Ban

segunda-feira, 20 de maio de 2013

E vumbora jogar a negra!




Foi só há poucos dias que percebi que falta bem pouquinho para 2014.

Que coisa, né?

E havia (como ainda há) tanta gente pensando que tudo é eterno...

Nestes quatro anos, sob o governo desse chefe de quadrilha que é Simão Jatene, este blog quase foi sepultado vivo.

E, o que é pior: “coleguinhas” que, na verdade, não são jornalistas, mas, apenas lobistas com diploma ou registro de jornalista, colaboraram muitíssimo para isso.

E é preciso fazer esta diferença: jornalista é aquele que quer a informação para repassá-la ao distinto público.

Lobista da comunicação é aquele que quer a informação apenas para negociá-la em troca de dinheiro, cargos, ou sabe-se lá o quê.

E, infelizmente, neste governo do chefe de quadrilha que é Simão Jatene, os lobistas dão as cartas no jornalismo do Pará.

Mas, voltemos à sina deste blog e desta blogueira.

Em mais de 30 anos de profissão nunca me vi em situação financeira tão aflitiva quanto a que tenho enfrentado.

E houve momentos que, confesso, imaginei que não conseguiria ultrapassar tamanho deserto.

Vi-me sozinha como jamais imaginei que algum dia ficaria.

Sim, porque esses lobistas que hoje dominam a comunicação no Pará, saem por aí a satanizar todas as pessoas que se recusam a ser iguais a eles.

E como a maioria das pessoas adora dividir o mundo em anjos e demônios, você acaba se vendo profundamente só.

O problema é que sempre gostei de solidão – e isso desde a infância.

Sempre gostei profundamente da minha companhia. E sempre descobri coisas prazerosas para fazer sozinha.

Nos últimos meses, por exemplo, plantei árvores, flores e ervas.

E descobri o prazer enorme – indescritível! – de ver a vida (a bem dizer) a brotar das minhas mãos.

Encantei-me com a dança de borboletas e passarinhos.

E me vi a exaltar a grandeza de Deus, diante dessa coisa fantástica que é a Vida.

Quer dizer: longe de conseguirem me fazer mal, como pretendiam, esses lobistas só conseguiram é me fazer parar para apreciar um mundo que até então desconhecia.

(E imagino que, neste momento, esses sujeitos devem estar a se roer de ódio, porque são pessoas secas, horríveis por dentro, eis que pretendem sempre se dar bem, mesmo que à custa da miséria de milhões.)

Confesso ao leitor que não sei de onde me vem a capacidade de renascer das cinzas.

Enquanto todos permanecem caídos, sempre consigo me reerguer.

E de espada em punho – o que é melhor ou pior, sei lá...

Nos últimos meses, no entanto, travo uma batalha tremenda comigo mesma, eis que encontrei a paz, entre passarinhos e borboletas, mas sei que tenho de voltar à guerra, porque sei que é preciso que muitos outros possam, um dia, usufruir dessa mesmíssima paz.

É uma batalha terrível, porque é contra mim mesma – e não contra esses lobistas, que se imaginam tão poderosos.

Todos os dias, tenho de tentar me lembrar que existe um mundo ( e um universo) para além do meu pomar.

E que os pulgões, cochonilhas, ácaros, fungos e lagartas que agridem este meu paraíso são congêneres da miséria que infesta o cotidiano do meu povo.

O meu povo, que morre nas filas de hospitais imundos.

O meu povo, que ainda desconhece o próprio poder...

E é isso que me impele a retornar a este blog – não que eu queira; sinceramente, eu não quero.

Mas sei que tenho nessa luta, infelizmente, um papel importante.

A Perereca da Vizinha é um dos poucos blogs acreditados que consegue furar o bloqueio milionário da informação no estado do Pará.

Por ser lido em outros estados e até países – e, no mais das vezes, por formadores e replicadores de opinião.

Daí a impossibilidade de continuar, apenas, com o meu manjericão, e alecrim, e graviola, e cupuaçu.

E infelizmente, diga-se de passagem.

Aos coleguinhas, que nunca se conformaram com a fragorosa derrota de 2006, tenho a dizer apenas: vamos jogar a negra.

Novamente, vocês estarão sentados em milhões e milhões de propaganda e com um exército de duzentos ou trezentos jornalistas.

Eu, novamente, sem dinheiro, e sem nem mesmo aquele jornal forreca que era o Diário do Pará.

Mas, sinceramente, não tenho medo, porque preparei um mundo de surpresas para vocês...

Nesse tempo inteiro, enquanto regava as minhas plantas, dei asas a minha, como direi, enorrrrme imaginação...

Porque no momento em que a sociedade brasileira passa a limpo a sua História, em busca de evolução, em busca de equidade, os jornalistas não podemos nos considerar acima do bem e do mal.

Todos temos de prestar contas a essa sociedade  - inclusive os lobistas, que hoje se dizem jornalistas, por conta de um registro profissional ou de um diploma de comunicação.

E temos de prestar contas porque somos, em primeiro lugar, cidadãos.

Então, vamos para um novo round dessa guerra pela informação.

Mas não esperem que me repita com a “Fortuna”, o “Linha de Passe”, ou até mesmo o Skank.

Vamos agora jogar num rítmo novo, com algumas “surpresinhas” – ou vocês não gostam de surpresinhas, “coleguinhas”?

E vamos, quem sabe, jogar até com a interveniência de quem realmente deveria mandar nesse jogo: o povo.

Pra todos nós:


7 comentários:

Anônimo disse...

Por isso te amamos e nunca estarás só. Queria poder de alguma forma montar uma espécie de rede solidária a vc e a outros que fazem do Jornalismo um dos maiores instrumento democrático do Mundo, que já derrubou vários Países sob o domínio de Tiranos, Déspotas, Fascistas, etc., etc. e tal. beijos.

manoel pompeu braga disse...

Guerreira, não a conheço, mas tenho ouvido sobre você. Do bem, dizem minhas fontes. Tornei-me seu admirador e estou na sua e nossa luta contra essa república de sacanagem que faz anos se instalou no Pará.
"A culpa do Angelim", deliciosa, preocupante, um grito de alerta
"A incrível histporia...", tem continuar batendo forte até a compreensão de todos e revelação final (para muitos no decorrer do caminho). Em frente
pompeu

Anônimo disse...

Contamos contigo! A nossa responsabilidade é imensa e devemos ter sempre em mente que a luta continua, sempre! Estou contigo e tenho certeza de que muitos outros e outras, também estarão conosco. Vamos à luta!

Anônimo disse...

O psdb é um partido obsceno e que tem cólera a trabalhadores e ao povo, disso quase todos sabem. Foi parido e renegado pelo PMDB, mas herdou o gene da corrupção e da prepotência. Aqui no Pará os caras se profissionalizaram na prática do estelionato político a tal ponto que dominam todas, digo todas as três esferas de poder, além da imprensa prostituída deste estado. Tá tudo dominado. E vou dizer mais, eles vão deixar para o último ano de governo pra começar jorrar dinheiro público em obras faraônicas concentradas na região metropolitana de Belém, e deixar o resto do estado se afundar na merda. E ainda vão reeleger o ilusionista Jatene. Para que no segundo mandato reiniciem a privataria do que ainda resta de lucrativo no governo.

Equipe do Blog EDUCOM disse...

Cara Ana Célia, é com uma alegria enorme que, daqui de Viena, Áustria, onde estou morando, teclo estas linhas em um teclado que não possui cedilha (felizmente o google conserta), e talvez por isso me ajuda a entender o que você escreve: nem tudo é pomar, o blog tem que sobreviver pra cumprir seu papel. Parabéns por ele, por seu entusiasmo na luta por um jornalismo decente, por sua crença em um futuro melhor para o nosso povo. Tornei-me fã do seu blog ao me identificar com o que escreve.

MARCELLO BENJAMIN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

O TJE, MPE e MPF deveriam obrigar o prefeito "dublê de ator" e o governador “pescador” que autorizarem a distribuição urgente de vacinas pra essa desgraça de gripe que já matou dezenas pessoas neste estado. Vai ver que por eles, quem quiser que vá às lojas das clinicas particulares e pague de 70 a 90 reais por uma dose. Vai ver que as famílias deles, dos secretários e diretores da SESPA e SESMA já foram imunizadas. Será que vai ser preciso o povo revoltado quebrar as unidades de saúde? Parece que só falta isso acontecer, tamanha é o descaso com a saúde do povo neste pobre Pará.