Ban

domingo, 23 de junho de 2013

Carta Aberta aos movimentos Passe Livre e Belém Livre: deixem entrar os partidos e as bandeiras partidárias! Garantam a liberdade de expressão!




É sério, pessoal: tá na hora de acabar com essa história de proibir bandeira de partido político nas manifestações.

Não, por favor, não pare de ler: me dê um pouco de atenção, porque isso é muito, mas muito importante.

A liberdade de expressão que temos hoje (e que te dá, inclusive, o direito de protestar) custou muita luta, muito sangue.

Na época da ditadura, teve mulher grávida que levou choque elétrico dos torturadores, porque lutava pela liberdade de expressão.

Tem mãe que até hoje não conseguiu enterrar o filho, porque os militares que mataram o filho dela não tiveram piedade nem pra devolver o corpo.

Tem gente que ficou tão traumatizada, mas tão traumatizada com as torturas que sofreu, que até hoje tem pesadelos com aquilo tudo.

Então, como é que vocês esperam que essas pessoas que estão aí na luta, há tanto tempo, abram mão de um direito que lhes custou tanta dor?

Eu sei, eu sei: vocês estão de saco cheio dos partidos e dos políticos.

Mas, quem no Brasil não está?

E vejam bem: a gente não pode confundir os partidos com ALGUMAS lideranças e até com ALGUNS militantes.

Da mesma forma que tem gente que presta e que não presta nas redes sociais, também tem gente que presta e que não presta nesses partidos.

Aliás, me aponte aí um só lugar que não tem gente que presta e que não presta.

Ninguém quer “manipular” vocês.

Os partidos querem apenas a chance de participar desse movimento extraordinário e apresentar propostas e debater.

Se vocês gostarem das propostas, aprovem.

Se não, digam: “olha, isso daí é uma bela duma porcaria!”

Vocês têm senso crítico e estão no comando. 

Então, o que temer?

Esses militantes e partidos querem participar dessas manifestações sem máscaras. Querem dar a cara à tapa, o que é muito bom.

Ruim é quem já tá dentro do movimento se dizendo “apartidário”, mas só puxando a brasa para o partido dele, o que é uma tremenda enganação.

Além disso, vocês não acham que é uma enorme contradição lutar por Democracia e negar a essas pessoas o direito de se manifestar como bem entenderem?

Desde quando alguém tem o direito de dizer: “olha, fulano, você não tem o direito de participar desse movimento que vai mudar o país onde você vive”.

Ou: “Se você quiser participar, vai ter de abrir mão da bandeira que representa os ideais pelos quais você sempre lutou”.

“Ah, mas tem a bandeira do Brasil. E todos lutamos pelo Brasil”, dizem alguns nas redes sociais.

Sim, é verdade, todos lutamos pelo Brasil.

Mas, qual Brasil?

Qual a “Ordem” e o “Progresso” que queremos?

Um progresso para todos ou para uns poucos?

Uma ordem que garanta os direitos de todos ou apenas de alguns?

É isso o que expressam as bandeiras partidárias: o Brasil, a Ordem e o Progresso que cada um pensa ser o melhor.

Essas pessoas se juntaram em partidos porque se identificam; têm propostas semelhantes para o Brasil, para a sociedade.

Mais ou menos como quando você se junta a este ou aquele grupo nas redes sociais.

Isso é mal, é ruim, é crime?

“Ah, mas os partidos vão se aproveitar das imagens do movimento, pra fazer campanha eleitoral.”

E daí?

Se eles fizerem isso, você nunca mais vota neles, ora!

Você tem esse poder.

E o poder até de denunciar esse oportunismo, quando chegar a época da eleição.

Sim, organize um protesto! Divulgue manifestos nas redes sociais contra os partidos oportunistas, ora bolas!

Além disso, o que é que é mais importante: o eventual oportunismo deste ou daquele partido ou a liberdade de expressão?

Essa mesmíssima liberdade que te permite ir pras ruas e dizer: “olhem aqui, seus políticos, eu tô de saco cheio de vocês! E quero é acabar com os privilégios e as patifarias de vocês!”.

A mesmíssima liberdade que te permite ir pras ruas e gritar: “Eu quero um novo Brasil!”

Sim, mas, novamente, que Brasil?

Brasil com Bolsa, sem Bolsa, com cota, sem cota; com ou sem liberdade, fraternidade e igualdade?

E, depois de definirmos o Brasil que queremos, como é que vamos chegar lá?

“Ah, vamos acabar com a corrupção!”

Perfeito, companheiro; excelente ideia!

Mas, como é que vamos fazer isso?

Não, não estou querendo puxar um longo debate sobre a corrupção cultural do brasileiro, que faz com que ele pague propina quando quer alguma coisa, em vez de denunciar.

Tô falando de algo bem concreto: PRO-POS-TAS!

Na minha opinião, por exemplo – e essa é apenas a minha opinião – o mais urgente pra acabar com a corrupção é a reforma política.

E por quê?

Porque se a gente obrigar o Congresso Nacional a aprovar, por exemplo, o financiamento público das campanhas eleitorais, a gente consegue acabar com esse toma-lá-dá-cá entre os partidos políticos e as empresas privadas que financiam essas campanhas.

A gente vai quebrar a espinha dorsal dessas máfias que dominam não só a política, mas, também, a Saúde, a Educação e os transportes.

Porque hoje o que mais tem é fraude em licitação, pra que essas empresas que financiam as campanhas ganhem contratos com o Poder Público. E prestem a todos nós um serviço de porco. Como no caso desses ônibus caindo aos pedaços e da merenda escolar ruim e superfaturada.

O financiamento público das campanhas também vai ajudar a que lideranças realmente comprometidas com o Brasil ocupem mais e mais lugares nas câmaras de vereadores, nas assembleias legislativas, no Congresso Nacional, nas prefeituras, nos governos.

E por quê?

Porque sem o horror de dinheiro que essas empresas derramam nas campanhas desses medalhões da política, mais e mais gente honesta e com propostas vai ter chance de chegar lá.

Hoje, e você sabe disso muito bem, o sujeito pode ser o cara mais honesto, competente e bem intencionado do mundo, mas, não consegue se eleger.

Porque não tem dinheiro.

Ou porque essas empresas jogam tanto dinheiro na campanha de um vigarista qualquer, que ele acaba conseguindo convencer muita gente a votar nele.

Então, só pra concluir, porque este texto já está longo à beça: deixem entrar as bandeiras e os militantes partidários.

E vamos todos – sem máscaras, sem sapateado de catita e democraticamente – debater o Brasil que queremos pra nós e nossos filhos.

E vamos, sobretudo, defender, garantir, um direito que é, simplesmente, inegociável: a liberdade de expressão.

FUUUUUIIIIIIIIIII!!!!!!!!

8 comentários:

Anônimo disse...

Na década de 90, na UFPa, convivi varias vezes com essas posturas e estória do discursos do apartidarismo. Na verdade era um estratagema dos setores mais pelegos e conservadores pra causar ojeriza aos partidos e correntes de esquerda. Fazendo com que os estudantes ficassem apolíticos e sem leitura critica da realidade, deixando um campo aberto ao retrocesso. Essas práticas políticas, geralmente eram orquestradas pela reitoria, que seguia o receituário do Neoliberalismo privatista de FHC. Creio que se não seja diferente hoje em dia.

Anônimo disse...

Perereca,

Tu não tens idade para ser ingênua nem caráter para ser hipócrita.

Que bandeiras tu queres na rua, as do PT? as do Governo Federal?

O PT vai protestar contra quem?

Contra a Dilma, Lula?

Ana Julia escreveu "Dilma: aproveitar o vigor das manifestações para produzir mais mudanças"

Como se produzem as mudanças, depois de 10 anos de governo Lula/Dilma?

Agora quem paga a conta do fracasso do modelo?, todos menos o PT?

Os bancos? e quem favoreceu os bancos? tu concordaste, Perereca?

Cadê os manifestantes do PT quando o povo protestava contra a saúde na porta dos hospitais? aquela saúde do primeiro mundo que falava Lula?

Cadê a UNE quando estudantes queriam mais educação e protestavam contra o ENEM?

acabei fuiiiii.

nem precisas publicar se não queres.

Anônimo disse...

Ora, ora. Bola fora!

Anônimo disse...

Nada de bandeira PTista ou de qualquer outro partido.

Meu total apoio aos manifestantes que não querem gente querendo aparecer.

Eleitor Atento disse...

Tô contigo Perereca, se querem dar aula de democracia, não excluam os brasileiros que se articulam nos partidos políticos, ou então querem nos ensinar uma nova "democracia" em que representações materializam-se como? Só com passeatas comportadinhas? Aplaudo todos que estão nas ruas, mas também todos os segmentos sociais devem se manifestar e fazer parte disto. É certo que há partidos e partidários diretamente responsáveis pelo que se protesta contra hoje nas ruas, mas como organizar-se politicamente para que esse movimento tenha consequências que esperamos? Eu não sou filiado a nenhum deles, mas tenho a clareza que de nosso sistema político ainda depende dessas agremiações, então as primeiras lições são "escolha melhor seu representante e mantenha uma relação que possibilite o debate e a cobrança de seus atos políticos como representante dos eleitores". Como estamos aprendendo, penso que alijar os partidos políticos deste movimento é um equívoco, até porque essas agremiações necessitam urgentemente de renovação, por isso lanço aqui a proposta de não reeleição de nenhum parlamentar ou agente político administrativo, para que possamos extinguir a figura do político profissional, figuras que, em sua maioria, atrapalham nossa cidadania.

Sávio Guimarães Estácio disse...

Ana Pinheiro, a proibição de bandeira é um pedido é uma licença que o movimento solicita, é uma liberdade pública, sendo assim é uma liberdade de expressão, o que quero dizer é que não ter bandeira nas manifestações é também é uma expressão, para que haja liberdade para protestar. Quem não quiser protestar dessa forma é só não ir, se a pessoa não sabe sair de casa sem levar uma bandeira não vá, no campo de futebol a bandeira foi proibida por causa da segunda função que quiseram dar a ela, lembro que alguns partidos quando iam protestar colocavam um baita de um pau grosso e uma bandeirinha na ponta, no mínimo não estavam com boa intenção, lembro que estas tinham até um apelido, "picolés". É só imaginar, se alguns partidos chegassem com você e pedissem para você; por exemplo, o Jatene, chegasse com você e pedisse: "Ana, posso colocar uma banderia, um banner do PSDB, aqui no Perereca da Vizinha, sem ônus, ou a Ana Júlia quem quer que fosse, o Jader, você ia deixar? "se não faz sentido discorde comigo não a nada de mais".

Anônimo disse...

olha, isso daí é uma bela duma porcaria!

deixa de ser pux saco de politica e politicos!! que bandeira tu queres?? do pt?? ou dos aliados do pt?? sai dai!!!

Anônimo disse...

Vaaaaaaaaiiiiiiii tomar no...com o pau da tua bandeira!