Ban

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Cosanpa diz que não é contra o BRT e que teve de ir à Justiça porque não obteve resposta da Prefeitura. Obras trazem risco de “acidente de grandes proporções”, a comprometer o abastecimento de água de Belém, afirma presidente da companhia.



O presidente da Cosanpa, na coletiva (foto:Eliseu Dias, Ag. Pará)



No Portal das ORM:



Cosanpa esclarece motivos de ação contra obras do BRT. O despacho judicial foi concedido pelo juiz Elder Lisboa, da 1ª Vara de Fazenda Pública de Belém.



Um dia após o despacho judicial que impede a continuação das obras do BRT (Bus Rapid Transit) no anel viário do Entroncamento, concedido pelo juiz Elder Lisboa, titular da 1ª Vara de Fazenda Pública de Belém, a Cosanpa (Companhia de Saneamento do Pará) convocou a imprensa local nesta terça-feira (25) para dar esclarecimentos sobre a ação ajuizada pela Companhia contra o Município de Belém e a construtora Andrade Gutierrez, responsável pelos projetos e execução das obras.

Na coletiva, o presidente da Cosanpa, Antonio Rodrigues da Silva Braga, contou que a ação foi ajuizada após a constatação, por meio de análises técnicas, de irregularidades na construção de um dos pilares de sustentação do elevado do Entroncamento, que faz parte do complexo de obras do BRT. 

No local, uma adutora da Cosanpa sofreu um corte de 100 milímetros, ocasionado por uma intervenção da construtora Andrade Gutierrez, sem aviso prévio. Por esse motivo, moradores do bairro Castanheira, em Belém, ficaram sem fornecimento de água.

De acordo com o presidente, ainda no mês de janeiro de 2012, a prefeitura fez a solicitação dos cadastros de rede de esgoto do Entroncamento à Cosanpa para que as obras pudessem ser iniciadas. 

A Cosanpa, por sua vez, enviou o cadastro ao Programa da Unidade Gestora de Projetos Especiais do Município de Belém e pediu uma cópia do projeto das obras do BRT no mesmo trecho, com prováveis interferências na rede de distribuição de água, projeto que nunca teria sido enviado pelo município à Cosanpa, segundo Antônio Rodrigues da Silva Braga.

Em julho deste ano, moradores do bairro Castanheira, em Belém, encaminharam reclamações sobre falta de água no bairro à Cosanpa. 

Em uma análise da equipe técnica da Companhia, em parceria com o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, foi constatada que a causa da suspensão no fornecimento de água seria um corte de 100 milímetros feito durante as obras de rebaixamento da rede de esgoto para a construção de um dos pilares do elevado do Entroncamento, que estaria sendo construído sobre a adutora que até então fornece água à parte da cidade de Belém e Ananindeua. Ainda de acordo com o presidente, a adutora irá atingir também a cidade de Marituba, atendendo uma população de aproximadamente 350 mil pessoas.

O presidente ainda afirmou que se o projeto de construção dos pilares continuarem nos moldes em que estão acontecendo, há um grande risco de que um corte de maiores proporções na adutora possa acontecer futuramente e o prejuízo à sociedade poderia ser maior. Com a concretagem da base dos pilares, um futuro reparo na adutora seria dificultado.

Por esse motivo, um novo ofício foi encaminhado à prefeitura no dia 3 de setembro solicitando reparos na obra. 

No mesmo documento, a Cosanpa sugere duas possíveis soluções para o problema. 

Uma delas é o reposicionamento do pilar, deixando-o a uma distância de no mínimo 3 metros da adutora. A outra opção é que a construtora elabore um projeto de deslocamento da adutora. 

O prazo estipulado pela Cosanpa para uma resposta da prefeitura foi de 5 dias, mas a resposta não veio e a ação foi ajuizada.

'Se a prefeitura não tomar nenhuma atitude sobre a obra, um acidente de grandes proporções pode acontecer, já que o volume e a pressão da água na adutora é muito grande e os prejuízos poderiam, inclusive, atingir os cofres municipais, já que o elevado também pode ser prejudicado. Um reparo seria muito mais complexo', disse o presidente da Cosanpa”.

Tem mais aqui, no Portal das ORM: http://noticias.orm.com.br/noticia.asp?id=610742&|cosanpa+esclarece+motivos+de+a%E7%E3o+contra+obras+do+brt#.UGJNna4luIw

2 comentários:

Marcio Ponte disse...

Movimento popular “Pra frente BRT” realiza manifestação contra a suspensão das obras do Entroncamento

Moradores, representantes de associações e lideranças comunitárias de Belém realizam nesta quinta-feira (27) ás 10h, um protesto contra a paralisação das obras do BRT (Bus Rapid Transit), no Complexo Viário do Entroncamento.

O grupo Pra frente BRT reivindica a continuidade do projeto que pretende desobstruir o trânsito da cidade, que hoje enfrenta grandes problemas com os constantes engarrafamentos e com o aumento do número de veículos particulares.

As obras do Complexo Viário do Entroncamento estão suspensas desde a manhã de ontem (25), por decisão do juiz titular da 1ª Vara de Fazenda Pública de Belém, Elder Lisboa. A ação judicial foi a pedido da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), no qual solicitou o embargo da construção de um dos pilares do elevado do complexo.

De acordo com o grupo Pra frente BRT, a suspensão das obras do BRT só mantem as problemáticas enfrentadas pelos usuários de ônibus e motoristas que utilizam as avenidas Almirante Barroso e Augusto Montenegro, principais vias que dão acesso ao distrito de Icoaraci e ao centro de Belém.

Além disso, o grupo contesta o pedido de suspensão da Cosanpa feito à justiça em pleno período eleitoral, às vésperas do primeiro turno, pois segundo o professor e líder do movimento, Marcio Ponte, a companhia deveria ter avaliado as condições da obra antes de ter sido iniciada.

“Parece que soa realmente muito estranho o fato da Cosanpa saber onde se encontram cada tubo, esgoto ou encanação que existe abaixo da superfície da cidade, e só agora, faltando 13 dias para o primeiro turno da eleição, tomar esta medida. Isso não só irá gerar prejuízos aos cofres municipais, como também nós vamos continuar enfrentando esse caos que é o trânsito de Belém por causa desse impasse técnico”, disse.

O movimento já vem reivindicando a permanência e a conclusão das obras do BRT desde o início deste ano. O ato contra a suspensão das obras do BRT será a partir das 10h, em frente a unidade da UNIP, próximo do Complexo Viário do Entroncamento.

Contato: Marcio Ponte (91) 8889-2569

Anônimo disse...

Perereca, estamos rumando para o final de setembro. Que tal fazer uma nova analise das eleicoes municipais? Adorei aquele feito no mes de agosto. Acho que ja temos algumas conclusoes ne? Abraco.