Ban

domingo, 20 de junho de 2010

Enquanto o tempo passa...

Já recebi muitos ataques ao longo da vida.

Mas nunca temi ataques e sempre os respondi à altura.

Simplesmente não sei o que é o medo.

Afinal, se não temo a morte, o que temeria?

No entanto, não tenho ânimo para responder aos ataques que tenho, agora, sofrido.

Sei lá... Estou, talvez, numa fase introspectiva.

Daí que os ataques que recebo se assemelham a moscas, que me fazem abanar as mãos – e só!...

Não sei se quero participar desta campanha, não sei se quero continuar com este blog, não sei nem mesmo se quero continuar a fazer reportagens ou se é preferível voltar a fazer assessoria de imprensa. Não sei se vou embora ou se continuo aqui.

Olho o horizonte e não adivinho nada – (logo eu, que consigo enxergar toda a imensidão do tabuleiro!...)

É como se o horizonte se quedasse silente, a permitir-me todas as possibilidades.

É como se dissesse, neste silêncio profundo: Tens aí as portas e os caminhos. Abre uma; escolhe algum...

E eu me vejo qual criança, a “imagitransformar” em barco, avião, chapéu, ou nalguma coisa a que chamamos “novo”, uma simples folha de papel...

Sei que me encasulei, como muitas vezes ao longo da vida.

E que só me resta esperar o mar...

Pra vocês!






FUUUUIIIIIII!!!!!!

14 comentários:

Bia disse...

Bom dia, Ana:

a roda viva faz com que haja dias em que a "gente se sente como quem partiu ou morreu..."

Na fase mais cruel dessa roda, descobri que a depressão era a minha doença. A partir daí, um Pondera todos os dias fez o mundo ter algumas cores, pálidas, é verdade, entre o cinzento constante.

Para nosso consolo, a angústia é um pressuposto de estar vivo. Perde-la, é morrer.

Resista. Insista. "Pondere-se"...rsrsrs..

Um abraço.

Anônimo disse...

Mana,
deixa de frescuras! Vai em frente. Na pior das hipóteses, teus textos informativos pro bem ou pro mal servem para a gente ficar sabendo a quantas nadam as coisas por este Pará, tão sacaneado por esta ocupante do Governo e seus incompetentíssimos assessores, achados no amadorismo político.
Não desistas! Aproveita a copa do mundo e manda bola pra frente.

Anônimo disse...

Cara JORNALISTA,

Não se demore por demais neste tipo de elocubração.

Momentos introspectivos muitas vezes têm mais a função de "autopreservação", através do distanciamento que geram, do que de fase criativa, que propiciaria um novo começo melhor pensado, etc.

É que esta postura distancia você da realidade, cria uma tranquilidade baseada em um cenário intimista, portanto desconectado total ou parcialmente da realidade...

...Daí que o mundo aqui fora continua "acontecendo", os ataques a você também, e o cenário político tornando-se mais complexo, e o trem da história passando...

Não deixe este trem passar. Suba nele! Se você não tem medo das coisas, não mais esteja introspectiva e vá à luta com toda a sua energia, mas também toda a sua razão e as habilidades estratégicas.

No meio da batalha ninguém deve criar uma sombra para si e sentar-se nela. Não é prático, saldável e nem seguro...

Torço por sua recuperação. Precisamos de você.

Luz, proteção e orientação.

Anônimo disse...

Olha, eu até achava que tu eras uma pessoa e profissional íntegra, mas depois do teu post sobre o Sefer, meu Deus! tu não vales nada, e és o mesmo que sempre criticastes, faz favor? Fica no casulo pra sempre... ou passa a régua e rasga!!!

Anônimo disse...

Voce disse que tem as portas e os caminhos,portanto, escolha o rumo de sua vida particular e profissional.
Não permita que o desalento se instale .

André Costa Nunes disse...

Querida Ana,

Há momentos na vida que, ao contrário do que somos e cremos, nos deixamos abater pelo mundo menor que nos rodeia, e coisas pequenas, mesquinhas, ganham dimensão jamais imaginadas por nós em outras circunstâncias. Quando acordamos e nos damos conta do nosso tamanho e principalmente da nossa estatura, não acreditamos que tenhamos, pelo menos por um átimo nos deixado abater pela mediocridade.

Enquanto acreditares em ti, tua cidadela será inespugnável.

Largatudoeventimborapracá pro Uriboca, pro Sítio do Velho André.
Aqui és amiga do rei.

Com todo o carinho do mundo,

andre costa nunes

Anônimo disse...

Vai, Célia! Aventura-te por mares nunca d'antes navegados. Porque a vida...a vida não se resume a blogs...

Anônimo disse...

Perereca, não sei como tu te prestas para defender o pedófilo Seffer? Quanto foi a ponta?

Andre Paxiuba disse...

já ha algum tempo acompanho seu blog, quero aqui deixar meus parabéns pelo trabalho, e também dizer que tenho um blog que posto noticias aqui da terrinha (itaituba), estou adicionando seu blog nos meus blogs favoritos, se puder adicionar o meu também ficarei grato, pois assim interagiremos muito mais
abraços do amigo
andre paxiuba
http://andrepaxiuba.blogspot.com/

Anônimo disse...

Quanto tu pegaste para defender o Seffer? Cria vergonha pererequinha! Mira-te na Franssinete que não apoia a pedofilia!

Anônimo disse...

Não sabia ou pensava que voce teria coragem de defender quem come criancinha. Que tal ele comesse algum parente teu? Tua aindas terias esta coragem? Estou de desconhecendo[

. disse...

Permita a mim, um petista de carteirinha aqui do Sudeste do Pará, dizer algo a uma tucana, talvez sem carteirinha: continue com o seu blog, com suas análises sempre bem postas, pois elas nos ajudam a pensar e opinar com liberdade. Quanto aos ataques, gratuitos ou não, não podem atingir ao seu intento, que é calar a sua voz.
Lembre-se que a liberdade é a consciência da sua necessidade.

Anônimo disse...

Coincidentemente ouvia está maravilhosa poesia enquanto estava pregando o endereço de nossos filiados do Psol aqui em Marabá para uma plenária esta semana. Mas o que eu queria te dizer: Nunca desista pois as coisas que vem de baixo,nunca nos atingi. E vc é brilhante no que faz.
Um abraço de seu Fã e fiel leitor.
Edivaldo Viana

Anônimo disse...

iiihhhhhhhh, Perereca tô te estranhando...