Ban

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Jornalista Ruy Sposati é ameaçado de morte ao documentar demissões de trabalhadores em Belomonte. É a segunda ameaça a jornalistas no Pará em apenas 48 horas – a primeira foi contra Lúcio Flávio Pinto. É mais um causo escabroso deste “grandioso” Pará sem Lei.

O Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) recebeu ontem, 12 de dezembro, denúncia de ameaças de morte contra o jornalista Ruy Sposati, que trabalha para o movimento Xingu Vivo para Sempre e estava acompanhando demissões de trabalhadores em um escritório do Consórcio Construtor de Belo Monte na rodovia Transamazônica.
 
As ameaças ocorreram assim que o jornalista chegou no local, ontem pela manhã, após ser avisado por trabalhadores que homens da Polícia Militar (PM) estavam escoltando trabalhadores do canteiro de obras da usina de Belo Monte para serem demitidos no escritório do consórcio. 

Segundo Sposati, um homem em uma camionete prata o abordou com agressividade, usando termos como “vagabundo” e “baderneiro”.“Eu vou te matar é agora mesmo”, disse ao repórter.

Depois que ele se identificou como jornalista, ainda de acordo com o depoimento prestado ao MPF/PA, o homem tentou arrancar a câmera fotográfica das mãos de Sposati. 

A confusão só terminou com a interferência dos próprios trabalhadores que aguardavam pagamento das rescisões contratuais. 

Os homens da PM que, fardados, faziam um cordão de isolamento em torno do prédio do consórcio, não intervieram.

O jornalista não conseguiu registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil ontem, mas fez a denúncia à Procuradoria da República em Altamira, que encaminhou o caso para o Procurador-Geral de Justiça (do Ministério Público Estadual) e para o Corregedor da Polícia Militar no Pará.

No depoimento, o jornalista assinalou que a camionete prateada, de placas JUV-2118, de onde saiu o homem que fez as ameaças, foi identificada posteriormente como de propriedade da PM.

A investigação sobre as ameaças deve ficar a cargo do MP Estadual porque é da competência da Justiça Estadual e da Justiça Militar. 

A corregedoria da PM foi comunicada para que apure se pertence à corporação o autor das ameaças e porque estava usando o carro oficial nessas circunstâncias.

(Fonte: Ascom/MPF/PA, com título do blog)

3 comentários:

Anônimo disse...

Os jornalistas não podem procurar a comissão de imprensa da OAB, toda ela renunciou em função da intervenção, quem sabe o Ministério Público, pois não é possível que isso ocorra em pleno século XXI!

Mestre Chico Barão disse...

Toda verdade tem seu preço, cujo montante depende da capacidade de quem mente!

Anônimo disse...

Minha filha,

Se mude para a "grandiosa" Bahia e vá viver com o Duda.
Estou de saco cheio de avacalharem com o Pará!