Ban

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

De volta ao começo




Teria de ser muito hipócrita para dizer que não estou contente: estou sim.


Afinal, trabalhei na campanha de Jatene. E todos os que trabalhamos em campanhas gostamos, sim, de vitórias.


Também acredito que Jatene será um grande governador.


Ele é, inegavelmente, um intelectual brilhante, um técnico de alto nível e um político com excelente capacidade de diálogo.


Além disso, espero que o “banho de povo” desta campanha faça Jatene compreender a importância desse mesmíssimo povo para todo e qualquer governo ou partido político.


Sem o povo, um governo se resume, por vezes, a belos e irrealizáveis propósitos. Não é nada além de números, máquina e propaganda. Falta-lhe o principal: alma, vigor.


No entanto, apesar de contente pela vitória de Jatene, não consigo deixar de sentir uma profunda melancolia pela derrota da minha xará, Ana Júlia Carepa.


Afinal, votei em Ana em 2006. E ainda hoje, ao fechar os olhos, consigo me lembrar nitidamente da felicidade e da esperança que aquela vitória significou.


Belém e o Pará eram um enorme coração vermelho! E todos nós, ainda que nem todos petistas, acreditávamos que aquele seria – de verdade! - o começo de um novo tempo...


Não, não sonhávamos nada de mirabolante.


Como cidadãos, queríamos, apenas, uma saúde melhor, uma segurança melhor, uma educação melhor.


Queríamos andar pelas ruas em paz. Queríamos uma saúde humanizada, sem crianças morrendo nos postos de saúde, por falta de atendimento. Queríamos uma educação que garantisse um futuro para essas crianças e jovens que só têm como alternativa as escolas públicas.


Mas quem sabe tenhamos nos enganado... Talvez que sonhar algo assim, seja sonhar alto demais num estado como o Pará...


É certo que os governos tucanos fizeram muito pelo Pará.


O equilíbrio das contas públicas é essencial até para a capacidade de investimento.


E a estruturação de alternativas de desenvolvimento econômico, como é o caso do Turismo e do agronegócio, é fundamental para a geração de emprego e renda.


Mas um governo não pode se resumir ao bom desempenho econômico. Muito menos num estado como o Pará.


Devido à extrema pobreza da nossa gente, é preciso investir fortemente na área social.


E devido a essa nossa histórica condição de colônia, é preciso firmeza para reivindicar os dividendos daquilo que nos pertence.


Em 2006, acreditávamos que Ana Júlia tivesse essa capacidade de ir além do bom desempenho econômico.


O nosso “incrível exército de Brancaleone” – que conseguiu, sim, uma vitória até mais extraordinária que essa de Jatene – acreditava, sinceramente, na possibilidade de mudanças rápidas, profundas e massivas na qualidade de vida dos paraenses.


Acreditávamos, inclusive, numa alternativa até moralizante, em termos de administração pública.


E penso que, naquele outubro, contávamos chegar em 2010 com tantas conquistas, com tantas vitórias, que seria impossível não conseguirmos manter o poder...


Hoje, porém, restam apenas as ruínas daquele sonho...


Ana Júlia fez uma escolha: escolheu a DS.


Desde o primeiro dia – e até o fim!... – ela deu provas insofismáveis de que a sua DS sempre lhe pareceu muito mais importante do que o Pará, a população do Pará, o PT, o PMDB e todos os que ajudamos a elegê-la, em 2006.


Foi a DS, a opção pela DS, o que de fato derrotou Ana Júlia.


E se ela fosse para o fundo do poço sozinha, ou na companhia desses fascistas da DS, nenhum problema...


O problema é que Ana está a arrastar boa parte do PT e boa parte das pessoas que até se expuseram para ajudar na sua eleição, em 2006.


Sinal de que faltou à Ana Júlia o principal: a compreensão do significado da liderança.


FUUUUIIIIIIII!!!!!!


..............


Pros companheiros petistas – e eu imagino como vocês estão a se sentir agora...


E pra todo o nosso “incrível exército de Brancaleone” de 2006...



19 comentários:

Anônimo disse...

Que preguiiiiiça!
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ.......

Anônimo disse...

ESSA MULHER, A DS É PODEROSA MESMO, DERROTOU, PELOS AQUI NO PARÁ, A AJ, A DR, A MM, A EF, VAI VER QUE FOI ELA TAMBÉM QUEM DERROTOU O PSC O CR E O AM. DEIXANDO-OS NA 3ª DIVISÃO DO FUTEBOL BRASILEIRO.

Anônimo disse...

Li este sonho de vcs, e chego acloclusão que ele virou foi pesadelo.

Anônimo disse...

"É certo que os governos tucanos fizeram muito pelo Pará." Pois é, Ana Célia, eu estou deveraamente triste, mas dizer que os tucanos fizeram muito pelo Pará, faz me rir...E os escândalos do projeto ALVORADA na saúde e educação, quando 80 escolas foram iniciadas e abandonadas?????

Anônimo disse...

Não sei se concordas comigo. Mas a vitória tucana não foi consequência de votos pró-jatene. Aliás, penso eu, não foi nem contra o PT, que domingo a gente viu belém toda vermelha. Foi um voto irremediavelmente contra Ana Júlia.
A ela, de fato, faltou-lhe o principal de um governante, o que lhe foi fatal: liderança!

Anônimo disse...

E o Processo do Jatene no stf?

Anônimo disse...

O problema não é o PT, porque se não a Dilma não se elegeria,o grande problema foram as pessoas que conduziram esse desgoverno sem dialogar, sem escutar as principais lideranças que vem construindo esse partido a décadas. Simplesmente jogaram no lixo td a nossa história de luta por uma sociedade mais justa e com oportunidades pra tds, e é lamentavel ver td isso acontecer sem poder fazer nada, porque eles tomaram de assalto o nosso partido com muita arrogância e imperou a falta de ética, parece que o poder subiu a cabeça, taí os escandalos do seguro defeso, incra, uso da máquinapra eleger um dep.federal e um estadual e assim vai... estava na hora mesmo de fazer uma grande reflexão sobre os rumos desse partido. Mas quero terminar dizendo que temos ainda muitas lideranças decentes e HONESTAS, vc sabe muito bem aninha, que devem estar muito envergonhados com td isso. Um abraço

Anônimo disse...

Cara Blogueira, recordas a postagem que tu publicaste no dia 03 maio de 2006 (Quarta-feira) denominada de:
Exclusivo
"Patrimônio de sobrinho de Jatene
cresce sete vezes em cinco anos"
O que tu tens a dizer sobre o assunto ???

Anônimo disse...

Ana,para mim,em particular,assistir a derrota da Ana Júlia,do Paulo Rocha e consequentemente de todos os seus asseclas e principalmente Joana Pessoa,Marcílio,Maurílio e Bordalo que no alto de suas arrogâncias e soberba,achavam que o poder seria eterno,é como se eu estivesse tendo um prazer incomensurável,realmente incalculável.O PT para ser governo aqui no Pará,terá que esperar muito,mas muito tempo mesmo!

Agora é Psol!!!!

Gilberto Rodrigues

Anônimo disse...

Cara Blogueira, sou teu fã, contudo, muitas vezes não te entendo principalmente quando você afirma "Também acredito que Jatene será um gande Governador".
Tu esquecestes a postagem que fizestes no dia 27 de outubro de 2006, às vésperas do 2ºturno de 2006.

Sobre o palanque paraguaio da bondade

A Honestidade de R$ 1,99

Sinceramente, não sei se rio ou se choro dessa mania tucana de satanizar os adversários. Quem não conhece os meandros do tucanato paraense, acaba até acreditando que está diante da quintessência da Moralidade: é tudo querubim ungido!

Mas, no que consiste, de fato, essa “ética” tucana?

É fato que o palanque paraguaio da bondade deles tem bem poucos algemados. Mas também é fato que eles ergueram, em 12 anos, uma autêntica muralha de impunidade, a impedir a investigação de inúmeros escândalos.

Veja-se o exemplo de Eduardo Salles, o sobrinho do governador Simão Jatene, com a fortuna que acumulou à sombra do tio – e cuja reportagem completa, aliás, está arquivada neste blog.

Vejam-se os mais de 20 parentes de Jatene, nomeados para o Governo do Estado, num autêntico “condomínio de contracheques”, como classificou um advogado.

Veja-se a Prev Saúde, a empresa da mulher e do filho do secretário de Saúde, Fernando Dourado, com os quase R$ 8 milhões que já faturou junto ao Executivo, justamente, na área da Saúde.

Vejam-se as denúncias de superfaturamento de remédios pela Sespa – e só a Controladoria Geral da União, na única inspeção realizada ali, flagrou um rombo de cerca de R$ 14 milhões.

Vejam-se os R$ 10 milhões adquiridos pela mesma Sespa junto a KM Empreendimentos, uma empresa enrolada até o pescoço, nas investigações sobre a máfia dos sanguessugas.

Vejam-se as inúmeras denúncias de superfaturamento de obras públicas, como a Estação das Docas e o Centro de Convenções – cujo metro quadrado, a R$ 3.400,00, é seis vezes mais caro que o mais alto custo do metro quadrado do país.

Veja-se o Hospital Metropolitano, cuja construção consumiu R$ 28 milhões, o dobro do inicialmente previsto, e onde só uma pracinha ficou em quase R$ 1 milhão.

continua ...

Anônimo disse...

continuação ...

Veja-se o caso Cerpasa – e só aí “sumiram” R$ 45 milhões em dívidas fiscais.

Veja-se a Clean Service, ligada a Marcelo Gabriel, filho do ex-governador Almir Gabriel, que já faturou, pelo menos, R$ 15,1 milhões junto ao Governo do Estado.

Veja-se o autêntico “laranjal” do empresário Chico Ferreira e os contratos milionários que abocanhou, nos últimos 12 anos, também do Governo do Estado – e que ultrapassam, largamente, os R$ 50 milhões.

Vejam-se os R$ 450 milhões da venda da Celpa, que até hoje os paraenses se perguntam onde foram parar.

Mas, de quanto é que estamos falando, mesmo? Qual o total de recursos públicos que desapareceram em tais escândalos?

Será que o saque se torna “menor” porque praticado pelo “Midas da Moralidade”?

Será que a impunidade torna o infrator menos rapace?

Ou será que falta é a Justiça agir, de fato, como Justiça?

Quantas algemas os “mocinhos”, os querubins ungidos desse palanque paraguaio da bondade estão a merecer?

Mas permanecem, todos, livres, leves e soltos, não é mesmo? A apontar o dedão acusador para tudo e todos, acionistas que são da Perobal S/A.

E seguem assim porque a “ética” que apregoam é, simplesmente, a da varrição da sujeira para debaixo do tapete. É o amordaçamento das instituições que têm a obrigação de acabar com essa festança.

No fundo, a “ética” do tucanato tem por alicerces a censura, o aliciamento e a perseguição. É um autêntico Bataclan, no qual se corrompe, até, o chefe de polícia. Daí inexistirem, entre os tucanos, as algemas que tanto aplaudem nos pulsos alheios.

Falam em despreparo de Ana Júlia. Mas, quem tem preparo? Valéria Pires Franco? Vic?

Falam em palanque da maldade. Mas, quem são os mocinhos deles? Marcelo Gabriel? Chico Ferreira? Eduardo Salles? Fernando Dourado? Raimundo Santos? Duciomar Costa? O algemado cidadão Flexa Ribeiro?

É engraçado. Nesse palanque paraguaio da bondade, nessa honestidade de R$ 1,99, há gente acusada de ligação com o crime organizado, de envolvimento no escândalo dos sanguessugas, de receptação e até de estupro e de corrupção de menores. Há bacanagens para todos os gostos: todo tipo de fraudes licitatórias e de malversação do dinheiro público que se possa imaginar.

No entanto, dizem eles, os bandidos somos nós. Vai ver que é porque se esqueceram de olhar de perto a própria latrina.
Postado por Ana Célia Pinheiro às 01:59 5 comentários.


Apesar de as vezez não te entender continuarei te admirando, pois te considero uma grande repórter investigativa.
Obrigado pela oportunidade de desabafar.

Anônimo disse...

À Ana Célia e anon:8:48. Concordo com tudo. Tudinho. Inclusive nosso índice alto de abstenção - maior do BR e que a média do Br - prova o que dizem: fomos contra o governo AJ, não contra o PT, nem a favor de Jatene. Quanto à dívida pro partido e pra esquerda, sem dívida é verdadeira. A AJ jogou anos de história do PT no fundo do poço, onde deve estar a dignidade daqueles quatro cavaleiros do apocalípse que a acompanham e agouram seu governo desde o início.
"FUuuuui", Profº Demócrito.

Anônimo disse...

Nesse espaço para comentários está um palanque para o bom debate, pena que como sempre, a lavação de roupa suja vá ficando por aqui, a podridão que exala dos intestinos doentes do poder continue esperando indefinidamente por justiça e a indignação de bons cidadãos sequer será levada em conta por quem tem condições de fazer alguma coisa.
Mas é bom lembrar que já se vê alguma luz no fim desse túnel. Campanhas silenciosas orientadas por ONGs como a AVAAZ e OXFAM entre outras, captando milhares e até milhões de assinaturas de internautas em prol de ações de interesse ou comoção popular como a "lei da ficha limpa", "salvem as baleias", "SOS enchente no Paquistão", por exemplo, precisam ser consideradas para se tentar a superação do marasmo que continuará com a volta tucana ao governo do Estado.
Por que não campanhas como "a Vale é nossa" "Belo Monte ou belo monstro?", "Cadê o dinheiro da Celpa, da Sudam, da Cerpasa, da Funtelpa, dos kits e etc?
Alguém se habilita?
Fernando.

Ana Célia Pinheiro disse...

Anônimo das 11:12: O que investiguei e publiquei está aí, pra quem quiser ler. Alguém desmentiu? Não. E nem podem: tudo o que escrevo é embasado em documentos oficiais - e obtidos de maneira absolutamente legal. Sou tão cuidadosa com isso, anônimo, que nem sequer me utilizo desse “jornalismo fiteiro” que faz o maior sucesso por aí: quando pretendo gravar uma conversa, coloco o gravador diante do sujeito, para ele saber que está sendo gravado. Em suma: o que escrevi sobre o Jatene está aí pra quem quiser ler. E não tem nada “anônimo”, não: é tudo devidamente assinado. Não é por ele estar voltando ao governo, que vou agora “me desdizer”: aprendi, desde pequenininha, que gente tem é espinha dorsal. E quando fui convidada a trabalhar na campanha de Jatene, ele certamente tinha conhecimento de tais reportagens. Abs.

Ana Célia Pinheiro disse...

Como eu disse, anônimo das 5:26, estamos de volta ao começo...

Ana Célia Pinheiro disse...

Vamos ver, Gilberto. Torço, sinceramente, para que o PT se recupere – é um partido muito importante para a oposição. E continuo achando o que sempre achei: o grande problema foi o fato de Ana Júlia pertencer a uma corrente minoritária – e com o perfil “faminto de poder” dessa DS. Se o governador escolhido fosse o Paulo Rocha ou o Mário Cardoso é bem provável que o PT não tivesse cometido, no poder, nem um décimo dos erros que cometeu. Abs

Ana Célia Pinheiro disse...

Fernando, querido: teremos quatro anos para tudo isso e mais alguma coisa. E tomara que a gente consiga aproveitar, de fato, todo esse enorme poder de informação e mobilização da internet. Penso que essas novas ferramentas facilitam muito o nosso trabalho – coisa que o pessoal da Revolução Francesa nem sequer sonhou... Acho que a gente é que tem de aprender a otimizar o uso de tudo isso, né? Abs

Ana Célia Pinheiro disse...

Anônimo das 7:55: uma coisa é a gestão tucana; outra, os escândalos. Não tem jeito: os tucanos são bons, mesmo, de administração pública. Têm grandes técnicos, que conhecem a máquina pública pelo avesso – o próprio Jatene, aliás, tem esse perfil. Então, o que foi que faltou, também, no Governo do Pará? Foi a inteligência que teve o Lula, que soube aproveitar técnicos que nem tinham ligação com o PT, mas que entendiam do riscado. Quer dizer: faltou, aqui, encarar a gestão pública de forma mais profissional. Agora, os rolos em que andaram e andarão envolvidos os tucanos é que são elas... Abs

Ana Célia Pinheiro disse...

Também acho, anônimo das 8:48: votou-se muito mais contra a Ana Júlia do que a favor do Jatene. As próprias pesquisas, aliás, mostraram o cansaço do eleitorado e o anseio por uma “terceira via”. O problema não foi o PT, como bem lembraram o anônimo das 11:02 e o professor Demócrito: se o problema fosse o PT, o Paulo Rocha, apesar da história da Ficha Limpa, não teria obtido a enormidade de votos que obteve; o PT não teria feito a sua maior bancada na AL e por aí vai. O eleitor, que é muito mais inteligente do que muita gente imagina, teve precisão cirúrgica ao separar Ana Júlia e o PT. É claro que uma derrota sempre traz desgaste. Mas o fato de a população ter essa compreensão e de o próprio PT estar, aparentemente, disposto a refletir profundamente sobre todo esse desastre provocado por uma corrente minoritária e morta de fome, parece indicar que o partido conseguirá se recuperar de tudo isso bem mais cedo que se imagina. Torço por isso, sinceramente. Abs.