Ban

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A posse de Jader e o fim de uma tentativa de estupro constitucional


As pessoas precisam entender de uma vez por todas que as leis não foram feitas para “proteger políticos como Jader Barbalho”, mas, para proteger o conjunto dos cidadãos.

A posse de Jader Barbalho no Senado Federal repara uma violência cometida não só contra ele e quem votou nele, mas, contra o próprio Estado Democrático de Direito.

Lei não pode atingir apenas um cidadão – isso não é Democracia, é arbítrio.

Lei não pode retroagir para criminalizar alguém por condutas passadas, sob pena de acabarmos é desenterrando cadáveres, para excomungar esqueletos, como fazia a nada santa inquisição.

Regra do jogo eleitoral tem de ter prazo para entrar em vigor, sob pena de alterações legais acabarem  usadas para manter um partido eternamente no poder.

Esse mínimo de ordem que se tenta estabelecer nessa grande baiúca chamada Democracia, nos protege da tentação autoritária dos poderosos de plantão.

E não há como alterar as regras do jogo com o processo eleitoral já em curso e criminalizar, hoje, um comportamento passado, para pegar um cidadão que foi democraticamente eleito e simplesmente negar-lhe o mandato popular, sem abrir um precedente gravíssimo aos direitos individuais e coletivos.

Em verdade, quem defende esse tipo de excrescência, está a defender, talvez até sem o saber,  um Estado tão autoritário, tão absurdamente despótico, que é até difícil imaginar quais poderiam ser os seus limites.

Quando Jader renunciou ao seu primeiro mandato de senador, renunciar a um mandato eletivo não tornava ninguém inelegível.

Tanto é assim que, de lá pra cá, ele foi eleito, se não me falha a memória, para dois mandatos consecutivos de deputado federal.

Então, como é que agora se poderia impedi-lo de ser senador por causa daquela renúncia de dez anos atrás?  Será que as pessoas não percebem logo que isso é pura e simplesmente casuísmo?

Mais grave é que o STF acabou decidindo que a Lei da Ficha Limpa não valia para a eleição do ano passado. Com isso, muitos políticos que foram barrados puderam assumir seus mandatos – menos Jader, que permaneceu na condição de proscrito, numa espécie de limbo jurídico, criado apenas para ele.

E eu pergunto, como até já perguntei uma vez: será que Jader ou qualquer político ou qualquer cidadão vale esse tipo de atentado à Democracia, esse precedente gravíssimo que se buscava consolidar?

Hoje foi Jader, amanhã poderia ser o Lula ou até a própria Marinor.

Bastaria que o iluminado plenipotenciário de plantão estabelecesse que mulher que quebrou o pau numa câmara de vereadores não pode ser eleita para o Senado.

Absurdo? Mas que absurdo não seria possível se admitíssemos a consolidação desse precedente?

Na verdade, toda essa espantosa demora na entrega a Jader do mandato que de fato lhe pertence, revelou foi uma preocupante timidez dos guardiões da Constituição, que são os ministros do STF, frente ao chamado “clamor popular”.

Os ministros do STF são pagos para defender a Constituição - doa a quem doer. Não podem, portanto, considerar tão nobre missão como secundária, em relação à própria imagem no Jornal Nacional.

Daí que precisariam, sim, ter assumido uma postura mais firme, desde o começo, diante dessa tentativa de estupro constitucional, que custaria caro não apenas ao cidadão Jader Barbalho, mas, a cada um de nós.

É certo que a sociedade brasileira já não suporta mais a corrupção.

Mas quem quiser tirar Jader da política, que o faça pelas vias democráticas.

E tenho a impressão – e creio que não estou enganada – que ele seria o primeiro a se curvar diante de uma decisão democrática nesse sentido.

A minha opinião sobre Jader é de todos conhecida: admiro-lhe a inteligência, a cultura e seus impressionantes dotes políticos, como, por exemplo, o domínio da palavra, a liderança e a capacidade de antevisão.

Admiro, também, a força e a coragem que fazem dele um sobrevivente – outra qualidade muito, muito rara de encontrar.

Mas também lamento profundamente que tamanho brilho não tenha sido usado em favor do Pará e dos paraenses.

Penso que Jader fez uma escolha: a de colocar em primeiro lugar os seus próprios interesses.

E para a consecução disso, enrolou-se todo, trilhou caminhos complicadíssimos, que,  aliás, quase lhe custaram esse novo mandato senatorial.

A meu ver, Jader representa é um desperdício de talento, uma perda irreparável a todos nós, eis que com uma liderança de seu quilate este nosso Pará poderia ser muito melhor do que é.

Mas as escolhas que fez e os caminhos que trilhou se revelaram, em verdade, lesivos ao Pará e aos paraenses.

Reconheço a importância do PMDB, sob o comando de Jader e com a enorme tolerância democrática desse partido, para o equilíbrio do jogo político neste infeliz estado do Pará, onde sobejam os projetos autoritários de poder e a feroz perseguição aos adversários.
     
Mesmo assim, penso que Jader já nem deveria mais estar na política, eis que ele faz parte de um tempo em que as exigências sociais em relação ao comportamento dos homens públicos eram infinitamente menores.

E penso que se a Justiça brasileira funcionasse como deveria, nem precisaríamos de uma Lei como a Ficha Limpa para afastar da política cidadãos como ele.

No entanto, sempre me oporei – e de forma firme, sem titubear – contra quaisquer expedientes autoritários para cassar os direitos de Jader e de qualquer cidadão.

O autoritarismo nunca foi solução para coisa alguma. E a História está aí para comprovar essa afirmação.

Marinor pode espernear o quanto quiser, mas a verdade é que, devido à tibieza do Supremo, ocupava até agora uma cadeira de senadora para a qual não foi eleita – ela ficou em quarto lugar na disputa, atrás de Jader e Paulo Rocha.

E nessa grande baiúca chamada Democracia é preciso, sim, respeitar o voto popular, que é, aliás, um dos principais pilares dessa “solução de convivência social”, que tem nos custado séculos e milhões de vida para construir.

FUUUUUUIIIIIIIII!!!!!!!!   

40 comentários:

MARCIO VASCONCELOS disse...

Uma correção a vereadora Marinor ficou em quinto lugar, perdeu para os votos nulos

MARCIO VASCONCELOS disse...

Não precisa gostar de Jader , é só aceitar e respeitar os resultados das urnas

Anônimo disse...

Até que enfim um comentário lúcido e esclarecedor.A maioria das pessoas como você mesma colocou no seu artigo,estavam defendendo uma verdadeira barbaridade.Não votei no sr. Jáder Barbalho e repudio quem votou,mas como operador do direito não poderia jamais apoiar a conduta do Supremo em impedir a sua posse no Senado uma vez que,a lei da Ficha Limpa só poderá ser invocada para as eleições 2012.Se hoje o direito de Jáder não fosse respeitado,amanhã também não seriam respeitados o meu,o seu,o nosso diireito.As pessoas não se dão conta da insegurança jurídica que se instalaria neste país.Além do mais quem o guindou ao Senado,não foi o Supremo e sim os mais de 1.800.000 votos que ele recebeu.

Anônimo disse...

Ana Célia, muito bonita suas palavras. Que tal se você fizesse um comentário desses em favor dos centenas de presos que se amontoam dentro dos presídios paraenses? O crime deles, ou o montante roubado por eles não chegam nem perto do que esse roubou de todos nós. No entanto, é tratado como herói, recebido com carreata, e recebe um comentário desses que quase me leva as lágrimas. Será que isso é justo? A população quando pega um ladrão que tentou roubar uma moto de um cidadão, tenta fazer justiça com as próprias mãos, enquanto esse senhor roubou do assaltante e toda a população que queria linchá-lo. Aí eu pergunto, isso é justo? Não esqueça que de acordo com a Bíblia, Jesus foi crucificado por apelo popular, enquanto que o pior dos ladrões á época, ficou livre.

Anônimo disse...

Como sempre, ponderada e de uma escrita formidável, parabéns!

Anônimo disse...

Parabens Perereca, a Marinor tem todo o direito de espernear, pois não é todo dia que temos um emprego de Senador.

Anônimo disse...

Perereca, como o brilho do senador não foi usado em favor dos paraenses? Ou você pensa que 1.800.000 votos se consegue do dia pra noite. Essa votação extraordinária, apesar de toda campanha negativa, só se consegue quando se tem um trabalho maravilhoso realizado, principalmente pelo povo mais necessitado.

Anônimo disse...

Aninha, concordo com vc. Nesta plutocracia...quer dizer democracia....rssssss.....O direito da maioria deve ser respeitado...Contudo, a questão não é essa..O que esta em jogo é essa bandidagem togada!!! O Cesar Peluso fez acordo para votar como minerva...É o vale tudo...Não é a decisão do ministro é o modus operandi..É a safadeza...Se era para safar o jader era pra ser desde início....A revolta tem que ser contra essa justiça...se gritar pega ladrão não fica um meu irmão

Anônimo disse...

O seu comentario foi realista, moderado e inteligente. As pessoas querem,por força, que a lei seja aplicada de acordo com os seus desejos.O Senador Jader Barbalho foi eleito pelo povo do Para com expressiva margem de votos e por isso deve exercer seu mandato para o bem ou para o mau.Espero que seja para o bem de todos os paraenses, inclusive dos forasteiros separatistas.

Anônimo disse...

Ana Célia tem razão. Anônimo das 11:28 "trabalho maravilhoso, realizado para os mais necessitados" tem um nome no dicionário da velha política brasileira: assistencialismo. E barato!! Tbém não é prática exclusiva do político em questão. Mas, que é abominável, é. No grande estado do Maranhão tem funcionado bem.

ANTONIO Valentim disse...

Concordo, mais uma vez, com a blogueira. Tenho, é verdade, muitas restrições ao nome de Jader, porém a sua volta ao Senado repara uma injustiça. Se foi eleito, deve-se tomar posse.

Anônimo disse...

O que queriam mais na chegada do Senador em Belém, lá estavam o Arcebispo, a Ana Julia com uma bandeira do Jader, o Almir quase que beijou o Jader, bandeiras do PV e por ai vai. Não é todo dia que politico é reconhecido pelo que faz pelo interesses do Pará. Parabens Ana pelo seu belo texto. Que tal um beleo comentário seu sobre aquela prestação de contas da Ana Julia em dois convenios diferentes com as mesmas notas?

Anônimo disse...

Na realidade, devetriam ser cassados os votos desta maioria de eleitores que não sabem votar, por falta de conhecimentos (educação). Daí termos que aceitar legalmentes estes monstros da política, que a fazem visando principalmente o próprio bolso e de seus apadrinhados (quadrilha).

Anônimo disse...

Finalmente uma posição sensata, valeu Perereca.

Parabéns, não aguentava mais ler baboseiras de um monte de abestado.

Anônimo disse...

Não estou conseguindo "compartilhar" no facebook

Ana Célia Pinheiro disse...

Anônimo das 11:52: encurte o link no migre me e jogue no face ou no twitter. Até poderia lhe ajudar, mas estou às voltas com um cozidão...

Anônimo disse...

O jader barbalho so sai da politica por causa natural, diga-se: morte matada ou morte morrida. A primeira nao compartilho, a segunda que não demore.

MARCIO VASCONCELOS disse...

JADER já foi diplomado, e o TRE, já deve ter comunicado o Presidente do Congresso:

O art. 55 Inciso V da CF/88 FALA quando o senador perde o mandato:

Art.55 Perderá o mandato o deputado ou senador:
V-- quando o decretar a Justiça eleitoral, nos casos previstos nesta Constituição.

O parágrafo terceiro do mesmo art. 55 da CF, é claro:
"nos casos previstos dos incisos III a V, a perda será declarada pela mesa da Casa respectiva, de ofício ou mediante provocação de qualquer de seus membros, ou de partido político representado no Congresso Nacional assegurada ampla defesa.

O regimento interno do senado, não fala nada em 5 sessões para a defesa de MARINOR, e isso se repete em todo canto como se fosse verdade absoluta, aliás o REGIMENTO DO SENADO repete, o texto da carta Magna. Eu não sei onde está escrito que o senador que sai tem o direito de 5 sessões para se defender.
A MARINOR não poderia nem ir para a Tribuna, porque, Jader já é senador, pois, o diploma lhe assegura todo os direitos do mandato, como determina o art. 54 Inciso I DA CARTA MAGNA.

Em relação a ampla defesa, O STF, tem o seguinte entendimento:
"Extinção de mandato parlamentar em decorrência de sentença proferida em ação de improbidade administrativa, que suspendeu, por seis anos, os direitos políticos do titular do mandato. Ato da Mesa da Câmara dos Deputados que sobrestou o procedimento de declaração de perda do mandato, sob alegação de inocorrência do trânsito em julgado da decisão judicial. Em hipótese de extinção de mandado parlamentar, a sua declaração pela Mesa é ato vinculado à existência do fato objetivo que a determina, cuja realidade ou não o interessado pode induvidosamente submeter ao controle jurisdicional. No caso, comunicada a suspensão dos direitos políticos do litisconsorte passivo por decisão judicial e solicitada a adoção de providências para a execução do julgado, de acordo com determinação do Superior Tribunal de Justiça, não cabia outra conduta à autoridade coatora senão declarar a perda do mandato do parlamentar." (MS> <25.461, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 29-6-2006, Plenário, DJ de 22-9-2006.)

Em outra decisão o STF determinou a mesa da câmara em dar posse imediata, a parlamentar que obteve ganho de causa na Justiça. Vejamos:

"Mandado de segurança. Suplente de Deputado Federal. Impetração contra omissão da Presidência da Câmara dos Deputados. (...) Eficácia imediata das decisões da Justiça Eleitoral, salvo exceções previstas em lei. Comunicada a decisão à Presidência da Câmara dos Deputados, cabe a esta dar posse imediata ao suplente do parlamentar que teve seu diploma cassado. Segurança concedida." (MS 25.458, Rel. p/ o ac. Min. Joaquim Barbosa, julgamento em 7-12-2005, Plenário, DJ de 9-3-2007.) No mesmo sentido: MS 27.613, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 28-10-2009, Plenário, DJE de 4-12-2009.

Portanto, basta o Presidente Sarney convocar a mesa para deliberar sobre a posse de Jader, para cumprir a decisão judicial, sem necessidade de que seja dado 5 sessões para defesa.

É minha opinião

Anônimo disse...

Minha querida jornalista adoro seu blog mas o estrupo a constituição e este cidadão estar solto e ser senador da republica. Abraços

Anônimo disse...

O seu conceito e da maioria da população sobre democracia é que leva a interpretações que considero equivocadas.O poder só é realmente exercido pelo povo de forma democrática,quando a nossa vontade é sufragada de forma livre. Em um país aonde o poder econômico corrompe a consciencia das pessoa de forma direta, atraves dos diversos mecanismos de compra de votos e de forma indireta, quando não permite o acesso do povo a educação e de informação de qualidades e seguer a saúde e a alimentação, não é um país essencialmente democrático, talves formalmente, e mesmo assim a controvérsias. São essas distorções que leva um povo trabalhador e explorado a votar em seus opositores ou a defendê-los mesmo não compactuando com estes.

Wendell Corrêa.

Anônimo disse...

Jatene e seus asseclas não têm jeito, agora com essa miguelagem de uma tal de "parceria público privada" (PPP), que é mais uma forma vigarista da privataria tucana que consiste na terceirização, contratação de empresas privadas, concessões, entre outras formas de entreguismo do patrimônio público. Privatizaria até as áreas de segurança pública e da saúde. Entregarão sistemas do Prodepa e Banpará, os sistemas de informação financeiro e contábil do estado, as áreas de licitações das secretárias, as auditorias e praticamente acabarão com os concursos públicos, pois contratará terceirizadas e temporários, sem contar a entrega da Cosanpa que vai ficar igual a Celpa, que depois de privatizada pratica um verdadeiro assalto em suas tarifas, não dando direito ao consumidor saber o quanto consome ao mês, além de ser o pior serviço do Brasil. Esse é o mais novo pacote de perversidades dos tucanos, já que nunca gostaram do povo e muito menos de servidores públicos. Gostam mesmo é de entregar o galinheiro às raposas e, evidentemente, fazer parte do banquete.

Mestre Chico Barão disse...

Independente do parágrafo acusatório

Independente do parágrafo acusatório, do malfeito executado ou imputado uma lei só pode ser justa se existir para todos, agora se a lei é boa ou não são outros quinhentos!

Tem quem queira o Jader senador se não como ele arranjou tantos votos?

A lei “Ficha Limpa” foi vontade popular bem como eleger o Barbalho foi vontade dos paraenses que acham em seus “ponto de vista”

1) Ele ser o menos danoso e mais produtivo dos que se apresentaram como candidatos!
2) Ver como ele vai encarar o senador Pedro Tanques que solicitou sua prisão que resultou nas algemas!
3) Balancear as forças políticas no estado!
4) Ser apenas a segunda opção na perspectiva de não perder o voto!
5) Repudio ao governo estadual do PT!
6) Pagamento de favor
7) Manter uma raposa paraense na política nacional
8) Seguir orientação do cabo eleitoral
9) Ver o circo pegar fogo
10) Ser um velho funcionário publico estadual

Claro que existem mais razões para ele ter conseguido ser desejado em segundo lugar, contudo o que interessa é seu o direito de ocupar a vaga, se não queriam ele senador porque votaram nele?

Deixaram a casa aberta e saíram de férias, na volta viram que a casa tinha sido roubada e culpam a policia por não ter ficado vigiando!

Votam no cara e depois ficam acusando os ministros sua de sua diplomação!

Negada me desculpem porem agora só em 2018 para esse exame de consciência ser repensado no caso do mandado de senador ou em 2014 caso resultado dos acordos com o Jatene (Tanto para eleição quanto o para governabilidade ) seja o que eu estou pensando!

Não queria não votasse ou será que alguém votou obrigado?

Anônimo disse...

A nata da malandragem deste estado ofereço:

"Homenagem Ao Malandro"

Chico Buarque

Eu fui fazer um samba em homenagem
à nata da malandragem, que conheço de outros carnavais.
Eu fui à Lapa e perdi a viagem,
que aquela tal malandragem não existe mais.
Agora já não é normal, o que dá de malandro
regular profissional, malandro com o aparato de malandro oficial,
malandro candidato a malandro federal,
malandro com retrato na coluna social;
malandro com contrato, com gravata e capital, que nunca se dá mal.
Mas o malandro para valer, não espalha,
aposentou a navalha, tem mulher e filho e tralha e tal.
Dizem as más línguas que ele até trabalha,
Mora lá longe chacoalha, no trem da central

http://letras.terra.com.br/chico-buarque/45135/

Anônimo disse...

Cara Perereca, eu até concordo que a democracia parece ser o melhor modelo entre os até aqui experimentados. Porém ela tbm pode ser perigosa. Todos os predicados que vc fez questão de acentuar em Jader o aproxima de Hitler: inteligência, obstinação, loquacidade etc.. Âmbos foram eleitos democraticamente.
Nossa reflexão precisa deixar de ser apaixonada... Acredito que esse cidadão seja um péssimo exemplo para defenderes a democracia (ele já tem advogados demais). Temos exemplos melhores.
Nosso Pará infelizmente se transformou numa síntese da mais absoluta pobreza brasileira, em tudo, inclusive na consciência de uma camada "esclarecida" que se quer cult, mais ainda é piegas, devota demais, que acha que precisa de um guia, de um líder... continuas a defendê-lo, só não esqueces quando, que Deus a livre, fores parada num semáfaro, por um trombadinha que lhe foi roubado tudo, inclusive a capacidade de sonhar, que isso não é um assalto: é só democracia, liberdade etc..

Anônimo disse...

Vejamos como são as coisas. O Pará é imenso e todos cheio de carência. Porém, Belém e área metropolitana, em relação as demais, nem pode se queixar de falta de vaga pública para fazer curso tecnológico ou superior. Só na UFPa, como no ano passado, sobraram mais de mil. que foram preenchidas depois com com uma provianha de marcar, uma verdadeira babada. Porém, veja só essa notícia: http://edilzafontes.blogspot.com/2011/12/ifpa-de-ananindeua.html. Estão inaugurando mais um IFPA em Ananindeua, onde ainda será construída mais um UEPA e mais uma UFPA. O que esses dizes é uma coisa só: que os demais se lasquem.

Anônimo disse...

Decisão mais do que justa. Democracia é fazer valer a vontade do povo.

Anônimo disse...

Assim como a Justiça foi feita ao senador eleito Jader Barbalho, maior político corrupto do Norte do País. Acredito, também, que deveria ser jazer justiça aos presos da Penitenciária de Americano, pois todos deveriam ser soltos, livres, igual ao gatuno de colarinho branco.

Nina disse...

Perereca,
O teu texto é uma salada; em cada parágrafo fazes ora elogios, ora críticas ao Jader. Convenhamos, dizer que ele é brilhante? Menos;
Acertaste qdo dizes que ele usou o poder somente em seu favor;
Admirá-lo...bom, gosto não se discute-lamenta-se.
Enfim, sem delongas, o que o Pará vai ganhar com a volta dessa criatura? Não, não precisa responder. E que Deus nos proteja, agora e em 2012.

Anônimo disse...

É fácil ser eleito democraticamente tendo: Tv RBA, DOL, Diário do Pará, Rádio Clube, 99 FM, Diário FM, TV Tapajós (afiliada à Rede Globo em Santarém) e várias emissoras no interior do estado. O eleitor e cidadão de todo o Pará era bombardeado todos os dias, com entrevistas e a fala do "nobre senador". Assim não há Jader que não seja eleito. Uma parafernalia, tipo da época de natal, quando a mídia é o centro dos apelos do presente do Papai Noel. Assim Jáder conseguiu o presente do eleitor. Caso não dispusesse deste arsenal midiático. Você acha que ele conseguiria votos para se eleger ?? Com uma renovação de eleitores nestas últimas duas décadas ??? Pensem: Jáder foi eleito em detrimento das chaneces de nenhum candidato dispor de tantos veículos e jornalistas submissos. Um dia essa sociedade precisa acordar, mas enquanto isso... Jader vai levando. Lembrando: Um dia o maior SER do planeta (JESUS CRISTO) disse: "meu povo perece por falta de conhecimento".

Anônimo disse...

Perereca, quero ver voce comentar sobre o caso da filha do Vic Pires Franco que estudava numa faculdadezinha de São Paulo, alegou depressão, e agora quer estudar medicina na UEPA sem fazer vestibular. E o Juiz Castelo Branco concedeu tutela antecipada obrigando a UEPA inscrever a mocinha deprimida na faculdade.

Anônimo disse...

Perereca estenda seus olhos pra SEDUC existe um escândalo em gestação.

Diz respeito ao Transporte Escolar da Região das Ilhas, que continua sendo feito com a mesma irregularidade como foi no Governo anterior.

Mesmo já tendo sido homologado um processo licitatório, o Secretário Adjunto responsável protela a assinatura do contrato com a empresa vencedora para que tudo continue do jeito que está, e já se fala até no absurdo de cancelar a licitação.

Isto é nitroglicerina pura! Procure se informar a respeito que terás uma belo escândalo para destrinchar!

Abração.

Anônimo disse...

o lugar desse ladrão é na cadeia e de vc tambem sua puxa saco que deve bem trabalhar para ele ou para sua oligarquia

Anônimo disse...

Perereca investigue o que tem a filha Isabela de Luís Claudio Chaves e a Isabela filha do Vic e Valéria, pois a primeira a anos atrás conseguiu a transferência de uma universidade particular para a Uepa e a @ Isabela teve a sua vaga negada...

Perereca, sou contra a vaga que foi concedida liminarmente e posteriormente cassada pelo Juiz a filha de Valéria e Vic (Isabela). Ocorre, que a vaga nao vale para a filha de Vic, porém, não deveria ter sido valida também para a filha do médico e professor da UEPA, Luís Caludio Chaves, que trouxe a sua também filha do Rio de Janeiro, de uma universidade particular para a UEPA

Anônimo disse...

Perereca, observe alguns comentários e constatarás que alguns defendem o arbítrio com plena consciência de causa, não é à toa que a ditadura durou 30 anos e que Mao Tsé tung arregimentou milhões de cidadãos a compactuar com suas práticas criminosas onde até filho delatava pai. Discutir aplicabilidade de lei maior é jogar na arena toda conquista de se viver em sociedade e seguir regras que nos asseguram o direito ao respeito e liberdades individuais. Se o Jader presta ou não, nem entra aqui o comentário, o que se discute é a basilar SEGURANÇA JURÍDICA que uma vez relativizada coloca o conjunto da sociedade em risco. O STF apesar de pago para servir a sociedade, assim não entende. Ministros nomeados pelo presidente são visceralmente políticos, apesar do brilhantismo e da inteligencia de alguns. Imaginar que se muda o rumo da sociedade relativizando a legislação é de uma ingenuidade preocupante, se não for consciente. Mais de um milhão de pessoas deste Estado votaram no Jader, e em tempo de informação em âmbito enorme, esta é a questão fundamental. O Pará é um dos lugares com maior nº de computadores per capita. Não se esqueçam que seu adversário é a Globo, portanto, não dá nem para falar em voto comprado e de cabresto.Não parabenizo o STF, pois, não foi dele a decisão que se consumou mediante alguns fatos. Parabenizo a todos Nós que acreditamos na Democracia e abominamos o Regime Autoritário, pois, hoje é contra o culpado, amanhã é contra qualquer um, é só pegar o gosto. O que a população precisa aprender é a votar!
Rejane Bastos

Anônimo disse...

Embora não tenha formação jurídica, e vai ver que por isso mesmo, a Perereca explicou direitinho esse assunto. Ninguém tá aqui pra defender o Jader, mas sim o direito do Jader, que é o mesmo direito de todos os cidadadãos que vivem num país democrático: a prevalência da Constituição que impede atos de arbítrio, direito que também assiste aos incontáveis presos que se amontoam nas penitenciárias brasileiras embora a lei lhes assegure a liberdade ou a perda desta com dignidade. Mas o fato do Brasil ser incapaz de garantir o direito desses últimos não justifica que se negue a outros um direito que a Constituição garante a todos.

Anônimo disse...

Ou o Governador Simão Jatene exonera o Sr. Croelhas, Secretário Adjunto de Logística da SEDUC ou vai ter que conviver com uma sucessão de escândalos no futuro bem próximo. O cara está alucinado por grana. Ele só enxerga grana. A última preciosa idéia que ele teve é uma tal de marina atender os estudantes. É isso mesmo, uma marina ao custo de milhões de reais. Mas o que fazer, já que o distinto cidadão vomita a toda hora que é o assistente de pescaria preferido do governador?

JOAO CARLOS DE ANDRADE disse...

o povo acredita em Jader Barlalho..imagina no papai noel, que não faz mal pra ninguem.

Anônimo disse...

Metade da população de Belém e Marituba vive literalmente na merda, pois continuam morando em palafitas, favelas sem titulo de propriedade e sem saneamento. Belém tem a quinta maior favela do país, o da estrada nova e Marituba, aquela cidade do boneco thocker e governada pelo tráfico, possui a maior quantidade de pessoas habitando áreas de invasão do Brasil como é o caso de Che Guevara.

Anônimo disse...

Governantes paraenses são movidos por demagogia e potoca, por isso estão sem moral. Pois em 97 a lei Kandir foi empurrada goela abaixo dos parenses. jatene e almir ficaram caladinhos. Resultado: até hoje perdemos 22 bilhões de reais ( segundo estudo do TCE) em ICMS. Vendemos energia a preço de banana podre e o povo quem paga o que é considerado assalto de ICMS na tarifa elétrica da privatizada Rede Celpa, empresa que é campeã nacional quando o quesito é prestação de péssima qualidade.
Esse consórcio de belo Monte ainda vai fazer muito estrago. Tá tirando o maior sarro da cara dos políticos daqui. Não atendem nem os telefonemas e vão continuar comprando de equipamentos fora do estado.
Enquanto isso o populacho Parauara que se lasca. Taí o ultimo estudo do IBGE: Belém e Marituba possuem as maiores favelas do país, isto é, o povo morando em cima da merda!

Anônimo disse...

Escapamos do estupro constitucional, e vamos ser estuprados financeiramente.