Ban

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Pitstop

Taí: reconheço que elevei o jogo à estratosfera, ao publicar a Callas e a Habanera. Me perdoe: é que amo a Habanera. E mais ainda naquela voz sublime. Mas, taí: tô descendo o jogo. E como descendo!...Pra ti!






Gipsy Kings - Baila me

3 comentários:

Anônimo disse...

Prezada Ana Célia,


Gosto dessa banda, da peculiar batina cugana do violão. Parabéns pela escolha!!

Abs.

Anônimo disse...

A estratos-fera não é limite pra quem sabe...
Continue assim e além...

Beijos !

Anônimo disse...

Falando sobre Hangar!

Cara Ana, sou filha de funcionária pública, leia-se, funcionária mesmo, não cargo de confiança.
Minha mãe trabalha há exatos 30 anos para o governo do estado e recebe uma quantia mensal de R$ 1.200,00 (entre salário e gratificações).
Eis que mês passado, ela recebeu a notícia de que as gratificações seriam cortadas edeuqe o expediente seria diminuído, como forma de economia de energia elétrica.
Felizmente, eu, que sou profissional liberal, ganho o suficiente para sustentar 2 famílias de classe média, e minha mãe não precisa se preocupar com isso. Mas ela é 1 em 1 milhão de funcionários que não precisam, porque a chefe dela está ao ponto de entrar em depressão profunda por essa determinação do governo.
Aí, eu descobri, olha só que ironia, que uma recepcionista no Hangar recebe, nada mais nada menos, do que R$ 3.200,00, e que o supervisor de audio e vídeo(leia-se pessoa que verifica se está tudo dentro dos padrões do Hangar) recebe a bagatela de R$ 6.500,00.
Esse último, por sinal, foi um cargo criado pelo Sr. Alexis do Carmo (amissíssimo da Sra. Joanna) para ajudar um amigo necessitado e que de quebra colocou sua filha dondoca para trabalhar lá tb.
Se eu fico indignada. Não. Pois como dizia meu avô: "cada um tem o governo que merece!"
Eu só gostaria de saber, pq a não existência de concurso público para os cargos do Hangar.
E pq os prestadores de serviço tem que pagar uma taxa de comissão que está no "estatuto de uso do Hangar", sendo que todas as despesas por este uso já s~´ao pagas por quem contrata o espaço.
Indignada eu não fico, fico envergonhada, pois em umapesquisa realizada para atender a um congresso nacional, o Hangar foi o centro de convenções mais caro do Brasil, e sinceramente, nossa cidade não está tão turística assim para merecer isso.