quarta-feira, 11 de janeiro de 2023

Lula tem de arrancar os dentes da serpente. E a hora é agora.


Foto: Agência EBC


O presidente Luís Inácio Lula da Silva erra, e erra feio, em sua tentativa de aplacar os ânimos, negociar com militares bolsonazistas, ainda mantidos em posições estratégicas nas Forças Armadas.

Talvez os meses na prisão, o casamento recente, ou até a convivência com o Alckmin, tenham deixado Lula demasiado Zen.

Daí não perceber que não há como negociar ou contemporizar com militares bolsonazistas.

O que eles querem é tomar o poder.

E já deixaram claro que farão de um tudo para isso.

Ou alguém acredita que não houve envolvimento de vários deles, nos atentados do último domingo?

Mas Lula se ilude: acha que pode pacificar a sociedade brasileira, sem arrancar os dentes da serpente.

E empurra com a barriga, algo que não deveria postergar.

Não sou petista, mas admiro, profundamente, o Lula.

Foram muitos os eventos que lhe permitiram ultrapassar obstáculos impressionantes.

Como se a Fortuna sempre desse um jeito de socorrê-lo, transformando as pedras, as quedas e as dores nos alicerces de uma poderosa e inspiradora biografia.

Agora mesmo, temos um desses eventos, ou fenômenos, ou circunstâncias, como se prefira chamar.

O destino do Brasil está tão ligado ao da Democracia, que não há como os Estados Unidos e a Europa permitirem que o neonazismo se apodere deste país, estratégico em vários aspectos.

Como já escrevi, várias vezes: se os militares bolsonazistas tentarem um golpe, provavelmente, não conseguirão.

Mas, se conseguirem, não se sustentarão no poder, uma vez que enfrentarão o bloqueio econômico, ou até mais do que isso, por parte das nações democráticas do mundo, à frente os EUA.

Além disso, Lula possui, neste momento, enorme apoio para avançar contra o bolsonazismo, devido à repulsa da sociedade aos atos terroristas do último domingo.

É a Fortuna a bafejá-lo com circunstâncias, talvez únicas para os mandatários deste país, historicamente refém de militares que se acreditam "tutores" da Nação.

Lula precisa agarrar essa oportunidade: tem de enfrentar os militares bolsonazistas, para que as Forças Armadas se atenham ao seu papel constitucional.

Tem de nomear um ministro da Defesa de pulso firme, que se faça respeitar.

Tem de colocar no comando e nos cargos estratégicos das três Armas, militares leais à Constituição, e não aqueles que um grupelho se acha no “direito” de lhe empurrar goela abaixo.

E para esse grupelho, que se pretende acima da Lei, o destino deve ser a Reserva, aposentadoria, ou o afastamento de funções nas quais possam seguir ameaçando a República.

Se Lula insistir nessa impossível negociação com os militares bolsonazistas, isso poderá lhe custar o mandato, e a todos nós, a Democracia.

Temos apenas dois anos para tirar este país do buraco, reconstruir as instituições e conquistar amplo apoio social.

Porque, daqui a dois anos, haverá eleições nos EUA.

E se Trump ou outro neonazista conseguir se eleger, os militares bolsonazistas terão apoio externo para um golpe.

Precisamos, portanto, estar prontos para enfrentar esse possível vendaval, com alguma chance de vitória.

Nesses poucos mais de 700 dias, além de melhorar substancialmente a situação econômica e social do país, teremos de desbolsonarizar as nossas polícias, Forças Armadas, Congresso, Judiciário, serviço público em geral; teremos de arrancar as garras dos empresários que usam o agronegócio para o crime; reduzir o mais possível a influência das redes de fake news; tratar milhões de brasileiros que foram vítimas de lavagem cerebral; politizar a sociedade, para que ela compreenda a importância da Democracia e das nossas instituições.

Espero que Deus ilumine o Lula, para que ele caia na real.

A delicada costura política com todas as forças que o apoiaram, ou que podem ajudar na governabilidade, é uma coisa.

E, para isso, nada melhor do que o Lulinha Paz e Amor.

Mas para enfrentar o bolsonazismo das Forças Armadas, melhor chamar o Lula líder sindical.

Porque tal líder sabe muito bem quando inexiste qualquer possibilidade de diálogo, e é preciso bater na mesa.

Iludiram-se os companheiros que imaginaram que esse nosso frentão democrático, esse nosso saco de gatos, poderia simplesmente se desmobilizar, após as eleições.

Esquerdas e direita teremos de continuar juntos e misturados, por um longo tempo, para não acabarmos, todos, triturados pelo neonazismo.

O governo de Lula terá de ser ainda mais “ameno” do que nas suas administrações anteriores, para contemplar o amplo leque de apoios de que necessita.

E embora muitos companheiros das esquerdas considerem isso quase que uma “heresia”, temos é de torcer pelo fortalecimento da direita democrática, para que ela “capture” milhões de cidadãos, que, do contrário, acabarão nas garras do extremismo.

O episódio do último domingo só não foi ainda pior, porque, além das condições adversas no exterior e da reação de Lula e do ministro Alexandre de Moraes, os bolsonazistas cometeram um erro tático, ao atacarem primeiro o Distrito Federal, e com tamanha fúria.

É uma das fragilidades de quem se utiliza de massas robotizadas, movidas a ódio e amargura, e de lideranças demasiadamente pulverizadas.

Mesmo assim, esse episódio demonstra o quanto é urgente esmagar a máquina neonazista, para reunificar e pacificar o Brasil.

Mas isso só será possível se desarticularmos os militares bolsonazistas, que são os dentes da serpente.

Tomara que Lula não perca o bonde da História.


FUUUIIII!!!!


segunda-feira, 2 de janeiro de 2023

Um dia histórico para o Brasil e o mundo: a posse de Lula como presidente da República, pela terceira vez. Veja e leia a íntegra de seus discursos.

Lula sobe a rampa do Palácio do Planalto, em companhia de representantes dos vários Brasis. A foto é de Tânia Rêgo, da Agência Brasil.



A Perereca registra a íntegra dos discursos de Luís Inácio Lula da Silva, neste histórico 01/01/2023, quando ele, pela terceira vez, assumiu a Presidência da República.

Uma data marcante para o Brasil e o mundo, eis que a eleição de Lula representou uma importante vitória das forças democráticas do Planeta contra o neonazismo.

Graças a Deus, vencemos esta batalha, mas a guerra continua.

Não será fácil reerguer o Brasil. E mais difícil ainda será varrermos deste país todo o ódio semeado por essa ideologia da morte, que é o nazismo.

Mas se existe um cidadão talhado para liderar essa tarefa é Luís Inácio.

Que Deus o ilumine e proteja.

E que abra as Suas asas sobre o nosso país.

---------------------- 

O primeiro vídeo é o discurso na cerimônia de posse, no Congresso. O segundo, é o emocionado discurso no Parlatório, após receber a faixa de presidente.









Abaixo, os discursos escritos.


O discurso no Congresso, na cerimônia de  posse como presidente da República, que extraí do site da Agência Câmara de Notícias:

 

“Pela terceira vez compareço a este Congresso Nacional para agradecer ao povo brasileiro o voto de confiança que recebemos. Renovo o juramento de fidelidade à Constituição da República, junto com o vice-presidente Geraldo Alckmin e os ministros que conosco vão trabalhar pelo Brasil.

 

Se estamos aqui, hoje, é graças à consciência política da sociedade brasileira e à frente democrática que formamos ao longo desta histórica campanha eleitoral.

 

Foi a democracia a grande vitoriosa nesta eleição, superando a maior mobilização de recursos públicos e privados que já se viu; as mais violentas ameaças à liberdade do voto, a mais abjeta campanha de mentiras e de ódio tramada para manipular e constranger o eleitorado.

 

Nunca os recursos do estado foram tão desvirtuados em proveito de um projeto autoritário de poder. Nunca a máquina pública foi tão desencaminhada dos controles republicanos. Nunca os eleitores foram tão constrangidos pelo poder econômico e por mentiras disseminadas em escala industrial.

 

Apesar de tudo, a decisão das urnas prevaleceu, graças a um sistema eleitoral internacionalmente reconhecido por sua eficácia na captação e apuração dos votos. Foi fundamental a atitude corajosa do Poder Judiciário, especialmente do Tribunal Superior Eleitoral, para fazer prevalecer a verdade das urnas sobre a violência de seus detratores.

 

SENHORAS E SENHORES PARLAMENTARES,

 

Ao retornar a este plenário da Câmara dos Deputados, onde participei da Assembleia Constituinte de 1988, recordo com emoção os embates que travamos aqui, democraticamente, para inscrever na Constituição o mais amplo conjunto de direitos sociais, individuais e coletivos, em benefício da população e da soberania nacional.

 

Vinte anos atrás, quando fui eleito presidente pela primeira vez, ao lado do companheiro vice-presidente José Alencar, iniciei o discurso de posse com a palavra “mudança”. A mudança que pretendíamos era simplesmente concretizar os preceitos constitucionais. A começar pelo direito à vida digna, sem fome, com acesso ao emprego, saúde e educação.

 

Disse, naquela ocasião, que a missão de minha vida estaria cumprida quando cada brasileiro e brasileira pudesse fazer três refeições por dia.

 

Ter de repetir este compromisso no dia de hoje – diante do avanço da miséria e do regresso da fome, que havíamos superado – é o mais grave sintoma da devastação que se impôs ao país nos anos recentes.

 

Hoje, nossa mensagem ao Brasil é de esperança e reconstrução. O grande edifício de direitos, de soberania e de desenvolvimento que esta Nação levantou, a partir de 1988, vinha sendo sistematicamente demolido nos anos recentes. É para reerguer este edifício de direitos e valores nacionais que vamos dirigir todos os nossos esforços.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

Em 2002, dizíamos que a esperança tinha vencido o medo, no sentido de superar os temores diante da inédita eleição de um representante da classe trabalhadora para presidir os destinos do país. Em oito anos de governo deixamos claro que os temores eram infundados. Do contrário, não estaríamos aqui novamente.

 

Ficou demonstrado que um representante da classe trabalhadora podia, sim, dialogar com a sociedade para promover o crescimento econômico de forma sustentável e em benefício de todos, especialmente dos mais necessitados. Ficou demonstrado que era possível, sim, governar este país com a mais ampla participação social, incluindo os trabalhadores e os mais pobres no orçamento e nas decisões de governo.

 

Ao longo desta campanha eleitoral vi a esperança brilhar nos olhos de um povo sofrido, em decorrência da destruição de políticas públicas que promoviam a cidadania, os direitos essenciais, a saúde e a educação. Vi o sonho de uma Pátria generosa, que ofereça oportunidades a seus filhos e filhas, em que a solidariedade ativa seja mais forte que o individualismo cego.

 

O diagnóstico que recebemos do Gabinete de Transição de Governo é estarrecedor. Esvaziaram os recursos da Saúde. Desmontaram a Educação, a Cultura, Ciência e Tecnologia. Destruíram a proteção ao Meio Ambiente. Não deixaram recursos para a merenda escolar, a vacinação, a segurança pública, a proteção às florestas, a assistência social.

 

Desorganizaram a governança da economia, dos financiamentos públicos, do apoio às empresas, aos empreendedores e ao comércio externo. Dilapidaram as estatais e os bancos públicos; entregaram o patrimônio nacional. Os recursos do país foram rapinados para saciar a cupidez dos rentistas e de acionistas privados das empresas públicas.

 

É sobre estas terríveis ruínas que assumo o compromisso de, junto com o povo brasileiro, reconstruir o país e fazer novamente um Brasil de todos e para todos.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

Diante do desastre orçamentário que recebemos, apresentei ao Congresso Nacional propostas que nos permitam apoiar a imensa camada da população que necessita do estado para, simplesmente, sobreviver.

 

Agradeço à Câmara e ao Senado pela sensibilidade frente às urgências do povo brasileiro. Registro a atitude extremamente responsável do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal de Contas da União frente às situações que distorciam a harmonia dos poderes.

 

Assim fiz porque não seria justo nem correto pedir paciência a quem tem fome.

 

Nenhuma nação se ergueu nem poderá se erguer sobre a miséria de seu povo.

 

Os direitos e interesses da população, o fortalecimento da democracia e a retomada da soberania nacional serão os pilares de nosso governo.

 

Este compromisso começa pela garantia de um Programa Bolsa Família renovado, mais forte e mais justo, para atender a quem mais necessita. Nossas primeiras ações visam a resgatar da fome 33 milhões de pessoas e resgatar da pobreza mais de 100 milhões de brasileiras e brasileiros, que suportaram a mais dura carga do projeto de destruição nacional que hoje se encerra.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

Este processo eleitoral também foi caracterizado pelo contraste entre distintas visões de mundo. A nossa, centrada na solidariedade e na participação política e social para a definição democrática dos destinos do país. A outra, no individualismo, na negação da política, na destruição do estado em nome de supostas liberdades individuais.

 

A liberdade que sempre defendemos é a de viver com dignidade, com pleno direito de expressão, manifestação e organização.

 

A liberdade que eles pregam é a de oprimir o vulnerável, massacrar o oponente e impor a lei do mais forte acima das leis da civilização. O nome disso é barbárie.

 

Compreendi, desde o início da jornada, que deveria ser candidato por uma frente mais ampla do que o campo político em que me formei, mantendo o firme compromisso com minhas origens. Esta frente se consolidou para impedir o retorno do autoritarismo ao país.

 

A partir de hoje, a Lei de Acesso à Informação voltará a ser cumprida, o Portal da Transparência voltará a cumprir seu papel, os controles republicanos voltarão a ser exercidos para defender o interesse público. Não carregamos nenhum ânimo de revanche contra os que tentaram subjugar a Nação a seus desígnios pessoais e ideológicos, mas vamos garantir o primado da lei. Quem errou responderá por seus erros, com direito amplo de defesa, dentro do devido processo legal. O mandato que recebemos, frente a adversários inspirados no fascismo, será defendido com os poderes que a Constituição confere à democracia.

 

Ao ódio, responderemos com amor. À mentira, com a verdade. Ao terror e à violência, responderemos com a Lei e suas mais duras consequências.

 

Sob os ventos da redemocratização, dizíamos: ditadura nunca mais! Hoje, depois do terrível desafio que superamos, devemos dizer: democracia para sempre!

 

Para confirmar estas palavras, teremos de reconstruir em bases sólidas a democracia em nosso país. A democracia será defendida pelo povo na medida em que garantir a todos e a todas os direitos inscritos na Constituição.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

Hoje mesmo estou assinando medidas para reorganizar as estruturas do Poder Executivo, de modo que voltem a permitir o funcionamento do governo de maneira racional, republicana e democrática. Para resgatar o papel das instituições do estado, bancos públicos e empresas estatais no desenvolvimento do país. Para planejar os investimentos públicos e privados na direção de um crescimento econômico sustentável, ambientalmente e socialmente.

 

Em diálogo com os 27 governadores, vamos definir prioridades para retomar obras irresponsavelmente paralisadas, que são mais de 14 mil no país. Vamos retomar o Minha Casa, Minha Vida e estruturar um novo PAC para gerar empregos na velocidade que o Brasil requer. Buscaremos financiamento e cooperação – nacional e internacional – para o investimento, para dinamizar e expandir o mercado interno de consumo, desenvolver o comércio, exportações, serviços, agricultura e a indústria.

 

Os bancos públicos, especialmente o BNDES, e as empresas indutoras do crescimento e inovação, como a Petrobras, terão papel fundamental neste novo ciclo. Ao mesmo tempo, vamos impulsionar as pequenas e médias empresas, potencialmente as maiores geradoras de emprego e renda, o empreendedorismo, o cooperativismo e a economia criativa.

 

A roda da economia vai voltar a girar e o consumo popular terá papel central neste processo.

 

Vamos retomar a política de valorização permanente do salário-mínimo. E estejam certos de que vamos acabar, mais uma vez, com a vergonhosa fila do INSS, outra injustiça restabelecida nestes tempos de destruição. Vamos dialogar, de forma tripartite – governo, centrais sindicais e empresariais – sobre uma nova legislação trabalhista. Garantir a liberdade de empreender, ao lado da proteção social, é um grande desafio nos tempos de hoje.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

O Brasil é grande demais para renunciar a seu potencial produtivo. Não faz sentido importar combustíveis, fertilizantes, plataformas de petróleo, microprocessadores, aeronaves e satélites. Temos capacitação técnica, capitais e mercado em grau suficiente para retomar a industrialização e a oferta de serviços em nível competitivo.

 

O Brasil pode e deve figurar na primeira linha da economia global.

 

Caberá ao estado articular a transição digital e trazer a indústria brasileira para o Século XXI, com uma política industrial que apoie a inovação, estimule a cooperação público-privada, fortaleça a ciência e a tecnologia e garanta acesso a financiamentos com custos adequados.

 

O futuro pertencerá a quem investir na indústria do conhecimento, que será objeto de uma estratégia nacional, planejada em diálogo com o setor produtivo, centros de pesquisa e universidades, junto com o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, os bancos públicos, estatais e agências de fomento à pesquisa.

 

Nenhum outro país tem as condições do Brasil para se tornar uma grande potência ambiental, a partir da criatividade da bioeconomia e dos empreendimentos da socio-biodiversidade. Vamos iniciar a transição energética e ecológica para uma agropecuária e uma mineração sustentáveis, uma agricultura familiar mais forte, uma indústria mais verde.

 

Nossa meta é alcançar desmatamento zero na Amazônia e emissão zero de gases do efeito estufa na matriz elétrica, além de estimular o reaproveitamento de pastagens degradadas. O Brasil não precisa desmatar para manter e ampliar sua estratégica fronteira agrícola.

 

Incentivaremos, sim, a prosperidade na terra. Liberdade e oportunidade de criar, plantar e colher continuará sendo nosso objetivo. O que não podemos admitir é que seja uma terra sem lei. Não vamos tolerar a violência contra os pequenos, o desmatamento e a degradação do ambiente, que tanto mal já fizeram ao país.

 

Esta é uma das razões, não a única, da criação do Ministério dos Povos Indígenas. Ninguém conhece melhor nossas florestas nem é mais capaz de defendê-las do que os que estavam aqui desde tempos imemoriais. Cada terra demarcada é uma nova área de proteção ambiental. A estes brasileiros e brasileiras devemos respeito e com eles temos uma dívida histórica.

 

Vamos revogar todas as injustiças cometidas contra os povos indígenas.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

Uma nação não se mede apenas por estatísticas, por mais impressionantes que sejam. Assim como um ser humano, uma nação se expressa verdadeiramente pela alma de seu povo. A alma do Brasil reside na diversidade inigualável da nossa gente e das nossas manifestações culturais.

 

Estamos refundando o Ministério da Cultura, com a ambição de retomar mais intensamente as políticas de incentivo e de acesso aos bens culturais, interrompidas pelo obscurantismo nos últimos anos.

 

Uma política cultural democrática não pode temer a crítica nem eleger favoritos. Que brotem todas as flores e sejam colhidos todos os frutos da nossa criatividade, Que todos possam dela usufruir, sem censura nem discriminações.

 

Não é admissível que negros e pardos continuem sendo a maioria pobre e oprimida de um país construído com o suor e o sangue de seus ascendentes africanos. Criamos o Ministério da Promoção da Igualdade Racial para ampliar a política de cotas nas universidades e no serviço público, além de retomar as políticas voltadas para o povo negro e pardo na saúde, educação e cultura.

 

É inadmissível que as mulheres recebam menos que os homens, realizando a mesma função. Que não sejam reconhecidas em um mundo político machista. Que sejam assediadas impunemente nas ruas e no trabalho. Que sejam vítimas da violência dentro e fora de casa. Estamos refundando também o Ministério das Mulheres para demolir este castelo secular de desigualdade e preconceito.

 

Não existirá verdadeira justiça num país em que um só ser humano seja injustiçado. Caberá ao Ministério dos Direitos Humanos zelar e agir para que cada cidadão e cidadã tenha seus direitos respeitados, no acesso aos serviços públicos e particulares, na proteção frente ao preconceito ou diante da autoridade pública. Cidadania é o outro nome da democracia.

 

O Ministério da Justiça e da Segurança Pública atuará para harmonizar os Poderes e entes federados no objetivo de promover a paz onde ela é mais urgente: nas comunidades pobres, no seio das famílias vulneráveis ao crime organizado, às milícias e à violência, venha ela de onde vier.

 

Estamos revogando os criminosos decretos de ampliação do acesso a armas e munições, que tanta insegurança e tanto mal causaram às famílias brasileiras. O Brasil não quer mais armas; quer paz e segurança para seu povo.

 

Sob a proteção de Deus, inauguro este mandato reafirmando que no Brasil a fé pode estar presente em todas as moradas, nos diversos templos, igrejas e cultos. Neste país todos poderão exercer livremente sua religiosidade.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

O período que se encerra foi marcado por uma das maiores tragédias da história: a pandemia de Covid-19. Em nenhum outro país a quantidade de vítimas fatais foi tão alta proporcionalmente à população quanto no Brasil, um dos países mais preparados para enfrentar emergências sanitárias, graças à competência do nosso Sistema Único de Saúde.

 

Este paradoxo só se explica pela atitude criminosa de um governo negacionista, obscurantista e insensível à vida. As responsabilidades por este genocídio hão de ser apuradas e não devem ficar impunes.

 

O que nos cabe, no momento, é prestar solidariedade aos familiares, pais, órfãos, irmãos e irmãs de quase 700 mil vítimas da pandemia.

 

O SUS é provavelmente a mais democrática das instituições criadas pela Constituição de 1988. Certamente por isso foi a mais perseguida desde então, e foi, também, a mais prejudicada por uma estupidez chamada Teto de Gastos, que haveremos de revogar.

 

Vamos recompor os orçamentos da Saúde para garantir a assistência básica, a Farmácia Popular, promover o acesso à medicina especializada. Vamos recompor os orçamentos da Educação, investir em mais universidades, no ensino técnico, na universalização do acesso à internet, na ampliação das creches e no ensino público em tempo integral. Este é o investimento que verdadeiramente levará ao desenvolvimento do país.

 

O modelo que propomos, aprovado nas urnas, exige, sim, compromisso com a responsabilidade, a credibilidade e a previsibilidade; e disso não vamos abrir mão. Foi com realismo orçamentário, fiscal e monetário, buscando a estabilidade, controlando a inflação e respeitando contratos que governamos este país.

 

Não podemos fazer diferente. Teremos de fazer melhor.

 

SENHORAS E SENHORES,

 

Os olhos do mundo estiveram voltados para o Brasil nestas eleições. O mundo espera que o Brasil volte a ser um líder no enfrentamento à crise climática e um exemplo de país social e ambientalmente responsável, capaz de promover o crescimento econômico com distribuição de renda, combater a fome e a pobreza, dentro do processo democrático.

 

Nosso protagonismo se concretizará pela retomada da integração sul-americana, a partir do Mercosul, da revitalização da Unasul e demais instâncias de articulação soberana da região. Sobre esta base poderemos reconstruir o diálogo altivo e ativo com os Estados Unidos, a Comunidade Europeia, a China, os países do Oriente e outros atores globais; fortalecendo os BRICS, a cooperação com os países da África e rompendo o isolamento a que o país foi relegado.

 

O Brasil tem de ser dono de si mesmo, dono de seu destino. Tem de voltar a ser um país soberano. Somos responsáveis pela maior parte da Amazônia e por vastos biomas, grandes aquíferos, jazidas de minérios, petróleo e fontes de energia limpa. Com soberania e responsabilidade seremos respeitados para compartilhar essa grandeza com a humanidade – solidariamente, jamais com subordinação.

 

A relevância da eleição no Brasil refere-se, por fim, às ameaças que o modelo democrático vem enfrentando. Ao redor do planeta, articula-se uma onda de extremismo autoritário que dissemina o ódio e a mentira por meios tecnológicos que não se submetem a controles transparentes.

 

Defendemos a plena liberdade de expressão, cientes de que é urgente criarmos instâncias democráticas de acesso à informação confiável e de responsabilização dos meios pelos quais o veneno do ódio e da mentira são inoculados. Este é um desafio civilizatório, da mesma forma que a superação das guerras, da crise climática, da fome e da desigualdade no planeta.

 

Reafirmo, para o Brasil e para o mundo, a convicção de que a Política, em seu mais elevado sentido – e apesar de todas as suas limitações – é o melhor caminho para o diálogo entre interesses divergentes, para a construção pacífica de consensos. Negar a política, desvalorizá-la e criminalizá-la é o caminho das tiranias.

 

Minha mais importante missão, a partir de hoje, será honrar a confiança recebida e corresponder às esperanças de um povo sofrido, que jamais perdeu a fé no futuro nem em sua capacidade de superar os desafios. Com a força do povo e as bênçãos de Deus, haveremos der reconstruir este país.

 

Viva a democracia!

 

Viva o povo brasileiro!

 

Muito obrigado”.

 

O discurso de Lula no Parlatório, após receber a faixa de presidente, que extraí do site da Revista Forum:

 

"Quero começar fazendo uma saudação especial a cada um e a cada uma de vocês. Uma forma de lembrar e retribuir o carinho e a força que recebia todos os dias do povo brasileiro – representado pela Vigília Lula Livre –, num dos momentos mais difíceis da minha vida.

 

Hoje, neste que é um dos dias mais felizes da minha vida, a saudação que eu faço a vocês não poderia ser outra, tão singela e ao mesmo tempo tão cheia de significado:

 

Boa tarde, povo brasileiro!

 

Minha gratidão a vocês, que enfrentaram a violência política antes, durante e depois da campanha eleitoral. Que ocuparam as redes sociais, e que tomaram as ruas, debaixo de sol e chuva, nem que fosse para conquistar um único e precioso voto.

 

Que tiveram a coragem de vestir a nossa camisa e, ao mesmo tempo, agitar a bandeira do Brasil – quando uma minoria violenta e antidemocrática tentava censurar nossas cores e se apropriar do verde- amarelo, que pertence a todo o povo brasileiro.

 

A vocês, que vieram de todos os cantos deste país – de perto ou de muito longe, de avião, de ônibus, de carro ou na boleia de caminhão. De moto, bicicleta e até mesmo a pé, numa verdadeira caravana da esperança, para esta festa da democracia.

 

Mas quero me dirigir também aos que optaram por outros candidatos. Vou governar para os 215 milhões de brasileiros e brasileiras, e não apenas para quem votou em mim.

 

Vou governar para todas e todos, olhando para o nosso luminoso futuro em comum, e não pelo retrovisor de um passado de divisão e intolerância.

 

A ninguém interessa um país em permanente pé de guerra, ou uma família vivendo em desarmonia. É hora de reatarmos os laços com amigos e familiares, rompidos pelo discurso de ódio e pela disseminação de tantas mentiras.

 

O povo brasileiro rejeita a violência de uma pequena minoria radicalizada que se recusa a viver num regime democrático.

 

Chega de ódio, fake news, armas e bombas. Nosso povo quer paz para trabalhar, estudar, cuidar da família e ser feliz.

 

A disputa eleitoral acabou. Repito o que disse no meu pronunciamento após a vitória em 30 de outubro, sobre a necessidade de unir o nosso país.

 

“Não existem dois brasis. Somos um único país, um único povo, uma grande nação.”

 

Somos todos brasileiros e brasileiras, e compartilhamos uma mesma virtude: nós não desistimos nunca.

 

Ainda que nos arranquem todas as flores, uma por uma, pétala por pétala, nós sabemos que é sempre tempo de replantio, e que a primavera há de chegar. E a primavera chegou.

 

Hoje, a alegria toma posse do Brasil, de braços dados com a esperança.

 

Minhas queridas amigas e meus amigos.

 

Recentemente, reli o discurso da minha primeira posse na Presidência, em 2003. E o que li tornou ainda mais evidente o quanto o Brasil andou para trás.

 

Naquele 1º de janeiro de 2003, aqui nesta mesma praça, eu e meu querido vice José Alencar assumimos o compromisso de recuperar a dignidade e a autoestima do povo brasileiro – e recuperamos. De investir para melhorar as condições de vida de quem mais necessita – e investimos. De cuidar com muito carinho da saúde e da educação – e cuidamos.

 

Mas o principal compromisso que assumimos em 2003 foi o de lutar contra a desigualdade e a extrema pobreza, e garantir a cada pessoa deste país o direito de tomar café da manhã, almoçar e jantar todo santo dia – e nós cumprimos esse compromisso: acabamos com a fome e a miséria, e reduzimos fortemente a desigualdade.

 

Infelizmente hoje, 20 anos depois, voltamos a um passado que julgávamos enterrado. Muito do que fizemos foi desfeito de forma irresponsável e criminosa.

 

A desigualdade e a extrema pobreza voltaram a crescer. A fome está de volta – e não por força do destino, não por obra da natureza, nem por vontade divina.

 

A volta da fome é um crime, o mais grave de todos, cometido contra o povo brasileiro.

 

A fome é filha da desigualdade, que é mãe dos grandes males que atrasam o desenvolvimento do Brasil. A desigualdade apequena este nosso país de dimensões continentais, ao dividi-lo em partes que não se reconhecem.

 

De um lado, uma pequena parcela da população que tudo tem. Do outro lado, uma multidão a quem tudo falta, e uma classe média que vem empobrecendo ano após ano.

 

Juntos, somos fortes. Divididos, seremos sempre o país do futuro que nunca chega, e que vive em dívida permanente com o seu povo.

 

Se queremos construir hoje o nosso futuro, se queremos viver num país plenamente desenvolvido para todos e todas, não pode haver lugar para tanta desigualdade.

 

O Brasil é grande, mas a real grandeza de um país reside na felicidade de seu povo. E ninguém é feliz de fato em meio a tanta desigualdade.

 

Minhas amigas e meus amigos,

 

Quando digo “governar”, eu quero dizer “cuidar”. Mais do que governar, vou cuidar com muito carinho deste país e do povo brasileiro.

 

Nestes últimos anos, o Brasil voltou a ser um dos países mais desiguais do mundo. Há muito tempo não víamos tamanho abandono e desalento nas ruas.

 

Mães garimpando lixo, em busca do alimento para seus filhos.

 

Famílias inteiras dormindo ao relento, enfrentando o frio, a chuva e o medo.

 

Crianças vendendo bala ou pedindo esmola, quando deveriam estar na escola, vivendo plenamente a infância a que têm direito.

 

Trabalhadoras e trabalhadores desempregados exibindo, nos semáforos, cartazes de papelão com a frase que nos envergonha a todos: “Por favor, me ajuda”.

 

Fila na porta dos açougues, em busca de ossos para aliviar a fome. E, ao mesmo tempo, filas de espera para a compra de automóveis importados e jatinhos particulares.

 

Tamanho abismo social é um obstáculo à construção de uma sociedade verdadeiramente justa e democrática, e de uma economia próspera e moderna.

 

Por isso, eu e meu vice Geraldo Alckmin assumimos hoje, diante de vocês e de todo o povo brasileiro, o compromisso de combater dia e noite todas as formas de desigualdade.

 

Desigualdade de renda, de gênero e de raça. Desigualdade no mercado de trabalho, na representação política, nas carreiras do Estado. Desigualdade no acesso a saúde, educação e demais serviços públicos.

 

Desigualdade entre a criança que frequenta a melhor escola particular, e a criança que engraxa sapato na rodoviária, sem escola e sem futuro. Entre a criança feliz com o brinquedo que acabou de ganhar de presente, e a criança que chora de fome na noite de Natal.

 

Desigualdade entre quem joga comida fora, e quem só se alimenta das sobras.

 

É inadmissível que os 5% mais ricos deste país detenham a mesma fatia de renda que os demais 95%.

 

Que seis bilionários brasileiros tenham uma riqueza equivalente ao patrimônio dos 100 milhões mais pobres do país.

 

Que um trabalhador ou trabalhadora que ganha um salário mínimo mensal leve 19 anos para receber o equivalente ao que um super rico recebe em um único mês.

 

E não adianta subir o vidro do automóvel de luxo, para não ver nossos irmãos que se amontoam debaixo dos viadutos, carentes de tudo – a realidade salta aos olhos em cada esquina.

 

Minhas amigas e meus amigos.

 

É inaceitável que continuemos a conviver com o preconceito, a discriminação e o racismo. Somos um povo de muitas cores, e todas devem ter os mesmos direitos e oportunidades.

 

Ninguém será cidadão ou cidadã de segunda classe, ninguém terá mais ou menos amparo do Estado, ninguém será obrigado a enfrentar mais ou menos obstáculos apenas pela cor de sua pele.

 

Por isso estamos recriando o Ministério da Igualdade Racial, para enterrar a trágica herança do nosso passado escravista.

 

Os povos indígenas precisam ter suas terras demarcadas e livres das ameaças das atividades econômicas ilegais e predatórias. Precisam ter sua cultura preservada, sua dignidade respeitada e sua sustentabilidade garantida.

 

Eles não são obstáculos ao desenvolvimento – são guardiões de nossos rios e florestas, e parte fundamental da nossa grandeza enquanto nação. Por isso estamos criando o Ministério dos Povos Indígenas, para combater 500 anos de desigualdade.

 

Não podemos continuar a conviver com a odiosa opressão imposta às mulheres, submetidas diariamente à violência nas ruas e dentro de suas próprias casas.

 

É inadmissível que continuem a receber salários inferiores ao dos homens, quando no exercício de uma mesma função. Elas precisam conquistar cada vez mais espaço nas instâncias decisórias deste país – na política, na economia, em todas as áreas estratégicas.

 

As mulheres devem ser o que elas quiserem ser, devem estar onde quiserem estar. Por isso, estamos trazendo de volta o Ministério das Mulheres.

 

Foi para combater a desigualdade e suas sequelas que nós vencemos a eleição. E esta será a grande marca do nosso governo.

 

Dessa luta fundamental surgirá um país transformado. Um país grande, próspero, forte e justo. Um país de todos, por todos e para todos. Um país generoso e solidário, que não deixará ninguém para trás.

 

Minhas queridas companheiras e meus queridos companheiros.

 

Reassumo o compromisso de cuidar de todos os brasileiros e brasileiras, sobretudo daqueles que mais necessitam. De acabar outra vez com a fome neste país. De tirar o pobre da fila do osso para colocá-lo novamente no Orçamento.

 

Temos um imenso legado, ainda vivo na memória de cada brasileiro e cada brasileira, beneficiário ou não das políticas públicas que fizeram uma revolução neste país.

 

Mas não nos interessa viver do passado. Por isso, longe de qualquer saudosismo, nosso legado será sempre o espelho do futuro que vamos construir para este país.

 

Em nossos governos, o Brasil conciliou crescimento econômico recorde com a maior inclusão social da história. E se tornou a sexta maior economia do mundo, ao mesmo tempo em que 36 milhões de brasileiras e brasileiros saíram da extrema pobreza.

 

Geramos mais de 20 milhões de empregos com carteira assinada e todos os direitos assegurados. Reajustamos o salário mínimo sempre acima de inflação.

 

Batemos recorde de investimentos em educação – da creche à universidade –, para fazer do Brasil um exportador também de inteligência e conhecimento, e não apenas de commodities e matéria-prima.

 

Nós mais que dobramos o número de estudantes no ensino superior, e abrimos as portas das universidades para a juventude pobre deste país. Jovens brancos, negros e indígenas, para quem o diploma universitário era um sonho inalcançável, tornaram-se doutores.

 

Combatemos um dos grandes focos de desigualdade – o acesso à saúde. Porque o direito à vida não pode ser refém da quantidade de dinheiro que se tem no banco.

 

Fizermos o Farmácia Popular, que forneceu medicamentos a quem mais precisava, e o Mais Médicos, que levou atendimento a cerca de 60 milhões de brasileiros e brasileiras, nas periferias das grandes cidades e nos pontos mais remotos do Brasil.

 

Criamos o Brasil Sorridente, para cuidar da saúde bucal de todos os brasileiros e brasileiras.

 

Fortalecemos o nosso Sistema Único de Saúde. E quero aproveitar para fazer um agradecimento especial aos profissionais do SUS, pela grandiosidade do trabalho durante a pandemia. Enfrentaram bravamente, ao mesmo tempo, um vírus letal e um governo irresponsável e desumano.

 

Nos nossos governos, investimos na agricultura familiar e nos pequenos e médios agricultores, responsáveis por 70% dos alimentos que chegam à nossa mesa. E fizemos isso sem descuidar do agronegócio, que obteve investimentos e safras recordes, ano após ano.

 

Tomamos medidas concretas para conter as mudanças climáticas, e reduzimos o desmatamento da Amazônia em mais de 80%.

 

O Brasil consolidou-se como referência mundial no combate à desigualdade e à fome, e passou a ser internacionalmente respeitado, pela sua política externa ativa e altiva

 

Fomos capazes de realizar tudo isso cuidando com total responsabilidade das finanças do país. Nunca fomos irresponsáveis com o dinheiro público.

 

Fizemos superávit fiscal todos os anos, eliminamos a dívida externa, acumulamos reservas de cerca de 370 bilhões de dólares e reduzimos a dívida interna a quase metade do que era anteriormente.

 

Nos nossos governos, nunca houve nem haverá gastança alguma. Sempre investimos, e voltaremos a investir, em nosso bem mais precioso: o povo brasileiro.

 

Infelizmente, muito do que construímos em 13 anos foi destruído em menos da metade desse tempo. Primeiro, pelo golpe de 2016 contra a presidenta Dilma. E na sequência, pelos quatro anos de um governo de destruição nacional cujo legado a História jamais perdoará:

 

700 mil brasileiros e brasileiras mortos pela Covid.

 

125 milhões sofrendo algum grau de insegurança alimentar, de moderada a muito grave.

 

33 milhões passando fome.

 

Estes são apenas alguns números. Que na verdade não são apenas números, estatísticas, indicadores – são pessoas. Homens, mulheres e crianças, vítimas de um desgoverno afinal derrotado pelo povo, no histórico 30 de outubro de 2022.

 

Os Grupos Técnicos do Gabinete de Transição, que por dois meses mergulharam nas entranhas do governo anterior, trouxeram a público a real dimensão da tragédia.

 

O que o povo brasileiro sofreu nestes últimos anos foi a lenta e progressiva construção de um genocídio.

 

Quero citar, a título de exemplo, um pequeno trecho das 100 páginas desse verdadeiro relatório do caos produzido pelo Gabinete de Transição. Diz o relatório:

 

“O Brasil bateu recordes de feminicídios, as políticas de igualdade racial sofreram severos retrocessos, produziu-se um desmonte das políticas de juventude, e os direitos indígenas nunca foram tão ultrajados na história recente do país.

 

Os livros didáticos que deverão ser usados no ano letivo de 2023 ainda não começaram a ser editados; faltam remédios no Farmácia Popular; não há estoques de vacinas para o enfrentamento das novas variantes da COVID-19.

 

Faltam recursos para a compra de merenda escolar; as universidades corriam o risco de não concluir o ano letivo; não existem recursos para a Defesa Civil e a prevenção de acidentes e desastres. Quem está pagando a conta deste apagão é o povo brasileiro.”

 

Meus amigos e minhas amigas.

 

Nesses últimos anos, vivemos, sem dúvida, um dos piores períodos da nossa história. Uma era de sombras, de incertezas e de muito sofrimento. Mas esse pesadelo chegou ao fim, pelo voto soberano, na eleição mais importante desde a redemocratização do país.

 

Uma eleição que demonstrou o compromisso do povo brasileiro com a democracia e suas instituições.

 

Essa extraordinária vitória da democracia nos obriga a olhar para a frente e a esquecer nossas diferenças, que são muito menores que aquilo que nos une para sempre: o amor pelo Brasil e a fé inquebrantável em nosso povo.

 

Agora, é hora de reacendermos a chama da esperança, da solidariedade e do amor ao próximo.

 

Agora é hora de voltar a cuidar do Brasil e do povo brasileiro. Gerar empregos, reajustar o salário mínimo acima da inflação, baratear o preço dos alimentos.

 

Criar ainda mais vagas nas universidades, investir fortemente na saúde, na educação, na ciência e na cultura.

 

Retomar as obras de infraestrutura e do Minha Casa Minha Vida, abandonadas pelo descaso do governo que se foi.

 

É hora de trazer investimentos e reindustrializar o Brasil. Combater outra vez as mudanças climáticas e acabar de uma vez por todas com a devastação de nossos biomas, sobretudo a Amazônia.

 

Romper com o isolamento internacional e voltar a se relacionar com todos os países do mundo.

 

Não é hora para ressentimentos estéreis. Agora é hora de o Brasil olhar para a frente e voltar a sorrir.

 

Vamos virar essa página e escrever, em conjunto, um novo e decisivo capítulo da nossa história.

 

Nosso desafio comum é o da criação de um país justo, inclusivo, sustentável, criativo, democrático e soberano, para todos os brasileiros e brasileiras.

 

Fiz questão de dizer ao longo de toda a campanha: o Brasil tem jeito. E volto a dizer com toda convicção, mesmo diante do quadro de destruição revelado pelo Gabinete de Transição: o Brasil tem jeito. Depende de nós, de todos nós.

 

Em meus quatro anos de mandato, vamos trabalhar todos os dias para o Brasil vencer o atraso de mais de 350 anos de escravidão. Para recuperar o tempo e as oportunidades perdidas nesses últimos anos. Para reconquistar seu lugar de destaque no mundo. E para que cada brasileiro e cada brasileira tenha o direito de voltar a sonhar, e as oportunidades para realizar aquilo que sonha.

 

Precisamos, todos juntos, reconstruir e transformar o Brasil.

Mas só reconstruiremos e transformaremos de fato este país se lutarmos com todas as forças contra tudo aquilo que o torna tão desigual.

 

Essa tarefa não pode ser de apenas um presidente ou mesmo de um governo. É urgente e necessária a formação de uma frente ampla contra a desigualdade, que envolva a sociedade como um todo:

 

trabalhadores, empresários, artistas, intelectuais, governadores, prefeitos, deputados, senadores, sindicatos, movimentos sociais, associações de classe, servidores públicos, profissionais liberais, líderes religiosos, cidadãos e cidadãs comuns.

 

É tempo de união e reconstrução.

 

Por isso, faço este chamamento a todos os brasileiros e brasileiras que desejam um Brasil mais justo, solidário e democrático: juntem-se a nós num grande mutirão contra a desigualdade.

 

Quero terminar pedindo a cada um e a cada uma de vocês: que a alegria de hoje seja a matéria-prima da luta de amanhã e de todos os dias que virão. Que a esperança de hoje fermente o pão que há de ser repartido entre todos.

 

E que estejamos sempre prontos a reagir, em paz e em ordem, a quaisquer ataques de extremistas que queiram sabotar e destruir a nossa democracia.

 

Na luta pelo bem do Brasil, usaremos as armas que nossos adversários mais temem: a verdade, que se sobrepôs à mentira; a esperança, que venceu o medo; e o amor, que derrotou o ódio.

 

Viva o Brasil. E viva o povo brasileiro!"

------

E veja aqui quem são os cidadãos que acompanharam Lula na subida da rampa do Planalto e quem lhe entregou a faixa de presidente: https://www.brasildefato.com.br/2023/01/01/posse-presidencial-saiba-quem-subiu-a-rampa-e-passou-a-faixa-para-lula

sábado, 24 de dezembro de 2022

Um Feliz Natal pra todos vocês!


Que Deus derrame uma chuva de bênçãos sobre todos vocês neste Natal. 

E que Ele nos ajude a reconstruir o nosso Brasil e a transformá-lo em um país repleto de amor.

Pra vocês!


sábado, 29 de outubro de 2022

O bolsonarismo é nazista. Bolsonaro tem ligações com neonazistas desde 2004. E você precisa saber disso antes de votar.



A esta altura do campeonato, já não sei mais o que dizer para abrir os seus olhos, meu irmão, minha irmã.

Se saber que o bolsonarismo é nazista; se saber que Bolsonaro tem ligações com neonazistas desde 2004 (https://pererecadavizinha.blogspot.com/2022/10/bolsonaro-tem-ligacoes-com-neonazistas.html); se saber que os nazistas, na Alemanha, assassinavam até recém-nascidos; se nada disso lhe comove ou lhe assusta, em relação ao destino do Brasil, o que mais posso dizer?

Domingo passado, você viu na TV, o ex-deputado bolsonarista Roberto Jefferson, recebeu policiais federais à bala.

Ele disparou 60 tiros de fuzil, além de lançar três granadas, contra os policiais, ferindo dois deles: https://pererecadavizinha.blogspot.com/2022/10/jefferson-e-bolsonaro-uma-profunda.html

Hoje, outra bolsonarista, a deputada federal Carla Zambelli sacou uma arma e perseguiu um homem negro, em uma rua de São Paulo, colocando em risco um monte de pessoas.

Para se justificar, ela disse que aquele homem a empurrou, jogando-a no chão, mas há um vídeo mostrando que ele não tocou nela e que ela caiu sozinha:https://www.metropoles.com/colunas/guilherme-amado/video-mostra-que-zambelli-nao-foi-empurrada-antes-de-sacar-a-arma

Mais sobre o caso aqui: https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2022/10/29/aliada-de-bolsonaro-zambelli-segue-jefferson-e-provoca-terror-armado-em-sp.htm

Você acha que isso são “casos isolados”?

Não, meu irmão, minha irmã: o bolsonarismo é uma seita extremamente violenta.

Em maio deste ano, publiquei um levantamento com 12 de casos que me pareceram reveladores acerca do ódio e da intolerância dessas pessoas: https://pererecadavizinha.blogspot.com/2022/05/uma-seita-perigosa-violencia.html

A lista mostra que você pode ser cuspido, xingado, espancado, atropelado, e até mesmo assassinado, por qualquer coisa que desagrade um bolsonarista: a cor da sua camiseta, um produto que está vendendo, uma resposta a um xingamento.

O maior exemplo disso foi o assassinato do petista Marcelo Arruda, guarda municipal no estado do Paraná, em junho deste ano.

Marcelo estava comemorando o seu aniversário, com uma dessas festinhas que acontecem em qualquer cidade, todos os dias.

Mas o bolsonarista Jorge Guaranhos, um policial penal, soube da festa e foi lá, xingar, provocar.

E quando o Marcelo reagiu, jogando um punhado de terra no carro do Guaranhos, o bolsonarista se sentiu “humilhado”.

E quando voltou àquele local, invadiu a festa dando tiros: https://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2022/09/09/assassinado-tesoureiro-do-pt-dois-meses-apos-crime-acusado-que-e-apoiador-de-bolsonaro-ainda-nao-foi-ouvido.ghtml

Ele baleou o Marcelo na frente da mulher e dos filhos.

E se o Marcelo, antes de morrer, não tivesse baleado o Guaranhos, será que não teríamos ali uma chacina?

Quando foi, meu irmão, minha irmã, que você viu esse ódio, essa violência política no Brasil?

É esse o Brasil que você quer deixar para os seus filhos e netos?

Um Brasil onde a gente vive com medo de ser a próxima vítima desses sujeitos?

Um Brasil onde a gente não pode nem mesmo usar uma determinada cor, ou ser de uma determinada religião, ou amar quem quiser, porque pode aparecer uma besta-fera desocupada, que vai lhe cuspir, xingar, bater, e até matar?

É preciso compreender que a essência do nazismo é a violência e o ódio.

Para o nazismo, a vida dos outros não tem nenhum valor.

Você tem de pertencer ao que eles chamam de “raça superior”: a “raça” branca.

E tem de fazer tudo o que eles querem.

Inclusive, ficar em silêncio, enquanto eles massacram seres humanos.

Na Alemanha, nas décadas de 1930 e 1940, os nazistas assassinaram 6 milhões de judeus.

E milhões e milhões de russos, poloneses, tchecos, franceses, gays, ciganos, comunistas, Testemunhas de Jeová, deficientes físicos e mentais.

E qualquer um que eles achassem “inferior”. 

E qualquer um que resistisse a eles, seja fazendo oposição, seja apenas ajudando as pessoas que estavam massacrando.

Eles mataram crianças, bebezinhos, grávidas, idosos, para eles não fazia diferença, porque a especialidade deles é matar.

Mataram pessoas no meio da rua, em campos de trabalhos forçados; fuziladas, à beira de covas coletivas; sufocadas com gás venenoso, em câmaras de gás; em guetos, em dolorosas experiências científicas.

E hoje, mesmo depois de derrotados na Segunda Guerra Mundial, ressurgem como neonazistas (novos nazistas), em vários países do mundo.

E, novamente, tentam destruir a Democracia, para instaurar ditaduras, eliminar os que consideram “inferiores” e garantir uma boa vida apenas à “raça superior”.

Não é à toa que o mundo está com os olhos voltados, neste momento, para o Brasil.

As forças democráticas vão travar, neste domingo (30), no Brasil, uma batalha decisiva não apenas para este país, mas para todas as Democracias do mundo.

Então, pense muito bem em como votar.

Lembre dos quase 700 mil mortos que tivemos na pandemia, boa parte deles pobres, pretos, idosos, doentes.

Lembre que só não morreu muito mais gente porque Bolsonaro ainda não possuía poderes de um ditador.

Governadores, prefeitos, Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) forçaram esse homem a dar auxílio financeiro às famílias mais pobres e a comprar vacinas, além de obrigarem o uso de máscaras e fecharem os comércios, para impedir que esse vírus se espalhasse ainda mais.

Só que agora, Bolsonaro comprou o Centrão com o Orçamento Secreto, e tem o Congresso na mão.

Bolsonaristas e ele mesmo já sinalizaram várias vezes que vão interferir no Supremo, aumentando o número de juízes, para que ele tenha maioria lá.

E quanto aos governadores e prefeitos, eles estarão, no ano que vem, de pires na mão, sem dinheiro para programas sociais, por exemplo, já que perderam boa parte dos recursos do ICMS.

Ou seja: se Bolsonaro for reeleito, e tivermos uma nova epidemia, igual ou pior do que a covid, é bem possível que não tenhamos vacinas e nenhuma medida para conter o avanço da doença.

Então, pense muito bem na sua escolha deste segundo turno.

FUUUIIII!!!!!