Ban

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Eternamente tucana!

Há uns anos, quando o PSDB estava no poder, no Pará e no Brasil, era “moda”, entre jornalistas e intelectuais, ser de oposição aos tucanos.

Quando a gente dizia que era tucano, as pessoas torciam o nariz e despejavam em cima da gente um monte de críticas.

E se a gente dizia que admirava o governador Almir Gabriel, era um Deus nos acuda: alguns, menos sutis, chegavam até a insinuar que éramos movidos a dinheiro, ou até por alguma assessoria.

Era um tempo em que as pessoas até nos segredavam possíveis irregularidades cometidas pelos tucanos, apenas para nos fazer “virar a casaca” e nos levar a acreditar que o PSDB não é o grande partido que, efetivamente, é.

E penso que a herança do PSDB ainda precisa ser historicamente resgatada, para as novas e futuras gerações.

Que desconhecem o que era o inferno da hiperinflação.

Que desconhecem a batalha que deve ter havido, inclusive dentro do próprio partido, para propor avanços – que, num país escravocrata, parecem até coisa de revolucionário – como é o caso das cotas universitárias e das bolsas de auxílio à superação da pobreza extrema.

E eu penso que, sabe-se lá por que, o PSDB sempre pareceu ter enorme vergonha de suas realizações sociais.

Tá bem, eu concordo: a gente não pode ficar se gabando do que é, simplesmente, uma obrigação.

A gente não pode ficar “vendendo” às pessoas um direito delas, como se fosse um favor, uma “benemerência” da nossa parte, porque isso nos tornaria exatamente iguais a tudo o que sempre combatemos.

Mas o fato é que nem mesmo a estabilização econômica o PSDB conseguiu fixar no coração das pessoas como um ganho extraordinário, que teve como protagonistas alguns de seus mais brilhantes quadros.

E, talvez, o problema seja, novamente, o fato de a estabilização econômica ter repercutido, justamente, no bolso dos mais pobres...

Quer dizer: talvez só Freud explique o problema desse partido em assumir a sua identificação com os mais pobres...  

Ora, não estamos nessa luta porque somos uma elite desocupada, que, de repente, sem ter o que fazer, resolveu demonstrar a sua “peninha” pelo Zé da esquina.

Estamos nessa luta porque acreditamos na igualdade, porque acreditamos na Democracia, porque acreditamos na Cidadania.

Porque, no fundo, todos sabemos que devemos tudo o que somos à sociedade que nos fez.

Sabemos que somos entes coletivos, que não subsistiriam uma semana, um mês, fora de uma coletividade. 

E sabemos que inexiste diferença entre nós e o outro, que sobrevive na miséria absoluta.

E que aquele ser que está naquela miséria tem, sim, o mesmíssimo direito que nós, não apenas a uma vida melhor, mas, a uma vida Cidadã.

E, é claro, eu sempre disse aos companheiros petistas (e alguns morrem de raiva de mim por isso): “vocês são iguaizinhos a nós; todos somos cuspidos e escarrados; somos, todos, farinha do mesmo saco”.

Mas voltemos àquela época em que era quase um “pecado” ser tucano.

Já naquela época, eu era o que ainda sou hoje em dia: inabalada e inabalavelmente tucana.

Não porque queira, é verdade, mas porque o meu coração é tucano.

Se amanhã abrir a boca para falar alguma coisa, as pessoas vão perceber que o meu “discurso” é tucano, porque vem do fundo do coração.

Então, não posso negar isso, porque o PSDB, na verdade, está em mim como uma segunda pele...

Mas também sou jornalista.

E não posso, pelo fato de o meu partido estar no poder, me eximir de fiscalizá-lo.

Penso que abrir mão dessa condição de fiscalizar o Poder – qualquer que seja o governante dele revestido – implicaria, em primeiro lugar, trair o próprio ideário tucano.

Lutamos tanto pela Democracia, pela Cidadania, pela Igualdade... Lutamos tanto pela ética na política, que, quando nos vemos entre um governante do nosso partido e o nosso dever de fiscalizá-lo, é nosso Dever nem mesmo titubear...

Sei que alguns dirão: “mas, companheira, isso é ingenuidade! Você está a fazer o jogo da direita!”.

E penso que há aqui uma “diferençazinha” entre nós e os companheiros petistas.

Nós não somos massa de manobra. Nós não nos prestamos a simples “rebanho”.

Nós, em verdade, temos consciência da Cidadania e do Poder que ela nos dá.

Não pensamos isso ou aquilo porque fulano ou sicrano acha que a gente deve pensar assim ou assado.

Pensamos porque pensamos. E queremos que a dona Maria, o seu José, o seu Joaquim e a dona Madalena também aprendam a pensar por eles mesmos.

E se amanhã pensarem contra nós, que ótimo! É sinal de que aprenderam a pensar sozinhos, mesmo que julguemos isso um equívoco...

Nós, tucanos, somos infinitamente democráticos. E é isso que nos move – creio...

Tudo isso, caro leitor, nem é para você – é para mim...

Almir Gabriel foi o meu primeiro amor na política. Nunca mais vou amar e respeitar um político como amei e respeitei Almir Gabriel.

Uma vez, cheguei a dizer a uns colegas que até me sentia incomodada com aquela admiração que sentia por Almir, porque, mesmo a entrevistá-lo para a assessoria de imprensa do Governo, não conseguia perguntar o que devia, porque me sentia intimidada, diante daquele homem que me parecia sobre-humano...

Por isso, só eu sei a dor que senti quando investiguei as histórias de Chico Ferreira e de Marcelo Gabriel.

Só eu sei – ninguém mais!...

Mas se tivesse de investigar novamente, investigaria.

Ao contrário do que imagina o PT, nós, os tucanos, temos, sim, um enorme compromisso com a Ética e com a Democracia.

Nós, os tucanos, somos muitas vezes melhores do que muito petista que anda pela rua gritando isso ou aquilo.

Mas sei que estou sozinha nessa empreitada de fazer Jornalismo, apesar de ser o meu partido no poder.

Os companheiros petistas, apesar de na oposição, olharão para mim com desconfiança, por perceberem um quadro tucano que não podem nem convencer, nem comprar.

E os companheiros tucanos me olharão como uma “traíra”.

Fazer o quê?... No vai da valsa que é a vida, só sei que fui, sou e sempre serei... Eternamente tucana!...

FUUUUUUUIIIIIII!!!!!!!!!!

PS: e como já disse há uns anos, Viva Aécio! Aécio, o nosso JK do Século 21!

Pra vocês!

14 comentários:

Anônimo disse...

isso perereca, tenta, tenta, se convencer... abre aos quatros ventos que vc sempre foi tucana... que admira(va) o Almir... Quanta falãção, quanta b-a-b-o-s-e-i-r-a!!! Pensei que esse blog era sério e não local de explicitar as preferências... quer justificar o quê, que vc é "onesta"? Por quê?

Anônimo disse...

Ana, so faria uma retificacao, o correto seria vc escrever:"Eu, a Tucana".
Assim como a conhecemos pelo carater e integridade, nao podemos usar como padrao de comportamento para com os demais, ou voce acha que suas atitudes sao iguais a de Mario Couto, do Jatene, do Flexa, do Zenaldo, do Pioneiro, da Izabela (aquela dona do programa Pow Pai! (so isso?)), ???
Daqui a pouco, a investigacao feita com filho do Almir, vai ser feita com os filhos do Jatene, o esquema e o mesmo. E so investigar.

Anônimo disse...

Então, tá! Fuuuuuuuuuuuuuuui!

Anônimo disse...

Imagine se tu não fosses tucana?

DR PAULO MONTEIRO disse...

Ana Celia tambem sou tucano de coraçao e nao sai do partido apesar da desgraça que seus deputados estao apoiando na minha terra o meu ALENQUER atraves de um prefeito corrupto.Espero que o Gov Jatene mude essa orientaçao

Anônimo disse...

Dobra a dose do remédio.

Mas o fato é que nem mesmo a estabilização econômica o PSDB conseguiu fixar no coração das pessoas como um ganho extraordinário, que teve como protagonistas alguns de seus mais brilhantes quadros.

Sabe porque não acreditam, simplesmente porque não foi a tucanalha, foi a Itamar Franco, esse sim injustiçado pela arrogancia de FHC. Eécio? vamos aguardar o início do jogo.
Leio você recentemente, acredite, já sou seu admirador.

Roberto Martins

Anônimo disse...

Ana, é muito ruim quando olhamos ao nosso redor e estamos sozinhos na luta. Acho que neste governo vc está só. Mas mantenha-se firme nas fileiras tucanas.

Ricardo disse...

Tá esplicado a ausência por tanto tempo, só pinga-pinga de vez em quando. Pensei que era só o cala boca do Milton Nobre.

Bonanza - O colírio pra cegos disse...

A única coisa que tenho a comentar cara blogueira, é que se depender de mim esse fanfarrão da elite chamado Aécio Pilantra Neves, nunca vai ser eleito Presidente da República do Brasil. Aconselho ele a comprar uma ilhota no Paraguai e fundar uma republiqueta por lá, e levar toda a tucanada ruim do Pará pra lá com ele.Boa noite e parabéns pelas matérias lúcidas que você produz.

Anônimo disse...

muda de vida.

Anônimo disse...

Até hoje discute-se a validade de um comentarista esportivo reconhecer sua paixão por determinado clube, alguns argumentam que ao faze-lo ele perde a credibilidade, e também a isenção, mas pessoalmente acho isso besteira, o que compromete não é o lado assumido, e sim a capacidade do comentarista de reconhecer os defeitos de seus preferidos, então parabens pela sua honestidade, só tente não parecer muito surpresa com as falcatruas de seus preferidos, Marcelo Gabriel e Chico Ferreira estão longe de serem os únicos, Paulo Chaves com seu notório desprezo com o dinheiro público, Simão Jatene com sua capacidade de transformar pra sua familia tudo em ouro, também a célebre mania de seus parceiros de se auto-homenagearem dando seus proprios nomes a logradouros públicos, os escandalos da venda da Celpa, nunca explicado e nem prestado contas a sociedade do dinheiro, o outro escandalo da Cerpasa, igualmente inexplicado, a Alça Viária, feita por seis vezes o preço licitado com uma qualidade sofrível, Hangar, o mais caro da História do Brasil, e nem assim terminado no governo Jatene, enfim, daria uma pagina inteira de comentarios a esse respeito, mas nem isso apaga sua coragem de assumir o que todo mundo sabia, mesmo porque é notorio sua tolerancia maior com os desmandos dos tucanos em detrimento aos petistas.

Anônimo disse...

Isso tá com cheiro de volta. Será que já pegaste uma "açeçoria" do governo?

Anônimo disse...

Caríssima Ana Célia, o contraditório nos impulsiona ao crescimento. Concordo com vc, sobre o orgulho de ser tucana,e ainda sobre a grande contribuição que o nosso partido deu ao Pará e ao Brasil. O PSDB reescreveu a história política, social e economica brasileira, entretanto esqueceu-se de ter a humildade de reconhecer-se como povo, embora pensasse como, ou, para tal, não conseguiu se popularizar.
Embora tenha formado uma massa crítica altamente qualificada,não conseguiu formar um quadro político que possibilitasse a nós paraenses, a identificação de lideranças naturais, que aprimorasse e dessem continuidade ao projeto político da social democracia.
Não sou cientista política, mas como vc, apenas uma tucana que viveu a estabilização do PSDB e sua derrota,e hoje vive a esperança de renovação e do respeito às divergências de idéias, pelo fortalecimento do ideal TUCANO.
Abraços!

Anônimo disse...

Nooooooooossa, que chá foi esse que tomaste? Deve ser o Santo Daime e beeeeeeemm concentrado. Eita que a cabeça da Perereca tá feita....Aff...