Ban

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Jordy, o aborto e a violação de privacidade: será que isso é liberdade de imprensa?

I

Duzentas mil mulheres morrem em decorrência de aborto, todos os anos, no Brasil, segundo a ONU.

São abortos realizados em condições “inseguras”, porque na clandestinidade.

E, é claro, quem geralmente morre em tais situações são mulheres pobres.

Aliás, todo mundo sabe disso: mulheres abastadas ou de classe média recorrem a uma clínica “bacana” e fazem aborto sem problema algum.

Só quem não tem dinheiro é que tem de se virar, sabe-se lá como, para tentar impedir o nascimento de uma criança indesejada.

O aborto mata é mulheres pobres, como boa parte dos problemas de saúde deste País.

É como se só para elas o aborto fosse crime. Porque, para as mulheres de classe média ou alta, há todo um aparato disponível, para “resolver rapidamente” esses casos.

Eu mesma já fiz abortos – dois, ao que me lembro. 

Um numa clínica aqui mesmo em Belém, quando tinha uns 20 anos.

Outro, aos 25 anos, numa clínica do Rio de Janeiro.

Aborto traumatiza, machuca, fere psicologicamente? É claro que sim.

Mas também representa uma solução melhor, infinitamente melhor, do que colocar no mundo uma criança que não se tem condições financeiras ou emocionais de criar.

Essa é que é a verdade. O resto é lobby religioso, hipocrisia e, sobretudo, o fato de o aborto não estar a matar a filha do doutor fulano ou até do profissional de classe média, mas, a Maria da Silva.

Porque se o aborto estivesse a matar a filha do eminente doutor beltrano, ou a irmã do jornalista, do médico, do barnabé, certamente que, contra todo o lobby religioso e contra toda a hipocrisia, já teria sido legalizado.

Os políticos se mobilizariam, os juristas preparariam teses, as redes de TV fariam campanhas espetaculares, para mostrar as “maravilhas” do aborto. 

E o grande circo romano acabaria por vencer o conservadorismo de uma parcela da sociedade que não consegue perceber que está é a ser cúmplice da matança dessas mulheres.
  
É claro que alguém indagará, dramaticamente: “mas e o direito da pobre criança?”.

Em primeiro lugar, vamos esclarecer uma coisa: o corpo é meu, me pertence. Não é terra para ser “enfeudado” por algum homem ou pela sociedade inteira.

Até há pouco tempo, até se obrigava a mulher a parir uma criança oriunda de um estupro, ou até anencéfala.

A mulher tinha de parir uma criança que nasceria morta ou que iria morrer daí a pouco – fatalmente.

Ou seja: tinha de sofrer  duplamente, ao carregar aquele ente, durante nove meses, em seu ventre, para depois vê-lo morto em seus braços.

E no caso da mulher que era obrigada a carregar no ventre uma criança decorrente de um estupro, nem quero pensar: é possível que se eu estivesse no lugar dela, também enfiasse uma agulha de tricô no meu útero.

É claro que o melhor é investir em educação sexual, políticas de saúde, para evitar que se tenha de chegar ao aborto.

E fixar um prazo para a interrupção da gravidez.

Mas é preciso, sobretudo, compreender o seguinte: o corpo pertence à mulher. E a mulher é muito mais do que um útero: é um ser inteligente, capaz  - e com o direito inalienável! - de tomar suas próprias decisões sobre tudo aquilo que lhe diz respeito.

Sem essa compreensão, esses grupos xiitas que vivem na Idade Média e que condenam até camisinha e pílula do dia seguinte (que também já tomei) continuarão a enfatizar apenas o “direito” de um feto ou até de um espermatozoide, em detrimento dos direitos elementares da verdadeira dona do corpo. Ou seja, a mulher.

II

O “causo” que envolve o deputado federal Arnaldo Jordy é uma violência contra todos nós.

As pessoas parecem não estar a perceber que Jordy foi VÍTIMA de uma gravação criminosa, um atentado a direitos elementares de qualquer cidadão – seja ele rico, pobre, branco, preto, velho, novo.

Jordy foi grampeado numa conversa particular com uma namorada. E esse diálogo privado, que diz respeito à intimidade deles, foi reproduzido em um  grande jornal e nas redes sociais, como se fosse a coisa mais natural do mundo grampear um cidadão e invadir a privacidade dele dessa maneira.

Lembra aquela história do caseiro, de quem o Palocci teria mandado investigar a conta bancária.

Lembra as relações promíscuas de Carlinhos Cachoeira com parte da imprensa brasileira, que reproduzia gravações obtidas criminosamente e no interesse desse meliante, para detonar o governo de Dilma Rousseff.

Inevitável, portanto, a pergunta: isso é jornalismo? Isso é liberdade de imprensa?

Quer dizer que agora qualquer um pode me grampear, e a você, caro leitor, numa conversa particular, privada, e jogar isso nos jornais, nas redes sociais, e tudo isso parecer “normal”?

Qual a nesga, o resquício, o vestígio de interesse público que existe nessa conversa entre o Jordy e a namorada dele?  
  
Ele estava combinando alguma maracutaia, alguma propina? Ele possui alguma mansão e não tem como explicar a origem do dinheiro? Ele foi flagrado carregando algum mensalinho? Ele estava tentando obter uma sentença espúria de algum juiz?

O que, afinal, poderia justificar minimamente, funcionar como atenuante, ao fato de esse cidadão, Arnaldo Jordy, ter sido grampeado e exposto publicamente em sua privacidade?

E se fosse com você, caro leitor, o que você pensaria acerca de tudo isso?

Sim, caro leitor, porque ontem foi com o caseiro, hoje foi com o Jordy, amanhã pode ser comigo ou com você!

Mas “Ah”, dirá alguém, “O Jordy é um homem público, um deputado federal, e estava induzindo uma pobre moça à prática de um crime”.

Que me perdoe quem pensa assim, mas essa é uma leitura incorreta, claramente contaminada, quer pela paixão que a questão do aborto provoca em alguns, quer por interesses político-partidários.

A leitura correta é: estava o homem, Arnaldo Jordy, no exercício de um direito e de sua privacidade, a dizer a uma jovem com quem manteve relações sexuais que não queria mais ser pai; que não tinha condições de ser pai novamente.

E aí? Será que o homem, que fornece o espermatozoide, não pode nem chegar com a mulher e dizer: “caramba, rapá, eu não quero esse filho, eu não posso ter esse filho, eu não tenho condições nem financeiras nem emocionais de ter esse filho!”.

Magoa?Dói? Dói à beça. Eu mesma já passei por isso. No entanto, será que o fato de não querer ser pai transforma um homem necessariamente em um canalha?

Quantos políticos paraenses já não disseram o mesmo a uma namorada eventual, ao longo de décadas de política?

Ou melhor: quem, dentre os nossos políticos homens, que vivem cercados de poder, dinheiro e mulheres, poderá atirar a primeira pedra?

O importante mesmo é que o cidadão Arnaldo Jordy foi vítima de um crime: teve violada, de forma absolutamente injustificável, a sua privacidade.

E mais: a relação com uma namorada não tem nada a ver com a possível competência de Jordy para administrar a Prefeitura de Belém.

Como alguém já lembrou, embora sem talvez atentar para a dimensão do que estava a dizer, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva também foi vítima de uma patifaria desse tipo: durante uma campanha eleitoral, expuseram a vida privada dele, para tentar mostrar à opinião pública que ele seria “um péssimo pai”.

E no entanto, Luís Inácio Lula da Silva, assim como Fernando Henrique Cardoso (também várias vezes criticado porque teria uma filha fora do casamento) estão entre os maiores presidentes da história recente deste País.

E a questão é: até quando admitiremos a utilização dessas táticas sórdidas, mesquinhas, imundas, num momento tão importante quanto a eleição daqueles cidadãos que irão administrar a nossa cidade, o nosso estado, o nosso país?

Bem vistas as coisas – e a História já até mostrou com o Collor de Mello – bem piores são aqueles que se utilizam dessas práticas ilegais e obscenas, para tentar transformar as eleições numa espécie de vale-tudo.

FUUUUUIIIIIIIIII!!!!!!!! 

60 comentários:

Anônimo disse...

quero registrar que concordo plenamente com o que voces escreveu. Quero lembrar a todos que o dono do jornal que publicou a materia sobre o Jordy, se ele tem moral pra publicar essas materia. como´´e a vida particular desse Homem Público que ja trocou diversas vezes de mulher inclusivel, traíu a primeira com a propria sobrinha dela. Que ele primeiro olhe pro rabo dele pra depois falar ou comentar a vida particular de qualquer cidadão.

Anônimo disse...

Não discuto a questão do aborto.Discuto a confiabilidade, a seriedade. a decência, que o Jordy tentava sempre passar ao público.Discuto a forma como Jordy, participava de eventos, sempre demonstrando seriedade e transformando confibialidade, em tudo em relação a ética na politica.Sempre a frente querendo transparecer uma diferença gigantesca entre outros politicos.Nos ultimos a exemplo da confiança depositada, também no senador Demóstenes Torres, eis que mais que de repente surge, um outro Jordy, que diz uma coisa e pratíca outra.Nos ultimos tempos dois exemplos contundentes, demonstrando esta dubiedade.Durante o plebiscito sobre a divisão do Estado do Pará, amplamente divulgado pela imprensa e pelas redes sociais, ele em Marabá, defendia a divisão do Estado ( inclusive com gravação em programa de televisão)enquanto que em Belém ele defendia a não divisão.Neste ultimo episódio, ele participa de campanha contra o aborto por outro lado com sua namorada aceita o aborto.Aborto que pela gravação ela não queria fazer e ele ainda diz que depois do feito vai ampara-la com psicólogo.Por ser um homem público não há como julgar errado o seu procedimento.Falta-lhe no minimo firmeza em seus propósitos políticos.Assim como é dificil conviver sob orientação de dois senhores, é também dificil conviver com alguém que concorda com duas teses sobre o mesmo assunto.Usnado uma das duas quando melhor lhe for conveniente.Um lider deve ser seguido não somente por seus discursos, mas principalmente por suas práticas.

Mestre Chico Barão disse...

UM INOCENTE É QUE FOI CONDENADO

Célia

Eu concordo que o fato tem o conceito de golpe baixo por ter sido divulgado de forma “politiqueira”, porem isso não tira a gravidade do exposto no dialogo, afinal não se tratava de feto ou bebê com anencefalia e mesmo que fosse e a moralidade?

As implicações éticas e morais são relevantes, uma vez que está em jogo uma vida humana.

A decisão mesmo sendo um bebe anencéfalo (fato que não é crime), não deveria ser tomada no calor das emoções nem sob a pressão de interesses mútuos, mas na serenidade e objetividade que ela requer.

Errar todos tem esse direito, afinal somos humanos, porem que faz papel de líder tem obrigação de dar exemplo e quem se envolve intimamente com um líder tem obrigação de preserva-lo!

Os interesses tanto da “Jovem” que a meu ver estaria tentando convencer ao Jordy de assumir não por querer ter o direito de ser mãe e sim por querer ter o direito de participar dos seus vencimentos, quanto ao do Jordy que me pareceu na gravação não querer assumir não por fator financeiro e sim ponderando que não teria tempo para se dedicar a criança, são de caráter pessoal e intransferíveis!

Eles que antes demonstraram confiança mutua ao manterem uma relação sem o uso de preservativo agora pelo dialogo desconfiam que foram traídos nos seus objetivos, ele no prazer sem culpa e ela na culpa de não ter o prazer!

Não sou fã do Jordy, não o acho no momento uma pessoa capaz de assumir uma cidade, não concordo com a bobagem que ele fez, porem longe de mim aceitar esse tipo de “Campanha Sórdida ” que estão fazendo com ele, sórdida por envolver uma criança que no futuro sofrera todas as implicações de tal fato!

Espero que ele como qualquer pessoa de coragem faria, identifique quem fez tal ofensa, não ofensa ao político, não ofensa ao pai, mas uma ofensa que trará traumas psicológicos futuros na criança.

Uma vez identificado o impudente, você Jordy conhecedor do estatuto do menor , lute na justiça por sua punição como fizeste para punir quem ofendeu o filho dos outros!

Jordy você foi homem ao reconhecer que a voz era sua mesmo sabendo que ali também reconheceria seu erro, porem tua imagem necessitará de algum tempo para poder se recompor.

MCB

OBS: Se não houvesse uma criança envolvida eu ajudava na crucificação!

Anônimo disse...

muito bem perereca, apesar de ser contra o jordy politicamente, mas a qustão é política, e tb fruto da carolice do PSDB de Serra, o PPS recebe o mesmo veneno... agora os donos dos jornais, seus filhos,amigos, etc., são todos santos?

Anônimo disse...

E eu pensei que você fosse uma jornalista séria. Errei.

Anônimo disse...

Se quem gravou a conversa foi a moça que está gravada não existe crime algum.

Anônimo disse...

Independentemente de ser contra ou a favor do aborto, o que o deputado federal Jordy fez traz a imagem do homem que despreza as consequencias de um ato consensual e tenta induzir uma mulher a abortar. Aborto,excetuando os casos de risco comprovado à vida da mãe,estupro e anencefalia é crime no Brasil. A mulher que o pratica é criminosa, o médico que realiza é criminoso. O homem que convence,premedita e paga é inocente? Se esse é o tipo de político que alguns apoiam, bom proveito nesse mundinho hipócrita e sórdido. Jordy é sim um aborteiro, já que tentou ser autor intelectual de um crime previsto em nosso código penal.O resto é secundário.

Anônimo disse...

MCB incitar o aborto é crime camarada como e que um criminoso pode incriminar outro criminoso

Anônimo disse...

Parte do post do jornalista Hiróshi Bogéa, sobre o assunto:


O homem público que usa temas como ética e decência para pavimentar a carreira política, tem o dever de exercitar os valores defendidos em sua vida particular. Caso viva diferentemente do que apregoa como bandeiras de luta, é falso tudo o que diz.

Pelo país, sabemos, há arautos da moralidade construindo falsas biografias, exatamente por venderem imagem de bons mocinhos sem cuidar da verdadeira personalidade, na vida real..."

Anônimo disse...

Cada vez que ponho uma máscara para esconder minha realidade, fingindo ser o que não sou, fingindo não ser o que sou, faço-o para atrair o outro e logo decubro que só atraio a outros mascarados distanciando-se dos outros devido a um estorvo: a máscara.
Faço-o para evitar que os outros vejam minhas debilidades e logo descubro que, ao não verem minha humanidade, os outros não podem me querer pelo que sou, senão pela máscara.
Faço-o para preservar minhas amizades e logo descubro que, quando perco um amigo, por ter sido autêntico, realmente não era meu amigo, e, sim, da máscara.
Faço-o para evitar ofender alguém e ser diplomático e logo descubro que aquilo que mais ofende às pessoas, das quais quero ser mais íntimo, é a máscara.
Faço-o convencido de que é o melhor que posso fazer para ser amado e logo descubro o triste paradoxo: o que mais desejo obter com minhas máscaras é, precisamente, o que não consigo com elas.
Gilbert Brenson Lazan

Anônimo disse...

Perereca o Jordy,infelizmente,merece passar por essas agruras,uma vez que preferiu andar de braços dados com os canalhas da politica paraense.\só não ver quem não quer que isto foi armado pela tucanalha,atrvés de sua policia,cxom auspícios dos mafiosos Pemedebista que deram publicidade.Em suma,não depositam confiança no jordy,caso eleito prefeito,dei sustentação para as suas maracutaias.Bem feito

Anônimo disse...

Fácil: Hipocrisia!!! A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. A palavra deriva do latim hypocrisis e do grego hupokrisis ambos significando representar ou fingir.
Um exemplo clássico de ato hipócrita é denunciar alguém por realizar alguma ação enquanto realiza a mesma ação.

Anônimo disse...

A hipocrisia desse ficha ex-limpa é incrível.Se o que ele diz na gravação não é induzir a moça a abortar,o que é aquilo? A gente só sabe quem são esses politicos de baixo padrão quando a briga é entre eles.

Anônimo disse...

Jordy tai me trocou não me quiz mas como bofe deu nisso.

suzyD4

Anônimo disse...

Um verdadeiro camaleão! Farsante!

Anônimo disse...

ele não é nem um inocente,ja vi essa estorinha e sei como termina a vitima vira réu e o réu vira vitima

Anônimo disse...

Seria de uma inocência cinica, neste caso fazer separação do que é publico e privado, se tratando de um gesto de um homem público.Tinhamos a idéia da decência, da moralidade, da nobreza, da seriedade da retidão, enfim de todos os sentimentos nobres do deputado Jordy, porque ele simplesmente, assim apregoava em seus discursos, em suas falas na televisão nos programas, nas suas investidas em comissões parlamentares de inquéritos.A exemplo do que aconteceu com o quase ex-senador Demóstenes.O goiano também era duro em seus pronunciamentos, nas suas falas, nos seus discursos, nas suas investidas nas comissões parlamentares de inquéritos.Tinhamos em Demóstenes Torres, um politico exemplar, cheio de decências, seriedades, e outros bons atributos.Tinhamos também o Jordy, como um politico exemplar.Bonito era ver a firmeza de suas convicções acompanhando o movimento Aborto Não.Ligação telefônica e gravação, mostram ao Brasil que Demóstenes Torres, não pensava da forma como agia.Ligação e gravação mostra ao Pará, que Jordy não é o mesmo do discurso, das falas na televisão muito menos o das investidas nas Comissões Parlamentares de Inquérito.Não é bom misturar o público com privado, mas somente com estas publicações, poderemos saber a verdadeira face interna do homem público.Somente assim podemos ver o verdadeiro comportamento.Se não é desta maneira, seremos sempre ludribiados pela hipocrisia e pelo falso moralismo

Anônimo disse...

Bem feito para esse hipócrita.Quanto aos que o elegeram ,espero que assim como eu aprendam que não há ficha suja, tão suja,como a dos falsos fichas limpas.E pensar que esse expoente de "honestidade e coerência" domina a área da saúde no estado através de Hélio Franco.

Anônimo disse...

Como saberíamos, quem é o verdadeiro Arnaldo Jordy, se não fosse a publicação na internet da gravação ?

Jomair disse...

Perdestes uma grande oportunidade de ficar calada. Deves estar a querer uma boquinha como assessora do Jordy. Aliás, aqui, estás a enxovalhar a vida privada de muita gente. Teu discurso só estar a enganar os bobos, ou, os que acreditam em suas próprias mentiras como tu. E estar a achar que tua experiência de vida é exemplo para alguém, Deus nos livre!

Anônimo disse...

Ana, vc me decepcionou! Decepcionou muito! Tenho ainda apreço por você, mas não to entendendo nada dessa sua defesa ao Jordy. Se o aborto fosse legalizado no Brasil para todos os casos, aí sim... ABORTO é CRIME! Será que é difícil entender? Não vejo diferença entre ele induzindo ela a abortar ou ele induzindo alguem a matar outrem! Não vejo mesmo!

Anônimo disse...

Aos poucos, jordy vai sendo desmascrado!!!

Ontem, foi o Demóstenes e a sua cachoeira de lama derrubando ilibada "reputação" de guardião da ética em Goiás e no Senado Federal.

Hoje, está sendo esse parlamentar, que nunca me enganou, sendo flagado na tentativa de cometer uma das maiores violências contra as mulheres ao induzir, forçar o aborto de seu próprio filho!

Pelas próprias palavras que escreves, a Josy tinha todo o direito de decidir sobre o seu corpo: NÃO QUERIA FAZER O ABORTO!!!

A questão é muito mais grave que essas hipócritas conjecturas que escrevestes, para ao fim tentar defender esse "paladino" da ética, moral e justiça em nosso Estado.

E olha que tem muito mais podres desse rapaz, que a tua vã consciência nem imagina. Seja investigativa, vá atra´s de informações, fatos para descobrir.

Queres um auxílio, por onde começar? Começe lá na Região do Salgado, a beira do Rio Maracanã, saboreie um saboroso prato de mariscos e converse com o povo maracanaense, e acabará "eurekando" o que esse deputadozinho andou fazendo por lá, em pleno andamento da CPI da Pedofilia.......

Anônimo disse...

Um homem público não pode dar este tipo de exemplo que deu. Em um pais sério ele teria de renunciar, é reu confesso. Ele como comedor deveria usar camisinha!

Anônimo disse...

Porque as pessoas não sentem a mesma indignação quando políticos são apanhados roubando dinheiro público? Político que participa de tramoias para desviar dinheiro do povo também é criminoso,pois é dinheiro que faz falta para a educação,para a merenda escolar e principalmente para a saúde.Minha indignação com Arnaldo Jordy é por seu conluio com esse tipo de gente que está sucateando a saúde e por tabela provocando a morte de muitas pessoas.Agora,com relação a este episódio lamentável,acho que mais mau caráter é quem fez o grampo,pois com toda certeza deve cometer os mesmos erros e vai tentar se aproveitar do escândalo e acabar se elegendo prefeito de Belém.

Anônimo disse...

É gozado esse ataque de moralidade dos comentaristas. Que Jordy se mistura com os tucanos, isso é fato inegável, que Jatene tem um cara de melão para apoiar a prefeito e que esse já foi candidato pra lá de derrotado, também é fato, certo? A manchete no Diário pretende viabilizar a saída de Jordy do pareo e deixar Priante e o cara de melão Zebraldo para disputar com Edmilsom.
É óbvio que no 2º turno haverá apoio ao Priante, né Zebraldo?
Se Jordy se queimar junto ao seu eleitorado nã há necessidade do Jatene ficar dividido entre ele (Jordy) e o Zebraldo.
Perereca e a gravidez da moçoila loura que tem caso com um dirigente de órgão público, já ouviste o caso? É no nível desse.
Só tem menino ingênuo nessa política. Agora são as marias eleitoras que estão atacando. Meninos, cuidado! kkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Sua defesa em torno do seu, até então, intocável Jordy, chega a ser nojenta. Um cara como esse afirmar que não tem condições financeiras de ter outro filho, é ultrajante. Partindo desse princípio, mais de 80% da população brasileira não teria também. Faltou caráter de assumir seus atos. Coragem é uma qualidade de poucos, e seu deputado está longe de ter. Se era tão simplório, por que o mesmo não veio a público e expôs o caso, deixou à menina a mingua esse tempo todo, covarde, crápula. Não tenho adjetivos para um sujeitinho

Anônimo disse...

Perereca,

Verifique, essa denuncia. A Empresa que abastece os carros da Policia Civil, parece que se chama OMEGA, e seria uma das empresas do Carlinhos Cachoeira.

Anônimo disse...

Analisando pé a pé a situação: A gravação é um absurdo e serve de exemplo para todo homem que prega o sexo livre. Po... Jordy alega que sua parceira é maior. Sim, é. Mas ele, tambbém é maior e poderia ter evitado a gravidez; segundo: a gravação. Sujeira, e braba. mas a imprensa começa e já está sendo vítima de si mesma. A impresa, que quer ser livre tem que enteder que a liberdade inclui os atos dela e de seus operadores.
Esse papo de levantar a bandeira a favor do aborto porque as maiores vítimas de aborto são as mulheres pobres é ridículo. Podre adora ter filhos. Não existe uma só estatística que prove isso, ao contrário a classe onde mais nasce é classe economicamente menos favorecida. As estatísticas provam que quem mais faz aborto é a classe média. Defendido por intelectuais e feministas como preceito de dona do corpo, ao engravidar, no sexo tão somente como prazer, a mulher deixa de lado a mesma medicina que prova as consequências do aborto no corpo feminino. Já viram os número do câncer do colo do útero em razão de reiteradas práticas do aborto?
A gravação é uma sacanagem, mas serve para provar o caráter de quem está no poder e como pensam. A coisa está difícil.

Tati disse...

Quanto à violação de privacidade, concordo com você, é lamentável. No entanto discordamos em dois pontos: I I - Acho leviano ele pregar algo publicamente, e fazer o oposto em sua vida privada!
II - Acho lamentável os que pregam a liberdade de fazer aborto, sacrificarem os nascituros vulneráveis e hipossuficientes, jogando sobre eles sua IRRESPONSABILIDADE VIL E ATROZ, quando deveriam na verdade poupar um bebê inocente, se simplesmente usassem qualquer meio contraceptivo na hora "H", que seria o mínimo a fazer, ao invés de só pensarem com a cabeça de baixo (ou no caso, com a perereca).

Anônimo disse...

Vocês deviam estar preocupados com os escândalos que estão acontecendo com o Judiciário Paraense e com as "maracutaias" e "pilantragens" cometidas pelo "DESPREFEITO" DUDU para se apropriar do dinheiro público. Parece que a nossa sociedade provinciana e hipócrita prefere criticar e condenar os atos da vida privada dos políticos, do que saber como está a sua atuação no parlamento ou no comando do poder executivo municipal ou estadual. É por essa e outras que o Estado do Pará e sua Capital estão sempre liderando o ranking com os piores índices dos serviços públicos essenciais (Educação, Saúde, Segurança Pública, etc). Quando é que vamos mudar esse estado de coisas e passar a se incomodar com o que realmente interessa???

Tatiana Oliveira disse...

A parte I do seu post, pra mim está perfeita, mas discordo da parte II, a fase em que "em vida de marido e mulher naõ se mete a colher" já passou.

Anônimo disse...

Muito interessante, nunca vi essa defesa tão apaixonada em outros casos, lembra do irmão da ex governadora? Nunca li uma linha sequer no seu blog em defesa dele. Agora a respeito de misturar pessoal com politica, alguem aí ao menos se lembra do nome do irmão dela? So aparecia como irmão, na verdade sem ter como atacar a propria, pegaram o irmão pra pato, e olha que não existia nenhuma prova, nenhuma gravação, nenhuma testemunha, nada, e mesmo assim nao vi vc, Perereca, defender com tamanha vontade o irmao dela? O que mudou? Vc, seus interesses ou o que?

Anônimo disse...

Ana Célia....

Você é competente, séria e muito corajosa ao elencar as razões deste seu post. Parabéns, poucas mulheres teria a sua coragem.

Quanto a questão do Jordy e estes comentários em sua maioria, são de uma hipocrisia e uma insustentabilidade ridícula. É evidente que esta prática é muito mais comum do que se possa supor, incluso nisto estes arautos da santidade que fazem comentários condenatórios. Jordy tem o direito de tratar das suas questões privadas, sem que isto seja exposto a público, aliás direito de qualquer cidadão, não confundam sua prática política e os seus atos e posições, com esta questão que é estritamente pessoal. Jordy é um político diferenciado e eu que o conheço há quase cinquenta anos sei muito bem disto. Desafio a qualquer um destes detratores, a apontar uma vilania sequer que ele tenha cometido. Jordy não pode se intimidar e nem abaixar a cabeça, por que isto não o diminui em nenhum milímetro, ele vaio continuar sendo o político, sério, ético e preparado que sempre foi, e para o desespero dos hipócritas, sua carreira política está em ascensão e continuará a crescer. Reduzam-se aos seus rancores sórdidos e suas absolutas faltas de argumentos consistentes. Fiquem com suas insuficiências mentais e mediocridades, que Jordy continuará a ser muito superior do que tudo isto.

Anônimo disse...

Por que não fazem crítica a prática desse deputado ao longo de sua vida política? Por que não assumem que essa publicação tem um claro interesse politiqueiro? E de quem é esse interesse? Ora, todas as emissoras que deram a matéria em tom jornalista, sem exceção, são do grupo de Jader Barbalho, que tem Priante como candidato em Belém querendo passar para o segundo turno numa eleição que ainda não começou. Por que não debatem política, os interesses de Belém? Que Belém queremos e quando vamos resolver seus problemas crônicos como transito, saúde saneamento, por exemplo? Isso me parece ser mais interessante para a população do que essa falsa novela privada. Quero escolher para Belém alguém que não roube, que invista em politicas publicas, que saiba que existe uma população de jovens, crianças e adolescentes que não tem as mesmas oportunidades que tiveram os meus filhos, os filhos do próprio Jordy e de outros políticos. Acho que isso é mais importante.

Adm&Jorn Alzyr Luís disse...

Interessante como os inimigos do deputado Arnaldo Jordy não mostram a cara, ficam se escondendo atrás de campanhas sórdidas, tentando denegrir sua imagem pública que a quase 30 anos não tem uma mancha.

Diferente dos pedófilos, dos políticos fichas sujas, Jordy vem lutando contra crimes hediondos, crimes contra a humanidade. Diferente dos seus algozes que se escondem nas sombras.

Jordy foi mais HOMEM que muitos dos seus inimigos quando confirmou que a voz era sua, foi mais HOMEM do que os pedófilos que abusaram de menores e que se puderem voltam a usar, foi mais HOMEM do que aqueles que se utilizam do dinheiro público, do seu, do meu dinheiro para ficar rico de maneira ilícita.

Sejam HOMENS como Jordy foi e mostrem a cara, se é que vocês tem coragem.

Anônimo disse...

Acho que o Jordy só deve ter um pouco mais de cuidado ao levantar bandeiras em prol de questões nas quais ele não acredita realmente ou das quais ele passa por cima se a vida assim exigir, ele como figura pública deve pensar melhor e não fazer demagogia com assunto sério, NESSE PONTO ME REFIRO A ELE APENAS COMO POLÍTICO E PESSOA PÚBLICA QUE SABE QUE NO JOGO SUJO DAS ELEIÇÕES, OPOSITORES SE VALEM DE TODOS OS ARTIFÍCIOS POSSÍVEIS PARA DESTRUIR O OPONENTE.

No que se refere ao HOMEM NO DIREITO INALIENÁVEL A SUA INTIMIDADE / PRIVACIDADE, ninguém tem o direito de atacar e invadir dessa forma. Não diz respeito a ninguém, além dele a da mulher em questão (que é maior de idade e sabia muito bem o que estava fazendo e assim como ele, sabia que fazer sexo sem proteção pode resultar em uma gravidez) os bastidores desse relacionamento e as decisões que eles precisariam tomar sobre essa ou qualquer outra questão. É um direito dele deixar claro para ela que não desejava o filho, assim como é um direito dela (já que o corpo dela é o invólucro intransferível do feto) decidir se manteria a gestação ou não. Não são vilões, são seres humanos.

Nem vamos entrar ai no mérito de porque a tal mulher guardou tal gravação e nem mesmo de porque ela gravou conversa tão intima, o ser humano é estranho mesmo... rs

Mas não percamos de vista o lamentável papel dessa imprensa que muito longe de
estar preocupada com os interesses da sociedade, está interessada em destruir "adversários políticos" do momento.

Me preocupa viver no meio de uma sociedade tão hipócrita que se escandaliza com a vida privada de um e reelege outros tão lamentáveis que se utilizam de forma criminosa do dinheiro público como o ex presidente Collor, isso pra ficar apenas nesse exemplo...

Como bem disse Nelson Rodrigues, se cada um soubesse o que o outro faz entre quatro paredes, NINGUÉM se cumprimentaria na rua no dia seguinte.

Carlos Dias disse...

Um Blog que 99% dos comentários são de Pessôas ANÔNIMAS não MERECE CREDIBILIDADE. SEM COMENTÁRIOS.

Adm&Jorn Alzyr Luís disse...

Concordo com Carlos Dias em gênero, número e grau... Quero ver, esses anônimos mostrarem a cara, ou pelo menos seus nomes aqui. Mostrem quem são, não venham dar uma de moralistas se não se apresentam de verdade. muitos criticaram a jornalista dona deste blog, até disseram que ela queria uma vaga na assessoria do deputado, respeitem a profissional... Se querem falar dos outros mostrem a cara, se não fiquem calados!

Anônimo disse...

Caiu a máscara de mais um político, isso é para comemorar.E quanto mais ele se manifesta,mais se enrola.Agora que espere o resultado do DNA e se a criança for dele que pague a quarta pensão trabalhando, porque meu voto e de muitos nunca mais terá.

Anônimo disse...

Claro que foi a jovem que divulgou a gravação, é inútil querer atribuir a terceiros o fato tentativa de desviar do foco principal. Se isso não é incitação ao aborto ( não posso ter um filho...não tenho tempo de cuidar dos meus.. pago psicólogo, etc.)somos todos néscios, incapazes de raciocinio.

Anônimo disse...

Nao se discute aqui o mais importante, que é a quebra do decoro parlamentar por parte do Deputado Jordy, afinal sem entrar no merito da hipocrisia, se estao com interesses escusos ou não, o certo é que, ele, o Jordy, esta sim incitando uma pessoa a cometer o aborto, o que configura um crime, passivel portanto a uma abertura de processo pela Camara dos Deputados contra o Jordy por quebra do decoro. Ele insiste sim nisso, menciona até dois medicos que poderiam faze-lo e inclusive se dispõe a pagar um psicologo para a mãe do seu filho. Isso é fato, existem provas, ele mesmo assumiu a autoria da gravação, então so resta a Camara em Brasilia cumprir o seu papel e iniciar esse processo, dessa forma ele, o Deputado, terá toda a chance do mundo de se explicar, se é que existe explicação para isso
POINT

Anônimo disse...

Nossa!Com tanta gente politicamente correta discorrendo sobre o assunto,fico me perguntando quem são as pessoas que votam no Jáder,Mário Couto,Seffer e outros mais.Se são todos muito éticos como apregoam ser,quem elege esses políticos?

Anônimo disse...

Jordy se ferrou, a máscara caiu. Se achava que no segundo turno seu apoio ia valer vantagem como quando em eleição passada se bandeou para o Priante agora ser apoiado por ele tira voto. Um machista covarde e irresponsável foi exposto.Mulheres selecionem em quem votar!

Anônimo disse...

O Jordy na eleicao passada foi apoiar o Priante, taí o resultado, manchete na primeira pagina do jornal dos Barbalhos. Tem politico que pensa que e esperto mas acaba sendo burro, como dizia bezerra da silva, malandro demais vira bicho. Politico tem que saber que no Pará que a traicao do PMDB e igual a de escorpiao, esta na natureza, nao ha como mudar. Foi assim que o PMDB acabou com a Socorro Gomes, acabou com o Almir, acabou com a Ana Julia etc.
Por outro lado, esse fato vai ser bom pra candidatura do Edmilson Rodrigues que ira abocanhar os eleitores do Jordy.

Anônimo disse...

Perereca, voce admite que fez dois abortos. Quais as circunstancias que ocorreram? Estas a admitir somente agora porque os crimes cometidos estariam prescritos? Na sua epoca nao existia remedio anti-concepicional? Ou saia baixando a calcinha para qualquer um? Voce tem filhos agora? Se tiver, por que estes tiveram o direito de nascer e os outros nao? Quanta irresponsabilidade. Na juventude, engravidei uma moca, nao eramos namorados, mas assumi a crianca, e hoje, ja grande, e um dos maiores bem que temos. O Jordy, pelo video, esta somente preocupado em nao pagar pensao, isso e considerado um motivo torpe para o homicidio.

Anônimo disse...

Perereca,
Concordo com todo o seu posicionamento já exposto, entretanto acredito que se o fato tivesse ocorrido com outra pessoa, cujos interesse politicos divergissem com os do referido deputado, este usaria dos mesmos artifios para aniquilá-los do mundo político, exemplo recente: entrega das caixas de pandora do governo do PT na ALEPA, a qual o "diguinissimo" deputado usou de todos os meios para ter acessos aos relatórios ali existentescom o unico intuito de usá-los politicamente contra a ex- governadora ana julia carepa.Este é o cenário político brasileiro: sujo, sórdido e canalha onde prevalece o interesse privado em detrimento do interesse público.

Alcyr Lima disse...

As gralhas do DP e da RBA já estão em ação. As da ORM também. As fogueiras estão acesas e os canalhas alimentando-as com gasolina. Numa terra de safados políticos (não confunda com políticos safados!), é o vale tudo que INFELIZMENTE acaba por abrir os caminhos, as portas , os cofres, enfim, a esse bando que se esgrima pelo poder. Enquanto isso, o povo vive à míngua, enganado pela propaganda luxuosa dos gestores de plantão. Perereca, estás coberta de razão. A privacidade de QUALQUER cidadão deve ser respeitada por TODOS, gostem ou não gostem. Foi isso que entendi no seu post, mas cada um lê do seu jeito.

Anônimo disse...

Amigos,

existe pessoas e pessoas, e de se aplaudir a coragem dessa bloguera em afirmar que ja fizera aborto, mas lamentavel a forma de proteger esse cidadão, que de forma covarde alegou não ter condiçoes de criar tal criança, com ha alegaçao que nao tinha mas condiçoes, tanto financeira como em tempo.
vejamos se essa moda pega, não esquecendo que ele é dep. federal, quantas mulheres iriam sofrer por se envolver com crapulas como esse,que na ora do sexo finge em ama e depois cospem na cara do prato que comeu, esse é um verdadeiro hipocrita.
Só confirmou que era dele a voz, pq como pres. de farias comissoes sabe que aumentar a mentira e combustivel na questão, com a experiencia que tem não iria erra, mas sabe-se que não tem como negar que o intuito era o aborto.
Esse cidadao não tem pena de ninguem todos sabem que ele comanda a SESPAe por lá deficiente esta lascado, 2011 e ate aprecente data nao tem projeto pros mesmo tudo pq não extiste sencibilidade de sua equipe para resolver a questão ou melhor se desvia o recurso pra eventos e os pacientes com deficiencias vão ficando haver navio, mas todos vão conhecer essa historia melhor na hora certa, "depois nao venha dizer que é politicagem", politico que não se prezar tem que apanhar na hora certa pq antes não adianta, espero que esse povo que nao quer enchergar o que esta na cara, aprendam que não extite santo e sim o menos pior.

M. F.S. S. JR

Professor Walber Wolgrand disse...

Por unanimidade o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aprovou o relatório do conselheiro LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR, julgando parcialmente procedente a representação feita pelo Major e Professor Walber Wolgrand Menezes Marques contra membros do Ministério Público do Estado do Pará.


O augusto Conselho editou o Acórdão publicado no D.O.U de 23 de março de 2012, Seção 1, página 80, com o qual determinou a instauração de PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR, por inércia ou excesso de prazo, contra os seguintes membros do Parquet paraense:
- GERALDO DE MENDONÇA ROCHA
- FRANCISCO BARBOSA DE OLIVEIRA
- MARIA DAS GRAÇAS CORREA CUNHA
- MARCELO BATISTA GONÇALVES
- PEDRO PEREIRA DA SILVA
De quebra, ainda determinou a instauração de Procedimentos de Controles Administrativos para apuração dos requerimentos submetidos diretamente ao CNMP. Em outras palavras, para apurar aquilo que o MP marajoara não apurou.
Uma vergonha para quem se diz Fiscal da Lei!
Leiam aqui, na íntegra, o relatório do CNMP:
http://aplicativos.cnmp.gov.br/consultaProcessual/consultaProcesso.seam;jsessionid=415F9A9B4A3282EB7B1D6F82762C6DFF
Acrescente o nº do processo: 1148/2010-41
e o nome do interessado: WALBER WOLGRAND

leiam e vejam como o MP do Pará tratou as denúncias protocolizadas por um cidadão comum.

Anônimo disse...

A solenidade de posse do ex-prefeito cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral, por uso de poder econômico na eleição 2008, Silvio Macedo, foi empossado como secretario de Agricultura de Itaituba, evento presidido pelo prefeito Valmir Climaco. Caso de imoralidade no serviço Público Municipal, passível de processo o prefeito Walmir Climaco por improbidade administrativa, pois como aceitar que o ex-prefeito ocupe cargo público municipal, já que foi cassado pelo Tribunal eleitoral, estando impedido de concorrer a cargo majoritário por oito anos, e vem a ser nomeado como secretário pelo prefeito que assumiu em sua cassação. Os eleitores do Município de Itaituba estão perplexos com a atitude do prefeito Valmir Clímaco, esta matéria de ser publicada como forma de protesto, e sua publicação fica no aguardo do pronunciamento do Ministério Público Estadual de Itaituba, BLOG DO PARENTE

Anônimo disse...

Respondendo ao anônimo das 09:47PM, acima, acredito que os eleitores dos candidatos mencionados em seu post são todos esses que estão levantando essa bandeira hipócrita condenando a atitude do Jordy, quando na verdade essas histórias se repetem diariamente em todas as cidades brasileiras e muitos daqueles que estão criticando a postura do político em questão, talvez agissem da mesma maneira frente a essa situação. Vamos parar de ser provincianos e nos preocupar com o que realmente é importante!!!

Sales Coimbra disse...

Gente, vocês não precisam se preocupar. As penas para o aborto previstas no Código Penal são extremamente brandas. O aborto provocado por terceiro é punido com reclusão: de 3 a 10 anos se não contar com o consentimento da gestante, e de 2 a 4 anos se a gestante consentir (o que ocorre na maioria dos casos). E melhor, induzir, instigar e auxiliar a mulher grávida à prática do aborto (que me parece o caso do Jordy - se a voz for mesmo dele - nem é considerado crime. Além do mais, quem mandou essa garota engravidar, né!?!? O sujeito da gravação (seja ele quem for) tá certo em não assumir a responsabilidade. Afinal de contas, ele só queria se divertir um pouquinho. Aliviar a tensão do trabalho. Mais um filho, mais uma pensão, nem pensar!!! Eu, no lugar dele, tomaria a mesma decisão. E o bom é que eu sei que poderia contar com o apoio dos colegas.

Anônimo disse...

Nunca li um texto tão ridículo e imbecil, digno de uma pessoa que faz economia com a inteligência ou qual será a motivação para defender um criminoso?

Anônimo disse...

Ana
A hipocrisia é do Jordy que em público faz pregação de uma coisa e na calada da noite, escondidinho, faz outra.

Anônimo disse...

Perereca;

Interromper uma gestação é o mesmo que tirar a vida de um ser humano, não importam as circunstâncias. No pensamento das pessoas isso pode admitir uma série de interpretações diferentes, mais ou menos dolorosas à consciência.

Não condeno o Jordy pela decisão de mandar a namorada fazer aborto, mas acharia muito admirável se ele pensasse diferente. A cada dia o Jordy merece menos a minha confiança.

Anônimo disse...

Nota da Marcha Mundial das Mulheres sobre o aborto e o "Caso Jordy"


A Marcha Mundial das Mulheres - Pará, vem tornar público seu posicionamento a respeito do "Caso Jordy". Nossa prioridade não é discutir o conteúdo do áudio, mas os argumentos conservadores adotados por diversas pessoas com o objetivo de defender o deputado e criminalizar a mulher.

Em preliminar, gostaríamos de negritar que não aplaudimos a divulgação de conversas privadas na internet ou em qualquer outro meio, haja vista a exposição das pessoas envolvidas. Nossa preocupação se direciona principalmente à grávida, que não é uma pessoa pública, mas merece de todos a mesma consideração devotada ao deputado quanto à sua privacidade.

Não concordar com a exposição de um caso pessoal, não quer dizer que concordamos que o aborto é um assunto privado. Pelo contrário, afirmamos que o aborto é assunto público, assim como a violência contra as mulheres e a pedofilia. O feminismo sempre disse que “em briga de marido e mulher”, a sociedade e o Estado devem sim “meter a colher”.

Defendemos a legalização do aborto por entender que cabe às mulheres, no exercício da autonomia sobre seus corpos e suas vidas, tomar a decisão se querem ou não interromper a gravidez não planejada, sem pressão do parceiro, da família ou da Igreja, mas, sobretudo, sem a ameaça de ir presa por isso.

Na prática, muitas mulheres já decidem e abortam, muito mais do que as pessoas querem admitir, pois quando se trata de uma filha, parente, amiga, namorada, amante ou esposa percebemos que o nível de tolerância e solidariedade com esta realidade é bem maior do que quando se trata de debater mudanças na legislação que permitam a interrupção até as primeiras 12 semanas de gestação, o que, registre-se, é permitido na maior parte do mundo.

A verdade é que este debate está contaminado pela hipocrisia e pelo machismo. Hipocrisia porque a maioria da sociedade nega às mulheres este importante direito sexual e reprodutivo (opinião pública conservadora) mas, no privado, entre quatro paredes, numa conversa telefônica ou num confessionário, não faltam justificativas para achar que os casos das suas “conhecidas” eram diferentes (opinião privada liberal), ou seja, vistos como casos excepcionais, quando constituem a regra. Machismo porque os que ditam as regras são os homens: maioria no parlamento, entre os juízes e os líderes religiosos, e o fazem sabendo que a conseqüência é a morte de milhares de mulheres todos os anos.

No Brasil, estima-se que mais de 1 milhão de abortos ocorram anualmente, só que de maneira completamente insegura, com métodos caseiros ou em clinicas de aborto, estas últimas um privilégio daquelas que podem pagar ou ainda que o próprio parceiro ou família viabiliza o pagamento. Portanto, o aborto é um caso de saúde pública também, já que as mulheres pobres, sobretudo as negras, são as que recorrem a métodos de abortamentos inseguros.

No caso em debate nas redes sociais, percebemos um linchamento público da mulher que lutou pelo direito de prosseguir com sua gravidez. A mulher que não admitiu ser pressionada se torna, na voz dos defensores do deputado, uma pessoa malvada e mal intencionada, interesseira e premeditada. Para nós, feministas, esta postura não surpreende, mas merece o justo combate. Assim como não aceitamos a expressão "mulher de malandro", não aceitamos ser culpadas pelos estupros que sofremos, não aceitamos o abuso sexual de menores como algo normal, não calaremos diante do machismo que justifica qualquer atitude masculina e culpabiliza as mulheres.

Temos direito de sermos mães, se quisermos. Direito de andar na rua à noite e de nos vestirmos como quisermos, sem ter todo esse moralismo descarregado sobre nós.

Em defesa dos direitos da mulheres, seguiremos em marcha até que todas sejam livres!

Belém, 09 de maio de 2012.

Marcha Mundial das Mulheres - Pará

Anônimo disse...

Os carros da segup assim como de todo o estado são abastecidos no posto do Beto com o ricardo.

Anônimo disse...

Perereca, quero te mandar uma denuncia, como faço?

Ana Célia Pinheiro disse...

Oi, das 8:55: Mande pra anaceliapinheiro@hotmail.com
É o mesmo email do blog. Mas se você não quiser se identificar é só dizer. Peço apenas que você mande o material através do seu email. Vou ler e aí a gente pode falar por telefone ou até marcar um encontro.
Bom você dar o toque: vou colocar um gadegt com o email mais visível. Abs e obrigada pela atenção.

Anônimo disse...

Esquecem de parabenizar e dar apoio para a Josy que exercendo o seu direito não pegou corda desse hipócrita do Jordy. Se ao fazer o DNA não for ele o pai, quem lucra é a criança. Aí Josy devolva o bercinho, o dinheiro e até o tal plano de saúde que aceitou sus inscrição grávida, quando ao que eu saiba cobertura de gestante é só depois de um ano.Trabalhe moça e crie seu filho com a dignidade necessária.