Ban

quinta-feira, 18 de março de 2010

A reinvenção da política


A postagem abaixo foi publicada pelo deputado Nilson Pinto no último dia 9, mas não resisti em trazê-la à Perereca.


Além de clara, concisa, bem escrita, aborda um tema interessantíssimo: a oportunidade gerada pela internet, especialmente pelas redes sociais, para que tenhamos maior proximidade com aqueles que nos representam; para um amplo debate sobre diferentes temas, o que, ao fim e ao cabo (imagino), é do interesse de todas as colorações partidárias.


Aborda, de certa forma, a reinvenção da política e do político – esse novo “estar” dessa nossa imensa Ágora, exigido pela instantaneidade e abundância de informação.


Daí que peço licença ao deputado para reproduzir na íntegra a postagem dele.


O link vai abaixo. E o link do blog do Nilson já consta na Perereca.


"Política e redes sociais

By nilsonpinto


Desde a eleição de Barack Obama, intensificou-se a presença de políticos de todo o mundo na internet. Nesse contexto, acho muito interessante refletir sobre o uso das redes sociais como instrumentos para fazer política. Não aquela política pequena, tacanha e interesseira, mas política no sentido pleno da expressão. Política grandiosa, atenta aos deveres dos governos e dos ocupantes de cargos públicos e, principalmente, ao bem-estar dos cidadãos. Política que se traduz em ética, dignidade e trabalho sério.


Nesse sentido, as redes sociais – em vez de ser entendidas como espaços onde simplesmente se ganha eleitores – podem se converter em espaços democráticos, onde se troca ideias de forma respeitosa, onde o debate é franco e o diálogo aberto, inclusive a críticas. É a oportunidade de cada político “ouvir” sua gente, sondar expectativas e tendências, travar contato com opiniões contrárias, ouvir sugestões e manifestar-se a tempo, opinar e colher dados para seu mandato.


A internet – todos sabem – é um território sem fronteiras onde a liberdade alcança patamares que sequer se sonhava há duas décadas. A web reescreveu papéis, redefiniu critérios e tornou-se campo para testar as novas relações sociais que surgem. E também converteu-se em termômetro privilegiado da opinião pública. Por isso se faz necessário falar de si, mas também observar: quem são, o que fazem, quais são as posições e atitudes da população de minha terra, em seus múltiplos segmentos? O que esperam? O que apreciam ou rejeitam?


Aqui na web, junto a um público instantaneamente superinformado, políticos com ou sem mandato têm uma oportunidade valiosa de criar laços importantes com a população. Podem estabelecer contatos diretos com pessoas que vivem a milhares de quilômetros, interagir com quem está distante, conhecer e serem conhecidos, além de serem introduzidos ao mundo da netiqueta que restaura as boas maneiras ao vetar exageros ou a ultrapassagem de limites.


E é necessário estar preparado para viver no mundo virtual: quem vem à web deve esperar um acompanhamento mais intenso de seu trabalho. Estará ainda mais exposto à fiscalização. E exatamente por causa disso deve estar pronto a espantar qualquer tentação à censura e ouvir o que desejam dizer seus leitores e eleitores.


Sem dúvida a web chegou para ficar na política. E espero que traga consigo as marcas do mundo virtual: práticas novas, criativas e inteligentes. No final, todos ganharemos: o País ao ver nascer uma nova relação político-eleitor (muito mais próxima e transparente), o eleitor por ter a oportunidade de dizer sua opinião diretamente ao seu representante e nós, os políticos, que, beneficiados pela força da informação correta, poderemos desenvolver ações ainda mais aprimoradas do ponto de vista ético e dos resultados práticos em favor da nossa população".


http://nilsonpinto.wordpress.com/2010/03/09/politica-e-redes-sociais/

2 comentários:

Nilson Pinto disse...

Olá Ana Célia, somente agora vi esse post e achei muito bacana. Muito obrigado pela menção. Um abraço.
Nilson Pinto

Ana Célia Pinheiro disse...

Oi, deputado! Muito obrigada pela visita. E desculpe se reproduzi seu artigo na íntegra, em vez de colocar só um pedaço, como normalmente faço, para que as pessoas se dirijam ao blog de origem. Mas é que gostei tanto dele que não resisti - e, de qualquer forma, coloquei o link, né?
Mais tarde dou mais um pulo no seu blog. E quando o senhor tiver coisas interessantes, pode mandar para a Perereca. Abs, Ana Célia