Ban

terça-feira, 4 de maio de 2010

Caixas de Pandora I



Até o PMDB parece meio atordoado com a surpreendente entrega, na última quinta-feira, da documentação requisitada, há uns seis meses, pela Comissão de Finanças da Assembléia Legislativa à Auditoria Geral do Estado (AGE): as fiscalizações realizadas em sete órgãos estaduais.


Ontem, o líder do PMDB, Parsifal Pontes, afirmava em seu charmosíssimo blog (http://pjpontes.blogspot.com/ )
que a documentação é pública e deverá ser divulgada pela AL, à medida em que for analisada.


Já a deputada Simone Morgado, também do PMDB, e que afinal assinou a requisição dos documentos, era bem mais cautelosa.


Em contato com o blog, Simone disse que pretende realizar uma consulta jurídica, antes de distribuir cópias da documentação até mesmo aos deputados.


Funcionária de carreira da Sefa, ela acredita que tais documentos são, sim, sigilosos.



Caixas de Pandora II



A curiosidade em torno dessas “caixas de pandora” é intensa nos corredores da Assembléia Legislativa e nos bastidores políticos.


Ontem mesmo, pelos menos quatro deputados estaduais procuraram Simone Morgado para obter cópias da documentação: Arnaldo Jordy, Carlos Martins, Carlos Bordalo e Alessandro Novelino.


Ela acredita que será possível entregar cópias desses documentos aos 11 deputados que integram a Comissão de Finanças - pelo menos a eles...


No entanto, mesmo nesse caso, quer se respaldar juridicamente.


Até porque, com tantas cópias em circulação, admite, é impossível que o conteúdo das auditorias não acabe vazando.



Caixas de Pandora III



Simone jura de pés juntos que ainda não passou nem uma vista de olhos na papelada...


É que a deputada recebeu o material na quinta-feira, mas acabou tendo de viajar no dia seguinte.


E, ontem mesmo, como manda o ritual da AL, encaminhou a "encomenda" à Presidência da Casa, à qual, afinal, estava endereçada.


No entanto, espera que todo esse material retorne ainda hoje à Comissão de Finanças.


“Temos de esperar que a Presidência nos repasse oficialmente essa documentação. Pedi imediato retorno e o certo é que isso seja devolvido amanhã (hoje) à comissão. Mas, é o presidente quem decide”, disse.


E confidenciou: “Eu estou doida pra ver”.


E quem não está?

6 comentários:

Anônimo disse...

Sigiloso? O que pode ter de sigiloso nesses documentos? Poem estar incompletos é verdade, mas sigilosos nunca. Será se possuem alguma relação com a iminência de uma guerra do Pará com outro país? Compromete a segurança pública da população? Esse argumento de sigiloso somente vai permitir que aqueles que têm acesso aos documentos usem-os à sua vontade, geralmente para fazer chantagens e pressões políticas. Os documentos são públicos, tanto que estão na casa legislativa, por definição a cada do povo. A deputada está mesmo é com receio do que pode recair sobre os seus corregilionários da secretaria da saúde, por exemplo. Ana, temos que defender o acesso público a esses documentos, não existe nada de sigiloso; o raciocínio é por exclusão: a princípio tudo é público desde que não prejudique a segurança nacional, o que venhamos e conve nahmos, não é o caso dessas caixas de papelão (em ambos os sentidos...)
Espero que continue cobrindo o imbróglio.

Anônimo disse...

Ora, essa documentação é um trabalho da auditoria interna do Governo e serve para mostrar as falhas, se houverem, em cada secretaria, visando sua correção. Todo o estardalhaço que está sendo feito é ainda a queda de braço PMDB x PT, nesse ano eleitoral. O que parece mesmo é que o PMDB quer fazer parecer a todos que não há distinção entre os partidos PT e PMDB, na gestão da coisa pública.

Anônimo disse...

TRANSPARÊNCIA, JÁ, ANA JÚLIA!
Postado por Ronaldo Brasiliense
Sex, 07 de Maio de 2010 17:13
Ronaldo Brasiliense

É completamente estéril essa discussão a respeito da destinação dos sete volumes de denúncias encaminhados à Assembléia Legislativa do estado pelo ex-auditora geral do estado, Tereza Cordovil.

É claro que as auditorias devem ser divulgadas. Aliás, a governadora Ana Júlia Carepa (PT/DS) deveria ter feito isso há muito tempo caso tivesse alguma preocupação com a transparência de seu governo.

E ainda aparece o deputado estadual Carlos Bordalo (PT) anunciando, em tom de ameaça, e chantagem explícita, que as auditorias pegam também o governo do tucano Simão Jatene. Ora bolas, se o governo da Ana Júlia auditou o governo de Simão Jatene, e descobriu falcatruas e roubalheira onde quer que seja, tem a obrigação de divulgar. Ou peca por prevaricação, que é crime. Ou acusa ou dá um atestado de bons antecedentes.

O que não pode é o governo do PT tentar esconder essas auditorias, principalmente agora, depois de toda a publicidade em torno delas. Se tentar empurrar o lixo para debaixo do tapete, vai ser muito pior. Sonegando as informações ao público, parece que o governo de Ana Júlia tem algo a esconder.

É como se reconhecesse que houve irregularidades nos contratos sem licitação feitos pela Sespa, que houve falcatruas nos convênios sem licitação feitos pelo estado com o Hangar, que houve roubalheira e superfaturamento nos kits escolares da Seduc e imoralidade nas contratações de mais de dois mil assessores especias.

Vamos lá, governadora Ana Júlia, dê publicidade às auditorias feitas em seu governo.

Transparência, já!

www.oparaense.com.br

Anônimo disse...

O PT não quer transparência. Lembram do Portal criado pela AGE? Tiraram do ar, para desalento da desencantada ex-auditora...

Anônimo disse...

Pirotecnia à toa. Já li os relatórios e não há nada de bombástico. O PMDB, que cometeu fraucatuas na SESPA agora tem dados de que o PT também não é flor muito menos que se cheire. Mas o PSDB também não é. Basta ver o caso de Marcelo Gabriel nos governos Almir e Jatene. Pelo menos o PT teve a coragem de enviar as caixas pretas para a Assembléia e o PSDB fez isso?

NELSON MARZULLO disse...

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
GOVERNO SEM OBRA – 1.200 DIAS

Calculei bem essa marca governamental, são 1.200 dias, ou 40 meses, mas precisamente: 03 anos, 05 meses e 15 dias, sem que o Governo do Estado do Pará apresentasse uma obra sequer, pensei bem, antes de escrever esse artigo, não agüentei o cinismo delirante no final do ano passado, quando o Governo do Estado disse alto bom som, que a sua “maior obra cuidar das pessoas”.
Bem, quero dizer que durante 1.200 dias esse Governo cuidou da gente, como posso aceitar tal ofensa a minha inteligência, como? Como posso aceitar que a nomeação de uma esteticista e cabeleira foram atos de um Governo sensato; como posso aceitar que mais de uma centena de recém nascidos morreram na Santa Casa por falta de equipamentos; como posso aceitar que uma adolescente ficou durante vários dias presa numa carceragem masculina sendo constantemente seviciada, sabendo que o único ato governamental foi destruir o local do crime; como posso aceitar que o Governo de Estado ainda indicou e fez campanha para um deputado pedófilo assumir a Assembléia Legislativa; como posso aceitar um governo que fecha os olhos para futura devastação ambiental (Belo Monte) e tem a “cara de pau” de apresentar um programa falacioso de plantar 01 bilhão de árvores; além de tudo isso, a nossa segurança pública estadual merece nota zero, apesar do reforço descomunal da polícia militar, mesmo com baixos salários ainda continua cumprindo com seu dever.
És um governo sem marca, sem vida, amorfo, poderíamos batizá-lo, caso fosse um movimento institucional, denominaríamos como Movimento do Governo Sem Obra – GSO, cuja sua maior obra é gastar o dinheiro público sem menor pudor, isso acontece na Secretaria de Transportes - SETRAN, também na Secretaria Meio Ambiente - SEMA e de tantas outras secretarias, algumas com constantes mudanças, como a Secretaria de Educação - SEDUC que mudou de secretariado umas 05 vezes, acho que perdi a conta de tantas mudanças, isto é, pessoas sérias que não queriam compactuar com os arranjos governamentais, recordando, nem com mochilas e ou uniformes escolares, comprados sem que houvesse licitação pública.
Alguns desses secretários ou detentores do mais alto escalão do governo estadual, não agüentaram as pressões, em especial, de consciência, e denunciaram a Assembléia Legislativa, os desmandos de um governo sem moral, apresentaram vários processos abertos, porém sem a devida continuidade, certamente teríamos evidências suficientes para comprovar a improbidade administrativa instalada no Governo Estadual do Pará.
Depois disso tudo, espero que no final desse mandato esse “governo estadual” venha cumprir com suas obrigações, mesmo sabendo da ocorrência de campanha antecipada, do abuso do poder econômico e da compra de votos, que certamente será causada, caso o Ministério Público Eleitoral não venha intervir, justamente quando houver a entrega de centenas de máquinas industriais empilhadas no pátio do mangueirão, que serão destinadas aos prefeitos que aceitarem a subir no palanque da reeleição da Governadora, isso é uma vergonha!
Espero que esse desabafo venha atingir centenas de milhares de paraenses que não aceitam mais lorotas como desculpas de uma péssima administração estadual, e que venham sepultar por uma vez por todas: os políticos estelionatários, hoje encastelados e protegidos por uma manta de autoridade governamental.
P.S: Parece que vão inaugurar uma rotatória para facilitar o acesso ao Aeroporto, espero que esse fraco governo estadual, isto é, o primeiro escalão, utilize essa via de acesso e viaje para bem longe do nosso Pará.
a)Nelson Marzullo Maia – advogado e filiado ao PMN