Ban

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Mais dois internautas denunciam negativas de policiais em registrar Boletins de Ocorrência. Até roubo e ameaça de morte a mulher policiais estariam tentando não registrar, contam leitores. Perereca continua sitiada. Faça a sua denúncia ao blog, ou procure o Ministério Público. Não se cale: denuncie!




Mais duas negativas de policiais em registrar Boletins de Ocorrência estão sendo denunciadas por internautas. 

As denúncias foram feitas no Facebook da Perereca, em comentários à postagem “No flagra: delegada se nega a registrar BO - é a impressionante fórmula de Jatene para reduzir as ocorrências policiais”. 

A postagem relata a negativa da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) de registrar um BO sobre os maus tratos infligidos a uma cadelinha de apenas quatro meses. 

A Perereca teve até de recorrer à Promotoria de Controle Externo da Atividade Policial, que, na manhã de sexta-feira, 18,  encaminhou requisição à DEMA, para que seja instaurada a investigação criminal. Leia a postagem aqui: http://pererecadavizinha.blogspot.com.br/2015/12/no-flagra-delegada-se-nega-registrar-bo.html 

No Face, a leitora Maria Aparecida relata que uma amiga dela também não conseguiu registrar um BO na Delegacia da Mulher. 

Tenho uma amiga que foi ameaçada de morte pelo ex-marido e se dirigiu a Delegacia de Mulheres. Depois de esperar 3 horas para ser atendida, a Delegada disse que não poderia registrar a ocorrência e, apesar da insistência, o BO não foi feito e ela está aí, esperando morrer, a imprensa publicar, pra ver se eles vão registrar. Aí concordo com a Ana Célia Pinheiro: assim as estatísticas caem e no Pará não existe violência. É a real Ilha da Fantasia!”, diz Maria Aparecida. 

Já o leitor Moacir Neto narra um fato semelhante, ocorrido na Delegacia da Pedreira: “Ana Célia, vc não tem noção do quão comum é isso. Meus pais, há um tempo atrás, foram assaltados e foram até a delegacia da pedreira, o policial de plantão tentou se recusar a fazer o BO.. Meu pai sozinho "investigou" e uns colegas dele que viram o assalto falaram onde os 5 moravam. Meu pai foi a delegacia e nada fizeram, mas da ultima vez q meu pai perguntou dos meliantes, dos 5, 3 morreram, 1 ta preso e outro ta desaparecido. E até hj a aliança de casamento da minha mãe nunca foi encontrada e talvez nem exista mais. O problema é a raiva que dá quando isso acontece”. 

Outra leitora, Elze Cordeiro, manifestou seu espanto com a inação da DEMA. “Que história absurda!” – escreveu Elze – “A segurança pública desse Estado definha e, como se não bastasse, o crime de crueldade contra os animais é banalizado e tolerado como algo corriqueiro”. 

A Perereca está aberta para novas denúncias sobre fatos semelhantes. 

Não se cale: denuncie! 

E da próxima vez que um policial tentar se negar a registrar uma ocorrência, formalize uma queixa na Promotoria de Controle Externo da Atividade Policial, que funciona na 16 de Novembro, entre João Diogo e Joaquim Távora, no bairro da Cidade Velha, em Belém, no mesmo prédio do MP Criminal. 

Também não se esqueça de compartilhar essa postagem, principalmente nos grupos das redes sociais que você frequenta, para que mais pessoas tomem conhecimento e denunciem. 

Policial que se recusa a registrar BO pode ser acusado de crime de prevaricação, previsto no artigo 319 do Código Penal: “Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”. 

Vamos fazer fila na porta do MP, para acabar com esse tipo de abuso. 

....... 

Enquanto isso, caro leitor, permaneço sitiada em minha própria casa. 

Ontem, saí para comprar água, em uma vendinha que fica dentro do condomínio. Havia acabado de voltar quando um carro preto, parecido com um que vi, certa vez, na casa de meus vizinhos (os tais “donos” da cadelinha),  parou na frente da minha casa. Entrei o mais rápido que pude e fechei o cadeado, com medo de uma possível invasão. 

Aliás, apesar da segurança do condomínio, tenho passado quase o tempo inteiro com os portões trancados a cadeados. 

Hoje, o arroz acabou, outros mantimentos estão para acabar, e não consigo nem ir ao supermercado, devido à possibilidade de que invadam a minha casa, para tirar a cadelinha do meu quintal, caso ela esteja sozinha. 

Tá vendo no que dá quando a polícia não cumpre o seu papel? 

O cidadão fica exposto a perigos absolutamente desnecessários, sempre que se nega a compactuar com um crime e a polícia resolve prevaricar. 

É o cidadão cumpridor de seus deveres quem acaba algemado; quem acaba cerceado até em seu direito básico, constitucional, de ir e vir. 

E como é que tudo isso vai terminar? 

Não sei, caro leitor. Só sei que se tentarem invadir a minha casa, para retirar essa cadelinha na marra, eu vou me defender. Sou deficiente física, quase não ando, mas vou me defender. 

E quanto à delegada Juliana Thomé Cavalcante do Rosário, da DEMA, que se negou a registrar o meu BO? 

No último demonstrativo do Governo do Estado, consta que ela recebe quase R$ 14 mil por mês de remuneração base. 

Dá ou não dá para cumprir o dever funcional de registrar as ocorrências e investigar?

Um comentário:

Anônimo disse...

oriximina nao esta registrando varios casos desta semana....