Ban

terça-feira, 19 de abril de 2011

Fraudes na AL movimentavam R$ 800 mil por mês. Rombo pode chegar a quase R$ 100 milhões. E funcionária foragida se apresenta ao MPE.


Pode chegar a quase R$ 100 milhões o rombo provocado na Assembléia Legislativa do Estado pelas supostas fraudes praticadas por funcionários da Casa, cujo esquema foi alvo de uma operação conjunta do Ministério Público  Estadual e da polícia civil, na manhã de hoje.
Na operação foram presos três funcionários da AL e cumpridos doze mandados de busca e apreensão, que incluíram o gabinete do diretor geral do Detran, Sérgio Duboc,  e a casa do ex-deputado estadual Robgol.
No gabinete do diretor do Detran foram encontrados quatro processos licitatórios antigos da Assembléia Legislativa. Na casa de Robgol, o MP e a polícia apreenderam quase R$ 500 mil, entre dinheiro vivo e vales-refeição (leia as postagens anteriores).
Quase R$ 10 milhões por ano - Nos cálculos do MP, as supostas fraudes teriam provocado um rombo de R$ 800 mil por mês – ou algo em torno de R$ 9,6 milhões por ano.
Segundo uma fonte, tais fraudes vinham sendo praticadas há pelo menos 10 anos – daí a possibilidade (calculada pela Perereca) de que o rombo chegue a quase R$ 100 milhões.
A fonte, porém,  não quis confirmar um valor tão expressivo. Acentuou que se trata de mera hipótese, até porque  não se sabe se, no passado, as supostas fraudes já movimentariam os valores atuais (R$ 800 mil por mês), estimados oficialmente pelo MP.
Trata-se, no entanto, como disse a fonte, certamente de “uma fraude fabulosa”.
“A coisa é grande. Possivelmente vamos chegar a ter deputados na mira”, disse, ainda, ao confirmar que a documentação em poder dos promotores e da polícia indicaria a possibilidade de fraude generalizada na Assembléia Legislativa do Estado.
Há pouco, a funcionária da Assembléia que se encontrava foragida, Euzilene Araújo, se apresentou ao MPE.
Além dela, estão presos três outros servidores: Jorge Moisés Caddah, Semmel Charone e Daura Irene Xavier Hage.
A ação de hoje foi provocada por uma denúncia protocolada no MP pelo deputado estadual Edmilson Rodrigues, do PSOL, a partir de notícias  veiculadas na imprensa acerca de possíveis irregularidades na AL.
No portal das ORM consta que na casa de Daura Hage foram apreendidos R$ 23 mil em espécie e R$ 10 mil em vale-alimentação da AL. Em algumas das casas revistadas hoje também teriam encontrados até 100 contracheques (aqui: http://www.orm.com.br/)
A Perereca volta já.

3 comentários:

Anônimo disse...

Dá-lhe MPs e Dá-lhe imprensa livre.

Anônimo disse...

Um dia a essa casa tinha que cair. Caiu!!!

Anônimo disse...

o nome disso é tudo por dinheiro e dinheiro do povo