Ban

sábado, 27 de outubro de 2012

“O Jornal Pessoal se mantém porque diz a verdade. E a verdade se tornou pecaminosa, tem de ser perseguida em plena democracia!... O que acontece com a nossa democracia, quando a justiça passa a ser o instrumento de perseguição?”, pergunta Lúcio


Lúcio, durante a entrega do Vladimir Herzog. A foto é de Rose Silveira.



A Perereca da Vizinha registra a entrega do prêmio especial Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos ao jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto, na última terça-feira, durante solenidade realizada em São Paulo.

Além de Lúcio, outro gigante do jornalismo brasileiro também recebeu a premiação: Alberto Dines.

A escolha foi realizada por uma comissão julgadora integrada por representantes de entidades ligadas ao jornalismo e aos direitos humanos: Sindicato dos Jornalistas de São Paulo; Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo; Fórum dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo; Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ; Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil – UNIC Rio, entre outras.

O jornalista Audálio Dantas, que saudou os dois homenageados, ressaltou a coragem de Lúcio, que continua a fazer o seu excelente jornalismo, no qual denuncia as violências ocorridas na Amazônia, apesar dos inúmeros processos judiciais movidos contra ele.

“O Lúcio Flávio é vítima daquilo que chama hoje, no Brasil, de censura togada. São aqueles juízes que, acima da Constituição, mandam jornalistas se calar. Ele nunca se calou e por isso…” , disse Dantas.

Exemplo disso, conforme citou, é o fato de a Justiça ter condenado Lúcio a indenizar os herdeiros de Cecílio Rego Almeida, apesar da comprovação das denúncias do jornalista, acerca da grilagem de 5 milhões de hectares, pelo empresário, na região do Xingu.

“Continua valendo [a condenação], porque ele não tinha o dinheiro para pagar essa indenização. Mas ela produziu, ao mesmo tempo, um formidável movimento de solidariedade que se espalhou por todo o país, principalmente por jornalistas que disseram: ‘Todos nós somos Lúcio Flávio Pinto”, disse Dantas, bastante aplaudido pela plateia. “Isto valia ser dito aqui, porque simboliza um protesto contra essa censura que permanece, aqui e ali, em defesa, na maioria das vezes, de interesses peculiares”.


Eis o discurso de Lúcio, que a Perereca afanou do blog Todos com Lúcio Flávio Pinto (http://somostodoslucioflaviopinto.wordpress.com/):


“Sinto-me em casa aqui em São Paulo, onde morei por cinco anos, me formei na Escola de Sociologia e Política – tem até um colega meu de escola aqui presente –, e nasceu minha primeira filha aqui.

Eu estava em Belém, em 1987, já com 21 anos de jornalismo, quando, um dia, fiz, depois de três meses de investigação, uma matéria sobre o assassinato do ex-deputado Paulo Fonteles de Lima, um dos crimes políticos mais graves que já ocorreu no Pará. 

E essa matéria estava redonda, completa (ela ganhou o Primeiro Prêmio Fenaj, da Federação Nacional dos Jornalistas), e eu apresentei à diretora do [jornal] Liberal, que depois moveu cinco ações contra mim, e ela me disse que, infelizmente, não podia publicar porque envolvia dois dos maiores anunciantes da empresa, e um deles era considerado um dos homens mais ricos do Pará e outro, o maior armador fluvial do mundo.

E nós, jornalistas, já ouvimos esta frase várias vezes: “Ah, quer publicar? Faz o teu jornal”. 

Eu já havia experimentado fazer alguns jornais, disse: “Vou fazer um jornal para publicar essa reportagem”. 

Um jornal de custo mínimo, uma só pessoa, também sem qualquer possibilidade de dissidência (gargalhadas da plateia) e iria recusar publicidade. Primeiro jornal que recusaria publicidade. 

Me lembrei do Opinião, onde trabalhei também com Raimundo Rodrigues Pereira, e o Opinião disse: “Jamais a publicidade será superior a 20%”. Nunca precisou ter essa preocupação. Então, resolvi eliminar até essa preocupação metafísica.

Eu fiz o jornal, achando que o Jornal Pessoal fosse um jornal alternativo. 

Se fossem as teorias de Comunicação corretas, ele não precisaria existir, porque nós estamos no período da mais longa democracia da República brasileira. 

Mas eu vi que, ao longo do tempo – já se vão 25 anos –, o Jornal Pessoal  se especializou, involuntariamente, em publicar o que a grande imprensa não publica sobre a Amazônia. 

Não publica às vezes porque não sabe; não publica às vezes porque omite ou manipula, e os interesses que a Amazônia provoca hoje são mundiais. 

Neste momento, o maior trem de carga do mundo está fazendo a sua oitava viagem levando minério de ferro, o melhor minério de ferro do planeta, para a Ásia, 70% dele para a China e 20% para o Japão. 

É o maior trem de carga, leva quatro minutos, passando por determinados pontos, tem 330 vagões, quatro quilômetros de extensão.

Então, a imprensa não publica e o Jornal Pessoal se mantém porque simplesmente diz a verdade. 

E a verdade se tornou pecaminosa, tem de ser perseguida em plena democracia! 

O que acontece com nossa democracia, quando a justiça passa a ser o instrumento de perseguição?

Um grande cientista político alemão, Franz Neumann, analisou os julgados a República de Weimar, antes do Hitler – ele teve que fugir da Alemanha para os Estados Unidos.

E ele mostrou que justiça de Weimar, da República Democrática de Weimar, julgava diferentemente as pessoas: os socialistas eram punidos violentamente, os nazistas, não. 

Nós estamos, no Brasil, numa justiça da República de Weimar e, por isso, a justiça, que é o esteio da democracia, hoje aparece nos sertões, nos limbos do Brasil, como a ameaça.

E entre esses 33 processos que o Audálio Dantas, grande personagem, modelo para todos nós, jornalistas, lembrou o caso de um grileiro, que grilou terras. 

E eu fui condenado a indenizar o grileiro por chamá-lo de grileiro. 

A justiça do Estado [do Pará] me condenou, reconhecendo a grilagem, e a justiça federal deu a decisão contra ele. 

Como eu não tinha dinheiro para pagar, e não tinha mais a que recorrer, porque o presidente do STJ, Ari Pargendler, ele simplesmente pegou as formalidadezinhas da lei e ignorou a substância e as próprias decisões do Superior Tribunal de Justiça; resolvi não mais recorrer e, em 10 dias, os brasileiros, sobretudo de São Paulo, aderiram à nossa coleta e nós reunimos dinheiro suficiente para pagar.

Agora, o problema é pagar. 

Não existe nenhuma legislação da justiça brasileira do réu que quer pagar. 

Todo réu foge de pagamento. Eu quero pagar, porque no dia em que eu for pagar, em nome de 770 pessoas que me deram dinheiro para eu pagar, eu quero dizer: “Essa justiça é iníqua. Essa justiça não tem identidade nenhuma com a nação”. 

Então, esse pedido único na história do judiciário brasileiro está na mãos do juiz, o juiz não sabe o que fazer para eu pagar a minha indenização. 

Então, eu acho que, à parte os interesses corporativos, os empresariais, nós, jornalistas, temos que colocar a mão na nossa consciência e dizer: ‘Nós estamos sendo covardes? Nós estamos querendo fugir dos riscos? Nós estamos querendo ficar ao lado do computador, ao lado do telefone, não na linha de frente, olhando as pessoas e vendo o Brasil real?’

Hoje, com este prêmio que muito me emociona, vocês estão dizendo que aquele jornalzinho, lá em Belém do Pará, pequeno, que não tem foto, que não tem cor, não tem mulher nua, não tem colunista social, ele merece viver. 

Nós merecemos viver. 

Muito obrigado!”

Um comentário:

Anônimo disse...

A grande obra social do PSDB em Belém é o Mangal das Garças, onde os ricos da cidade deliciam-se com o que há de melhor da gastronomia local no restaurante Manjar e o pobre fica do lado de fora, com fome, no sol, literalmente a ver navio, navio não, barquinhos.
A grande obra do turismo do PSDB em Belém, é o do turismo sexual, onde os ricos se deliciam com o melhor chopp e melhor comida da cidade, depois saboreiam a sobremesa das pobres mulheres que se prostituem na Estação das Docas.
A nobresa de Belém, merece seu prostíbulo, nesse caso, a melhor pedida é a casa das onze janelas, onde os maridos infiéis vão atras das prostitutas de luxo da cidade.