Ban

sábado, 4 de fevereiro de 2012

A Perereca não publica informações de Ophir Cavalcante Junior porque não recebe informações de Ophir Cavalcante Junior.

A Perereca comunica aos leitores que não publica nenhuma informação do presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante Junior, simplesmente porque não recebe nenhuma informação do presidente nacional da OAB.

Em 17 de novembro do ano passado, pouco depois de começar a cobrir a crise da OAB paraense, o blog enviou email à Assessoria de Comunicação da OAB nacional, no qual solicitava uma entrevista com Ophir Cavalcante Junior.


Veja no quadro abaixo (clique em cima dele para ampliar):



A Perereca, porém, nunca recebeu resposta, ainda que negativa, a esse email.

E hoje, também, não recebe os “releases” da Assessoria de Imprensa de Ophir.


Não é a primeira vez que a Perereca da Vizinha sofre esse tipo de retaliação -  e, certamente, não será a última.


Logo no início do Governo Jatene, o blog também não recebia um mísero release do Palácio dos Despachos.


Foi um problema, aliás, que atingiu não apenas a Perereca, mas, também, outros blogs jornalísticos, que teimam em fazer Jornalismo.


Graças a Deus, porém, isso acabou. E eu imagino que tenha sido por determinação do secretário de Comunicação, Ney Messias, que é um sujeito de bem com a vida e com enorme capacidade democrática. 


No entanto, essa prática nefasta, arrogante, persecutória, arbitrária, de sonegar informação, reaparece agora -  quem diria! - na OAB, essa entidade com uma história extraordinária de luta em defesa da Democracia.


E a Perereca se sente na obrigação de informar esse fato aos leitores, para que não se imagine – e talvez seja essa mesma a intenção do presidente da OAB – que o blog é “parcial” e que Ophir, simplesmente, não tem espaço aqui.


Quem acompanha este blog – um dos blogs jornalísticos mais antigos do Pará  e com várias reportagens que repercutiram em vários veículos de comunicação do País – sabe muito bem que aqui todo mundo tem o necessário espaço para apresentar a sua versão dos fatos.


No entanto, este blog nunca foi e nem jamais será subserviente, a publicar apenas o que as nossas “otoridades” querem que digam a respeito delas.


Faço este esclarecimento, também, porque a Perereca tem leitores habituais em vários outros estados brasileiros - Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia, por exemplo – e até no exterior (Estados Unidos, França, Portugal).


E é preciso que esses leitores saibam qual é a postura do presidente nacional da OAB, nos limites desta província que é o estado do Pará.


Sim, porque fora daqui o presidente nacional da OAB diz que clama por Democracia, liberdade de imprensa e por aí vai.


Mas aqui o presidente nacional da OAB não suporta os jornalistas que não se contentam em publicar simplesmente a versão dele sobre os fatos.


Em suma: aqui na província, longe dos holofotes da imprensa nacional, Ophir Cavalcante Junior defende é beija-mão – não o Jornalismo, não as liberdades de imprensa e de expressão.


Por fim, comunico aos leitores que já não tenho mais a mínima intenção de entrevistar Ophir Cavalcante Junior, conforme lhe propus, através da Assessoria da OAB.


Afinal, habituei-me a entrevistar, para os jornalões e para este blog, gente realmente brilhante, e realmente de peso, no Pará, no Brasil e no mundo – quer se goste deles ou não – como é o caso de Almir Gabriel, Jader Barbalho, Simão Jatene, Ana Júlia Carepa, o hoje finado Hélio Gueiros, Jarbas Passarinho, Alacid Nunes, Romulo Nunes, Rubens Rollo D’Oliveira, Inocêncio Mártires, Nelson Medrado, Roberto Lauria, Parsifal Pontes, César Meira,  Adolfo Esquivel – e tantos e tantos outros que já nem me recordo, após 32 anos de profissão.


Daí que entrevistar Ophir Cavalcante Junior poderia passar aos leitores a impressão de que bati no fundo do poço.


FUUUUUIIIIIIIII!!!!!!!!

13 comentários:

Anônimo disse...

Agora entendi a tua defesa do Jarbas! Era raivinha do Ophir. Talvez ele só procure jornalistas sérios, e não gente que não publica o outro lado.

Anônimo disse...

Esqueceste de falar que entrevistas pessoas da laia do Jarbas Vasconcelos e do Jáder Barbalho...

Anônimo disse...

Perereca, sou tua leitora e gosto das tuas postagens, mas essa tua desculpa não colou. Quando um bom jornalista quer uma entrevista, isso não acontece. Tens uma simpatia evidente pelo Jarbas Vasconcelos e tb. é evidente que não gostas do Ophir Cavalcante. Basta ler tuas postagens anteriores. Tanto que o Jarbas recomenda o teu site no blog dele, o tal do diga não a intervenção. E todos os advogados sabem de que lado tu estás.

Anônimo disse...

Vai ver que Ophir só dá entrevista para jornalistas isentos...

Anônimo disse...

Infelizmente pareceu que as uvas estão verdes, pois chamar Rubens Rollo, Nelson Medrado, Roberto Lauria e Pasifal Pontes de gente de peso é demais. Podem até ser pra você, mas isso mostra o quanto divergimos em questão de importância das pessoas para o cenário político-administrativo do Estado brasileiro. Mas, tudo bem. Cada um vê importância em quem quer. A mim apenas pareceu que as uvas estão verdes. Sempre leio o seu blog e continuarei a ler, mas confesso que ele perdeu pontos pra mim. Afinal, tenho outra visão do jornalismo e achava que o seu era diferente. Procuro outro jornalismo além desses de press release. Jornalismo, para mim, é investigação. Se não tens acesso aos press releases oficiais, investigue. Acabei de perceber que você não vai além dos press releases e Diários Oficiais. Isso não desmerece a mim seu trabalho. Apenas não o vejo mais como jornalismo investigativo e sim como jornalismo de opinião. Agora sei que você não investiga; apenas reproduz o que os canais oficiais emitem e faz suas interpretações. Não é pior nem melhor. Apenas vejo diferente. Abraços e bom trabalho.

Ana Célia Pinheiro disse...

Anônimo das 7:13:

A reclamação quanto aos releases é porque, sem eles, a gente acaba passando batido em muita informação. Quando um juiz rejeita uma ação, por exemplo, as assessorias de Comunicação costumam avisar os jornalistas – e aí a gente vai atrás. Agora, se você acha que meu jornalismo é só de press release é porque, de fato, você não acompanha este blog. Até porque se eu fizesse jornalismo de press release, não teria as dores de cabeça que tenho, com um monte de ameaças e de pressões de tudo que é lado.

Quanto aos diários oficiais, eles são documentos que contam toda uma história – quando se sabe procurar. E não podem ser desmentidos, assim como os vários outros documentos públicos que embasam as minhas reportagens – sim, porque reportagem investigativa tem de provar. Mas se você acha que fico apenas nos diários oficiais, novamente tenho de dizer: você não acompanha as reportagens deste blog.

Quanto às pessoas citadas, elas são, sim, brilhantes; excelentes naquilo que fazem. E se você não reconhece, lamento por você.

Anônimo das 6:14:

Não tenho nenhuma simpatia especial por Jarbas Vasconcelos ou antipatia por Ophir Cavalcante. Mas se o noticiário do blog passa essa impressão, é porque enquanto o pessoal do Jarbas me procura para passar informações, o Ophir e seus assessores batem a porta na minha cara. E por quê? Porque meu blog se dispõe a noticiar tudo – e na íntegra. Não é só o pedacinho que interessa a alguém, a tentar manipular a opinião pública: é tudo na íntegra, com todos os detalhes sórdidos. Aliás, fiz até um artigo em que batia nos dois, o Jarbas e o Ophir. Você que é minha leitora, não leu, não? Só que o Jarbas parece ter maior capacidade para suportar críticas e informações contrárias a ele, enquanto que para o Ophir isso parece “ofensivo”. Então, não tenho lado nenhum nessa história, maninha. Apenas não gosto é que fiquem armando “casinha” pra mim, me sonegando informação, me fazendo passar batida em decisão judicial, só para poderem me acusar de “parcialidade”. E mais: você diz que “quando um bom jornalista quer uma entrevista, isso não acontece”. Mas você se esquece que eu não posso fazer absolutamente nada se o cara não quer me dar uma declaração – aliás, me sonega o mínimo do mínimo da informação. O que é que eu posso fazer? Apontar uma arma pra ele, ou para os assessores dele? A única coisa que posso fazer é o que estou fazendo: denunciar esse comportamento antidemocrático, arbitrário, típico de quem só quer é beija-mão.

É, anônimo das 6:18: vai ver que publicar só o lado do Ophir e linchar o Jarbas é “isenção”...

Anônimo disse...

Perereca, passaste recibo da tua incompetência. Vejo declarações de Ophir em vários blogs e jornais, e tu és a única que não consegues nada? Até no Diário do Pará, que está metendo o pau nele, ele dá declarações... Essa tua desculpa não colou mesmo.

Anônimo disse...

Não restou dúvidas: li a postagem sobre os dois (Jarbas e OPhir) e vi que tentastes passar a mão na cabeça de Jarbinha. Claro, ele te dá entrevistas e material. Então, tá tudo explicado...
Cadê as inúmeras decisões contra o Jarbas na Justiça Federal? Cadê o teu jornalismo "investigativo"? Nem pesquisar no Diário Oficial te deste o trabalho. Então tens que aceitar as críticas, sim. Goste ou não de Ophir ou de Jarbas.

Anônimo disse...

Hahahahaha. Dizer que o Jarbas tem a capacidade de suportar bem críticas só pode significar que você não o conhece! Quem convive o mínimo com ele sabe as suas reações quando não concordam com ele e quando é criticado. Ou você não o conhece ou quer ajudá-lo mesmo!

Ana Célia Pinheiro disse...

Das 10:28, agora você disse tudo: eu não consigo nada, nem um mísero release é mandado pra cá. E bem se vê que você não sabe como funcionam as relações desses figurões com os jornalões e os jornalistas. Para os jornalões, eles dificilmente se negam a dar entrevista; já com os jornalistas, o papo é outro, maninho. Quanto a considerar que isso é incompetência da minha parte, é a sua opinião. E o que é que eu posso fazer em relação a sua opinião? Posso lhe bater, posso lhe obrigar a pensar diferente? É claro que não. Da mesma forma, também não posso bater no presidente da OAB, para receber informações acerca dele.


Das 10:34: Não passo a mão nem na minha cabeça, quanto mais na cabeça alheia. E se você quer que eu lhe diga uma coisa, com toda a franqueza, eu acho que o Jarbas e o pessoal dele é que estão agindo certinho: eles mandam informação, cópia de ação pra todo mundo. E se o cara não publicar, é problema do cara – mas eles mandaram! Coisa que o Ophir nunca fez, pelo menos em relação a este blog. Pra você ter idéia, um dia desses, que estava com algum tempo disponível, cheguei a sair catando na internet declaração de defesa do Ophir, pra publicar. Quer dizer: banquei a babá do presidente da OAB! Só que não posso ficar fazendo isso, mano - tenho mais o que fazer! E, rrrealmente, não tenho nenhum interesse especial nessa disputa de comadres da OAB. Meu tempo, que é precioso, gasto em reportagens investigativas realmente importantes. Agora, como já disse, não gosto é que fiquem armando “casinha” pra mim.


Das 12:17: Realmente não conheço o Jarbas, só de entrevista. E o que estou expressando é apenas a impressão que fiquei dele. Porque já fiz críticas aqui a ele, e nem por isso o pessoal dele parou de me mandar informação. Também já liberei comentários pesados em relação ao Jarbas. E nunca ouvi nenhuma queixa do pessoal dele. Pra falar a verdade, liberei até pra testar. Porque diziam que ele era isso e aquilo; que era arrogante e até violento – e eu queria ver a reação dele, pra formar a minha opinião. E pra minha surpresa, foi uma reação extremamente tolerante, sim.

Anônimo disse...

Mas por que o pessoal do Jarbas iria se queixar deste teu blog se esse blog é até recomendado no blog deles? Pode ir olhar... Mas isso tu não publicas... E se o teu blog está desacreditado é justamente porque achas que eles estão "certinhos"... Que coisa meu!

Anônimo disse...

Cara Perereca, o "pessoal do Jarbas", como você designa, te passa todas as "peças jurídicas" que produzem pelo fato de que estão usando seu blog na campanha difamatória que adotaram na tentativa de desqualificar aqueles que não apoiaram a venda do terreno da OAB para o Robério (diz-que, "para o Robério". Diz-que!). E eu não creio que você não perceba isso.

Anônimo disse...

Não desista, como todo bom jornalismo, não deves temer retaliações, parabéns pela coragem, é uma pena que a OAB agora tenha virado palco para censura, como forma de esquivar os desmandos, o conluio nefasto entre os interventores e políticos, esquecendo-se do maior interessado: o Advogado, essa Intervenção é uma bosta, a OAB PAROU!