Ban

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Jatene5





Crise na Santa Casa era questão de tempo






Perereca: Como é que o senhor avalia o atual governo do Pará?




Jatene: O governo cometeu – e continua cometendo – alguns erros muito graves.



A gente precisa ter claro que governar um estado como o Pará é um permanente – e, certas horas, frustrante – exercício de optar entre coisas que não se pode fazer opção.



Como é que você faz opção entre gastar em Saúde ou em Educação, onde a Saúde e a Educação são precárias? Como é que você faz opção entre gastar em Educação ou em Segurança?



O que a gente precisa ter claro é que nos foi imposto um padrão de ocupação que criou uma enorme desordem, numa ordem precária pré-existente, a partir da chamada corrida rumo ao Norte.



Com isso, os governos vivem numa permanente corrida atrás do prejuízo.



Quando você pega o orçamento e compara às demandas, ele é absolutamente insuficiente.



Então, é irresponsável você chegar numa televisão e dizer que vai resolver tudo, porque não há qualquer chance de fazer isso.



É absolutamente irrealista você chegar numa campanha e prometer: “vou acabar com isso!”.



Você tem de ter a humildade de compreender que, se conseguir colocar algum tijolo nessa construção – e é preciso fazer isso – já estará dando uma contribuição importante.



Vamos pegar algumas coisas concretas. A questão da saúde, por exemplo.



Por que partimos para a construção dos hospitais regionais? Porque, quando andava pelo interior, percebia essa demanda verdadeira, real.



Ah, mas é fácil levar média e alta complexidade ao interior? Claro que não. Mas, num estado de dimensões continentais como o Pará, temos de ter a coragem de ousar.



Mas, não ficamos só nisso.



Paralelamente à construção dos hospitais, criamos dois programas. Um deles era o Médico no Município – também chamado Médico 24 Horas.



Sabe o que é que era esse programa? Como percebemos que os municípios não tinham recursos para pagar uma remuneração que garantisse a fixação do médico, fizemos convênios com mais de 70 municípios. E repassávamos recursos, todo mês, para a contratação de dois médicos.



O outro programa era de entrega de medicamentos básicos.



Com isso, havia, nos municípios, o médico e o medicamento, o que segurava um pouco o deslocamento para a capital.



Além disso, tínhamos, aqui em Belém, convênios com vários hospitais, o que garantia uma retaguarda, sempre que acendia a luz vermelha na Santa Casa, em termos de superlotação.



Mas – e por isso eu disse que o governo cometeu alguns equívocos – acabaram com esses convênios, tanto para a contratação de médicos, nos municípios, quanto para esses hospitais de retaguarda, em Belém.



Também acabaram com a distribuição de medicamentos básicos, no interior.



Então, era só uma questão de tempo ver o drama que se viveu na Santa Casa, por exemplo.






Perereca: Mas, em vez de investir nos hospitais regionais, não teria sido mais produtivo, para a saúde, investir maciçamente na Atenção Básica, inclusive com a reforma das unidades existentes?




Jatene: Espere um pouquinho, porque aí é que eu acho que está a história.



Tais desafios não têm uma seqüência tão aritmética como essa que você está querendo.



Trabalhamos com a Atenção Básica, nos municípios, e criamos os hospitais regionais até para facilitar.



Aliás, eles foram escolhidos espacialmente, de forma a contemplar as várias regiões do estado. E onde tínhamos uma demanda um pouco maior... Por exemplo: deixamos um hospital quase pronto em Tailândia, que, embora não seja de média e alta complexidade, é grande.



Por quê?



Porque, nesse eixo da PA-150, havia uma demanda crescente, pela própria dinâmica da região.



Então, fizemos outro hospital. Ele ficou praticamente pronto – e até hoje não entendo por que é que não foi inaugurado.



Então, não pense que houve descuido com isso.



Outro ponto importante é que, no caso de Santarém, por exemplo, não apenas fizemos o hospital regional: também levamos a Faculdade de Medicina, para formar quadros na própria região.



Isso, aliás, já começa a dar bons frutos, apesar da atrapalhação, quando tentaram colocar aquele hospital para funcionar.



Também preciso dizer outra coisa: sempre disse que a escolha das OS não se deu por uma questão ideológica, mas, absolutamente pragmática.


Nenhum comentário: