Ban

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Gravação apontaria pagamento de propinas a juízes do TRE, para evitar cassação de políticos paraenses. Integrantes do tribunal pedem investigação. MPF e Polícia Federal já apuram o caso. Inquérito corre em segredo de justiça. Ex-prefeito Antonio Armando, que seria o intermediário das propinas, será interpelado pela Advocacia Geral da União.





Da Assessoria de Comunicação do MPF/PA, com título do blog - O Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE) enviou, no último dia 31 de outubro, informações ao Ministério Público Federal (MPF) e à Advocacia-Geral da União (AGU) sobre uma gravação em que o ex-prefeito de Marituba, Antônio Armando Castro, e o prefeito de Marabá, João Salame Neto, conversam sobre a possibilidade de pagar membros do Tribunal para obter resultados favoráveis em processos de cassação.

Salame foi julgado nesta terça-feira, 5 de novembro, pelo TRE acusado de compra de votos na eleição de 2010. Ele teve o mandato cassado por três votos a dois.

A gravação da conversa entre Antonio Armando e João Salame foi enviada ao presidente do TRE, desembargador Leonardo de Noronha Tavares, pelo advogado Inocêncio Coelho.

Inocêncio é advogado de João Salame no processo que tratava de sua cassação.

Durante a conversa, Antônio Armando afirma diversas vezes ter intermediado o pagamento de propinas a membros do Tribunal, conseguindo, segundo ele, evitar cassações de outros políticos.

Atendendo ao pedido do TRE, o MPF requisitou à Polícia Federal que investigasse os fatos, em inquérito policial que, neste momento, corre em segredo de justiça.

A Advocacia-Geral da União, que tem a função de defender a corte eleitoral, irá, ainda nesta semana, interpelar judicialmente o ex-prefeito Antônio Armando para que confirme as afirmações que faz na gravação.

Nenhum comentário: