Ban

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Artistas interrompem Terruá Pará e denunciam equivocos e desmandos na política cultural do estado. Verbas públicas no Pará e em Belém não são democratizadas. "Não temos financiamento público, espaço, projetos, não temos nada", dizem. E denunciam gastos exorbitantes em benefício apenas de alguns. "Artistas vivem de pires na mão", afirmam. Não perca!





No DOL:

“Artistas protestam contra política cultural 

Terça-Feira, 09/07/2013, 22:39:27 - Atualizado em 10/07/2013, 10:42:41 

Em meio aos shows do Terruá Pará, na noite desta terça-feira (9), no Teatro Margarida Schiwazzappa, um grupo de artistas interrompeu as apresentações para protestar contra a política cultural do Governo do Estado.

Trinta e cinco artistas (entre atores, diretores, performers, VJs, fotógrafos e  mais) e produtores culturais de diversas áreas subiram no palco antes da segunda apresentação  da noite. O ator Alberto Silva leu então a “Carta de Protesto dos Artistas Paraenses”. 

 “As verbas públicas destinadas à arte e à cultura não são, de fato, democratizadas”, denuncia a carta. “Nós, artistas de teatro, dança, cinema, literatura, artes visuais, fotografia das riquíssimas manifestações de cultura popular paraense entendemos que não temos uma política pública que nos atenda nem nas necessidades mais básicas”.

Outra crítica dos artistas foram as leis de incentivo que, segundo eles, colocam dinheiro público nos departamentos de marketing das empresas, “levando os artistas a aceitarem acordos escusos com empresários que resultam em desvio de dinheiro”.

Depois da manifestação, os artistas se retiraram do teatro, mas ainda protestaram do lado de fora, com faixas e cartazes. Muitos gritavam “fora Paulo Chaves”, para o secretário de Cultura. 

OUTRO LADO 

Procurada pela reportagem a assessoria da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) preferiu não se manifestar. 

(DOL, com informações do repórter Raimundo Sena/Diário do Pará)

3 comentários:

Anônimo disse...

Mas vem cá: O Terruapará não pe uma idealização da Secretaria de Comunicação via Tv Cultura?O Paulo não tem nada nesse enterruá.

Anônimo disse...

É terror há pará.

Anônimo disse...

Esses acordos escusos vem desde os tempos do Paulo Chaves, em que somente os amigos do rei se beneficiavam, escandalosamente, das verbas públicas, tiveram seus projetos "aprovados" (sempre os mesmos). O significado de "os melhores" deve ser o de ser amigo do Nilson, amigo da Lucinha, amigo do Ney e por aí vai. Valeu o manifesto, valeu a denúncia!Essa é uma prática antiga desses mesmos que atualmente dirigem??? nosso Pará!Essa prática faz parte da política de governo do PSDB de beneficiamento dos amigos!