Ban

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Carta aberta ao totó do Orly, vulgo Ronaldo Brasiliense



Até quando, Ronaldo Brasiliense, abusarás da minha paciência?
Até quando destilarás na internet essa tua baba peçonhenta, regiamente paga pela Vale e pelos tucanos?
Até quando buscarás iludir o distinto público acerca dessa tua “honestidade” de prostituta de beira de estrada?
Até quando andarás por aí a exibir esses teus prêmios, para esconderes a anomalia em que te transformaste?
Na realidade, não passas de um coitado, um sujeito de quem todos estão a rir por causa dessa história de seres apenas o totó do Orly.
E todos riem porque, no fundo, sabem que isso, sim, é a mais pura verdade.
Já foste um grande jornalista, Ronaldo. Mas isso foi antes – muito antes – de te deixares reduzir a essa coisa que és agora.
E o que és, Ronaldo?
Apenas um repórter envelhecido, preguiçoso, que sobrevive de pequenos golpes, como é o caso daquele jornal apócrifo que escreveste na campanha de 1998; como é o caso do Paraense, cujo projeto inicial não era essa lama em que se transformou.
Dizes que não tens processos, mas por que terias processos, se ninguém já acredita em ti?
Até porque todos sabem, Ronaldo, que hoje és apenas uma expressão jornalística do 171!...
A cada eleição defecas pelas ruas as tuas publicações imundas, que, muitas vezes, não tens nem a dignidade de assinar.
E nesse ponto, Ronaldo, consegues ser até pior do que o Silas Assis...
Dizes tanto que és honesto, profissional, transparente. Mas que honestidade é a tua que ninguém sabe, ninguém viu?
Passaste quatro anos desancando a Ana Júlia, falando horrores até da vida pessoal dela. Mas nunca deste um pio sobre o Eduardo Salles, o nepotismo do Jatene, o Fernando Dourado, o convênio da Funtelpa – nada!
Da mesma forma, passaste anos a fio desancando o Jader Barbalho e o Lira Maia – mas, agora, estás aí, caladinho, porque o Jader e o Lira Maia são aliados daqueles que  pagam o teu bolsa-lambaio.
E essa é a diferença entre nós, Ronaldo Brasiliense: fazes matérias de encomenda, em troca de um osso, de um prato de babugem, ao passo que eu faço é Jornalismo.
Investiguei tanto os tucanos, quanto os petistas. E vou seguir investigando quantos mais ocuparem o Governo do Estado, porque é o meu dinheiro de cidadã, de contribuinte, que está nessa parada. É o dinheiro que representa a esperança de uma vida melhor para a dona Maria e o seu José.
E é isso que, no fundo, está te incomodando, não é Ronaldo? Ou melhor, incomodando o teu proxeneta da ocasião...
Começaste com onda comigo quando, acabada a campanha, voltei a fazer o que sempre fiz: jornalismo investigativo.
E essa é uma das coisas mais vergonhosas que já vi acontecer na imprensa paraense: estás, claramente, sendo pago para tentar me calar. Tu, um jornalista. Tu, que falas tanto em liberdade de expressão...
O que queres, Ronaldo? Ou melhor, o que quer o teu dono?
Que eu passe a viver do jeito que vives, do silêncio e dessa pilantragem que chamas de jornalismo?
Queres que passe a me locupletar, como te locupletas? Queres que eu ande a levar uma vida nababesca, como essa que levas, a custa de dinheiro público, daquilo que é de todos?
Não, meu amigo!... Prefiro viver do jeito que vivo, ralando para pagar as contas de casa no final do mês.
Prefiro mil vezes até andar de muletas, como tenho tido de andar, sem dinheiro até para tratar do meu joelho, a me tornar essa coisa em que te transformaste: um canalha, um amoral, um sujeito seboso que sobrevive apenas de michê.
E quanto aos teus prêmios, Ronaldo, eles apenas demonstram o fundo do poço em que bateu a imprensa brasileira, ao premiar “reportagens” requentadas, de um repórter preguiçoso e canalha, que se presta até a essa coisa sórdida de tentar silenciar outros jornalistas.
Um sujeito tão desqualificado que até resposta já anda a requentar.
Quem faz o meu caminho sou eu, Ronaldo Brasiliense. E eu escolhi o lado da sociedade.
Sei que eu poderia ter uma adubada consultoria, de R$ 10 mil por mês, como essa que tens; sei que poderia ter uma assessoria bacana no novo governo – e pergunta ao Orly sobre a conversa que tivemos – sei que poderia até fazer um jornalzinho caça-níqueis, para descolar um pontaço da turbinada propaganda oficial.
Mas, sinceramente, não ligo muito pra essa história de uísque, vinhos, queijos e apartamento com vista para a baía do Guajará...
Por isso, podes dizer ao teu dono que essa tarefa que te deram não tem a menor chance de prosperar.
Vou seguir fazendo aquilo que amo: Jornalismo.
Vou continuar a serviço da dona Maria e do seu José, que, muitas vezes, morrem na porta dos hospitais – ao passo que outros, né Ronaldo?, têm até helicóptero cedido pelo Governo do Estado, por milhares de reais e com dispensa de licitação, quando adoecem...
Vou continuar a viver do meu trabalho – e não desses expedientes sujos que utilizas, como essa tua consultoria adubada, que tens até vergonha de confessar.
E não vou mais perder meu tempo contigo: tenho as contas de campanha do Jatene, para continuar a investigar.
Um trabalho feito por um batalhão de jornalistas, no Brasil inteiro, em relação às contas de campanha dos governadores eleitos, até para que possamos estar atentos ao “toma-lá-dá-cá”.
Um trabalho que tu, um jornalista tão premiado, não apenas deixaste de fazer, como queres impedir que outros façam.
Diz ao teu patrão, ao teu proxeneta, que ele não vai contar com o meu silêncio, não, para aloprar com a coisa pública.
Enquanto vida tiver, enquanto saúde tiver, enquanto meios tiver, vou continuar a denunciar patifarias com o dinheiro público.
Tenho enfrentado muito cachorro grande, Ronaldo. E não é um cachorro pirento da tua marca que vai conseguir me calar.
FUUUIIIIIII!!!!!!

....


Peço desculpas aos leitores por demorar a vir aqui, mas é que estou com muito material para investigar, desdobrar e escrever.

21 comentários:

Anônimo disse...

Você está coberta de razão. Parabens pela autenticidade e coragem.

Anônimo disse...

À discípula, com carinho...
Para você curtir tomando umas geladas essa noite...

http://www.youtube.com/watch?v=WscauQyPQeI

Anônimo disse...

Choquei-me!!!

JOAO CARLOS DE ANDRADE disse...

Nossa perereca...quanta acidez!..uma jornalista como você não deveria perder seu tempo com pessoas desse tipo. Fiquei assustado com sua ira. Garanto uma coisa a você. Não existe santos na política brasileira. Não adianta ficar brigando com esse ou aquele político, pois todos tem um só objetivo...enriquecer...o pior é que a comunicação anda diretamente ligada a esses ratos, portanto sempre haverá colegas se vendendo por um prato de bacalhau. Estendo seu post a Ronaldo Brasilense a mais algumas duzias ou centenas de jornalistas.

Anônimo disse...

Caramba ele tem o DNA do Silas Assis? Virou tóto? Vai morar na casa do Lyra Maia que mostrou no Paraense e disse que era de dinheiro duvidoso e agora senta a mesa ou na mesma latrina para lamber os dejetos que o alimentam como as bactérias? O macaco aqui só quer entender.

Anônimo disse...

Não adianta, Ana. Quem nasceu prá barata ou perereca, jamais chegará a um Lúcio Flávio. Não digo Ronaldo
Brasiliense prá que vc não fique dizendo aí que é puxassaquismo. O importante é deixar claro que o seu "jornalismo investigativo" é, na verdade, uma catarse invertida. Melhor cuidar da sua bipolaridade antes de pensar em suicídio.

Anônimo disse...

Don'Ana. Uma perguntinha e um comentário que não querem calar: por que, ao invés de travar essa disputa ensandecida por "audiência" com o jornalista Ronaldo Brasiliense, você não está atenta ao verdadeiro fato jornalístico do dia: a descoberta da ratoeira da SEMA? Isso, sim, seria prestar um serviço ao distinto público que paga imposto e merece saber em mãos de quem deixou o governo do Pará em 2006. Ponto final.

Anônimo disse...

Pano rapido!

Anônimo disse...

O problema de alguns jornalistas é que por conviverem com os poderosos, se sentem poderosos.

O bom jornalismo deve ser um instrumento à disposição do cidadão contra os abusos dos poderosos.

Jornalista que é puxa-saco não é jornalista.

Anônimo disse...

Assim como existe o Totó da Clara,(passione) existe agora o Totó do Orly. Que fofura ai..

Anônimo disse...

Vou plagear a primeira frase que o papudinho, Hélio Gueiros, dizia no programa matinal, o resto é automedicação: "MEUS AMIGOS DA CAPITAL E DO INTERIOR, DÁ LICENSA MAS DEPOIS DE TANTA SUJEIRA, VOU TOMAR MEU GADERNAL.A SAIUDA PARA O TÓTÓ É MONTAR UM PETSHOP, NÃO VAI MONTAR BOTECO COMO O ORLY, POR FAVOR"

Anônimo disse...

Ela tá beba doida!
Ela tá beba doida!

Anônimo disse...

Perereca, tenho até pena de ti, cada dia tu fechas mais uma porta para tu trabalhares! O que tu pensas da vida?

Anônimo disse...

Existem coisas que sabemos ser verdadeiras mas que nossa inteligência de remorso teima em não acreditar, o caso do Ronaldo é uma dessas coisas, logo que o Ritchie lançou Menina Veneno eu pensei esse cara vai fazer historia, hoje passados 27 anos ele já gravou exatamente 90 musicas, pasmem 90 de A Carta até Vôo do Coração colocando em ordem alfabética, porem só após todos esses anos é que eu me convenci de que o que eu imaginava não se tornou verdadeiro, entretanto a dignidade dele faz com que recuse (mesmo precisando) fazer com alto cachê, show em festas de aniversários.

Uma pessoa tem que ter consciência do patamar a que chegou , deve manter a dignidade mesmo se ela o fizer trocar o deleite de um pecorino Casu Marzu acompanhado por uma taça de Château Mounton-Rothschild 1892 , por um queijo de búfalo marajoara e uma caneca de Sangue de Boi.

A historia cobra de quem se tornou celebridade , uma posição condizente de postura em relação ao que lhe torno celebre, seria uma disparidade para não dizer loucura se o compositor de Aquarela do Brasil , Ary Barroso estivesse vivo e para manter uma vida nababesca compusesse ao menos um funk.

Exatamente uma loucura, apesar de não deixar sua praia de compositor, pelo seu passado ele poderia fazer sucesso , faturar alto, porem passado o momento seria só motivos de risos, sua descendência iria arcar eternamente com essa irresponsabilidade, a não ser que ele voltasse ao seu gênero musical compondo outro clássico , o funk teria sido apenas uma aventura.

Como tive a mesma impressão do Ronaldo Brasiliense no seu começo de glamour espero que ele tenha a mesma postura do Ritchie , que seu momento atual seja apenas uma aventura de um Ary Barroso funkeiro, pois apesar dos fatos sem fotos ,ainda me recuso a acreditar que ele não retorne ao fio de sua época confiável , de que ele não deixei essa gráfica verosímil , de que ele não volte a imprimir credibilidade.

Contudo será que ele ainda vai se convencer de que quem anda com a cabeça erguida é porque tem a certeza de que sua estrada é limpa e ele não vai tropeçar, enquanto os que baixam a cabeça ao trilharem o seu caminho tem a certeza de obstáculos morais e querem evitar tropeços.

Agora eu ainda não acredito nesta mudança dado ao seu comportamento hoje na manchete de O PARAENSE , “ O governo mais corrupto da historia”, nada mais que fato de canil, onde um jogador de xadrez visualiza apenas um cachorro VIVO batendo em um cachorro MORTO, em respeito aos já falecidos Euclides “Chembra” e Abraham Lincoln um que eu conheci o outro que tenho noção, Abraham Lincoln disse e o “Chembra” divulgava na filosofia peculiar da família Bandeira, a frase era mais ou menos assim: “ Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, porem se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder” eu digo ao Ronaldo você tem o poder de escrever em O PARAENSE e da maneira que você esta agindo talvez algum dia escreva que conheceu o Lincoln e tem noção do Chembra dado a sua insensata alienação ao que se presta ou se rende por dever.

O Ronaldo pode ter um paradigma de sua fama na biografia, o Claudio Augusto Sá Leal ou o Maycon, Mike, Maicon,Maique do Mosqueiro, a escolha e dele. Espero que seja o Claudio

Quanto a você dona perereca ,eu queria abusar de você ai vai uma estrofe da musica Loucura e Mágica do velho Ritchie


O numero do teu telefone é assim,
Feito o segredo de um cofre
E ter o teu segredo e não poder usar...

MCB

Anônimo disse...

Sempre Anas, a Julia , a esposa do Jatene , a da perereca, seria justo que o ditado agora mudasse de me diga com quem andas para me diga com que Ana, e por falar em mudar , gostei do ROBRAS um apelido mais melhor do que Totó , pelo esse não deixa pulga atras da urea, parecer ter pulga é chato ne não

Anônimo disse...

O anônimo MCB foi direto na ferida. Análise completa. Nota 10!!!

Anônimo disse...

Estás louca! Este é o meu pensar a respeito da tua existência, tão frustrada, tão inútil, tão má. O Orly te deu a mão, te deu oportunidade de ganhar uma pontinha fazendo parte da equipe da campanha Jatene 2010. O que fizestes? Bisbilhotastes tudo, traistes todos, agistes como mulher-calhorda. Preconceito contra mulher? Pula essa! Mulher sem caráter, sem ética,ingrata, traíra, tem que ser considerada assim, e ponto final. A tua parceira, Franssinete, está desesperada pois certamente deixará de usufruir de generosos patrocínios oficiais para o seu panfleto uruatapera. O Braziliense haverá de desmascarar vocês duas, manjadíssimas no quesito "quero aparecer".

Anônimo disse...

Um dos melhores textos que já lí até hoje. Tão bem escrito que declina do conteúdo.

Anônimo disse...

O Anonimo de 08:52 precisa estudar portugues...
Use a segunda pessoa do singular ao se referir a UMA pessoa, Ronaldo Premiado Braziliense...

Anônimo disse...

Sou Anônimo das 8:52 e em resposta a teu comentário a respeito da segunda pessoa, posso até não saber escrever , agora cego eu não sou ,vocês tão querendo é queimar o filme do futuro homem das comunicações , a Franssinete que se cuide tu sabes porque querida e você já não se cuida como dizia aquele “cara” no radio mulher mais como tu mora mal .

Eu ainda vou rir tomando banho das tentativas de vocês !

marcus heleno disse...

Isso parece coisa de invejoso !