Ban

sexta-feira, 26 de março de 2010

Justiça cega I





Deputado Vic Pires Franco atribui preços
inacreditáveis aos imóveis que possui


O edifício Atalanta, na Doca com Tiradentes, onde Vic declarou seu apartamento ao Imposto de Renda por R$ 203.128,00




...e o galpão...



...com apartamento, na rua do Acampamento, anunciado para venda na internet: R$ 230 mil.



O deputado Vic Pires Franco (DEM) é um sujeito de muita, muita sorte.


Pelo menos é isso que se pode depreender da inacreditável declaração de bens que apresentou, em 2006, ao Superior Tribunal Eleitoral (TSE).

Tome-se como exemplo o apartamento de Vic no luxuoso edifício Atalanta, em plena Doca de Souza Franco, no bairro do Umarizal, onde o valor do metro quadrado está entre os mais altos de Belém.

Na declaração de bens do deputado, o valor desse apartamento, no coração da Doca, é de apenas R$ 203.128,00.

Isso mesmo, você não leu errado: pouco mais de 203 mil reais.

Segundo o site do badalado arquiteto Carlos Bratke, autor do projeto do Atalanta, cada apartamento daquele edifício (um por andar) tem piscina no próprio pavimento e 800 metros quadrados de área útil.

Em outras palavras: em cada apartamento do Atalanta cabem mais de 11 apartamentos de dois quartos, que possuem, em geral, 70 metros quadrados.

E veja bem: o apartamento de Vic, no 11 andar do Atalanta, fica numa área de Belém em que o preço do metro quadrado gira em torno de R$ 5 mil a R$ 6 mil.

Mas, embora estarrecedor, o apartamento do Atalanta não é o único bem de Vic a figurar em sua declaração de imposto de renda com um valor extraordinariamente abaixo dos preços de mercado.

Há bens, adquiridos mais recentemente (o Atalanta é da década de 90) cujos valores declarados por Vic deixam boquiabertos os profissionais do mercado imobiliário de Belém.

É o caso dos apartamentos tipo flat que possui em São Paulo e Brasília e das salas comerciais de sua propriedade no edifício Síntese XXI, na Conselheiro Furtado próximo à Alcindo Cacela, e no belíssimo edifício Connext (lê-se conect), na Dom Romulado de Seixas.

Ou, ainda, das casas que obteve, segundo ele como resultado de permuta, no Condomínio Oásis, na BR-316, atrás do Makro.



O Gastão paraense



O moderno e luxuoso edifício Connext, em Belém, onde Vic declara que comprou quatro salas por R$ 199.763,91.



Inaugurado no final do ano passado, o Connext fica, também, em área nobre: a Dom Romualdo de Seixas, às proximidades da Domingos Marreiros.


Lá, segundo um corretor de imóveis, um “loft” custa em torno de R$ 500 mil e, as salas mais baratas, com 23 metros quadrados, R$ 105 mil cada.


No entanto, na declaração de bens que Vic apresentou ao TSE, em 2006, consta que ele comprou quatro salas naquele edifício por apenas R$ 199.763,91.


Como não queria me identificar, disse a um corretor que eu tinha um amigo que me ofereceu quatro salas no Connext por R$ 199 mil.


A resposta dele: “R$ 199 mil? As quatro?... Só se for na planta, mas, não tô acreditando nesse preço nem na planta...”


Outro corretor, também de uma grande imobiliária de Belém, disse que tem para vender duas salas geminadas, no 15 andar do Connext, que totalizam 46 metros quadrados. Valor da transação: R$ 240 mil.


Inconformado com o valor atribuído às quatro salas, o corretor pegou na calculadora, fez as contas e observou: “veja só: o metro quadrado dessas duas salas que tenho para venda sai por R$ 5.270,00 – e olhe que elas não têm acabamento; estão só no cimento. Já o metro quadrados das quatro salas dessa pessoa fica em R$ 2.171,00. Não tem como, é completamente fora do mercado. A média do metro quadrado no Umarizal é de R$ 4 mil a R$ 5 mil. Aliás, qualquer construção nova em Belém, construção boa, com porcelanato, não sai por menos de R$ 4 mil o metro quadrado”.


Na internet, é possível encontrar informações sobre o arrojado Connext.


No prédio residencial, são 88 lofts em 34 andares. O revestimento externo é com pastilhas de porcelana, a fachada tem vidros reflexivos.


O piso dos apartamentos é em porcelanato e o edifício tem quatro elevadores “de alta performance”, gerador de energia, estrutura para Split e internet banda larga.


Na cobertura, há piscina aquecida com raia, bar molhado, sauna com hidromassagem, salão de jogos, deck solarium, academia climatizada e até espaço gourmet com adega, entre outros confortos.


E, da mesma forma que o prédio residencial, também o Connext Office é chiquérrimo.


São 20 andares com 130 salas comerciais e layout flexível, revestimento externo com pastilha de porcelana e vidros reflexivos, elevadores “de alta performance”, internet banda larga, gerador de energia e estrutura para air split.


Daí que um corretor não tenha resistido, ao saber do valor atribuído a essas quatro salas, e também às casas no condomínio Oásis e aos escritórios no edifício Síntese XXI: “Diga a esse cidadão que ele foi muito bem aquinhoado pela sorte. Eu só tenho é de parabenizá-lo”.


(Continua daqui a pouco)


13 comentários:

Franssinete Florenzano disse...

Parabéns, Ana Célia! Pelo Jornalismo com "J" maiúsculo que você faz e também pelo serviço público que presta, ao desmascarar um sonegador de impostos. Isso configura fraude no Imposto de Renda, no IPTU, no TRE-PA e no TSE. Além de falsidade ideológica, por declarações falsas, e estelionato eleitoral, por enganar o povo de modo cínico e contumaz.
O Pará não merece a desonra de ter esse sujeito como representante.

Anônimo disse...

Vá fundo Ana Célia que você encontrará muito mais coisas cabeludas desse sujeito, que não respeita ninguém e ainda faz pose de bacana. Só se for pra nega deles.
Tá na hora do Ministério Público se posicionar.

Anônimo disse...

Ei, perereca, onde está a parte 2?

Anônimo disse...

Perereca, gosto de seus textos, deixe de lado o Vic, vocês dois ficam se engalfinhando nos respectivos blogs, parecem crianças briguentas.
Sejá maior,

Anônimo disse...

Ei Perereca, gosto de seus textos, deixe o Vic pra lá, vocês ficam se engalfinhando, parecem crianças.
Seja maior.

Anônimo disse...

O terreno aonde está o Oasis foi vendido de forma irregular pelo Vic. É bem de herança e ele não podia vender, devido ao desejo do "de cujus". Ele fez uma maracutaia para enganar a quem de direito. Fora as outras contas no exterior, vá fundo que vc vai localizar.

Anônimo disse...

Parabens grande Jornalista, vc presta um grande serviço a poplação ao denunciar esse púlia chamado Vic, além de desonesto é deselegante e mentiroso, faz uso da Web pra se auto promover as custas de mentiras e calúnias.

Anônimo disse...

E o DETRAN? Tem novidades?

Anônimo disse...

Cadê a segunda parte? Foi o homem que te apertou e saiste na poeira, pererecuda?

Anônimo disse...

uma pergunta o Eike Batista bilionário do Brasil. será se ele recolhe 2 bilhões de reais em impostos???

Acho que o Vic tá certo ´´e melhor sub faturar do que botar em nome de laranjas.

dá uma verificada para ver se ele vendeu obras de ARTE.

Como obra de arte tem valores de dificil comparação muitos corruptos utilizam deste estrategema compram e vender por exemplo quadros de pintores famosos. compram barato e vendem caro. Para lavar o dinheiro entende.
Se ele fez isso temos ai um causo suspeito

Nonato Gomes disse...

o QUE O KIKO TEM HAVER COM ISSO??????

Ana Célia Pinheiro disse...

Só uma coisa, Nonato Gomes:

O Kiko faz tudo isso com o meu, o seu, o nosso dinheirinho. Ou você pensou que era, por acaso, com o dinheiro dele?

Lu disse...

Parabéns, Ana Célia!!! Jornalismo nota 10!!!
Luciane.