Ban

sábado, 12 de dezembro de 2009

Jader reúne com Ana e PMDB prepara CPIs contra o Governo




O PMDB já tem engatilhados três pedidos de CPI contra o Governo do Estado: um para o Hangar – Centro de Convenções da Amazônia, e outros dois envolvendo as secretarias estaduais de Transportes e de Meio Ambiente (Setran e Semma), essa última sob investigação da Polícia Federal.



Todas estão à espera de uma decisão do PMDB, acerca de seu próprio destino: se irá ou não para a oposição à governadora Ana Júlia Carepa.



Ainda não há um prazo-limite para que as CPIs deixem a gaveta onde se encontram guardadas.



Mas, a verdade é que os peemedebistas andam muito, muito irritados, especialmente com o chamado núcleo duro do Governo, integrado pela Democracia Socialista (DS), a tendência petista a que pertence a governadora Ana Júlia Carepa.



A irritação do PMDB – vejam só – já atinge até o pragmático e sempre-frio Jader Barbalho.



Na manhã de ontem, Jader e Ana Júlia sentaram para um café da manhã, à convite dela, é claro.



Conversa vai, conversa vem, Ana ofereceu a Jader a Secretaria de Transportes (Setran), “de porteira fechada”.



E, ao final, pediu a Jader “um presente de Natal”: a aprovação do empréstimo de R$ 366 milhões que o Governo pretende contrair, e que virou um estica-encolhe na Assembléia Legislativa.



O pedido teria irritado Jader, até pelos fatos que antecederam o café e a almejada “prenda” natalina.



Anteontem, quinta-feira, diz-me uma fonte, Governo e PT articularam uma reunião das lideranças das bancadas partidárias na AL.



A intenção era incluir o pedido de empréstimo na pauta de votações do começo da semana que vem.



O PMDB, no entanto, aparou a bola no ar e impediu essa inclusão – uma malinagem decorrente da neurose que tomou conta do “casamento” entre petistas e peemedebistas.



E foi à luz dessa manobra fracassada que Jader e os peemedebistas interpretaram a amabilidade de Ana Júlia e o “presente” que solicitou.



“É achar que a gente é idiota”, disse um peemedebista de alto coturno.



“Ela (Ana) telefonou para o Jader ontem à tarde (na quinta-feira), logo depois disso, para marcar o café da manhã. Lá, conversou um monte de abobrinhas, prometeu a Setran e, depois, fez o pedido. E eu já até brinquei dizendo que eles (o Governo) estão nos oferecendo a Setran só agora no inverno. Porque, quando chegar o verão, pegam de volta”, completou.



Tiririca, a fonte chegou a afirmar que, para o PMDB, a brincadeira acabou: “Ou nos dão o devido valor, o devido espaço, ou vamos partir pra cima, vamos nos colocar na oposição na AL. E já temos três CPIs engatilhadas”.



No café da manhã, Jader e Ana também conversaram sobre a Vice-Governadoria, que o PMDB pleiteia, entre outros acepipes, para apoiar a reeleição da governadora.



Mas Ana teria pedido a “compreensão” de Jader, uma vez que pretende que o cargo seja ocupado por um integrante do bloco PR/PTB.



A Vice, hoje, parece ser, de fato, o pomo da discórdia entre petistas e peemedebistas, já que o PT mantém a promessa de uma das vagas ao Senado para o PMDB – nesse caso, para o próprio Jader.



“É importante que a Vice fique com o bloco PR/PTB” – diz uma fonte do Governo – “Inclusive o leque de alianças tem de ser o mais amplo possível, até para ajudar a eleger o Jader e o Paulo Rocha para o Senado”.



Na versão governista, aliás, o café da manhã teria sido “muito positivo” e Jader teria até reafirmado à governadora a intenção de manter, em 2010, a aliança vitoriosa das eleições de 2006.



No entanto, diz-me a fonte palaciana, não foi marcada nova reunião ou, ao menos, uma data para a resposta de Jader à oferta/pedido de Ana Júlia.



“Ele ficou de conversar com a bancada do PMDB”, contou o petista.



O fato por si já é estranho. E soa ainda mais esquisito quando se leva em conta o ânimo dos peemedebistas.



“Hoje, nós não queremos mais nada do governo, só respeito. Quando passarem a respeitar a nossa inteligência, voltaremos a conversar”, disse um deles.



2 comentários:

Anônimo disse...

Minha cara quem tem uma bomba chamada Prefeitura de Ananindeua precisa fica caladinho, se não os Barbalhos outra vez estarão em manchete nacional. quem avisa aliado é.

Amanda Pimentel disse...

A pergunta que não quer calar:
Se a governadora tem tanto apreço por um secretário que foi tratado como Chicão diz que foi, como será o tratamento da governadora Ana Júlia a um secretário pelo qual ele não tem tanto apreço, hein?