Ban

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Uma pequena meditação.

Há os que brigam pela História, há os que lutam contra ela.

Os primeiros, na maioria, nem sequer serão lembrados, eis que o esquecimento quase sempre atraiçoa a memória.


No entanto, os que brigam a favor da História, do avanço, da Liberdade,  da Democracia, enquanto caminharem sobre a Terra, caminharão de cabeça erguida.


Porque a cada dia constroem, com orgulho, a Cidadania. E um mundo infinitamente melhor para todos os que virão.


Já aqueles que teimam em lutar contra a História é nesta condição que serão lembrados – quando o forem: como artífices do atraso, do privilégio, da desigualdade, da imoralidade que insistem em considerar como “natural”.


Como eles, muitos pareceram triunfar pelos séculos dos séculos. Até que veio o mar de gente, a massa de mãos unidas que os atropelou.


Nenhum de nós é nada diante da importância dessa luta de milênios pela Liberdade, Fraternidade e Igualdade.


Por isso, todos temos de saber quando é chegada a hora de avançar corajosamente, decididamente, contra todas as bastilhas que se erguem diante de nós.


Pra vocês!




8 comentários:

Anônimo disse...

esta nota me tocou profundamente. Deus te proteja, sempre.
José Carlos Lima

Pedro do Fusca disse...

Ana Célia, parabens para o belo texto, é uma obra prima!

Anônimo disse...

Fiquei emocionado com seu texto.É preciso refletir sobre ele para não desanimar com o que ocorre em nosso estado tão amado e violentado por esses grupos que lutam sempre para perpetuar suas vantagens em detrimento das pessoas que muitas vezes sofrem por acreditar em um mundo melhor porque mais fraterno, honesto e onde a honra é preciosa.Eles vão passar, pode demorar mas a busca pelo justo e verdadeiro conseguirá se sobrepor à ganância e servilismo dos detentores do poder e seus aderidos.

Anônimo disse...

"TAREFA"

"Morder o fruto amargo e não cuspir
mas avisar aos outros quanto é amargo,

cumprir o trato injusto e não falhar
mas avisar aos outros quanto é injusto,

sofrer o esquema falso e não ceder
mas avisar aos outros quanto é falso;

dizer também que são coisas mutáveis...

E quando em muitos a noção pulsar
— do amargo e injusto e falso por mudar —
então confiar à gente exausta o plano
de um mundo novo e muito mais humano."

De uma autora chamada Adelina.

Anônimo disse...

O anônimo de 10:31 conseguiu exprimir o desalento de ser paraense. Para quem não se deixa iludir pelos jornais Liberal e Diário e respectivos canais de tv,ficam claros os factóides criados pela ASCON e ver que os recursos do estado, quando não roubados ,são mal administrados.

Anônimo disse...

É bom prá relaxar, refletir e minimizar a revolta e a falta de esperança que deve estar dentro de cada paraense ao constatar tanta roubalheira, impunidade, falta de caráter e injustiça. Que sirva de exemplo quando formos obrigados a votar no próximo pleito.

Anônimo disse...

Concordo com as palavras e a ideia do texto, contudo precisamos adcionar ação a tudo isso, para expulsarmos esses marginais do palco. Com essa gente descarada só muita bala!

Anônimo disse...

Muita bala sim,mas bala de vergonha na cara, bala de remorso pelo que estão desviando e cujos efeitos não retroagem(vidas perdidas, abandono da escola,pessoas que vivem com as sequelas da miséria)e acima de tudo preservar a bala do desdém até as eleições para tirarmos Jatene e cia da história do Pará.