Ban

terça-feira, 28 de agosto de 2012

A Vox Populi e a voz do povo na eleição para a Prefeitura de Belém: quadro só começará a ficar mais nítido na semana que vem.




Qual o impacto do portal da Amazônia, BRT e até da nova Doca ( se sair) no eleitorado de Belém?

Qual a capacidade de transferência de votos de Duciomar?

Qual o impacto da ficha limpa nas eleições deste ano?

A quem interessa o eventual impacto da ficha limpa nas eleições deste ano?

Como poderão se articular as forças em disputa num eventual segundo turno?

E, finalmente, quais os principais objetos de desejo de cada partido, tendo em vista o grande jogo de 2014?


Essas são algumas das perguntas cujas respostas determinarão o resultado da eleição para a Prefeitura de Belém.

E não se deixe iludir, caro leitor: eleição se ganha ou se perde é DURANTE a campanha.

Antes disso, tudo o que existe são TENDÊNCIAS - que podem tornar esta ou aquela campanha mais ou menos difícil.

Mas que nunca deixarão de ser apenas isto: TENDÊNCIAS. 

E que, como tendências, podem ou não se concretizar.

Exatamente como aconteceu com a eleição, aparentemente ganha, de Almir Gabriel, em 2006.

Ou com a eleição, também aparentemente ganha, de Ana Júlia Carepa, em 2010.

Na verdade, só após a segunda ou terceira semana de exibição dos programas de rádio e TV é que a balança começará a tender, de fato, para algum lado.

Ou seja, só teremos um quadro mais nítido das reais possibilidades de vitória de cada candidato lá para a quarta ou sexta-feira da semana que vem.

E ainda assim, nada impede que isso possa ser revertido – embora, é verdade, seja dificílimo alterar substancialmente a linha de uma campanha já em andamento.

É por isso que quem conhece de verdade o funcionamento de uma campanha eleitoral não se “assusta” com as pesquisas divulgadas até agora.

É bobagem afirmar, desde já, que Edmilson será o próximo prefeito; que Priante não estará no segundo turno; que Anivaldo não vai decolar.

Desgraçadamente, é bobagem até mesmo garantir que Duciomar não fará o seu sucessor – seja quem for o candidato do prefeito num eventual segundo turno.

Por mais que não se goste de Duciomar, é preciso tentar responder às perguntas acima com a razão – e não com o coração.

E a razão nos força a admitir que as obras que estão sendo realizadas pelo prefeito, neste período eleitoral, podem, sim, ter um impacto substancial sobre as pessoas.

Exemplo: o portal da Amazônia.

Quem viu a Bernardo Sayão e a vê agora, quase nem acredita no que está vendo.

E a divulgação de uma obra dessas é até relativamente simples: mostra-se o antes e o depois; os depoimentos de algumas pessoas; os benefícios econômicos e sociais etc&tal.

Será que o mesmo não se pode dizer do BRT, e até da nova Doca?

Até que ponto a máquina da prefeitura conseguirá massificar os benefícios dessas obras, levando o eleitor a desconsiderar todo o resto?

E, convém não esquecer: Duciomar sabe, sim, lidar com o eleitor mais humilde – ou seja, com a esmagadora maioria do eleitorado de Belém.

Até por sua história de vida (o sujeito que veio de baixo etc) Duciomar representa como que um espelho, um reflexo, um sonho, para boa parte dessas pessoas.

Por isso, é um erro tremendo subestimar um sujeito esperto como o Duciomar, um verdadeiro “campeão de corrida” (que o diga o Ministério Público...) e que ainda por cima tem a máquina na mão.

E é na esteira dessa constatação que surge a pergunta seguinte: qual a capacidade de transferência de votos de Dudu?

Ele é ou não é capaz de eleger um poste?

Mas Anivaldo Vale (PR) é, de fato, um poste?

Qual a história de Anivaldo?

Deputado federal eleito e reeleito e reeleito. E que, sozinho, conseguiu até fazer do filho (até então, um desconhecido) seu sucessor, além de comandar um partido que cresceu a olhos vistos no Pará, simplesmente pela habilidade política dele, Anivaldo.

Então, qual sempre foi o grande problema de Anivaldo? O seu discurso enfadonho, capaz de fazer dormir até um sujeito turbinado a litros e litros de Red Bull.

No entanto, será que o “mago” Duda Mendonça já não está conseguindo contornar isso?

As peças da campanha de Anivaldo que vi na internet são de um profissionalismo impressionante. 

A começar pelo jingle, que é a cara do Anivaldo, além de colar na imagem dele elementos muito positivos: o sujeito calado, humilde, mas trabalhador, competente, honesto – diferente! O sujeito que valoriza o preparo. E que venceu, vindo bem lá de baixo, através desse preparo - embora sem jamais se esquecer de quem é.

A própria entrevista que vi de Anivaldo na internet, contando “causos” de sua vida, ao contrário do que se poderia esperar, ficou muito boa.

E se o marketing está conseguindo ultrapassar a pior deficiência de Anivaldo, como é que se pode garantir, desde já, que ele não crescerá?

E mais: enquanto a oposição a Duciomar está fracionada (ou padece de esquizofrenia), Anivaldo corre sozinho, ou praticamente sozinho, na raia da situação.

Ele não precisa se credenciar como o “continuador” de Duciomar, como é o caso de Priante (PMDB) ou de Zenaldo (PSDB). É o próprio prefeito quem está dizendo, em relação a Anivaldo: “ecce homo” (eheheheh).

Bem vistas as coisas, muito mais complicada é a situação de Zenaldo Coutinho e de Alfredo Costa (PT), já que ambos têm de andar no fio da navalha.

Alfredo precisa se credenciar como “a” oposição a Duciomar. 

No entanto, “a” oposição a Duciomar já é (e graças à verdadeira vox populi) Edmilson Rodrigues, um ex-petista que ainda hoje é o “namoradinho” de boa parte dos petistas de Belém.

Tanto assim, que o PT até escreve em algumas peças publicitárias: “Quem é do PT vota no 13. Ou não é petista” (acusar mais o golpe é impossível, né?).

Quer dizer: para crescer, Alfredo precisaria detonar Edmilson.

Mas aí surgem pelo menos duas perguntas importantes.

A primeira: Como é que fica o segundo turno, se Edmilson for o candidato das oposições, já que o PT quase que certamente o apoiará? (Aliás, mesmo que os “caciques” do PT digam não a Edmilson, a base dirá sim...).

A segunda: É estratégico para o PT detonar Edmilson, já que a eventual queda dele tanto pode ser capitalizada por Alfredo quanto por Priante ou até por Jordy? Em outras palavras: quem garante que Alfredo seria o único ou o principal beneficiário dessa queda?

Até mesmo a tentativa de marcar as obras realizadas em Belém como sendo do PT, e não de Edmilson, é bastante complicada, devido ao caráter personalista da política brasileira, que se agudiza ainda mais nas eleições municipais.

É por esse caráter personalista da nossa política (e também pelo amor “recolhido” de boa parte dos petistas por Edmilson) que ele se sagrou o deputado estadual mais votado das eleições de 2010, com mais de 85 mil votos, apesar de estar num partido diminuto, sem expressão, como é o PSOL. 

Esse capital político é de Edmilson – e ninguém tasca. E é o nome e a cara dele que estão carimbados nas obras realizadas durante a administração dele.

Quer dizer: é muito, mas muito complicada a situação de Alfredo Costa - infelizmente.

E o mesmo se pode dizer em relação à Zenaldo Coutinho – inclusive, no infelizmente.

Em tese, Zenaldo é da oposição, mas também pode virar “a” situação, se Anivaldo de fato fracassar e se Priante não conseguir se sagrar como o novo “ungido”.

Daí o sapateado de catita dos programas televisivos de Zenaldo: mostra-se o sofrimento (e até a morte) das pessoas nos postos de saúde de Belém - mas não se culpa ninguém por isso!

É como se o sucateamento da Saúde de Belém tivesse sido provocado por alguma “entidade”, por alguma abdução extraterrestre – ou até por algum espírito de porco...

Essa fórmula dará certo ou tem prazo de validade restrito? O eleitor não perceberá, ao longo da campanha, essa dubiedade de Zenaldo em relação ao prefeito? Qual a faixa, afinal, em que corre Zenaldo, aos olhos do arguto eleitor: a da situação? A da oposição? O fato de nem feder nem cheirar é de fato benéfico numa eleição?

E, por último, a pergunta mais importante: não teria sido mais negócio para Zenaldo tentar se credenciar como uma “terceira via”, um “novo caminho para Belém”, o que lhe permitiria dar rosto as suas críticas (atingindo, por rebate, Anivaldo), ao mesmo tempo em que poderia também criticar a “oposição destrutiva”, além de colar à própria imagem um elemento forte, como é o “novo”?

Outro problema é essa apelação a Jatene. Primeiro porque Jatene é “a” mala. Segundo porque ficar batendo nessa tecla de que Belém vai virar um paraíso só porque Zenaldo é afinado com o governador, não convence ninguém. 

Além disso, esse tipo de discurso abre a possibilidade de leitura reversa: “ah, quer dizer que o governador só vai ajudar Belém se o eleito for o candidato dele? Quer dizer que, se não for, vai PREJUDICAR Belém?”.

Como o eleitor se sentirá diante desse tipo de pressão, até porque Jatene não é nenhuma Brastemp? (a não ser pelo peso, é claro...)

É por tais questões que ninguém acreditou nesse crescimento extraordinário de Zenaldo, anunciado pela pesquisa da empresa Vox Populi, no último domingo.

Os nós da campanha de Zenaldo, os poucos programas de TV já exibidos – e ainda por cima insossos – não justificam tal arrebite.

Da mesma forma, não há como justificar essa história da carochinha de que Edmilson estaria despencando nas pesquisas.

Edmilson, da mesma forma que Anivaldo, é um dos poucos candidatos com uma raia bem marcada, bem definida.

E, no caso de Edmilson, a raia é formidável, o sonho de consumo de dez entre dez marqueteiros: ele é identificado pela verdadeira “voz do povo” como “a” oposição, o que permite “vendê-lo” como “a” esperança, “a” mudança, elementos de impacto fortíssimo no imaginário.

É de elementos como a “mudança” e a “esperança” que nasce o “herói”, esse arquétipo que povoa a imaginação da Humanidade, desde os primórdios. 

O herói é o “libertador”, o “redentor”. É Moisés, é Maomé, é Buda, é Jesus - é o Jedi!.. É aquele que traz a “magia” que resgatará a “felicidade”, a ordem primitiva do mundo, suprimida pelo caos – ou seja, que resgatará a “terra sem males”, o jardim do Éden; o “paraíso” onde não têm vez os “cavaleiros do Apocalipse”.

(E você, caro leitor, acaba sempre torcendo por ele, como torceu por Légolas, Aragorn ou Frodo, no Senhor dos Anéis...).

Daí a copiosa emoção da campanha de Edmilson – e, de fato, tem tudo a ver. Se marketing político é, sobretudo, o apelo à emoção, ao sistema límbico, à área mais primitiva do cérebro humano, mais precioso é ainda esse recurso em se tratando do “herói”.

E o “herói” é difícil de vencer – quanto mais de derrubar vertiginosamente em um curto espaço de tempo, sem que tenha havido qualquer fato realmente importante a justificar isso.

Para derrubar o “herói” dessa forma seria preciso que tivesse havido alguma denúncia muito forte contra ele, que provocasse a repulsa das pessoas – e que fosse, de fato, indefensável.

Porque o “herói”, caro leitor, também ganha uma certa “blindagem”: é difícil “colar” alguma coisa negativa nele. E a porrada, se não for muito bem administrada, pode até é acabar por “vitimizá-lo”.

A situação de Edmilson também é mais tranquila por outras questões.

Na pole position, ele não tem de se preocupar em bater em ninguém, nem no PT nem no PMDB, que podem até apoiá-lo no segundo turno (se conseguir, é claro, controlar o “fator Marinor”).

No entanto, Edmilson pode atirar sem medo de ser feliz no “grande Satã”, no “Senhor dos Anéis”, no “Imperador” de Guerra nas Estrelas – leia-se, Duciomar Costa. E isso, é claro, rebate no “ungido” do prefeito.

E mais: Edmilson tem um plus em relação ao demais candidatos, já que tem obras para mostrar – não é só promessa, é algo concreto.

Além disso, da mesma forma que Duciomar, Edmilson também sabe lidar com o eleitor mais pobre; tem forte penetração nas camadas populares (pra ver como os opostos por vezes se tocam, não é mesmo?).

Penso apenas que Edmilson precisa começar a apresentar alguma “sustância” na sua campanha.

A emoção é essencial, até pela linha de propaganda escolhida. Mas é preciso que comece também a incorporar a “musculatura” de propostas, sob pena de acabar se transformando num insuportável vale de lágrimas – e até escancarando um flanco para a entrada corrosiva do humor...

Assim, caro leitor, não se deixe iludir pelas pesquisas divulgadas neste momento.

Ainda é muito cedo pra dizer que Anivaldo não decola; que José Priante (PMDB) não conseguirá tirar Zenaldo de seu calcanhar; que Zenaldo não conseguirá abrir uma via realmente promissora de campanha; que Alfredo não encontrará solução para a situação aflitiva de sua candidatura; que Arnaldo Jordy (PPS) não conseguirá se livrar do estigma que lhe foi colocado no rosto, pelo lamentável uso de sua vida pessoal.

Espere pelo dia 10 de setembro, por exemplo. E só então comece a apostar neste ou naquele candidato. 

Assim, tenha certeza, as chances de errar serão bem menores.

FUUUUUIIIIIIII!!!!!!

.........

E leia aqui algumas opiniões bem interessantes publicadas na blogosfera acerca da pesquisa da Vox Populi:




Note que, na blogosfera e nas redes sociais, é recorrente a lembrança da turbinagem de Valéria Pires Franco, cuja campanha à Prefeitura de Belém, em 2008, foi realizada pela mesmíssima Griffo, agora responsável pela campanha de Zenaldo.

Talvez por isso, já rola na rede até um blog, no qual Zenaldo é comparado ao Ken, o namorado da Barbie: http://zenaldokencoutinho.blogspot.com.br/
 
(Ô gentalha!...)

Agora, FFFUUUUUUIIIIIII!!!!!!

14 comentários:

Anônimo disse...

Embora disfarçadamente, Post bem tendencioso pró-Edmilson...até mesmo ao colocar a alcunha de "Herói"...Engraçado que falas até de algo que ele não tem: "As Obras" ....que Obras Edmilson Legou para Belém? O Bondinho caro que não sai do Lugar, lá no comércio? O Pronto-Socorro mal Ajambrado? ou o Viaduto que leva do nada a lugar algum?....Não vou falar nem do entroncamento....o q achei mais interessante neste post, jornalista, é que descobri qual será teu candidato....Boa Sorte para seu Herói,(pois vai precisar) que é um tanto quanto de Barro.....

Obs- Só para não ficar muito na cara a tua descarada tendenciosidade, recomenda Blog's de outras pessoas, e não somente de Esquerdistas, que só farão seguir na tua linha de raciocínio...(e na tua preferência de candidato)

Anônimo disse...

Perereca, coloque seu faro investigativo em ação porque Jatene liberou a máquina do Estado para trabalhar pelo Zenaldo. Servidores, recursos, policiais fardados e trajando roupas civis, viaturas policiais, inclusive descaracterizadas, combustível, absolutamente tudo trabalhando em favor do candidato do PSDB à prefeitura. Despudor com dinheiro público pago pelo sofrido contribuinte. Sua inteligência como jornalista vai tirar mais essa máscara dos tucanos. Os eleitores agradecem.

Anônimo disse...

Deves estar sonhando ou não estavas morando em Belem nos 8 anos de atraso de Edmilson. Ele fez com que Belém retrocedesse 20 anos, com suas picuinhas e governo déspota. Onde a talentosa Edilene comandava por trás, junto com seu corrosivo, grosso e obtuso fiel escudeiro que agrediu covardemente a Joana D'arc em pleno palácio de governo municipal.

Obras de R$1,99, apologia ao seu nome como "prefeito criança", Belém a capital mundial das luzes, interdição de ruas para alocar "camelôs", praça da bíblia em detrimento de um sistema viário que desafogaria o entroncamento, aumento de passagens de ônibus em proporção jamais vista em uma gestão na prefeitura de Belém, brigas com os companheiros fundadores do PT em Belém - inclusive, com Ana Júlia -, pois não obedeciam seus caprichos e ego enorme, sua atuação na CDP, etc, etc.

Edmilson já "colaborou" pra essa cidade, no mínimo deveria dar vez a outro. Mas seu orgulho enorme, não permite. Quem conhece realmente o verdadeiro Edmilson, não vota no Edmilson candidato.

Ana Célia Pinheiro disse...

Das 7h40: Você está rrredondamente enganado:não tenho nenhuma simpatia por Edmilson. Aliás, agora até voto em Ananindeua, e não mais em Belém. Mas, se ainda votasse em Belém, votaria ou no Alfredo ou no Zenaldo.
O problema é que preferência ou simpatia não tem nada a ver com isso. O quadro posto é o que está posto, independentemente de eu gostar ou não. A realidade não se amolda ao meu gosto - ela é, apesar dele.
Também não coloquei no Edmilson a "alcunha" de "herói" - releia a postagem, por favor.
O que tentei mostrar é que a campanha dele se utiliza desse arquétipo. E que a possibilidade de uso desse arquétipo é o sonho de dez entre dez marqueteiros, porque o "herói", quando bem manejado, é muito, mas muito difícil de derrotar.
O "herói" está presente no nosso imaginário desde os nossos mais remotos antepassados - talvez pelas dificuldades de sobrevivência da espécie humana, ou até pela própria "consciência de si" do ser humano e a aflição provocada pelos quatro cavaleiros do Apocalipse: fome, guerras, morte e doenças.
Lula foi eleito através da utilização magistral do "herói", da mesma forma que Jatene e tantos e tantos outros políticos.
E as pessoas nem se dão conta disso, porque costumam encarar o "herói", o "redentor", o "salvador", apenas como simples mito, e não como uma necessidade profundamente entranhada em nós, e capaz até de nos levar a agir desta ou daquela maneira.
Quanto ao mais, apenas tentei retratar a realidade das candidaturas, como me parece ser tal realidade.
E se você não gostou dela, sinto muito, mas não posso fazer nada em relação a isso.
Abs,
Ana Célia

Ana Célia Pinheiro disse...

Das 10h33: Eu estava em Belém durante os oito anos da administração do Edmilson e me lembro, sim, de muitos desses fatos que você está a relatar. Mesmo naquela época, nunca fui pró-Edmilson. Votei nele na primeira eleição dele, como muito petista e muito tucano também votou - mas não repeti o voto, não. E olhe que eu conheço todo esse pessoal - Edmilson, Luiz Araújo e por aí vai - desde os tempos daquelas grandes passeatas da Comissão de Bairros de Belém, no começo da década de 80, se não me falha a memória.
O problema é que grande parte do eleitorado de Belém não parece concordar com o que eu e você pensamos. E a Democracia tem esse ônus: quem decide é a maioria.
Também considero burrice, e me perdoe a franqueza, refletir apenas sobre o lado ruim de Edmilson, e esquecer o que ele fez de bom. Edmilson de fato melhorou e muito, a situação de áreas mais pobres, como o Jurunas e a Cremação, além de fazer a Atenção Básica funcionar muito melhor do que agora, com o Duciomar.
E por que é que eu digo que é burrice esquecer isso?
Porque quando você apaga esse lado bom do Edmilson da sua reflexão, você como que decepa uma parte importante da realidade para a compreensão do "fenômeno" Edmilson e do porquê dessa penetração dele no eleitorado mais humilde. E se você não compreender isso, você nunca - NUNCA - vai conseguir derrotá-lo.
Abs,
Ana Célia

Anônimo disse...

Ana Célia, me perdoe, mas como posso lembrar da parte boa de Edmilson? Se ela não existe? O que você relata aqui como "lado bom", convenhamos, em 8 longos anos, não é nada.

O que você relata como "grandes feitos" de Edmilson não é mais de que sua obrigação como gestor municipal. Mas, é muito pouco pra quem prolata que Belém nunca viu uma administração como a dele. Pera lá! Só um besta ou seguidor do "Ed" pra acreditar numa balela dessa.

Só pra lembrar um pequeno detalhe da eleição do 2º mandato de Edmilson, entre muitos outros, a pesquisa encomendada e não registrada no TRE, veiculada na extinta "A Província do Pará", no dia das eleições. Sabiamente articulada por Chiquinho Cavalcante.

Eu não quero destruir Edmilson, até porque, não acredito em sua reeleição. Só quero mostrar que é o verdadeiro Edmilson, que se fecha em copas quando governa e atira pedras, alardeia e não respeita ninguém, a não ser seu instinto autoritário e tirano.

Aliás, verifique quem são seus assessores diretos hoje e quem foram ontem.

Não quero aqui, detalhar os desmandos de Edmilson, pois seria cansativo e demorado. Agora, faça uma pesquisa sobre os processos que ele e sua turma respondem, só pra ver quem é o Edmilson que vocifera honestidade e moral.

Abs,

Anônimo disse...

Parabéns pelo texto,a verdade é que há um candidato forte(Edmilson), 2 que contam com a máquina do estado e municipio(Zenaldo e Anivaldo)e 2 que vieram para negociar o apoio no 2ºturno(Jordy e Priante).O resto é campanha feérica para iludir e alavancar legenda.

Anônimo disse...

Trabalhei em Posto de Saúde no governo do Edmilson, na época ele contratou todos os aprovados no concurso feito pelo Helio Gueiros. Nao falta medico e nem medicamento. Minha tia é Diretora de uma escola municipal, e o que ela diz é que na época do Edmilson nao faltava material na escola, coisa que hoje é minguado no governo do Duciomar. A secretária da vizinha que mora em Aguas Lindas diz que na epoca do Edmilson o Programa Saude da Familia atendia na sua casa, hoje se ela diz que se precisar de uma consulta tem que ir no Posto de Marituba, porque nem no de Belem nem de Ananindeua presta e ainda tem que levar comprovante de residencia de uma prima que mora em Marituba porque senao eles nao atendem. Nao sei se vou votar no Edmilson, na verdade, para mim o que esta pesando mais é a honestidade dos candidatos, estou torcendo para que venha a luz uma acusaçao, com provas irrefutaveis, de que o Edmilson roubou ou que houve superfaturamento em suas obras. Creio que ele como arquiteto o Edmilson deveria fazer obras mais inteligentes para Belem. Nao devemos esquecer que com a Dilma e seus PAC's da vida, qualquer prefeito teria feito obras em Belem. Na verdade, Se compararmos Belem com outras capitais veremos que muito pouco ou quase nada doi feito nesses ultimos oito anos na cidade das mangueiras.

Anônimo disse...

Desafio aos nobres leitores da Perereca a lembrar de cabeca 5 Secretarios do Prefeito Duciomar Costa. Nao vamos esquecer das milhares de acoes judiciais que serao julgadas nos proximos 10 anos em desfavor do Duciomar. Duciomar e sinonimo de corrupcao nao esquecam disso. E nao vamos esqueçer que o vice do Anivaldo Vale é Dr. castro sujeito perigosissimo e que manipulou como poucos a Camara Municipal de Belem.

Anônimo disse...

Edmilson mente, quando diz que em atingiu 40% de cobertura de saúde da família. Isso nunca aconteceu. O máximo q Belém já atingiu, foi o percentual de 23% com o sujo e imundo Duciomar, em seu primeiro mandato. vou te passar uma planilha por e-mail e quero q vc prove aos leitores que edmilson mente

Anônimo disse...

Sou moradora da periferia,mais precisamente da Rua Silva Rosado no bairro de Canudos.Para nós,moradores da área, o Edmilson foi o melhor prefeito de Belém.Sua grande preocupação sempre foi a periferia e por isso as elites não o perdoam.

Anônimo disse...

E no meio dessa discussão quem deve estar arrancando os poucos cabelos é o Jatene que não vê seus apoiados Zenaldo(às claras) e Jordy(ás custas da saúde estadual) terem a aprovação esperada para irem para o 2º turno,quando o que não fosse suficientemente votado apoiaria o outro.Servidor da saúde estadual não vota em quem Jatene apoia nem quem analisa o caos na saúde.

Anônimo disse...

Priante vai adotar políticas públicas pra estimular a criação de polos econômicos em áreas menos desenvolvidas. Isso pode ser uma solução pro trânsito pq descentralizando as atividades econômicas, o fluxo de veículos não vai ficar concentrado só nos bairros centrais!

Anônimo disse...

Ana, o pior que o overnador nao apoia quem nao é do partido dele... Ananindeua está com a obra do canal do maguary parada pois nao onsegur há 3 meses licença da sema estadual... E sabe aquele convênio de asfalto feito em julho para o Prefeito não bater nele na eleiçao?! Só repassou 1 milhao os 9.