Ban

terça-feira, 20 de abril de 2010

Diálogo reaberto: Ana Júlia espera fechar aliança com PMDB até o mês que vem




A governadora Ana Júlia Carepa está otimista: embora não haja um prazo determinado para isso, ela acredita que a aliança como PMDB pode estar fechada até meados do mês que vem. “Pelo menos, vou trabalhar para isso”, disse a governadora, há pouco, à Perereca da Vizinha.


Ana não quis falar sobre a proposta entregue na noite de ontem ao presidente regional do PMDB, Jader Barbalho, pelo presidente regional do PT, João Batista, com vistas às eleições do próximo outubro.


Mas revelou que foi dela a idéia de ir à casa de Jader, na manhã de ontem, para conversar sobre a coalizão. E explicou o porquê:


“Todos os diálogos que temos tido, inclusive o último, apontavam para que a gente conversasse. Na democracia as lideranças têm de conversar, é natural. Então, por isso é que procurei o diálogo com o deputado (Jader), como tenho feito com outros partidos e lideranças”.


Perguntei à governadora se é verdade que ela e Jader já nem se falavam mais. Ela negou: “Eu tinha falado com ele por telefone há umas semanas. O que estava acontecendo é que a gente não estava conseguindo se encontrar. Mas o diálogo estava acontecendo”.


E acrescentou, mais adiante: “Se vai sair a aliança, não é uma resposta que eu tenha agora. O meu papel é procurar os partidos que integram o meu governo, para que a gente possa caminhar juntos. Isso é o que me move. Estou seguindo a estratégia das lideranças nacionais”.


Ana riu quando lhe perguntei se foi estratégica, também, a sua visita-surpresa à casa de Jader. E comentou: “ele é meu vizinho. Fui lá fazer uma visita ao meu vizinho!”


Disse que todas as conversas que manteve com Jader sempre foram muito amistosas e respeitosas: “Nunca deixamos de ser gentis; isso sempre foi uma marca das nossas conversas. Agora, na política, se discute quando há problemas a superar”.


Perguntei à governadora como ela via, em meio a todo esse esforço de negociação com o PMDB, até com a participação da direção nacional do PT, as críticas feitas, na semana passada, pelo deputado federal Zé Geraldo e pelo ex-chefe da Casa Civil, Cláudio Puty.


A resposta dela: “A gente não tem responsabilidade disso, assim como há críticas do PMDB a mim. Isso faz parte. As lideranças políticas têm liberdade de se expressar. Não creio que isso seja um problema. Vamos contornar isso e trabalhar no sentido de uma aliança ampla”.


Ana lembrou, porém, a dificuldade de aprovação, pela Assembléia Legislativa, do empréstimo de R$ 366 milhões que o Governo pretende contrair junto ao BNDES, para compensar as perdas decorrentes da crise financeira internacional.


“Há um fato inédito, que é a Assembléia Legislativa não aprovar esse empréstimo” – disse ela – “E penso que a preocupação de lideranças como o Zé Geraldo é muito mais nesse sentido. Ele sabe que os municípios estão precisando muito desses recursos”.


Perguntei também à governadora se é verdade, como diz o deputado Parsifal Pontes, que ela resolveu tomar as rédeas do próprio governo, em vez de deixar as articulações, apenas, nas mãos de interlocutores nacionais.


A resposta: “A idéia de ir lá foi minha. O PT é um partido nacional e uma coisa é a ajuda das lideranças, o que é importante. Agora, as rédeas têm de ser minhas mesmo e do partido. Quem vai fechar isso somos nós. A gente está conduzindo o diálogo com a nacional, porque as alianças também acontecem em nível nacional”.


Perguntei-lhe se admitia erros nas articulações políticas do governo, não apenas com o PMDB, mas, com a totalidade da base aliada.


“Reconheço que em todo processo político existem percalços. E, até numa relação familiar, existem situações em que, mesmo a gente se amando, há problemas. Cabe a quem tem liderança procurar superar isso”, respondeu.


Indaguei se está otimista, quanto à possibilidade de fechar a aliança com o PMDB nos próximos dias.


Disse ela: “Sou otimista por natureza. Acho que demos um passo. Sei que não é um processo da noite para o dia. Mas é um passo importante no processo de diálogo. Não podemos é perder tempo”.


Ana contou ter tido conhecimento de que vários prefeitos estiveram na Assembléia Legislativa, solicitando aos deputados a aprovação do empréstimo de R$ 366 milhões. E comentou: “Eles estão agindo legitimamente como líderes”.


Perguntei se considerava, como alegam alguns petistas, que o PMDB agiria, hoje, muito mais como inimigo do governo – seja devido às críticas veiculadas pelo grupo de comunicação dos Barbalho, seja em decorrência da relutância do partido em aprovar o empréstimo de R$ 366 milhões.


O que disse a governadora: “Acho que o PMDB é um aliado que está dentro do governo. Mas tem lideranças do PMDB que trabalham pela aliança, e tem outras que trabalham pela ruptura”.


Então, em que grupo se inclui o deputado Jader Barbalho? A resposta: “Jader está ouvindo. Como fez questão de dizer, não é o dono do partido. E vai fazer a sua avaliação em cima do que achar adequado. O que eu propus é que ele se paute pelos interesses do desenvolvimento do estado”.


E acrescentou: “Temos feito um governo inovador e estamos atraindo investimentos, como esses que resultaram na siderúrgica de Marabá. Estamos agregando valor aos nossos recursos naturais, estamos industrializando os nossos recursos. Aquilo que se sonhou durante muito tempo está finalmente acontecendo. Expus isso a ele (Jader). Falei sobre o Ofir Loyola que, pela primeira vez em muitos anos, não tem fila. Falei sobre isso: sobre todos esses imensos avanços”.


Ana disse que não foi fixado um prazo para o fechamento da aliança com o PMDB, embora esteja trabalhando para que isso aconteça nos próximos 15 dias ou até meados do mês que vem.


E observou: “Foi uma preocupação comum, nossa, a de que não podemos perder tempo. Vou trabalhar para fechar até o final do mês, mas, não posso criar expectativas. Espero que até meados do mês que vem isso esteja resolvido”.


E arrematou: “Sei que as coisas não são assim. Sei que isso merece um tempo. Quando as relações ficam difíceis, estremecidas, a gente tem de fazer um trabalho de reconquista, que nem acontece com dois namorados que têm de ter um tempo mínimo antes de poderem voltar”.

12 comentários:

Anônimo disse...

Égua tu acredita ainda nela???? todo povo do Pará sabe que é só papo furado que na prática isso não funciona.E o Jadir sabe disso, ele não é leso.

Anônimo disse...

Quer dizer que com uma visita da Ana Julia fez o Jader Barbalho ficar sensibilizado. Fez o Jader esquecer todas as mágoas, todas as ofensas da DS, fez o Jader esquecer do Puty, do Zé Geraldo, dos Monteiro, fez o Jader esquecer do que fizeram com o Halmélio, com a esposa do Parsifal. Quer dizer que com uma visita, o Jader já esqueceu das crianças que morreram na Santa Casa de MISERICÓRDIA, do caos no Ofir Loyola, da humilhação que esses pacientes estão passando em outros Estados da Federação. Quer dizer que com uma visita da Ana Julia, o Jader esqueceu do caos que está a saúde no Pará, a escalada de crimes, apesar dos concursos propagados em versos e prosas na Polícia Militar. Com uma visita, o ilustre Jader Barbalho já esqueceu do atraso que estamos atravessando num governo que a bandeira era a MUDANÇA. Com somente uma visita de alguns minutos, com intuito maquiavélico, o nosso eterno Jader Barbalho esqueceu do vergonhoso governo dessa senhora Ana Julia que decepicionou a todos, principalmente aqueles que empunharam a bandeira da MORALIDADE no serviço público, com esquemas e mais esquemas na SETRAN, na SEDUC, na CASA CIVIL na SAÚDE...? O Jader se sensibilizou? E o povo paraense, como está diante dessa canalhice?

Anônimo disse...

Os que apostam no rompimento definitivo entre Ana e Jader perderam o chão. Estão desesperados, como esses dois ai de cima.Chora tucanalha, chora!

Anônimo disse...

Eu estou cagando pra PSDB, PMDB E PT, Anônimo das 9:54.Não vivo de DAS e nem de favores a custa do dinheiro público como você que está torcendo por essa união que aliás já ocorreu e sua governadora não honrou compromissos assumidos.Os paraenses não merecem essa essa hipocrisia. Esses cretinos que se locumpletam do poder. Pobre povo do Pará que acredita em Jader Barbalho, Ana Julia e Jatene.Cada povo tem o governo que merece. Quanto é seu DAS? Maior que o da mulher do Kaveira? Coitado.

Anônimo disse...

eu quero saber é do tucunaré cpm gelada do Zolho Diçarte, lá de 'nannindeua! Ei Zolho, manda o endereço prá gente comer esse tucunaré juntos, eu levo a Ana e ela te conta mais umas coisinhas amanhã que é feriado!
PS. E não esqueçe o Chico cantando: "pega o ladrão, pega o ladrão..." ou então: "vai passar nessa avenida um samba popular...", ou melhor: " tem dias que a gente se sente, como quem partiu ou morreu..."
Ora, pfh... Anas e Jáderes, viva mesmo é o chico!
Vamo Diçarte, que esse teu nome já é uma prosa"

Anônimo disse...

Acho que esse encontro tá muito na mídia, bom político não conta as coisas que faz não, ou então mudou tudo, só falta o Jáder ter um twiiter, aí é o fim, acompanhar o Já-Já...Cruzes! Tuíta Jáder, Tuíta, Cara! Conta tudo, O zenaldo Tuiutou o Flexa e até hoje ela tá zonzo...
rs rs rs rs rs

Elizeu Souza disse...

Parabens Governadora Ana Julia Carepa, sua atitude e um gesto de grandeza e demostração de que acima de qualquer coisa o nosso povo e quem está em 1 lugar.
Esse tipo de atitude e de quem tem liderança e postura etica.
Não se deixe leva pelas criticas elas são boas servem pra que o governo avançe mais e que casos isolados de possiveis corrupção dentro do seu governo não venham a aconteçe.
Seu governo e um governo democratico quue ainda não tem as condições necessarias pra que possamos romper com anos de descasos nas mais diversas areas, mas que o povo saber que a senhora está sempre em busca de fazer com que a vida dos menos favorecidos e esquecidos pela nossa sociedade.
A senhora me dar coragem com esse exemplo de bravura e coragem, vamos juntos eu, a senhora , a Ana Celia, e todos aqueles que acreditam que podemos sempre mais em prol da nossa gente por que o nosso maior orgulho e ser do Pará e dar direitos pra nossa gente.

CJE-I disse...

Piada do Dia:

PT oferece máquina para garantir Senado a Jáder

Ronaldo disse...

A história, a tragédia e a farsa
Escrito por Ronaldo Brasiliense
Qua, 21 de Abril de 2010 10:50
Ronaldo Brasiliense

"A história se repete: a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa” (Karl Marx)

Leio na Perereca da Vizinha as entrevistas da governadora Ana Júlia Carepa (PT) e do deputado federal Jader Barbalho (PMDB) e me vem à memória o histórico debate na campanha eleitoral de 1998, no Pará, quando o tucano Almir Gabriel disputou e venceu a eleição contra Jader, até àquela altura "invicto" em disputas eleitorais.
A frase de Karl Marx que encabeça esse texto é emblemática no atual contexto. No debate na televisão, em 98, Jader Barbalho acusou Almir Gabriel. Disse que não entendia as duras críticas de Gabriel a ele se, meses antes, o próprio Gabriel, em encontro reservado, lhe havia proposto aliança política na eleição, garantindo-lhe participação no governo e apoio da máquina na eleição, dele, de Jader Barbalho, para o Senado. Gabriel, todos lembram, era o governador do estado e havia chegado ao poder em 1994 batendo o então senador Jarbas Passarinho, candidato de Barbalho.
Faço esse exercício de memória para chegar aos dias atuais. Almir Gabriel ganhou a eleição e elegeu Luiz Otávio Campos para o Senado, batendo àquela altura Ana Júlia Carepa e Hélio Gueiros.
Doze anos depois, vejam o que disse Ana Júlia Carepa à repórter Ana Célia Pinheiro, sobre a visita-surpresa que fez a Jader em sua mansão no condomínio de luxo Cristalville, onde ambos residem:
- Foi uma preocupação comum, nossa, a de que não podemos perder tempo. Vou trabalhar para fechar até o final do mês, mas, não posso criar expectativas. Espero que até meados do mês que vem isso esteja resolvido. Sei que as coisas não são assim. Sei que isso merece um tempo. Quando as relações ficam difíceis, estremecidas, a gente tem de fazer um trabalho de reconquista, que nem acontece com dois namorados que têm de ter um tempo mínimo antes de poderem voltar
Jader Barbalho também falou à Perereca. Disse que Ana Júlia ficou de lhe apresentar "um leque de motivações" para que ele discuta os termos de uma futura aliança eleitoral com seus correligionários.
Fico imaginando o que vai acontecer num futuro próximo.
Se fechar aliança eleitoral com o PT de Ana Júlia Carepa, contrariando a vontade da maioria dos peemedebistas do Pará - pelo que se lê em declarações feitas pelo príncipe herdeiro Helder Barbalho, pela ex-esposa Elcione Barbalho, pela namorada Simone Morgado, pelo primo José Priante, pelo líder da Assembléia Legislativa Parcifal Pontes, pelo deputado federal Asdrubal Bentes, e etc.., e etc... e etc... - unindo-se ao PT, Jader Barbalho terá dificuldades para recompor suas bases, que defende majoritariamente candidatura própria do PMDB no estado.
Mas, se decidir pular para a oposição - com candidatura própria ou apoiando o ex-governador Simão Jatene (PSDB), Jáder Barbalho terá, mais uma vez, um grande trunfo na mão: vai dizer na cara da governadora Ana Júlia, na primeira, oportunidade, em frente as câmeras de televisão, que foi Ana quem o procurou, oferecendo-lhe mundos e fundos para que ficasse ao lado do PT.
Mas essa é uma história a ser contada mais tarde.
Primeiro como tragédia, depois como farsa.

Leia as entrevistas de Ana Júlia e Jader Barbalho em http://pererecadavizinha.blogspot.com/

Anônimo disse...

Mais vaias em Ana Júlia
Ronaldo Brasiliense
wwww.oparaense.com.br

Está virando rotina...
A governadora Ana Júlia Carepa (PT) recebeu, ontem, uma nova vaia de manifestantes que, na Aldeia Amazônica, prestigiavam a a solenidade da Polícia Militar em que foi entregue a Medalha do Mérito Tiradentes.
Vejam bem: Ana Júlia foi vaiada em solenidade de entrega de medalhas comemorativas ao Dia de Tiradentes, patrono da PM.
As vaias ganharam registro no blog do líder do PMDB na Assembléia Legislativa, deputado Parcifal Pontes: "Ontem pela manhã, em solenidade da Policia Militar na Aldeia Cabana, a governadora sofreu um constrangimento que já se torna marca registrada das suas aparições publicas. No momento do seu discurso Ana Júlia foi recepcionada com vaias e apitos pelos populares e familiares dos policiais que estavam nas arquibancadas". (http://www.parsifal.org/)
E parece que não adiantou a governadora Ana Júlia, na condição de "Comandante-em-Chefe da Polícia Militar", como registra a Agência Pará, ter anunciado promoções dos integrantes da tropa na carreira militar. Foi vaiada assim mesmo. Anunciou ainda outras supostas regalias para a PM.
Dentre elas, o envio de Projeto de Lei para a Assembléia Legislativa do Pará para instituir uma gratificação para policiais civis e militares pela apreensão de armas. Justifica a Agência Pará (www.pa.gov.br): "Para Ana Júlia, com esse estímulo, o governo tira das ruas uma das maiores fontes de violência, além de melhorar a remuneração do policial a partir da sua produtividade." Mais vaias...!
Nem mesmo o fato de a governadora Ana Júlia Carepa ter garantido, também, uma série de benefícios para a corporação militar e servidores da Polícia Civil durante a solenidade cívico-militar alusiva ao Dia de Tiradentes, acalmou os ânimos dos manifestantes, a maioria parentes de policiais militares e civis. O governo de Ana Júlia faz por merecer...
Só em 2009, segundo dados extra-oficiais, cerca de 30 policiais militares foram assassinados no Pará. Há um grande descontentamento na tropa. Centenas de praças são obrigados a fazer "bico", prestando serviços de segurança a terceiros, com riscos de vida, para aumentar seus rendimentos.
É a segunda vez em menos de um ano que a governadora Ana Júlia Carepa recebe vaias em solenidade da Polícia Militar. Tamnbém já foi vaiada em Breves, onde enfrentou manifestação de alunos e professores.
Pelo caminhar do andor, comandando um governo extremamente impopular, Ana Júlia corre o risco se ser vaiada até em festa infantil.
A conferir.

Anônimo disse...

Caro Eliseu Souza 11:24, o seu DAS realmente tem que ser muito bom o seu DAS, pra defeder essa mulher que nem postura de governadora tem. que em atos de desespero se alia até com qualquer maluco, pra defender o poder (Kaveira, Wlad e outros), por que ela não defende o Pará ela defende ela eos seus amigos, joana pessoa ganzer, puty (um menino que se acha expert em política, mas ultimamente está usando a máquina do estado para se promover, é um gesto de desespero, onde já se viu ir na casa de alguém sem ser convidada, em ainda falar em nome do povo do Pará, o Pará não precisa de ti Ana Nardone..
Que postura ética que vc fala, o Jader já elegeu ela uma vez, e como a governadora agradeceu? essa mulher não tem palavra, não cumpre com os acordos políticos, Jader Barbalho pense muito bem antes de se aliar de novo a uma cobra, que deixa os seus liderados falarem besteiras e fingir que não sabe de nada, o PT Nacional se desdobrando para firmar uma aliança e o garoto propaganda da liberal falando asnices,
Seu governo e um governo não é um governo democratico, essas tendências que vc ainda nã sabe identificar a mais importante nomeia em um dia e exonera no outro dia, está totalmente perdida.
A senhora não me dá coragem com esse exemplo de bravura, a sra. me dá vergonha em ser o pior governo do Brasil, me dá desespero em sentar em uma cadeira sem ter liderança e pulso para governar este lindo e rico estado.
acorda eliseu!!!
eu não sou jardista, sou uma paraense apaixonada pelo Pará, mas pelo amor de Deus Jader estuda bem as propostas de Ana e faz ela se responsabilizar de uma forma que não possa fugir, porque senão será mais uma trairagem, e a confiabilidade que o senhor tanto esperava?
já era !!!!!!!!!

Anônimo disse...

Semana passada, quando houve um encontro de uma igreja evangélica no Mangueirão, Helder Barbalho e Ana Julia estiveram presentes. Quando Helder foi apresentado, arrancou aplausos dos evangélicos, porém quando Ana Julia foi anunciada... fez-se um silêncio ensurdecedor. Não se escutou um único ruído... Silêncio mórbido. A impopularidade dessa Sra. chegou ao extremo.