Ban

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Um esclarecimento necessário



Este blog não está a disputar nada com ninguém.



Tenho, aqui, um espaço muito característico, um cafofo.



Gosto de informação e de análise política. E quem vem aqui gosta disso também.



Porque é isto a Perereca: política, política e política.



Se as pessoas querem fazer amigos e influenciar pessoas, não tenho nada a ver com isso.



Lá por eu ser mulher não quer dizer que tenha, apenas, de preparar os acepipes e a bebida.



Não tenho culpa – e nem me vou “culpar” – por ter capacidade de análise política.



Se há homens que não gostam disso, paciência.



Foi-se o tempo em que me “corrigia” para me amoldar às querências masculinas.



Aliás, bem vistas as coisas, nunca me amoldei, de fato, às querências masculinas.



É por isso que estou sozinha, depois de três casamentos e umas quantas amancebações.



Gosto muito de ser repórter. E de saber que tenho o raro feeling de repórter – o feeling que faz a diferença entre os bons repórteres e aqueles que nunca passarão de repórteres pasteurizados.



Por isso, este blog não é apenas um livro de atas ou o panegírico ao Senhor Diretor.



Ou, ainda, o fiel cumpridor das sombrias decisões de um marqueteiro qualquer, que quer porque quer “render” um fato.



Este blog, enfim, traz o fato aos leitores tal como ele é, independente das conveniências de A, B ou C.



Assim é que este blog já antecipou várias mexidas no tabuleiro político paraense.



E até já deu um furo dentro do furo: noticiou, em primeira mão, o lançamento da pré-candidatura de Jatene, ontem, domingo, na Assembléia Legislativa.



Justamente porque não se atém a conveniências, soube buscar o que era, de fato, a notícia.



O resto é lári-lári e dor de cotovelo.



Ou, o que é bem pior, desrespeito aos leitores, que não merecem ser ludibriados por fatos administrados em conta-gotas, só para maximizar o marketing deste ou daquele candidato.



Sorry, mas só sei fazer jornalismo assim: primeiro, jogo a coisa, a informação, a notícia às pessoas. Divido isso com a sociedade.



E só depois é que me ponho a perguntar: por que, meu Deus? Por quê?



Tenho tal apreço pela informação que estou aqui, quase que exilada neste blog.



Que é, de fato, muito bem freqüentado – daí o olho gordo de alguns – mas, que tem um impacto muito reduzido em relação aos jornalões.



Pra mim, informação não é pertença minha ou de um dono de jornal, mas, de toda a sociedade.



As pessoas têm o direito de saber; precisam saber.



E esse seria o juramento profissional que, se pudesse, formada, faria: levar ao leitor a informação, independente do que quer que seja.



Detesto hipocrisia, tenho ojeriza à hipocrisia – essa coisa de ficar tentando demonstrar independência quando se tem até a alma aprisionada por determinados interesses de terceiros.



É por isso que, aos 49 anos, estou gramando: pego um dinheiro daqui, outro de acolá.



Vendo um espaçozinho aqui, outro acolá - e vou levando.
Não tenho nem INSS, nem 13 salário.



Mas, tenho o que é muito mais importante, a minha consciência.



E esse meu compromisso com todos vocês de trazer a informação como ela é, independente dos interesses de quem quer que seja.



FUUUUUUIIIIIIII!!!!!!!!!

6 comentários:

cláudio disse...

Parabéns!!!

Anônimo disse...

Legal PERERECA! Vá em frente. Não ligue para os cotovelos que doem. è assim mesmo. Quem não tem competência não se estabelece, ainda que seja as duras penas. Aliás, acho que vce deve criar um espaço para pequenos anuncios, que devem lhe render, e é justo,seu sustento. Abraços, é um brinde a verdade.

Anônimo disse...

Vc é D+!!Uma Monstra...PB!!!!

Anônimo disse...

Hum...Sozinha... Uma gatona dessas, que desperdicio; áh se eu ainda morasse em Belém.

Anônimo disse...

volte Ana, vá não e nos conte estas histórias de amancebações... rs rs rs rs rs
quantas mesmo?
Vc é demais mesmo, pensei que era só macho que se amancebava...
Dá-lhe!

André Costa Nunes disse...

Minha senhora,
Dona Perereca,

Há muito tempo, e bota tempo nisso, que não vejo uma carta de princípios tão maravilhosa.

Patrícia Galvão, minha querida e saudosa Eneida de Moraes e outras que tais estão, onde estiverem, batendo palmas por existires. E, fiques certa, não só mulheres de fibra que já se foram, mas há homens, sim minha nêga, ainda os há, e muitos que fazem coro àquelas palmas que ecoam do éter.

Não te conheço, e por isso não me perdoo. Acho-te ótima, mesmo quando discordo de ti, o que aliás, nem me lembro quando isso aconteceu.

Obrigado,

Um beijo,

andré costa nunes