Ban

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Jader quer apoio de Duciomar para disputar Governo do Estado




Durante duas horas, na noite de anteontem, segunda (22 de fevereiro) o presidente regional do PMDB, deputado federal Jader Barbalho, e o prefeito de Belém, Duciomar Costa, do PTB, sentaram para conversar.


Em cima da mesa, a proposta peemedebista: Jader quer o apoio de Duciomar para a sua candidatura ao Governo do Estado.


Em troca,o PMDB apoiará Duciomar ao Senado.


Na coalizão, entraria, também, o PR, já que o vice-prefeito Anivaldo Vale, que preside a legenda, assumiria a Prefeitura de Belém.


A vice de Jader seria entregue ou ao PTB ou ao PR – ou até a outra legenda – que poderia ser, inclusive, o DEM.


Segundo uma fonte do PMDB, ainda não há detalhes do encontro, uma vez que a reunião terminou por volta das 21 horas e Jader viajou a Brasília ainda de madrugada.


Em Brasília, Jader esteve reunido com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, com o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, e com o presidente estadual do PT, João Batista. Mas, não havia certeza, na noite de ontem, se o quinto convidado, o deputado federal Paulo Rocha também participou do encontro.


No encontro de Brasília, a expectativa dos petistas era a de recompor as relações entre o PMDB e o Governo do Estado, com vistas à reeleição da governadora Ana Júlia Carepa.


Mas, a fonte peemedebista ouvida pelo blog já não acredita nessa possibilidade.


Na reunião com Padilha, aliás, a expectativa peemedebista era que Jader até sacasse do bolso uma proposta do líder do PMDB na Assembléia Legislativa, deputado Parsifal Pontes: o PT apóia Jader para o Governo. Em troca, leva a vice e uma das vagas ao Senado, para o deputado federal Paulo Rocha.


A curiosa proposta de Parsifal está aqui:
http://pjpontes.blogspot.com/2010/02/pedaco-de-prosa.html




Na tarde de ontem, o blog do Estado do Tapajós também noticiava uma arquitetura na mesma linha.


Mas, segundo a matéria assinada pelo jornalista Miguel Oliveira, todos os partidos da base de apoio do presidente Lula teriam espaço nesse balaio, o que possibilitaria que a ministra Dilma Rousseff tivesse um só palanque no Pará.


Em todos os cenários, Jader viria para o Governo – e a vice e as vagas ao Senado iriam para o PT, PTB e PR.


Também em uma das configurações apuradas por Miguel Oliveira, o prefeito de Belém aparece como candidato ao Senado, com o apoio do PMDB.


A postagem do Miguel está aqui:
http://blogdoestado.blogspot.com/2010/02/jader-tem-carta-na-manga.html





Tête-à- tête com Dudu




A fonte peemedebista com quem conversei na noite de ontem, disse que Jader “quer vir para o Senado, assim como quer vir para o Governo. Ele está preparado para ser candidato a governador. E não há qualquer temor da parte dele devido aos processos a que responde”.

O grande problema para uma eventual candidatura ao Governo seria, afinal, a falta de recursos financeiros para a campanha.


“Se equacionarmos esse problema, ele é candidato”, garantiu.



Daí as conversas com Duciomar.


“A aposta é que ele (Duciomar) venha com a gente. A expectativa é que ele apóie Jader ao Governo”, disse.


Depois, mais cauteloso, corrigiu: “Não digo que ele tope. Mas, há expectativa de ele topar”.


O tête-à-tête de Jader e Duciomar, na noite da última segunda-feira, foi o terceiro desde dezembro do ano passado, quando começaram as negociações.


Reticente, a fonte jurou que, pessoalmente, não acredita na hipótese: “Tem gente que acha que há 70% de chances de ele (Duciomar) aceitar. Mas, para mim, essa probabilidade fica abaixo dos 50%”.


E explicou por que: “Eu não acredito que o Duciomar largue a prefeitura de Belém para ser senador, até porque está montado na grana. Mas, ele já fez o seu pé-de-meia e o Senado é um bom mandato”.


Perguntei-lhe sobre a vice. A resposta: “Isso ficará em aberto para o PTB, o PR ou ainda outro partido. Porque, se isso fosse resolvido, iríamos atrás de outros partidos, para aumentar essa coligação. E aí eu acho que não sobraria para ninguém. A vice poderia até ser a Valéria (do DEM, ex-vice-governadora)”.



Lá pelas tantas, a fonte disse acreditar que Duciomar também deve considerar “apetitoso” o chapão que lhe foi apresentado por Jader.



Segundo ele, “não há problema nacional numa aliança assim, porque todos somos da base do governo e o Lula já disse que onde houver dois palanques (de Dilma Rousseff) ele não aparece. E o nosso palanque seria muito maior para a Dilma”.



E o DEM, que é de oposição ao governo? – perguntei. A resposta: “O que o pessoal lá em cima (Brasília) quer saber é onde a Dilma entra nisso. Eles vão atropelar qualquer diretório que brinque de prejudicar a campanha da Dilma”.



Perguntei-lhe, afinal, se o PMDB desistiu do afastamento de Duciomar da prefeitura – o prefeito foi cassado a partir de uma ação ajuizada pelo ex-deputado federal José Priante, do PMDB, que perdeu as eleições de 2008.



A resposta: “Não é uma questão de termos desistido. Nós estamos num parêntese. É jogo político. Não é questão de chantagem – e ele (Duciomar), que é uma pessoa gelada, sabe disso”.



O prefeito estaria avaliando a proposta peemedebista e “sabe as cartas que temos”.



Se topar, Jader virá ao Governo.



A fonte também ressaltou que a proposta não é “um pedido de apoio a Duciomar, já que ele vai ganhar, também”.



Na noite de ontem, também conversei com o deputado Parsifal Pontes sobre a postagem em seu blog e ele disse que traçou tal cenário para mostrar ao PT que o PMDB não tem problemas com o partido – apenas com a Democracia Socialista (DS), a corrente da governadora Ana Júlia Carepa.



“Temos pesquisas que mostram que ganhamos a eleição e queremos mostrar que não há intransigência da nossa parte”, explicou o deputado.



Jader deve retornar a Belém na tarde de hoje – ontem, a Perereca tentou, mas, não conseguiu contato com os participantes da reunião de Brasília.



Ontem, a única informação é que Jader não estaria disposto a aceitar nem mesmo o tetê-à-tête que os petistas pretendiam realizar entre ele e Ana Júlia, para que fosse “batido o martelo” da aliança de reeleição da governadora.



“Não estamos dispostos a recebê-la” – disse uma fonte, quando lhe perguntei sobre a possibilidade do tête-à-tête – “Nossa conversa é só no andar de cima. Para ele (Jader) querer conversar com ela, tem de haver um convencimento muito grande do Planalto”.




5 comentários:

Osorio Pacheco disse...

Apareceu um anônimo que deu um palpite na postagem do Parsifal, Os PT para os Petistas e repetiu no Blog 5ª Emenda e pode começar a pegar corpo.

Singular, heterodoxo, mas não impossível.
Se os raios de luz que atravessam os prismas se alinharem, um fecho de luz pode tornar o heterodoxo plausivel, possível e viável.
Veja a tese:
01. O PT já está irremediavelmente dividido.

02. O Campo Majoritário, que controla em torno de 80% do partido no estado, já não morre de amores pela reeleição de Ana Júlia.

03. Se Ana Júlia, e seu núcleo de governo, não recuarem de verdade (e não só pra inglês ver como estão fazendo com a entrega da Casa Civil), não será surpresa haver corpo mole pra campanha de reeleição ou a prometida "batida de chapa" na convenção.

04. Na convenção petista até mesmo a tese de apoiar Jader para o Governo, com um vice do PT (campo majoritário); e a dobradinha Paulo Rocha e Priante para o Senado não pode ser totalmente descartada.

05. A hipótese do item acima seria muito bem vista pelo Planalto.

06. Não é mais só o PMDB que não confia em acordos com Ana, Puty e os Monteiros: a maioria do PT hoje não confiaria seu cachorrinho para passear na praça com a Governadora e o chamado núcleo duro.

postei isso dia 7 de fevereiro

Ananindeua Debates disse...

Cara Pererequinha se esse quadro se consolidar, teremos a “Chapa do Mal”, nosso Pará volta ser noticia negativa nos noticiários Brasil Afora.
abraços.

ANDERSONNBELEM disse...

Não acredito nem um pouco que Jader venha como candidato ao governo. Esta é mais uma viagem do PMDB para tentar abarganhar com o governo da Ana Júlia. Jader Barbalho responde inúmeros processos, e uma disputa em uma capanha majoritária poderia coloca-lo na berlinda. Seria bom ver novamente a imagem de jader escondendo os seus punhos acorrentados pelas algemas da policia Federal. Não seria?

Oswaldo disse...

Ana Célia,
Veja:

Jader arriscaria sua cabeça com as dezenas de processos que tem contra si para vir disputar uma caus incerta???

Jader desperdiçaria a chance de colocar o filho a dois passos de ser governador do Estado estando na chapa como vice da Ana Júlia, sabendo que ao final do segundo mandato ela renunciaria para não ficar sem mandato legislativo???

Jader acreditaria numa possível proposta de duciomar sabendo de seu histórico de não cumpridor de promessas e de sua proximidade (dele duciomar) de Jatene???

Não acredito que nesse indicativo de candidatura própria. Acho que isso nada mais é do que supervalorização de aliança...

Mas, parabéns... êta blog paidégua...

Oswaldo

Anônimo disse...

mais do que já é agora?