve trilhar: 

1. É com muita preocupação que temos acompanhado as especulações nas mídias tradicionais, nas redes sociais e no interior do Partido dos Trabalhadores sobre uma provável aliança, já no primeiro turno, entre o PT do Pará e o PMDB comandado pelo Senador Jader Barbalho; 

2. É mais espantoso, ainda, que essa possibilidade seja cogitada logo após a condenação judicial do senador do PMDB por desvios de recursos públicos da SUDAM e as manifestações de ruas ocorridas no mês de junho de 2013, que questionaram as nossas envelhecidas instituições políticas. Instituições partidárias enrijecidas por uma forma de organização burocratizada, que tendem a cada dia a ser controladas por uma maioria de parlamentares carreiristas e dirigentes partidários profissionalizados, onde a tônica é o afastamento da militância partidária e da população da participação das decisões políticas, como ficou evidenciado no episódio do sepultamento do plebiscito sobre a reforma política proposto pela presidenta Dilma; 

3. Nós petistas sempre fomos avessos a práticas políticas ou tomadas de decisões que não fossem amplamente debatida no interior do PT, que não escutassem os amplos setores partidários e os militantes que tem construindo e constroem a história do maior partido de esquerda da América Latina. Mas há algum tempo temos nos acostumado a aceitar políticas de alianças e práticas políticas não condizentes com nossa história de vida e nossa história de lutas. Nem por isso temos deixado de fortalecer o PT, de defender as mudanças que realizamos no Brasil e as enormes conquistas que nossos sucessivos governos têm trazido para população trabalhadora, especialmente para os mais pobres, os sempre esquecidos por aqueles que seguiram o receituário neoliberal e quase sempre impuseram mais miséria aos miseráveis, enquanto tornavam os mais abastados mais ricos. 

4. Se há tempo para defender o legado histórico do PT e de nosso governo, haverá também tempo para dizer basta as práticas políticas equivocadas e os caminhos tortuosos que nosso partido tem tomado. Há muito nossos mandatos parlamentares perderam suas características coletivas. Há muito nossos parlamentares e ocupantes de cargos executivos deixaram de prestar contas e de fazer o bom debate com a militância partidária. Há muito nossos dirigentes se burocratizaram. Há muito a vida partidária foi rotinizada por uma burocracia especializada que decide quase tudo sem levar em conta a existência da militância do PT, apesar aparecimento das redes sociais, que potencializa sua participação. Nos tornamos um partido de militantes profissionalizados, de políticos profissionais desconectados da sociedade civil e pautado pela lógica de que a governabilidade está acima de tudo. Em nome dela até os nossos princípios partidários podem ser negociados. Reconhecemos as mudanças significativas promovidas internamente no PT sobre a participação das minorias (mulheres, jovens etc...) na direção partidária. Reconhecemos ainda o pioneirismo do PT em criar eleições diretas para escolha de seus dirigentes. Mas isso precisa ser conectado com uma efetiva renovação partidária. 

5. Vivemos um momento impar na sociedade brasileira. As manifestações de junho nos colocaram novas questões e nos desafiam a encontrar novas maneira de governar, que estimulem a participação popular e a tomada de decisão pelo povo sobre as questões de interesses públicos. É hora de nos renovarmos, de abandonarmos os atalhos e escolhermos os caminhos mais longos e mais condizentes com a defesa da ética na política e com o programa de nosso partido. Queremos a reforma política, o financiamento público de campanha, que acabe com um sistema eleitoral corrupto, que nos fez jogar o jogo conforme as regras estabelecidas e que, consequentemente, é a origem dos escândalos políticos que envolveram muitos de nossos dirigentes partidários. Queremos simplesmente o que agora parece impossível, mas que em algum lugar de nossa história já foi a nossa meta partidária: queremos um PT ético, militante, democrático e de luta! 

6. É por estas razões que a aliança com o PMDB do Pará e abdicação de uma candidatura própria para disputar o governo do estado nos parece uma hipótese desastrosa e desagregadora de nossa militância. É uma rendição que caminha na contramão dos recentes acontecimentos que vivenciamos no país. Não é hora de capitular, não é hora de ser pragmático, de colocar a tática eleitoral, a disputa pequena, acima da necessidade de reconstrução partidária. Muito pelo contrário. É hora de mostrarmos nossa vitalidade, de nos refundarmos, é hora de refazermos o percurso, é hora de aprendermos com nossos erros e de coletivamente construirmos um novo caminho, que começa pela definição de candidatura própria ao governo, que seja forte, combativa e que sirva a tarefa de mudar as condições de vida do povo paraense e que fortaleça a reorganização do PT. 

Mas ela é apenas o primeiro passo! 

Alberto Betinho Cunha 
Ana Cristina Louchard 
Ana Maria Barros Medrado 
Caio Vinicius 
Cintia Monteiro 
Daniel Farias 
Diógenes Brandão 
Edson Junior 
Eduardo Rosas 
Erinaldo Ramos 
Fátima Duarte Gonçalves 
Fernando Brito 
Filipe Rosa 
Flavio Lauande 
Glaydson Canelas 
Guilherme Marssena 
Helena Braga 
Humberto Lopes 
Isaura Campos 
João Paulo Moraes 
Joelson Yan Amaral 
Jorge Amorim 
Jorge Rezende 
José Maria Silva 
Josué Carvalho 
Leone Gama 
Lúcia Miranda 
Luis Carlos Cavalcante 
Marquinho do PT 
Nádia Cortez Brasil 
Nazaré Barbosa Cavalcante 
Patrick Paraense 
Paulo Alves 
Paulo Lessa 
Professora Milene Lauande 
Roger Ruan 
Sandro Batista 
Smile Golobovante 
Tatiana Oliveira

Um comentário:

guilherme de MARABÁ disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk huas huas huas huas huas essa foi boa saiu agua do olho de tanto rir