Ban

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

MPF já recebeu informações da Sespa sobre transferência de equipamentos do SUS para o hospital Divina Providência. E pode se posicionar sobre o caso ainda nesta semana.

Já estão na mesa do procurador da República Alan Rogério Mansur da Silva as informações que ele requisitou à Secretaria Estadual de Saúde (Sespa) sobre a transferência, para o hospital Divina Providência, em Marituba, de equipamentos doados pelo SUS para a implantação de dez leitos de UTI Neonatal nos municípios de Breves e Cametá.

As informações foram requisitadas à Sespa em dezembro. O pedido foi reiterado no último dia 12. Mas só na quinta-feira, 19, é que elas chegaram às mãos do procurador.

 
A expectativa é que ainda nesta semana Mansur se posicione sobre o caso.

 
A transferência dos equipamentos do SUS para o hospital Divina Providência foi noticiada pela Perereca em 23 de novembro do ano passado.

 
O remanejamento – que não se sabe, ainda, se seria irregular – foi determinado por uma Resolução da Comissão Intergestores Bipartite do Sistema Único de Saúde do Pará( CIB-SUS-PA), publicada no Diário Oficial do Estado de 07 de novembro de 2011, caderno 3, página 13.

 
As justificativas foram a subutilização dos leitos de UTI Nenonatal já existentes no Hospítal Regional de Breves e a grande dificuldade para apoio diagnóstico e terapêutico na região de Cametá.


O Divina Providência é um hospital privado, mas mantido por uma entidade filantrópica, na Grande Belém.


Segundo a Resolução, a transferência desses equipamentos para o Divina Providência, que já conta com uma UCI Neonatal, vai contribuir para a ampliação da Rede de Alto Risco Neonatal do Pará e, conseqüentemente, para a redução da mortalidade de recém nascidos.

 
O MPF requisitou informações à Sespa a partir de um contato da Perereca, que pediu um posicionamento sobre o caso, já que o blog ignora se há ou não irregularidade em tal remanejamento.

 
As postagens sobre o caso estão aqui:
http://pererecadavizinha.blogspot.com/2011/11/sespa-transfere-para-o-hospital-divina.html 


E aqui:
http://pererecadavizinha.blogspot.com/2011/11/mpf-requisita-informacoes-sobre.html

7 comentários:

Anônimo disse...

Ilegal ou não, a população do interior é abandonada. Semana passada, a impresa noticiou a morte de um bebê oriundo de Cametá, por falta de atendimento médico, após percorrer vários hospitais, inclusive de Marituba. Esse é o governo Jatene!

Anônimo disse...

Fazer propaganda para Credito consignado pra velhinho do INSS é sacanagem Perereca!

Anônimo disse...

Mesmo que arrumem amparo legal, fica a pergunta será que as populações de Breves e Cametá não precisam desses equipamentos para os RN de lá? Médicos iriam tirar plantão lá,assim como vão para Redenção e até para Macapá bastando que paguem o valor justo para que se ausentem periódicamente da capital.E ainda pergunto qual seria a contrapartida do Divina Providência, já que há outros hospitais filantrópicos em Belem como Beneficente e Ordem Terceira que tiveram de comprar seus próprios equipamentos para poder atender ao SUS.Só resta-nos aguardar ansiosamente as explicações do Sr.hélio franco e a deliberação do MP.

Anônimo disse...

A SESPA é um centro de nepotismo e de más práticas administrativas,tem recursos a serem transferidos para municipios desde setembro e nada.O secretário é só preocupado com política partidária em beneficio do Jordy e não nomeia concursados do c153 para poder empregar os apadrinhados políticos do PPS.

Anônimo disse...

A MATERNIDADE DO POVO tambem montou a sua uti neonatal com recursos proprio e o governo ANA JULIA deixou 6 meses sem pagar.A maternidade e tambem filantropica e atende 90% de pacientes do SUS e precisa tambem ser ajudada.

Anônimo disse...

Anônimo das 5:39 tambem fiquei curioso sobre isso,agora os hospitais filantrópicos deveriam cobrar o mesmo tratamento da SESPA.

Anônimo disse...

Já passou uma semana e nada do MP se manifestar. Será que está dificil de colocar panos quentes? Afinal isso abre um precedente na legislação do SUS que então passará a equipar os hospitais privados filantrópicos que atendem SUS.