Ban

domingo, 20 de agosto de 2006

20 de agosto de 2006


O Reinado do 171



A Perereca vai começar a colecionar os e-mails nojentos e covardes, que lhe estão sendo enviados, com intensidade ímpar, nos últimos dias.

Não é por nada, não. Uns amigos me sugeriram que lançasse um livro de crônicas sobre o Barão.

Daí que tais e-mails têm de, necessariamente, integrar essa obra.

Para que as pessoas saibam da politiquinha que predominou no tempo desses canalhas arrogantes, metidos a patrulhar a Deus e ao mundo.

É imundície genética. É coisa de gentalha que nem sabe que existe – até porque protozoário não pensa.

E o que eu acho mais lamentável é que esses crápulas não têm coragem, sequer, de se identificar.

A denúncias fundamentadas, embasadas em centenas de documentos, respondem com ofensas de toda ordem.


Imaginam, por certo, que todos habitam a lama em que se multiplicam. Até porque abjeções como essas só conhecem a putridão.

Como já disse, antes, eu assino este blog. Assumo cada linha do que escrevo. E esfrego na cara dos quadrilheiros as provas do crime.

Por isso, fico revoltada com essas coisas-ruins, que se imaginam gente, a apelar ao anonimato, para ofender quem se recusa a viver de michê – que nem fazem essas “donzelinhas” do Bataclan.

Metem a mão, descaradamente, em dinheiro público. Enriquecem as famílias. Realizam toda sorte de tenebrosas transações – e, mesmo assim, seguem a apontar o dedão acusador.

Imaginam-se, talvez, detentoras de “direito divino” à rapinagem. Mas não passam de uma praga de gafanhotos que se apossou do que é público. Parasitas, enfim.

Tudo lhes é abençoado – mesmo a ladroagem explícita. Comportam-se, por assim dizer, como uma ilha de Santidade. Mas são, em verdade, apenas um covil. Verdadeiros sepulcros caiados: belos por fora, mas repletos de toda imundície.

E são coisas tão pequenas e acanalhadas que, mesmo com todo o poder de que dispõem, ainda se escondem no anonimato, para tentar intimidar as pessoas.

Não passam de uma choldra, um bando, uma súcia - nada além disso - a intentar o Reinado do 171.

6 comentários:

Flanar disse...

Esta história do "Reinado do 171" realmente é muito engraçada. Hoje me peguei rindo só pensando nela.
Abs

Ana Célia Pinheiro disse...

Brigadão pela visita, Barretto. Mas, agora, depois de matutar, creio que o melhor seria "A República do 171". Aliás, creio que vou escrever sobre isso no próximo post sobre o Barão. Quem sabe, até, não uso isso como título do meu livro. Beijinhos, Ana Célia.

Juvencio de Arruda disse...

Largue-lhe a porrada, blogueira.
Bjinhos

Ana Célia Pinheiro disse...

Brigadão, pela visita, Juvencinho. Queridinho! Vixe, Maria! Pra você, a Perereca depõe as armas! Benza Deus! Bjs, Bjs, Bjs.

Direito & Esquerdo disse...

Ana Célia,

Não abandone a vanguarda contra o tucanato corrupto que tomou de assalto nosso estado.
Força e pode contar com o Direito & Esquerdo.
Bruno

Copulatum et Malum Remuneratum disse...

Fantástica idéia, embora a luta não seja só contra o tucanato. Tem que baixar o cacete é nessa turma toda que insiste em zombar de nossa cara, roubando, enriquecendo, traficando, enfim, "copulando" a gente... pena que a lista seja grande: o barão, o alcaide, o doutor, os larápios do oxímetro, o homofóbico... melhor parar senão vou gastar todo meu teclado pra enumerar a rapinagem...