Ban

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Feriadão eleitoral: uma aposta no retrocesso




Em levantamento deste blog, você viu como caíram as abstenções e os votos nulos e brancos no Pará.


Em 1994, era possível eleger um governador com menos da metade dos votos do nosso eleitorado.


Hoje, a abstenção ainda é alta, mas, é quase 70% menor. E os brancos e nulos despencaram de 34% para 7%.


Se antes predominava a apatia, a descrença e até a falta de informação, hoje o eleitor está mais consciente sobre o poder que detém no seu dedo indicador e sobre a relação determinante entre a política e as coisas mais simples da vida.


Tal conscientização não decorre de “iluminação anímica”: é fruto de um árduo trabalho de todos nós.


E como resultado disso, já até elevamos essa discussão a outro patamar: o da compreensão de que a atividade política, que se reflete na totalidade do cotidiano, não se resume ao ato de votar – é fiscalizar, cobrar, debater, participar de algum partido ou entidade. É, em suma, ser o agente da própria vida e destino.


Foram necessários 16 anos para chegarmos até aqui. Contra todo o poder econômico e a visão escravagista que sempre predominou no Pará e no Brasil.


E no entanto, vem o PT apostar no retrocesso, apenas para tentar manter o poder, apenas para tentar ganhar uma eleição.


Com esse decreto do “feriadão” em 31 de outubro é como se o PT dissesse: “mandem às favas esse direito. Não significa nada, não tem importância nenhuma, a escolha de seus representantes. A praia é muito mais importante para o dia a dia de vocês do que essa coisa porca chamada política”.


Já se disse que o Poder, ou a luta pelo Poder, revela o que existe de fato dentro das pessoas. Deve ser verdade. O meu respeito ou falta de respeito pelo outro; o meu respeito ou falta de respeito pela Democracia; o meu respeito ou falta de respeito pela coletividade emergem, de maneira avassaladora, em processos assim.


É a minha verdadeira visão de mundo que se revela nos mais pequenos gestos. E o que revela esse decreto do feriadão eleitoral é um insuportável cheiro de mofo.


É quase como o discurso de um coronel da Velha República. É quase como a pregação de uma seita que acredita poder, “por direito divino”, determinar o agir individual e coletivo.


Óbvio que com esse decreto a nossa excelentíssima governadora e a sua DS julgam que só comparecerá às urnas o “eleitor mais consciente” – na obnubilação petista, necessariamente petista.


O problema é a irreversibilidade dos avanços sociais. Seitas e coronéis podem permanecer a esbravejar das trevas da História. Mas ainda assim haverá Aurora. E ela será de todos nós.


Por isso, creio que o nosso eleitor e o nosso funcionalismo público não se deixarão enganar por esse canto de sereia. Afinal, um simples final de semana não vale mais quatro anos assim...


Fica, porém, a tristeza diante da falta de respeito dos petistas pelos não-petistas, pela Democracia, pela politização que construímos.


É o mesmíssimo desrespeito que está por trás das velhas práticas de distribuição de cestas básicas, dinheiro, dentaduras, transporte gratuito.

Só o que mudou é o produto “generosamente distribuído”, para manipular a sociedade.


Triste fim para um partido que já foi o depositário da esperança de uma nova política.


Mas nada além da capacidade que têm as disputas eleitorais de revelar o “íntimo” de cada um.



Abaixo, comentário postado no blog com a íntegra do decreto do feriadão


“Anônimo disse...


Além de cascas-grossas, o PT ainda dá um patético exemplo de desprezo aos princípios democráticos através do decreto do "feriadão contra o voto cidadão" (a seguir):



Diário Oficial do Estado do Pará


No. 31.780, de 26/10/2010.


Decreto nº 2.579, de 25/10/2010:


Estabelece ponto facultativo nas repartições públicas integrantes da Administração Direta, Autárquica e Fundacional, e dá outras providências.


A GOVERNADORA DO ESTADO DO PARÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art.135, inciso V, da Constituição Estadual, e


Considerando o disposto no art. 238, da Lei Estadual nº5.810/1994, que consagra o dia 28 de outubro ao servidor público estadual;


Considerando a importância de homenagear os servidores que se dedicam em desempenhar suas funções em prol da melhoria dos serviços públicos prestados à comunidade;


Considerando ainda o interesse do serviço e o princípio constitucional da economicidade;


R E S O L V E:


Art. 1º Transferir para o dia 29 de outubro de 2010, as comemorações alusivas ao Dia do Servidor Público do Estado do Pará.


Art. 2º Fica facultado o expediente nos órgãos estaduais da administração direta e indireta no próximo dia 1º de novembro de 2010, efetuando a compensação uma hora por dia no dias 3, 4, 5, 8, 9 e 10 de novembro do mesmo ano.


Parágrafo único. Os órgãos estaduais das áreas de arrecadação, saúde pública e defesa social estabelecerão, nos dias 29 de outubro e 1º de novembro de 2010, escalas de serviços de servidores, a fim de que o atendimento à população não sofra solução de continuidade.


Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.


Palácio do Governo, 25/10/2010.


ANA JÚLIA DE VASCONCELOS CAREPA


Governadora do Estado”

13 comentários:

Olho de lince disse...

Ana Celia,

Isso não é nada perto das práticas petistas na SEDUC.
veja mais em meu blog olho de lince.
End: http://olhodilince.blogspot.com

Anônimo disse...

Sra. Ana Célia,tenho 53 anos,fui criado em uma familia de esquerdistas,meu pai e meu irmão foram presos como comunistas no início da ditadura militar,tive toda uma formação familiar e estudantil baseada nos princípios da justiça plena,liberdade e respeito ao próximo.Acreditei quando o PT chegou ao poder que meus sonhos,do meu pai já falecido e do meu irmão fossem finalmente se
tornar realidade.Os fatos posteriores à tomada do poder pelo PT no Pará e nesse Brasil afora voce sabe o que ocorreu,não irei comentá-los por que voce e todos já conhecem e ,como eu,se entristecem.Somente uma coisa quero
deixar registrada em seu Blog,os petistas ~se transformaram(ou se revelaram)em verdadeiros monstros devoradores da esperança e alegria das pessoas de bem.Acabou o sonho pra todos nós que um dia lutamos, sofremos e muitos até morreram acreditando que seria possível um mundo melhor e mais justo.Ledo engano,ao chegarem ao poder se mostraram piores e mais inescrupulosos do que aqueles que tanto condenávamos.Os algozes do passado que lutamos para extirpar do comando do poder público ainda têm uma vantagem em relação a esses algozes atuais, eram mais verdadeiros,não fingiam serem santos,mostravam a cara.Ao contrário vericamos na conduta dos atuais.Isso é um horror !

Anônimo disse...

É Perereca, foi-se o tempo que eleitor consciente votava no PT, hoje pelo contrário, quem tem um mínimo de cérebro e faz uso dele não vota nesse desgoverno,então o tiro pode sair pela culatra!

Anônimo disse...

Mas só vai pescar quem quiser. O Jatene vai.

Anônimo disse...

Vcs. já ganharam a eleição, vão para Praia, não esquenta.

Direto do céu. Polvo Paul. rss.

Anônimo disse...

Putzzz....Perereca

Eu adorei o feriadão... E não vai ser por isso que vou deixar de votar....

Primeiro o Lula chantageando o povo
Depois veio o bandido baiano
Agora o feriadão

Conta outra

Tiberio Alloggio

PS
Sua qualidade de analise está em queda

Anônimo disse...

Petistas, não contem com isso.

Na eleição para Governador de 2006, as abstenções aumentaram em quase 180.000 votos do primeiro para o segundo turno. Algo em torno de 4%. Se todos esses eleitores votassem em Almir Gabriel, o que seria impossível, ainda assim, Ana Júlia teria sido eleita. Ela venceu com uma diferença de quase 300.000 votos. Isso correspondeu a 10 pontos percentuais nas urnas e refletiu o que disse a pesquisa IBOPE na época.

O candidato Jatene, segundo a pesquisa, está com 20 pontos percentuais na frente da Ana Júlia e considerando somente os votos válidos do primeiro turno, isto equivale a 750.000 votos na frente.

Acho bem difícil uma virada da candidata petista nas urnas.

Abraços!!

Anônimo disse...

Egua, vcs não querem acreditar, mas a Ana vai ganhar, a cidade está toda vermelha, só não ver quem não quer.Aceleraaaaaaaaaaaaaaaaaa.
Não vem forte porque somos do Norte, fiquem em suas insignificancias.

Anônimo disse...

Ei Perereca,
nós já ganhamos mesmo, 60 a 40 ingem tira.
Vai ser mais de um milhão de votos de diferença.
Vamos pra Algodoal, vai ser massa.

Isa disse...

Não vamos desistir na boca da urna, não adianta feriadão coisa alguma vamos fincar o pé e votar no 45.

Jatete jatene 45 45 45.

Anônimo disse...

Ei abestado das 1:44
A cidade só está vermelha porque a desgovernadora e seus "cumpanheiros" estão gastando o dinheiro público pagando Deus e o mundo pra vestir vermelho e abanar bandeira.É TUDO PAGO COM DINHEIRO ROUBADO DOS COFRES PÚBLICOS! VAZA MANA!!!

guilherme disse...

Estão com medinho de perder a eleição por causa de um simples feriado? Onde está toda a certeza de vencer? Não se preocupem a eleição já está ganha não é mesmo? O povo lhes dará a resposta às mentiras e à hipocrisia amarela. Há pouco mais uma máscara do Simão, Pescador do Utinga caiu. Até colocar a responsabilidade em quem foi seu feitor, o Dr. Almir, êle colocou, responsabilizando-o pela Ação que responde responde na justiça. Que vexame candidato Jatene!

carlos silva disse...

Uma campanha ativa pelo voto nulo é uma forma participativa numa eleição plebicitaria marcada pela apatia. Somos pouco menos de 136 milhões de eleitores nesta terra de Santa Cruz. Dos quais apenas menos de 48 milhões votou com o governo. Como o voto é a expressão da soberania popular constata-se que soberanamente 68 milhões de brasileiros não aprovam a continuidade do governo lulocrata. Que dizer A candidata oficial obteve apenas um terço dos votos dos brasileiros aptos a votar.
Se considerado que uma abstenção mássica dos eleitores denota apatia da cidadania frente ao pleito comprometendo a legitimidade dos eleitos, então nesta eleição este é o cenário pois além da maioria ter se manifestado contra o governo ocorreu um significativo contingente de votos brancos e nulos num percentual de nove por cento, totalizando algo em torno de dez milhões votantes somados a abstenção de cerca de 25 milhões, tem-se um universo de 34 milhões de eleitores que não se comprometeu com qualquer das alternativas apresentadas.
A política é encenação, lula é uma vedete mundial, para melhor iludir o pacato cidadão. O presidente se impôs como símbolo, o prestigio de Lula, sua ascendência e sua popularidade são hoje a expressão autentica da nação. E ele é apenas o dirigente supremo e mais nada, esta em cena, foi criado como vedete pela tecnoburocracia administrativa e pelos grupos econômicos e corporações a elas subordinados.
Lula é apenas o ator que recebe o foco da luz sobre o qual se concentra os projetores e os olhos do público deste estado espetáculo montado por essa autocracia que domina e governa o Paìs. Já o poder real esta em outro lugar, na sobra longe da imagem luminosa projetada pelo poder oficial.
Lula impôs uma imagem de si mesmo para cooptar e fixar a atenção do público. Ele apresenta ao cidadão um conjunto de traços, uma seleção dos seus melhores momentos e como reconstrução da realidade, mostrando ao povo que fez de sua vida uma obra prima. É uma encenação do narcisismo supremo. Para tanto forçou os fatos, melhorando o próprio retrato, um mito que basta a si mesmo. Neste caso a verdade não tem valor, é um conceito obsoleto.
O povo compreende, ainda que muito embrionariamente, que a farsa eleitoral de tão grotesca e hedionda não justifica sequer um deslocamento até a urna eletrônica. Por isso, mais de 25 milhões se abstiveram e outros tantos 8milhoes votaram nulo ou branco. Que dizer A candidata oficial obteve apenas um terço dos votos dos brasileiros aptos a votar.
No Distrito Federal mais de 438 mil eleitores não optaram por nenhuma das candidaturas apresentadas ao GDF. Sendo a terceira opção dos eleitores daqui do DF.
Agora a tarefa que se impõe é impulsionar uma ampla campanha ativa pelo boicote eleitoral denunciando as duas candidaturas como duas faces da mesma moeda e preparando nossos melhores esforços para o enfrentamento com o gerente geral dos negócios da que sairá ungido das urnas no próximo dia 31.
No caso do DF este apoio a Agnelo significa uma traição, pois essa candidatura é uma verdadeira arca de noé com animais para todos os gostos, não é possível seguir uma candidatura que certamente uma das suas primeiras medidas será o aumento da tarifa do transporte coletivo.