Ban

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Paulo Roberto Ferreira lança “A censura no Pará - A mordaça a partir de 1964”. Dia 29 de outubro, às 18 horas, na livraria da Fox.





Páginas censuradas, textos suprimidos, versos impedidos de ir a público, peças mutiladas, cenários proibidos, vidas apagadas. Gente presa, perseguida e torturada. O período mais sombrio da recente história do Brasil deixou marcas na sociedade e um legado que precisa ser lembrado.

Por aqui, quem nos instiga a memória é o jornalista Paulo Roberto Ferreira no livro “A censura no Pará - A mordaça a partir de 1964”, publicado pela Editora Paka-Tatu. O trabalho será lançado amanhã, 29 de outubro, às 18 horas,  na livraria da Fox Belém, na Doutor Moraes.

“A censura no Pará” se transformou em livro depois que o autor defendeu dissertação de mestrado na Universidade de Évora, em Portugal, com o título “Avaliação da Influência da Mídia, no receptor, sobre as mudanças políticas de 1964”.
Quando terminou a coleta de documentos e entrevistas, percebeu a oportunidade de retratar com mais profundidade o tema em escala regional.

Como professor, Paulo Roberto precisava pautar exemplos locais em sala de aula para abordar a falta de liberdade no Norte do país.

“E também do cidadão que viveu e acompanhou muitas experiências de censura, que ia desde a proibição de reuniões nos intervalos das aulas até o controle dentro das redações dos jornais e emissoras de rádio”, afirma o escritor.

O jornalista pesquisou jornais da época, colheu depoimentos e fez dezenas de entrevistas que mostram como a censura afetou as artes, o sistema de ensino e a comunicação paraense.

O livro traz entrevistas e depoimentos com personagens impactados pelo regime, como o dramaturgo Nazareno Tourinho, os críticos de cinema Luzia Miranda e Pedro Veriano, o publicitário Pedro Galvão, o professor e escritor João de Jesus Paes Loureiro, o compositor Paulo André Barata, o jornalista Nélio Palheta, o ator e diretor teatral Claudio Barradas.

Traz, ainda, depoimentos de Ruy Barata, registros sobre as perseguições a jornalistas e livreiros, como Raimundo Antônio Jinkings, entre outras figuras perseguidas e vigiadas por quem estava no poder.

Em um momento de protestos pelo retorno dos militares, o livro é uma das muitas iniciativas para lembrar a quem parece ter esquecido o que a sociedade brasileira viveu nos anos de chumbo.

Além disso, “A censura no Pará” serve como fonte de informação para as novas gerações compreenderem o que esse período representa para a nação.

“A falta de debate sobre isso contribui para que pessoas autoritárias desejem a volta dos militares, bem como jovens que desconhecem os horrores da Ditadura, manifestem apoio ao retorno de um regime que causou prejuízos incalculáveis ao povo brasileiro. E um dos meus objetivos é poder contribuir com o debate sobre esse tema. Espero que novos estudos possam ir muito além do ângulo que trabalhei”, deseja o autor. 


Sobre o autor

Paulo Roberto Ferreira é jornalista e escritor. Mestre em Ciências da Educação, trabalhou como repórter, redator e editor de jornais e revistas. É um dos fundadores da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos. Começou a carreira no jornal alternativo "Bandeira 3", editado por Lúcio Flávio Pinto. Em 1978, ajudou a criar o jornal “Resistência”. Viveu e acompanhou, dentro de redações de jornais, uma parte do ambiente de controle da informação. 


Agende-se

Lançamento do livro “A censura no Pará - A mordaça a partir de 1965”, de Paulo Roberto Ferreira. Dia 29 de outubro, a partir das 18h, na livraria da Fox (Doutor Moraes 584, entre Conselheiro Furtado e Mundurucus). 


...........
Fonte: Assessoria de Comunicação do jornalista, com modificações do blog.

Nenhum comentário: