Ban

sábado, 10 de setembro de 2016

Ideb: Pará é lanterna do ensino médio da Região Norte e o quarto pior do Brasil. É, também, um dos piores no ensino fundamental e perde até para o Piauí e o Maranhão. Estado não alcança a meta do Ideb para o ensino médio, cuja nota cresceu apenas 0,4 nos últimos 10 anos. Tanto no médio quanto nas séries finais do fundamental, é improvável que o Pará atinja as metas do Ideb também em 2017. Mesmo assim, Seduc comemora “resultados”.






O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do ensino médio público do Pará é o pior da Região Norte e o quarto pior do Brasil.

Segundo o ranking nacional divulgado pelo jornal O Globo, no último dia 8, a nota do Pará no Ideb do ensino médio público foi de apenas 3,0, em 2015.

Atrás dele ficaram apenas Sergipe (com Ideb de 2,6), Alagoas e Rio de Grande do Norte (empatados com 2,8) e Bahia (2,9).

Em Pernambuco e São Paulo, que ocupam o primeiro lugar do ranking, o Ideb ficou em 3,9. 

Veja o Ideb do ensino médio público na Região Norte: 
Amazonas – 3,5
Acre – 3,5
Roraima – 3,4
Rondônia – 3,3
Tocantins – 3,3
Amapá – 3,1
Pará – 3,0

E aqui, extraído do jornal O Globo, o ranking nacional: 




Entre os piores também nas séries iniciais e finais do fundamental 


Segundo a reportagem, apenas quatro estados alcançaram as metas do Ideb, em 2015, para o ensino médio: Amazonas, Pernambuco, Piauí e Goiás.

Todos os demais – incluindo, é claro, o Pará – foram reprovados.

Também nas séries iniciais (primeira à quinta) e finais (sexta à nona) do ensino público fundamental, o Ideb do Pará ficou entre os piores do Norte e do Brasil.

Nas séries iniciais, o Ideb do Pará (4,3) foi o segundo pior das 27 unidades federativas, empatado com Alagoas e Amapá, e à frente apenas de Sergipe (4,1).

O melhor do ranking é São Paulo, com Ideb de 6,2. 

Veja o ranking das séries iniciais do ensino fundamental, na Região Norte: 
Acre – 5,3
Rondônia – 5,3
Roraima – 5,1
Amazonas – 5,0
Tocantins – 5,0
Amapá – 4,3
Pará – 4,3 

E veja o ranking nacional das séries iniciais: 



Nas séries finais do ensino público fundamental, o Ideb do Pará (3,6) foi o quinto pior do Brasil, à frente apenas do Amapá e Paraíba (ambos com 3,5); Bahia e Rio Grande do Norte (3,4); Alagoas (3,2), e Sergipe (3,1). 

Veja o ranking das séries finais do ensino fundamental, na Região Norte: 
Acre – 4,4
Amazonas – 4,2
Rondônia – 4,1
Tocantins – 4,0
Roraima – 3,7
Pará – 3,6
Amapá – 3,5 

E veja o ranking nacional das séries finais:




Pior que o Maranhão e o Piauí 


Nos três rankings publicados pelo jornal O Globo, o Pará perde até para dois estados paupérrimos do Nordeste, que costumam disputar com ele as lanternas dos indicadores sociais brasileiros: Maranhão e Piauí.

No Maranhão, o Ideb ficou em 3,1 no ensino médio; 4,4 nas séries iniciais; e 3,7 nas séries finais do fundamental.

No Piauí, o Ideb foi de 3,2 no ensino médio; 4,6 nos anos iniciais; e 3,9 nos anos finais.

Na Região Norte, Acre e Amazonas tiveram o quinto melhor Ideb do ensino médio público do Brasil (3,5), empatados com Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Nos anos iniciais do fundamental, Acre e Rondônia (empatados com o Mato Grosso do Sul) apresentaram o sexto melhor Ideb do país: 5,3

Nos anos finais, o Acre obteve a quinta melhor nota do Ideb (4,4).

O Ideb, que é o maior indicador da educação básica do País, considera, no cálculo, o rendimento escolar (aprovação, reprovação e abandono) e o desempenho dos alunos em testes de português e matemática – explica o jornal O Globo.

O ensino médio é de responsabilidade dos governos estaduais. Já o ensino fundamental é administrado pelas prefeituras. 


Abaixo da meta no ensino médio... 


Pesquisa da Perereca no site do Inep (Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), do Ministério da Educação, mostra que 2009 foi o único ano em que o Pará cumpriu (e até superou) a meta do Ideb para o ensino médio.

A meta, naquele ano, era de 2,7 – mas o Pará alcançou 3.0

Nos anos seguintes (2011 e 2013), as notas do Pará até caíram.

No ano passado, a nota subiu para 3,0 (ou seja, voltou ao mesmo nível de 2009, seis anos atrás).

No entanto, a meta estabelecida para 2015 era que essa nota ficasse em 3,5.

O resultado já indica que o Pará dificilmente conseguirá atingir também a meta para 2017, que é de 4,0. 

Veja o quadro: 




Em 2005, o Ideb estimado do Pará, no ensino médio, era de 2,6. Isso significa que, nos últimos dez anos, essa nota cresceu apenas 0,4.

É verdade que, nesse período, apenas dois estados (Amazonas e Pernambuco) cresceram mais de 1 ponto na nota do Ideb, enquanto outros (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe) até regrediram.

Mas também é verdade que outros dez estados, além de Amazonas e Pernambuco, cresceram acima do Pará: Piauí, Maranhão, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Goiás, Acre, Distrito Federal, Espírito Santo e Paraná.

Vale salientar, ainda, que Amazonas, Piauí e Maranhão, que possuíam as piores notas estimadas do Ideb e estavam atrás do Pará, obtiveram, no ano passado, uma nota superior a dele. 

Veja o quadro preparado pela Perereca: 

 
E aqui, a série histórica do Ideb do ensino médio, em todos os estados, extraída do Inep. Clique em cima para ampliar:





...e abaixo da meta também nas séries finais do fundamental 


Nas primeiras séries do ensino fundamental da rede pública, as metas têm sido até ultrapassadas, no Pará – tanto que a nota obtida no Ideb do ano passado (4,3) corresponde à meta fixada para 2017.

Em relação a 2005, quando o Ideb do Pará foi de 2,7, o crescimento ficou em 1,6. 

Veja o quadro específico do Pará: 



Veja a série histórica das séries iniciais do fundamental, em todos os estados: 



Já nas séries finais do fundamental, a meta do Ideb só foi alcançada em 2009.

No ano passado, a meta era de 4,4, mas a nota ficou em apenas 3,6.

Em 2005, a nota do Pará das séries finais era de 3,2.

O crescimento ínfimo do período já indica que, também aqui, o estado dificilmente conseguirá atingir a meta do Ideb para 2017, que é de 4,7. 

Veja o quadro específico do Pará:




Veja a série histórica das séries finais do fundamental:





SEDUC jura que melhorou e até comemora 



Apesar desse quadro desolador, a antecipar até fracassos futuros, a Agência Pará, a central de notícias do Governo do Estado, diz que o desempenho paraense no Ideb até melhorou.

“O Pará obteve o segundo maior crescimento da nota do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2015 e, com o resultado, subiu quatro posições no ranking nacional em comparação com os dados do levantamento de 2013”, diz o texto que está no site do Governo.

“Enquanto em 2013 o Pará ocupava a 26ª colocação no Ideb, em 2015 o Estado subiu para o 22º lugar, passando de 2,7 para 3,0 no ensino médio, à frente de Estados como Alagoas, Bahia, Rio Grande do Norte e Sergipe. Se considerada a evolução, isto é, a diferença entre a nota obtida em 2013 e 2015, o Pará, com acréscimo de 0,3 na nota, registrou resultado igual ou melhor que Unidades da Federação como Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins”, comete, ainda, o texto da Agência Pará.

Também segundo o texto, a secretária estadual de Educação, Ana Cláudia Hage, até comemorou o resultado.

“Estamos comemorando porque avançamos, o que é sinal de que estamos no caminho certo, pois fomos o segundo Estado que mais cresceu no ensino médio, apesar de 2015 ter sido um ano atípico na educação no Pará. Enfrentamos 73 dias de greve, mas tivemos uma nota maior em relação ao Ideb anterior. Isso se deve ao esforço coletivo de professores e técnicos e, especialmente, à dedicação dos nossos alunos, que abraçaram nossos projetos se preparando para a Prova Brasil. Esse resultado é uma grande vitória da sociedade paraense”, teria dito a secretária. 


Sem palavras frente à tamanha desgraceira e enrolação, a Perereca recomenda que você leia a postagem “O Rei da Urucubaca: Jatene quer desplanejar o Pará até 2030! Bollywood perdeu um grande canastrão”: http://pererecadavizinha.blogspot.com.br/2016/07/o-rei-da-urucubaca-jatene-quer.html 


E confira o texto completo da Agência Pará, para você não achar que estou exagerando. Clique em cima dos quadrinhos para ampliar:

 




Para ler a reportagem completa do jornal O Globo sobre o ranking ( que foi checado pela Perereca): http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/apenas-4-estados-atingem-metas-do-ideb-para-ensino-medio-publico-20072233

2 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente, creio que o MPF do Pará e a Justiça Federal do Pará não está tão preparados para fazer uma operação como a Lava Jato no Pará. Com todas essas provas, era para Jatene, Orly Bezerra, secretários, Zenaldo etc estarem todos presos. Cadê a operação mãos limpas no Estado MPF?

Anônimo disse...

Infelizmente o idiota povo paraense ainda vota nesses imundos. Vinte anos de tucanalha no pará, e não tem melhora. Andamos igual caranguejo.