Ban

domingo, 19 de outubro de 2014

Opinião: Ministério Público tenta fraudar as eleições do Pará. Procurador eleitoral pede à Justiça que tire do ar TV RBA e Rádio Clube, mas nada diz contra os veículos de comunicação das ORM, que fazem campanha ostensiva para o candidato tucano. É o liberou geral para as gangues de Orly e Jatene, que vão poder arrepiar até as eleições.



Que me perdoem os nossos ilustres promotores e procuradores, mas a impressão que me dá é que o Ministério Público se juntou à bandidagem, para fraudar as eleições do Pará. 

Vou repetir: fraudar as eleições do próximo domingo, ao Governo do Estado do Pará. 

Sim, porque outro não pode ser o resultado do pedido que o Ministério Público Eleitoral ajuizou, ontem, para que a Justiça tire do ar, por 48 horas, a TV RBA e a Rádio Clube, que pertencem à família Barbalho. 

E tudo isso, vejam só a estranhíssima coincidência, quando duas pesquisas de opinião  -  do IVeiga e do Ibope – apontam a vitória de Helder, contra o atual governador, o “ínclito”, o “puro”, Simão “Cerpasa” Jatene. 

Não sei quem assinou esse pedido. Mas creio que esse procurador deve achar que somos todos ou lesos ou muito burros. 

Ora, por que tirar do ar só os veículos de comunicação dos Barbalho e deixar livres os veículos de comunicação das ORM, que apoiam acintosamente o candidato-governador, de quem recebem, aliás, milionária verba de propaganda? 

Ou o nosso ilustre procurador não sabe disso? 

Deve ser só ele, né?, o único cidadão no estado do Pará que ainda não viu a campanha escancarada das ORM em favor do Jatene e que não tem conhecimento dos milhões em propaganda que o Jatene despeja nas ORM. 

Então, que não se venha com esse lári-lári, com essa conversa de virgem de beira de estrada em fim de programa, de que esse pedido é pra garantir a “isonomia” na disputa eleitoral. 

Se a intenção fosse essa, então que tivesse pedido pra tirar do ar todos eles: RBA e ORM. 

O MP não foi provocado pra tirar do ar os veículos das ORM? 

E desde quando o MP precisa ser provocado pra alguma coisa? 

O MP pode agir de ofício.

E se não o faz é porque não tem coragem; é porque não é digno das garantias constitucionais que a Sociedade lhe concedeu. 

Diz o MP que a RBA e a Rádio Clube estão fazendo campanha para Helder Barbalho. 

É engraçado isso!... 

Simão Jatene faz campanha eleitoral há quatro anos, não apenas através das ORM, mas, também, através de vários veículos de comunicação, aos quais distribui, por ano, cerca de R$ 40 milhões em verbas de propaganda. 

O marqueteiro de Jatene, o Orly Bezerra, é dono da Griffo Comunicação, que recebe milhões de verbas de propaganda do Governo, em uma relação promíscua impressionante, talvez única no Brasil, e que pode, sim, possibilitar o uso de dinheiro público na campanha do atual governador. 

Em toda campanha eleitoral, há mais de 10 anos, o Orly faz circular aquele jornal imundo, que é o Paraense, que foi flagrado recebendo verba de propaganda repassada pela mesmíssima Griffo do Orly, pra elogiar o Jatene e desancar o Helder. 

Assessores do Governo, que até assinam a liberação da verba de propaganda, são ex-funcionários do Orly, foram indicados para esses cargos pelo Orly, da mesma forma que também são ex-funcionários dele várias das pessoas que julgaram as licitações que a Griffo “ganhou”.

Jatene também montou uma das mais impressionantes redes de tráfico de influência que já se viu neste estado, com a distribuição de “favores” a parentes de juízes, deputados, conselheiros de contas e por aí vai. 

Agora mesmo, denúncias filmadas e documentadas pelo Diário do Pará mostram que o candidato-governador está distribuindo cheque-moradia a rodo, em todo o estado, em troca de votos. 

No Governo dele, não se sabe o paradeiro de pelo menos R$ 12 bilhões, que foi o quanto cresceu a arrecadação do Estado, acima do previsto, nestes últimos quatro anos. 

E o que não falta é nepotismo cruzado: parentes do governador nomeados na Prefeitura de Belém, Tribunal de Justiça do Estado, Tribunal de Contas do Estado, Tribunal de Contas dos Municípios e sabe-se lá onde mais. 

Em outros estados, o Ministério Público tem ido pro pau contra esse tipo de coisa. Mas aqui no Pará, esse nosso ministeriozinho vagabundo, que a gente devia é grafar em minúscula, parece até que foi é operado pelo Duciomar. 

A concessão desse pedido, pra amordaçar a RBA e a Rádio Clube, vai representar um “liberou geral” não só para a propaganda eleitoral das ORM, mas, também, para que as gangues do Jatene e do Orly possam arrepiar nesta reta final. 

Eles vão poder comprar voto adoidado, mais ainda do que já estão comprando. 

Vão usar funcionários públicos e equipamentos do Estado na campanha de Jatene, mais ainda do que já estão usando. 

Vão aterrorizar, até na fila de votação, aqueles que se opuserem a eles. 

Então, se era isso o que esse procurador queria, já pode ir lá receber os seus parabéns com o Jatene. 

Mas, amanhã mesmo, deveria é deixar o cargo que ocupa, porque não tem condições morais para representar a Sociedade, muito menos como fiscal das eleições. 

Se não simpatiza com Helder, mas simpatiza com o “ínclito” Simão Cerpasa Jatene, que guarde esse seu sentimento lá pra cabine de votação. 

Se quer se meter em disputa político-partidária, então que largue o cargo e vire militante. 

O que não pode é, em sendo “xerife”, amordaçar um lado, enquanto libera o outro. 

Porque isso - é sim! - ajudar a fraudar as eleições para o Governo do Estado do Pará. 

FUUUIIIIIII!!!!!!!!

Nenhum comentário: