Ban

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Brigada nazifascista na blogosfera.


Confesso que estou perplexa. Em seis anos de blogosfera, poucas vezes vi algo assim.

 
Desde a postagem “A Perereca não publica informações de Ophir Cavalcante Junior porque não recebe informações de Ophir Cavalcante Junior”, venho recebendo uma enxurrada de comentários de um baixo nível impressionante. Coisa mesmo de brigada nazifascista.

 
Quem acompanha este blog, sabe da minha tolerância em relação à crítica. Já liberei comentários em relação a mim, que eu acho que ninguém liberaria.

 
Mas desde que fiz essa postagem já tive que jogar no lixo uns trinta comentários – sem exagero nenhum. Todos, simplesmente, impublicáveis. Em sua maioria, disparados seguidamente, com diferença de dois ou três minutos. Todos com as mesmas acusações e escritos de forma muito, muito parecida. Uma espécie de aula "de grátis" da propaganda nazifascista.


Na postagem em tela, emiti uma opinião acerca do comportamento do presidente nacional da OAB, em relação a este blog. Ou seja, exerci um direito sagrado, inalienável, constitucional - e assinei embaixo!

 
Mas para essas pessoas, ao que parece, cometi um crime – o “crime” de expressar a minha opinião. E o ódio – é isso mesmo, ódio - que elas passam em tais comentários é algo, simplesmente, assustador.

 
Não acredito que o presidente da OAB tenha alguma coisa a ver com isso. Mas estou chocada com o nível de alguns dos seus apoiadores.


Rrrrrealmente, impressionante!
 
FUUUUUUIIIIIIII!!!!!!

10 comentários:

Anônimo disse...

Talvez incomode ao OPHIR e seus apoiadores o fato de não ser a única voz a ter direito de manifestar-se no Perereca. Apenas isso.

O contraditório parece ofensivo aos homens da OAB!

Anônimo disse...

Perereca, se isso não acontecia antes, mesmo com todas as suas publicações contrárias, como vc diz, que tal refletir sobre os verdadeiros anônimos desse troço? É alguém que deve ter ódio de você. Simples assim.

Anônimo disse...

Interessante. Fiz um comentário que não foi publicado e nem havia qualquer tipo de ofensa, baixaria ou coisa que o valha. Apenas comentei que há razões pra que tu sejas grata ao Jarbas por causa da encrenca que arrumaste com aquela autoridade que tem decisão judicial proibindo esse blog de mencioná-la e ele te apoiou.

Anônimo disse...

Será que OPhir já ouviu falar desse blog?

Anônimo disse...

Os melhores blogs do Pará (Jeso, Espaço Aberto e outros dois) vão ser objeto de estudos científicos. Achei uma injustiça com o blog da Perereca, afinal esse blog faz um jornalismo investigativo tão bom...

Anônimo disse...

Deverias publicar tudo, para sabermos quem está falando a verdade. Ou será que ainda queres esconder que tiveste que pedir desculpas ao Desembargador Milton Nobre? Essas notícias das desculpas privadas tu não publicas...

Ana Célia Pinheiro disse...

Da 1:23:

Liberei seu comentário porque você, espertamente, reformulou os termos dele, não é? E, agora sim, como você vestiu a sua “capa” de civilização, vou lhe responder. Em primeiro lugar, não há mais nenhuma decisão judicial que me impeça de citar o nome do desembargador Milton Nobre. O que aconteceu, naquela época em o meu blog foi vergonhosamente, arbitrariamente, censurado, é que acabamos por chegar a um acordo judicial. Agora, o fato de você quase “gozar” com aquela censura, no seu comentário de ontem ou anteontem, não é anônimo?, bem demonstra o seu “apreço democrático”. Também não é verdade que eu deva alguma coisa ao Jarbas Vasconcelos, em função daquela demanda judicial. Quem me defendeu foi o Paulo Weyl, que eu conheço desde os tempos em que ele ainda era estudante de Direito, e ambos participávamos da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos. Nem pela ação da OAB naquele caso, devo alguma coisa ao Jarbas: eu procurei a OAB – não foram eles que me procuraram. Aliás, até critiquei, na época, a postura da OAB paraense – procure nos arquivos do blog. Agora, o fato de você e os seus parceiros estarem a disparar comentários seguidamente para o meu blog, repletos de xingamentos e de mentiras, para que a repetição de tais mentiras leve as pessoas a acreditarem que são “verdades”, bem demonstra a fonte ideológica na qual todos vocês andaram a beber. Abs.

Anônimo disse...

Égua do bate-boca...
Mas Perereca, acabaste confessando uma coisa: deves favores ao Paulo Weil, que é amigo íntimo de Jarbas Vasconcelos e toda aquela thurma da OAB. Daí que 2 mais 2 são 4. Os advogados não sao burros.

Anônimo disse...

Claro que advogados não são burros.Burrro é quem toma partido na briga deles.Pelo que eu sei,não tem santo nessa história.

Anônimo disse...

É Perereca, são essas pessoas que hoje tomaram a OAB, pessoas que nutrem despreso pelo contraditório, pessoas que estão acostumadas a humilhar a dignidade humana, fazem rir do decoro, não possuindo o menor pudor em até mesmo publicamente taxar a todos de ignorantes, como se fossem Reis, infelizmente são esses o valores desse povo afastou o Jarbas, sujeito que até onde eu saiba, nunca recebeu dos cofres públicos um centavo para advogar, necessitando de políticos para viver.
Essa demonstração de autoritarismo e até mesmo violência contra o teu trabalho espelha muito bem como foi decretada essa intervenção.
Mas não desanime, pois nenhum mal é eterno, desejo que o Senhor lhe abençoe profundamente, é o que posso desejar nesse momento com toda a sinceridade.