Ban

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Juvêncio

Não adianta, Juvêncio!



Esse negócio de voto branco ou nulo até pode dar a ti e aos que te lêem alguma “parecença” de tranqüilidade.


Mas, será apenas isso - impressão.


Mesmo que não votes – e contigo os cinco ou, no máximo, sete por cento da internet – ainda assim haverá um resultado doloroso para Belém: Dudu ou Priante.


E a questão que permanecerá é esta: será que fizemos o suficiente?
Nós, os diz-que formadores de opinião?


Não, querido, isso não é uma provocação.


É, antes, uma meditação.


Tenho pensado no que fazemos, Juva.


Essa coisa da internet, que atinge, apenas, uns poucos.


Ou não sabes que são uns poucos?


Meu amigo, desculpe essa minha consciência fria.


Mas, a verdade, é que se dividirmos os nossos acessos por meses, semanas, dias ou anos, sobrarão, talvez, mil ou dois mil freqüentadores.


Mil ou duas mil pessoas numa terra de mais de seis milhões.


Por isso, acho blog bacana, para conversarmos, trocarmos idéias.


Mas, não me iludo quanto ao impacto societário do que produzimos.


Este Brasil, Juvêncio, não é os Estados Unidos, onde reside metade dos internautas domiciliares do mundo.


Não é nem mesmo a Europa.


E mesmo nos Estados Unidos e Europa temos de expurgar, das resultantes de acesso, os que usam a internet, apenas, para acessar e-mails ou sites de fofocas – que não é o nosso caso.


Somos, portanto, uma luz solitária neste universo – como são os nossos leitores.


Nada além de massa pensante num mundo que deseja – e que faz por isso – nunca mais ter de pensar.


Portanto, esse teu protesto do voto em branco, na prática, resultará em nada – assim como a minha opção pelo Dudu – a não ser que vá, como irei, para o corpo-a-corpo com o meu plantel...


Mas, analisemos o teu voto em branco sob outra ótica.


Façamos de conta que isso se torne massivo.


E o que isso quererá dizer numa eleição democrática?


Rigorosamente nada.


Porque a democracia supõe que tu, Juvêncio, e eu, Perereca, fizemos tudo o que estava ao nosso alcance, para emplacarmos a nossa vontade.


Quer dizer: fomos pra rua, distribuímos panfletos, discursamos, reunimos com sindicatos e associações de moradores, escrevemos artigos para os jornais, os rádios; mandamos sugestões de pauta para as televisões.


E até, quem sabe, encaminhamos denúncias ao Ministério Público.


Não fizemos nada disso?


Mas, o fato é que poderíamos ter feito.


A sociedade, a democracia, o Direito, nos permitia isso e mais alguma coisa.


Não sabíamos?


Me desculpe, querido, mas essa desculpa não nos cabe.


Afinal, como poderíamos ser, então, formadores de opinião?


É claro que sempre soubemos do terreno imenso em que poderíamos jogar.


É claro que sempre soubemos das possibilidades enormes desse jogo, a todos nós.


Não fizemos.


Não há, agora, como pedir absolvição.


E veja, querido, que não me eximo dessa responsabilidade.


Afinal, poderia ter ido ao Benguí ou à Terra Firme ou ao Guamá, com um cartaz na mão, a chamar a comunidade para uma discussão.


E o seu José e a dona Maria, educadíssimos que são, certamente que me atenderiam.


Iriam para a minha reunião, nem que fosse para cochichar, posteriormente, bem distante dos meus ouvidos: “Ô sujeita doida, essa!”.


Mas, não fiz isso. Assim como, também, não fizeste.


Nem os nossos leitores.


A nós, resta, portanto, a escolha: Dudu ou Priante.


Que é?


Vais fugir do pau, é?


Beijinhos,



Da tua admiradora, a Perereca

3 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

rsrsrs...vc é um amor!
Bjs

Anônimo disse...

posso dizer que a dona desse blog é uma garota de programa da comunicação.

núcleo13 disse...

O PT rachou esta semana com a decisão inédita da DS (Democracia Socialista), tendência interna do PT da qual faz parte a governadora Ana Julia e a maioria dos secretários de estado que são do PT.
Falando em nome da DS, Claudio Puty (Casa Civil), Edilza Fontes (Escola de governo), os irmãos Marcílio Monteiro (Projetos Estratégicos) e Maurílio Monteiro (Ciência E Tecnologia), estão orientando integrantes do governo e lideranças de base da DS a votarem e pedirem voto para Duciomar Costa; e quem não quiser que opte pela neutralidade na disputa, como fez a governadora.
Segundo esses militantes da DS, Claudio Puty tem dito que votar em Priante no atual momento é fortalecer não somente um partido (no caso, o PMDB), e sim uma família (no caso, a Barbalho) e um único grupo de comunicação. Tem explicado que a vitória de Priante é a vitória de Jader Barbalho, que de fato iria mandar na prefeitura; e mais, seria fazer refém o povo do Pará, o PT e a governadora Ana Júlia dos mandos e desmandos dessa família.
Sabendo disso, o antigo Campo Majoritário do PT resolveu agir, comandado pelo deputado federal Paulo Rocha. O Campo Majoritário é a união de várias tendências internas do PT, que tem como seus representantes no Pará cinco dos seis deputados estaduais petistas (Regina Barata é independente, porém está insatisfeita com os rumos do governo), os três deputados federais do PT, aproximadamente 150 dos 176 vereadores eleitos pelo PT paraense e 22 dos 27 prefeitos eleitos pelo PT no Pará. Proporcionalmente falando, é como se Paulo Rocha tivesse controle de 75% a 80% do PT-Pará, o que lhe dá ampla vantagem para disputar em 2009 o PED-PT, que é o Programa de Eleições Diretas do PT.
Para não ficar mais atrás nessa disputa, a DS resolveu se organizar e ir a campo filiar mais de 20.000 novos militantes para o PT, para dessa forma buscar vencer o Campo Majoritario.
Com o apoio do deputado Jáder Barbalho, Paulo Rocha resolveu fazer uma manobra arriscada em termos políticos, além de ganhar o PED-PT/2009.
Paulo Rocha vai propor prévias em 2010 para a escolha dos candidatos petistas ao governo e ao Senado, caso os índices de aprovação do governo Ana Julia continuem baixos. A manobra é arriscada, mas o inquilino do poder (Jader Barbalho) deu seu aval para Paulo Rocha começar a operar tal manobra.
Muitos petistas estão encarando essa proposta como uma verdadeira imposição de Jader Barbalho para continuar a aliança em 2010. Outros tratam o assunto como se fosse uma verdadeira intervenção dos Barbalhos em assuntos de consumo interno do PT, o que tem feito tremer essa famosa aliança política.
A proposta de Jader Barbalho, caso Priante saia vitorioso, é que Maria do Carmo deixe a Prefeitura de Santarem para disputar o governo do Estado pelo PT com um vice do PMDB, deixando assim a Prefeitura de Santarém para o PMDB. Segundo ele, Maria do Carmo contaria com as 38 prefeituras ganhas pelo PMDB, entre elas Belém, Ananindeua e Santarém.
Já para o Senado, os candidatos seriam ele mesmo [Jader], mais o deputado Paulo Rocha, ou seja, a verdadeira aliança que Jader quer é pelo poder.
Quanto a Ana Júlia, os planos para a governadora é que ela seria uma boa puxadora de votos para a Câmara de Deputados, sendo provavelmente a mais votada do Pará; puxaria no mínimo mais dois deputados, além dos três existentes.
Agora, é como dizem alguns petistas históricos, só falta combinar com os russos!