Ban

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A Perereca debaixo de bala

Tenho recebido tantas chibatadas nas costas, devido às minhas últimas postagens, especialmente àquelas relativas a Jader Barbalho, que já estou até pensando em pedir ao deputado um pacote de sal...
Não, sem brincadeira, eu acho interessantíssima a revolta de alguns comentaristas, simplesmente por alguém expressar uma opinião diferente da deles.
Pro pessoal da Ana, o Jatene é um bandido que tem de ser espancado e pendurado num poste.
Pro pessoal do Jatene, é a Ana que é uma bandida que tem de ser espancada e pendurada num poste.
E para ambos – a depender, é claro, das conveniências – o Barbalhão tem mais é de ser queimado vivo...
E eu estava até a dizer, há pouco, a um comentarista: sabe qual é o problema? É que a nossa Democracia é tão recente que a gente vive a imaginá-la como uma via de mão única: é o meu pensamento, o meu direito de expressão.
E, no entanto, a Democracia é uma via de mão dupla.
E o meu direito e o seu direito estão de tal forma imbricados, que um simplesmente não existe sem o outro.
A internet e a blogosfera trouxeram alguns fenômenos interessantes.
Um deles é essa ampla possibilidade de participação em debates, até no anonimato.
Outra é a forma como as pessoas se comportam no anonimato da blogosfera, a escrever coisas que, certamente, não ousam repetir nem nos grupos que integram.
É como um prazer secreto, às escondidas, e só possível porque a virtualidade das nossas relações permite despir por completo a humanidade do antagonista – o que não aconteceria se estivéssemos a apenas alguns centímetros.
É o clássico antropológico: “mim Tarzan, you Chita”. E tanto mais instigante porque manifesto por formadores de opinião.
A Perereca da Vizinha nunca foi um blog pacífico: nunca recebi exatamente flores de alguns comentaristas deste espaço.
Até porque a essa característica comportamental da blogosfera, vem se juntar a paixão provocada pela matéria-prima deste blog: o debate político e as reportagens investigativas.
E claro está que, tanto nesses debates quanto nas reportagens investigativas, se agrado aos gregos, desagrado aos troianos.
Não sei se é por isso que a Perereca é um blog tão longevo – since 2006! – , apesar dos constantes “despirocamentos” desta blogueira.
Só sei é que me sinto profundamente gratificada por ter conseguido construir, junto com vocês, um dos espaços jornalísticos mais democráticos da blogosfera paraense, já que aqui a porrada é socializada: apanham tucanos, petistas, peemedebistas, pefelistas e quantos mais aparecerem.
E todos, apesar disso, freqüentam este blog e acreditam naquilo que aqui é publicado.
E vou dizer uma coisa do fundo do coração: é sempre uma honra ter cada um de vocês aqui na Perereca, mesmo que seja para vocês me encherem de porrada, como está a acontecer agora.
Investigar e debater questões fundamentais à coletividade é um dever básico de todo e qualquer jornalista.
Jornalista não pode viver de elogios, nem pode ser simplesmente o sujeito simpático.
Jornalista tem de ser o sujeito que instiga. O espírito de porco que joga luz sobre aquilo que alguns teimam em esconder.
Espero que, ao término desta eleição, eu consiga arranjar maneira de me sustentar e a este blog, para continuar a fazer o jornalismo que vocês esperam e merecem.
O jornalismo que revela – mesmo que até de forma dolorosa, como já aconteceu em algumas das reportagens que fiz.
Penso que isso é extremamente importante para que a gente saiba o que está de fato a acontecer, apesar de toda a propaganda do partido que eventualmente se encontre no poder: PT, PSDB, PMDB e por aí vai.
O resto é “ofício de consideração ao senhor diretor”, relógio de ponto, livro de atas – jamais jornalismo.
Porque Jornalismo até pode ser História. Mas é, sobretudo, Democracia.
FUUUUIIIIIII!!!!!!!


Um presente pra vocês!








4 comentários:

Anônimo disse...

[Jornalista é] "o espírito de porco que joga luz sobre aquilo que alguns teimam em esconder".
Ana, essa é uma das melhores definições sobre o que é ser jornalista. É isso aí.

álvaro vinente

Anônimo disse...

Nossa, é um prazer levar porradas, mesmo no blog. Quanto masoquismo pelo jornalismo, hein?!

Ana Célia Pinheiro disse...

Oi, Àlvaro! Há quanto tempo, né? Prazer em te ter aqui! Bjs.

Anônimo disse...

PRECISAMOS REFRESCAR A MEMÓRIA

Durante a campanha de 2006, no mesmo período faltando menos de 15 dias para as eleições o IBOPE divulgou uma pesquisa dando 49% para o ALMIR e 27% para a ANA JULIA, confira na UOL ou no BLOG DO FERNANDO.
http://uolpolitica.blog.uol.com.br/arch2006-09-17_2006-09-23.html