Ban

quinta-feira, 24 de março de 2011

Juíza manda retirar do ar matéria sobre aluguel da casa de Milton Nobre ao Governo do Estado.


Comunico aos leitores da Perereca que estou retirando ar a matéria sobre a casa que o desembargador e conselheiro do CNJ, Milton Nobre, aluga ao Governo do Estado.
Tal se deve à decisão judicial abaixo, que publico na íntegra.
Depois de retirar a matéria em tela, vou procurar a OAB, a Defensoria Pública e, inclusive, o CNJ, vez que penso que essa decisão agride a Constituição Federal, que todos devemos amar e defender.
No entanto, faço este comunicado para que não restem dúvidas acerca do cumprimento dela.

36 comentários:

Santiago fernandes (Acadêmico de Direito) disse...

Pra mim tanto fez e tanto faz, já li mesmo, e minha voz, mesmo formiguinha, ecoará singelamente para que as pessoas saibam de quem se trata, apesar de que não me assustei, já vi coisa bem pior por ai, Murrietamente falando. Mas acho que valeu sua postagem, muita gente, mas muita gente que realmente se interessa por noticias leu e depois a materia ficou pra trás e não interessa mais. Só não pare de nos informar. Bj no coração da minha perereca amada e perfumada.

Zacarias Martins disse...

Mas que absurdo. O tempo da censura não havia acabado?

Anônimo disse...

Ok
Milton venceu!
Faça o seguinte, retire toda matéria mas deixe esse mandado postado.

Anônimo disse...

Tiroooooooooooooooooo minha calcinha na rua se a OAB, vai se pronunciarrrrrrr.
Quero ver agora a frase de efeito de jarbinha fazer valer: “Não existe direito adquirido à imoralidade”

Anônimo disse...

Ataca agora o judiciário Jarbas

Jeso Carneiro disse...

Não quer calar: a transação entre o Jatene II e o desembargador Milton Pública não é pública e notória pelo fato de envolver verbas públicas?

Anônimo disse...

Tomara que a OAB se pronuncie. mas o pior é ter um sindicato de jornalistas inoperante!!!! Isso é censura das brabas.
Perereca vc é demais! também já li, pronto e to falando horroresssss.

Anônimo disse...

Palhaçada!
E ainda tem gente que acredita na Justiça do Pará. Um bando corporativista que não se cansa de 'fazer e acontecer' e que fica posando de vestais!
Toda solidariedade a você Ana Célia e a seu excelente trabalho jornalístico.

Celivaldo Carneiro

Anônimo disse...

Já estamos vendo os primeiros resultados das cooptações ocorridas no “preenchimento” dos “cargos de confiança” no Governo J & J.

O Judiciário se deu bem e agora está retribuindo.

No mais puro estilo da Tucolandia, onde o critério é “técnico” e as escolhas priorizando o “mais preparados” para a TREVA !!!

Viva o Pará !!

Minha solidariedade total para a corajosa Jornalista Ana Célia Pinheiro.

Meu repudio total para essa turma de “Bons Companheiros”.

Tiberio Alloggio

Anônimo disse...

Que vergonha! O CNJ também já entrou na vala comum, foi contaminado pelo poder da justiça do Brasil.

Anônimo disse...

é minha amiga.Acho que vc arranjou sarna pra se coçar.Fico me perguntzndo do que vc vive.Tá trabalhando pra algum veículo?os frilas tão pagando bem?pq só vejo vc publicar seus escritos por aqui e isso não paga as contas ou alguém anda bancando o blog?
A vida de ninguém resiste a uma lenta microscópica, nem a sua.deixa de tentar ser palmatória do mundo e pratique apenas o bom jornalismo.Coisa que vc sabe fazer muito bem.

Anônimo disse...

É uma pena que a censura seja a saída pra esse tipo de questão. Ainda mais quando é usada por pessoas conhecedoras da lei e que integram um
colegiado tão importante como o CNJ.

Anônimo disse...

Cara amiga Perereca, com mais essa lambança do Judiciário o CNJ com certeza vera como está crítica a situação dos paraense com o Judiciário que aí está.

Ananindeua Debates disse...

Nossa solidariedade ao Blog da Perereca da Vizinha e a Jornalista Ana Celia Pinheiro. Censura Não!

Anônimo disse...

Uma pessoa com a capacidade e a história do desembargador não deveria lançar mão da censura ao contestar críticas ou acusações.

Anônimo disse...

Vamos fazer uma vaquinha pra ajudar a Perereca a pagar essa multa, enquanto o CNJ não se pronuncia

Anônimo disse...

Fui ao site do TJPA e sequer achei o andamento do processo!

Estará ele em sigilo?

Espero que esta Juíza julgue com a mesma celeridade os casos no qual a Dona Maria pede uma indenização do vizinho!!!

Parabéns Perereca!

Att.,

MARCOS TEIXEIRA

Anônimo disse...

Certissimo o cidadao Milton de lutar contra pessoas que acham que tudo podem sob o manto do "jornalismo". Jornalismo serio eh uma coisa, sensacionalismo barato, financiado e motivado por dinheiro e interesses escusos eh outra. Parabens ao judiciario que sabe defender pessoas de bem contra outras q se utilizam desses metodos covardes para denegrir a imagem e a historia de vida de gente seria como o desembargador agredido por falsas insinuacoes!!!

Dr.Black Horse disse...

Senhores.

Trata-se de uma decisão judicial que pode ser questionada lá por cima. Penso que a censura é vergonhosa, mas saibam que grande parte dos juízes do Pará não concordam com isto. Quem se sente prejudicado com notícias falsas que recorra a Justiça e peça indenização.No caso nem cabe, pois é verdadeira a notícia, e a dona perereca apenas disse que isto é imoral, dentro da crítica e liberdade de expressão. Mas, censurar é foda. Desculpe o palavrão. Penso que só caberá mandado de segurança, já que em juizados especiais não cabe recurso de agravo da liminar concedida. O mandado é para a turma recursal e não para o Tribunal.
Para a juíza não é fácil negar pedido do conselheiro do CNJ e desembargador, tem que ter peito, e os que tem, são aqueles que normalmente são esquecidos pelo Tribunal.
Se for representar a juíza, meta também o conselheiro Milton.OK..bjs
O Poder Judiciário é maior que seus integrantes, sendo o refúgio dos necessitados de Justiça. Perereca, você a terá. Confie.

Anônimo disse...

Ana, lamentável, lamentável! Em que século estamos mesmo? Como tenho mais de 60 lembrei agora de como era a moral empregada pelos da época em que fui criada sobre os atos das pessoas. Todo mundo sabia de tudo, de todas as sujeiras da família, mas nem pensasse em falar alguma coisa a respeito. Hoje, mudou apenas o modo de punir - já que a própria justiça proibiu a palmatória de madeira - mandam que nos calemos. Só que para calarmos temos também que ficar surdos e cegos. Não é esta a sociedade que quero para mim e meus descendentes. Danem-se!!!

Anônimo disse...

Minha solidariedade. Infelizmente, ao invés de exercer o direito de resposta pela via administrativa, te interpelar judicialmente para que confirmasses - ou não - o que escreveste, te processar penalmente por injúria, calúnia ou difamação, ou ajuizar ação ordinária de indenização por dano moral e/ou material, o desembargador Milton Nobre preferiu logo a medida antecipatória. A tutela da justiça nesses casos, através de medida liminar, já com a previsão de punições, equivale à censura à imprensa, violando a garantia constitucional à liberdadde de informação e de expressão. Lamento que este procedimento esteja se tornando corriqueiro no Brasil, servindo de intimidação aos jornalistas e desservindo o esclarecimento público das questões suscitadas pela imprensa. É um prenúncio ruim para a democracia no Brasil, ainda tão precária. As pessoas ofendidas devem procurar a reparação aos danos que alegam sofrer, mas a via processual adotada com crescente frequência não é compatível com a ordem democarática.
Lúcio Flávio Pinto

Alcyr Lima disse...

Quem são esses bostas que se auto-denominam "gente de bem"? Serão , na verdade, "gente de bens"?
E "nosotros" somos pessoas do mal? Mal pagas? Mal servidas pelo Estado? Mal amparadas pelo Judiciário paraense? Mal podemos falar, reclamar, criticar? Mal podemos saber das sacanagens desta "gente de bem"?
Ô das 7:28, se fores "de bem" MOSTRA TUA CARA, que a minha tu vais ver aqui embaixo.

Alcyr Lima disse...

Cara jornalista, conte conosco. Não se cale diante das bandalheiras deste povo que ainda não esqueceu que o mundo não é mais somente deles.

Hiroshi Bogéa disse...

Minha solidariedade havia antecipado à tarde, ao condenar esse atentado à liberdade de expressão em post publicado no HB On Line. Ratifo tudo em "sua casa". Conta com a gente.

Anônimo disse...

Grande primor de exemplo dessa juíza para aqueles que pregam o obscurantismo e o atraso. Estamos contigo perereca. Você é um exemplo de jornalista e não vai ser essa pessoa que parece ser forte,porque togada, mas é fraca, pois se subjuga, por alguma razão, aos designios do Ofir. AFP

Blog do Piteira disse...

Isso é um enorme absurdo, Perereca! E mais absurdo ainda quando parte de um homem togado.

Será que ainda não perceberam que os entulhos autoritários herdados da Ditadura foram todos varridos para o lixeira da História?

Receba minha solidariedade ampla e irrestrita, Perereca!

Força, mulher! Não se deixe intimidar!

Anônimo disse...

Essa decisão é uma vergonha!
Parece coisa de "famiglia" italiana!

Anônimo disse...

E depois é o PT que quer a Censura de volta.

Por isso q tenho desprezo por essa nossa Justiça Paraense!!!!

Jota Ninos disse...

Minha solidariedade companheira...

Anônimo disse...

Ana Célia,

Não concordo com seus pontos de vista, sua tendência pseudo-esquerdista, tão pouco com a matéria acerca do Des. Milton Nobre, que achei sensacionalista ao extremo, sobretudo nos ataques infundados ao Marcelo.
Contudo, você TEM o direito de dizer o que acha, porque a Constituição lhe garante isso.
A segunda parte do despacho, que lhe impede de sequer citar o nome do Autor, é uma mordaça inadissível nos dias de hoje, da qual só vi igual no caso do Estadão com o Fernando Sarney. É uma pena que nossa imprensa não vá noticiar o caso, salvo, talvez, o Lúcio Flávio.
Por fim, como advogado militante não pude deixar de perceber o quanto a 1ª Vara do JE Cível, da noite pro dia, ficou célere: pauta de audiência pra 30 dias. É praticamente a Justiça do Trabalho!!! Vou querer saber dos meus estagiários, aqueles incompetentes, porque nossas audiências estão sendo marcadas somente pra 2013!! Ah, esses estagiários!!!

Val-André Mutran  disse...

Decisao absurda.
Viva a censura.

Anônimo disse...

Manda a matéria pro WikiLeaks...

Reginaldo Ramos disse...

Impressionante como o grande causador de tudo isso fica quase incólume: o JATENE.

Que a Ana Júlia fez farra com cargos em comissão, disso ninguém duvida.

Mas o JATENE não só faz farra com nomeações para cargo em comissão. Ele alicia, dolosamente, os membros do judicário.

Eu sei que não podemos deixar de surrar o judiciário. Mas devemos denunciar a prática vil do executivo de aliciar o Judiciário e o MP.

O Jatene sempre fez isso.

Esse contrato com o "nobre" membro do judiuciário data do filme Jatene I, e não filme, "Janete, o retorno"

Anônimo disse...

Solidariedades, cara Perereca. A justiça cala e consente. Cala quem denuncia e consente que seus pares ganhem seu dinheirinho extra alugando imóveis ao governo.

Socorro Bahia disse...

Estou preocupadissima com essa situação. Hoje em dia, aqui no Marajó, nossa esperança e a atuação séria do CNJ e se um de seus conselheiros esta se mostrando uma laranja podre como é que vai ficar daqui uns tempos. Estamos com voce Ana.Vamos nos reunir amanhã dez horas para darmos publicidade a este absurdo.

Anônimo disse...

TRABALHEI - em letras maiúsculas mesmo - no governo da Ana Júlia, fui diversas vezes lá e posso te garantir (sem ironia alguma) que a casa é bem maior que a descrição.
O que deve ser verificado é se houve, à época, no processo original de dispensa de licitação (amparada por lei) para locação de imóvel, laudo da SEOP avaliando o valor venal do imóvel, valor este essencial para determinação do valor máximo a ser pago em aluguel pelo Estado.