Ban

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

MPF processa mais 5 municípios paraenses por irregularidades na saúde. Em Castanhal, sobrepreço de medicamentos chegou a 279%. Em Curralinho, despesas não comprovadas atingiram mais de R$ 180 mil. Irregularidades também foram detectadas em Magalhães Barata, Marapanim e Muaná.


O Ministério Público Federal no Pará entrou com cinco ações na Justiça por irregularidades na gestão de verba federal destinada à saúde.

Das cinco, duas ações foram por improbidade administrativa contra ex-prefeitos e ex-secretários dos municípios de Castanhal e Curralinho.

As outras são referentes à falta de informações das receitas e gastos em ações e serviços de saúde dos municípios de Magalhães Barata, Marapanim e Muaná.

O ex-prefeito de Castanhal Hélio Leite da Silva e o ex-secretário de Saúde do município Carlos Rogério da Silva Pinto são acusados de irregularidades na aquisição de medicamentos.

Segundo relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) de 2012, alguns medicamentos comprados pela secretaria de Saúde de Castanhal tinham preços acima dos praticados no mercado.

A fiscalização constatou que alguns preços eram até 279% maiores que os praticados no comércio.

Em Curralinho, os problemas ocorreram em dois programas do Ministério do Saúde, em 2007.

O ex-prefeito Álvaro Aires da Costa e o ex-secretário de Saúde Alex Rodrigues Bacha não comprovaram as despesas de  R$ 161.735,70, destinados ao programa Atenção Básica em Saúde, e R$ 19.739,38, encaminhados ao Programa de Assistência Farmacêutica Básica.

Para o procurador da República Bruno Araújo Soares Valente, responsável pelas ações, a má administração pública tem acarretado diversos problemas na realização dos programas, prejudicando consideravelmente a população mais carente do município.

"Mostra-se assim o total descaso com a população local, já que os governos municipais possuíam orçamento para aplicação na saúde e, mesmo assim, deixaram seus habitantes sem atendimento", conclui Valente.

O MPF pediu à Justiça que os investigados sejam condenados à perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente aos patrimônios; ao ressarcimento integral dos danos causados ao erário, com os acréscimos legais; à perda das funções públicas e, dos direitos políticos, à proibição de contratar com o poder público e ao pagamento de multa de até cem vezes a remuneração que recebiam como gestores públicos.

Os municípios de Magalhães Barata, Marapanim e Muaná também foram acusados em ações judiciais por irregularidades em saúde.

Em 2011 os três municípios não registraram dados no Sistema de Informação de Orçamento Público em Saúde (SIOPS).

O MPF pediu à Justiça que os três municípios sejam obrigados a registrar os dados no sistema e que seja fixada multa diária no valor de R$ 10 mil para cada município, em caso de descumprimento da decisão judicial. 


(Fonte: Ascom/MPF/PA, com título do blog)

Um comentário:

Anônimo disse...

Apesar de ser jovem, ainda quero estar vivo para ver o dia em que o MPF agirá na milionária prefeitura de Tucuruí, pois o MP e a Justiça Estadual por aqui nada fazem! O Prefeitosinho blindado, meu Deus!