Ban

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

A volta do Barão de Inhangapi

_Comadre, comadre!... Apare já a arrotativa do asseu blog!


_Que rotativa já, animal? Desde quando que blog tem rotativa?


_Ué, e num tem não, comadre?


_É claro que não! É só escrever a postagem, acessar a internet e publicar!


_Ué, então apur que você num atualiza esse asseu ablog velho? Égua, que é assó notícia perebenta!... E até já atão dizendo, comadre, que você num adá mais nem o fuuuuro!...


_Mas o que é que isso já, cumadizinha? Você vem no meu apê, às 3 da manhã, só pra me esculhambar, é?


_Não, comadre... Na verdade, eu avim afoi lhe adá uma notícia bombástica... Adivinhe quem avem pra jantá?


_Os fantasmas do Sidney Poitier, do Spencer Tracy e da Katharine Hepburn?


_Milhó, comadre, amuito milhó!


_Quem, já?


_Sua excelência excelentíssima o Barão de Inhangapi!


_Mas como, cumadizinha, se o homem tá até exilado?


_Atava, comadre, atava! E num exílio adesgraçado! Você imagina que até atorturaram o pobri?


_Égua, cumadizinha, torturaram o Barão?


_E num afoi, comadre? Malinaram à beça do bichinho...


_Mas o que foi que fizeram com ele? Deram choque elétrico, penduraram no pau de arara?


_Apió, comadre, amuito apió!...


_Ué, o que foi, então?


_Aproibiram o ômi de apescá, de atocá viola e de se embalá no redão!


_Jura, cumadizinha?


_Pois num é que afoi, comadre? A dona Beijoca amandô aproibi a pesca em tudo que é lago do Brejo. Avirô tudo PPB – aproibido apescaria do Barão. Aí, comadre, nem lhe aconto! Adizque ativeram até de amarrá o ômi!...Apurque ele aqueria apescá nem que afosse o otro zoião!...


_Égua, foi, cumadizinha?


_E eu ainda num lhe acontei o acúmulo da mardade, comadre! Pois num é que a dona Beijoca ainda amandô adistribui atomate de grátis em tudo que é bar do Brejo? Aí o Barão achegava num bar, com a viola adebaixo do braço, e dava de cara com aquele amonte de tomate em tudu que é mesa... Aí, o pobrezinho num apodia adá uma canja, comadre!... E avortava pra casa amacambúzio, amacambúzio...


_Coitado do Barão!... Que injustiça!... Um cantor tão bom!...


_Avocê acha, comadre?


_Acho... É afinado, tem um vozeirão...


_Eu assabia, eu assabia!...Avocê é fã do Waldick Assoriano!...


_Quê?


_E num é, comadre? O asseu Waldick atambém é afinando e atem um vozeirão, ué! Se aduvidá, a sua música de cabeceira é inté “I’m not dog no!”...


_Pera lá, caramba! O que foi que eu disse pra você me ofender desse jeito?


_Avocê num afez o devê de casa, comadre! Eu já lhe adisse: apare de bebê e de ouvi tanto bregão. E alave os zuvidu, aquando atomá banho. E apasse abem o cotonete, que é pra modo de atirá essa camada de cera que já se aformô aí dentro!...


_Ah, quer dizer que agora você é entendida em música, é?


_Aposso num assê intindida, mas também num assô adisintindida! E num assô fã do asseu Barão e do Waldick Assoriano.


_E quem foi que disse que eu sou fã...


_Apode pararem, apode pararem! E me adeixe lhe acontá toda perfídia que afizeram com o asseu Barão!


(o DJ ataca “Perfídia”, com o Luís Miguel)


_Mas eu não tô dizendo!... Que agora já tem até DJ novamente no meu AP!...


_Se acalme, comadre, e afaça novamente aquele atreinamento básico de AUUUUMMMM que eu lhe ensinei!... Avamo lá, comadre, arrepita acomigo: AUUUUUMMM!


(O DJ toca a sinetinha: Trrrriiiimmmm! Fumaça de incenso de vários cantos do palco).


_ (a Perereca): cof,cof, cof...Mas eu não tô dizendo... E agora já tem até efeito especial! Meu Jesus Cristo crucificado (cof,cof,cof)... O que foi que eu fiz pra merecer isso?


_Assi acalme, comadre, assi acalme, e atente entrá em Alfa... Assim, ó (a Correspondente, se treme toda, com os olhos esbugalhados). Aviu, comadre? Assim, ó, que nem o asseu Barão (a Correspondente faz novamente). E amanhã é assó se assentá em aposição de lótus, que avocê até alevita!...


_Cumadizinha, será que você poderia ir embora e me deixar dormir?


_Num aposso, comadre, num aposso, apurque num acabei de lhe acontá o assexagésimo assegredo de Fátima!...


_Quê?


_Eu ainda num lhe adisse o que afoi que afizeram com o redão do asseu Barão!...


_É verdade, cumadizinha, você só falou da pescaria e da viola...


_É apurque adeixei o pió pro afinal, comadre! Avocê num imagina o que afoi que aquela pérrrfida da Beijoca afez com o redão do asseu Barão!...


_Rasgou, mandou queimar?...


_Pió, comadre! Amuito pió!...


_Proibiu rede no Brejo?...


_Antes afosse, comadre, antes afosse!...


_Desembucha logo, animal!...


_Pois num é que aquela adisgramada apegô o redão do asseu Barão e adeu de presente pra El Rey? E aí El Rey, que anda tiririca com o asseu Barão, apegô o redão e alevô pra uma matambeira abaiana abenzê! Uma arreza forte, comadre, uma arreza forte, pra atirá a preguiça do ômi!... E aí imagine, comadre, que o pobri do asseu Barão num apodia se adeitá pra adá uma descansada – que é o que ele mais agosta de afazê, num assabe? – que o corpo do ômi acomeçava tudinho a pinicá. E aí ele num assabia se atremia ou se acoçava, se atremia ou se acoçava...


_Poxa! Mas ele deve ter penado à beça, né?


_E num afoi, comadre? E até adizem que afoi por isso que o asseu Barão arresolveu arrebelá a plebe...


_Ele fez a Plebe se rebelar?


_E num afoi, comadre? Pois se afoi até assim que o ômi acabô com o exílio dele, ué! Adizque ele apegô nuns trio zelétrico e assaiu pur tudu que é favela do Brejo, cantando: “E a deixá de mantê esse brilhu, perferimos mil vezes zamorti”.


_Ué, mas esse é o Hino do Brejo!...


_Pois num é, comadre? Era dia e noite, noite e dia infernizando os coitados, com o tar do Hino do Brejo!... E ainda por cima, comadre, gritado pelo Barão!... E com os olhos esbugalhados, avortados pro céu, comadre!... Aí a plebe num agüentô mais e adisse: vumbora abotá esse doido de vorta no comando, assenão é a gente que acaba num zospício!...


_Égua, quer dizer que o Barão voltou ao comando do Brejo?


_E tem amais, comadre!


_Mais????!!!!


_O Lorde Sudão afoi aproibido de adizê: “certo?”, “num é isso?”.


_Égua, foi?


_Mas adeixe, comadre, que eles já avão chegá e lhe explicá tudinho tim-tim por tim-tim.


_Quê?


_Pois num é, comadre? Agora que o asseu Barão avortô e tá tudu de nuvu nos trinques, a gente avai é afazê o maió festão no asseu AP!


(Na entrada do AP aparecem o Barão, o lorde Sudão, a Beijoca (de braços dados com El Rey), o Jujuba, o Duzinho, o Príncipe Clean, o lorde K-Nem, a Barbie Princesa, o Conde de Bota-Bem, o Barão dos Cadeados, o lorde Zangado, o lorde Tirésias, o Inri de Indaiá e, é claro, o lorde Balloon. Entra, também, um grande coro vestido de branco. O Balloon pega na batuta, ordena um jogo de luzes e rege o coro, que ataca... a Aleluia de Handel!).




2 comentários:

Sílvia Sales disse...

Puxa vida!!!! Saudades das histórias do Barão e das notícias do brejo, claro!
Vai lá, Ana.
Bijus.

Edson disse...

...e a saga continua, companheira...

Ana, apenas p/ seus olhos, vc poderia me apresentar esses seus personagens?

Seja bem vinda!

Edson Pantoja