Ban

domingo, 8 de março de 2009

Dia da Mulher

Para Isa Cunha, Ulysses Guimarães,
Maria da Metade e Almir Gabriel



Se há uma mulher que um dia admirei, profundamente, foi Isa Cunha.



Com a sua fala mansa, baixinha, dulcíssima, parece que buscava encobrir toda aquela força gigantesca, aquela grandeza de seu interior.



Égua da mulher imensa!...



Égua da pessoa, absolutamente incapaz de transigir naquilo que julgava o certo...



Não fui ao enterro de Isa.



Na verdade, só soube que morrera semanas depois, através de alguém.



Lembro que me entristeci profundamente.



E que recordei a última vez em que a vi, durante uma homenagem que lhe prestava a Câmara Municipal de Belém.



Lembro que me sentei rapidamente junto dela, porque ela me convidou – queria saber de mim, e eu, é claro, senti-me profundamente honrada, orgulhosa, com o interesse dela...



Depois, ela foi receber sua homenagem e eu levantei-me, fui-me embora, eis que estava a trabalhar.



Desde aí, lembro-me de Isa, a cada Dia Internacional da Mulher.



Nunca conheci Mulher, assim mesmo, com M maiúsculo, que merecesse tanto a reverência da gente.



Por isso, neste Oito de Março, quero homenagear aquela Mulher extraordinária.



Cuja imagem me socorre, nas horas mais aflitivas da vida.



Sou uma pessoa de poucos heróis.



Mas, esses poucos são gigantescos: Ulysses Guimarães, Isa Cunha.



E até a pouco conhecida, mas, igualmente grandiosa, Maria da Metade, que levou consigo boa parte da História deste nosso Pará.



E, é claro, o maior governador que este nosso Pará já teve: Almir Gabriel!



(Que o Barbalhão não me ouça: ele pode até ser o maior político que o Pará já teve; um político que seria imenso em qualquer época e lugar do mundo. Mas, o melhor governador deste Pará foi, sim, Almir Gabriel).



Almir inaugurou uma Era.



Não, não inaugurou, simplesmente, estradas, escolas, hospitais, que isso todo mundo faz.



Almir, em verdade, inaugurou um novo tempo.



Um tempo em que a gente, todos nós, aprendemos a discutir uma forma melhor de fazer política.



Em que discutimos ética, honra, emancipação dos cidadãos mais pobres.



E até - e apesar de todo o autoritarismo dele - aprendemos a NECESSIDADE democrática.



Quisemos mais.



Quisemos as instituições funcionando de forma autônoma, independente.



Quisemos o Poder da sociedade civil.



Quisemos, ousamos, até muito além dele, Almir...



Mas, Almir coincidiu com as mais importantes mudanças da sociedade brasileira, em sua história recente.



E teve a capacidade de não as contrariar, apesar do seu estilo turrão, intransigente.



Que o levou, afinal, à derrota, nas últimas eleições.



Mas, pensando bem, também foram intransigentes estes outros gigantes: Ulysses Guimarães, Isa Cunha, Maria da Metade...



E talvez daí resulte, em verdade, o gigantismo de todos eles...



Por isso, neste Oito de Março, não vou homenagear, apenas, a Isa Cunha e a Maria da Metade. Mas, também, o Ulysses Guimarães e o Almir Gabriel.



Ao Jader não homenageio.



Porque, como já disse aqui, muitas vezes, ele é um enorme desperdício de talento social.



Alguém com a inteligência extraordinária dele, o brilho intelectual dele poderia ter feito muito - muito mesmo!... - pela sociedade...



Se compreendesse, enfim, que o invejável talento que possui não lhe pertence de fato; porque é, de fato, uma construção coletiva...



Minha homenagem vai, portanto, para esses gigantes, tão brilhantes quanto.



Mas, que jamais se permitiram transigir...



Neste Oito de Março, para Isa Cunha, Maria da Metade, Ulysses Guimarães e Almir Gabriel.



Porque a luta de todas as mulheres do mundo é feita disto mesmo: intransigência!...







Bola de Meia, Bola de Gude


Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão

Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que uma bruxa me assombra
O menino me dá a mão

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade, alegria e amor
Pois não posso
Não devo
Não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal

Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão

Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que uma bruxa me assombra
O menino me dá a mão

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade, alegria e amor
Pois não posso
Não devo
Não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal

Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança
O menino me dá a mão!

Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto fraqueja
Ele vem pra me dar a mão!


(Milton Nascimento)

9 comentários:

Anônimo disse...

Lindo!
A tese foi precisa
A poesia foi profunda ou bem mais que profunda.

Anônimo disse...

A SAGRI A SERVIÇO DOS FALEIROS:


SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA
EXTRATO DE CESSAO DE USO
EXTRATO DE CESSÃO DE USO
Nº da Cessão de Uso: 001/2009
Partes: Secretaria de Estado de Agricultura e Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Placas.
Objeto: A SAGRI cede e transfere à ENTIDADE, através de Cessão de Uso, 01 TRATOR DE PNEUS MARCA NEW HOLLAND, MODELO TL 85, TRAÇÃO 4X4, 85 CV, SÉRIE L8ECR403487, CHASSI 78CB36196. EQUIPADO COM PALINA AGRÍCOLA DIANTEIRA, MODELO PD, SÉRIE 100520268, CONCHA PAH SÉRIE 11889504 E GRADE ARADORA MECANICA COM 16 DISCOS DE 26 POLEGADAS, SÉRIE 09898053, COM PNEUS.
Vigência: 14/01/2009 a 31/12/2015
Foro: Belém-Pará
Data da Assinatura: 14 de janeiro de 2009
Ordenador Responsável: Cássio Alves Pereira
Responsável P/Entidade: Claudomiro João Faleiro

EXTRATO DE CESSÃO DE USO
Nº da Cessão de Uso: 037 /2009
Partes: Secretaria de Estado de Agricultura e o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Placas
Objeto: A SAGRI cede e transfere ao SINDICATO, através de Cessão de Uso, 01 (um) Veículo passeio, marca Fiat Umo Mille, 1.0, 8V, 55CV, 4cil., 4 portas p/5 pessoas, cor branco banchisa, a gasolina, Placa JUM 3881, ano de fab. 2003, RP 12153.
Vigência: 31/12/2015
Foro: Belém-Pará
Data da Assinatura: 19 de fevereiro de 2009.
Ordenador Responsável: Cássio Alves Pereira
Responsável P/Entidade: Claudomiro João Faleiro

EXTRATO DE CESSÃO DE USO
Nº da Cessão de Uso: 095/2008
Partes: Secretaria de Estado de Agricultura e Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Placas
Objeto: A SAGRI cede e transfere, ao SINDICATO, através de Cessão de Uso de 01 (uma) máquina beneficiadora de cereais elétrica, RP 15971; 01 (uma) máquina beneficiadora de cereais diesel, RP 15964; 07 (sete) triturador de mandioca a diesel, RPS 16471 a 16477; 03 (três) triturador de mandioca a diesel, RPS 16644 a 16646; 10 (dez) fornos p/farinha, RPS 15441 a 15450.
Vigência: 26/11/2008 a 31/12/2012
Foro: Belém-Pará
Data da Assinatura: 21 de novembro de 2008
Ordenador Responsável: Cássio Alves Pereira
Responsável P/Entidade: Claudomiro João Faleiro

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA
EXTRATO DE CESSÃO DE USO
EXTRATO DE CESSÃO DE USO
Nº. da Cessão de Uso: 033/2008
Partes: Secretaria de Estado de Agricultura e Associação dos Produtores Rurais Unidos Norte Progressense-APRUNP
Objeto: A SAGRI cede e transfere, a ASSOCIAÇÃO, através de Cessão de Uso um trator agrícola, RP 16666.
Vigência: 07/07/2008 a 31/12/2012
Foro: Belém-Pará
Data da Assinatura: 24 de julho de 2008
Ordenador Responsável: Cássio Alves Pereira
Responsável P/Entidade: Valdomiro Faleiro

José Carlos Lima disse...

Parabéns pelo texto, pelos homenageados, todos muito dignos. Mas parabéns pelas observações feita ao Jader, creio que niguém deve ter dito a ele o que você disse e da forma como foi dito, sem a intenção de lhe causar dano ou denegrir sua imagem. Parabéns pelo Dia.

Anônimo disse...

Que coisa!
Não sei se a Isa Merece isso, dividir esse espaço de dignidade com o Dr. Almir.
O amor cega. Isso é cruel! Fazer pensar que o Dr. ALmir abriu um tempo para uma nova política é ignorar o tratamento dado por Sua Excelência ao Ministério Público, por exemplo. Sra. Perereca, diga a seus leitores uma única ação do minist´rio público estadual em face de órgãos da Administração pública Estadual desde o início da era inaugurada peo Sua Excia o Governador Almir.
Uma única ação que evidencie a seus leitores a independência dessa importante instituição. Ah, não vale dizer aos leitores....

A sra. pode realmente ter boa memória da Isa, mas se a sra não respeita seus sentimentos, respeite a memória da Isa.

A luta da Isa junto aos Sem Terra contra a tragédia da curva do S e contra Almir, dentre tantas outras manifestações, colocam estes cidadãos (uma que morreu e esta viva no sentimento de justiça) e outro que esta vivo, mas...) em campos opostos.

Seare o joio do trigo irmã!

Anônimo disse...

Ana,

Gostaria que você trouxesse a seus leitores o que não puder ser trazido pela "grande midia" a respeito do caso dos kits confeccionados por uma gráfica da Paraíba, conforme denúncia do deputado MEGALE na noite de hoje na TV. A situação é por demais estranha, pelo valor, segundo o deputado quase 100 mi, enquanto o "esclarecimento" do Governo fica em menos de 50 mi. Mesmo assim, é muito dinheiro para sair daqui do Estado e favorecer empresário da Paraíba. Você conhece algum caso de governador de outro Estado que tenha mandado fazer serviço de milhões aqui no Estado do Pará.
me parece que eles eles erraram na digitação em vez da PARÁ, eles acrecentaram IBA: Pará+iba. E ficou Paraíba, deve ser essa a explicação. Dá uma esclarecida nisso?

Anônimo disse...

Perereca,
Deixa de fanatismo e inclue o Almir Gabriel fora dessa !

Por favor !

Anônimo disse...

Égua, Perereca, cadê o distanciamento histórico? E o Antônio Lemos e o Barata, nada? Um teve o dinheiro e o outro teve o carisma que nenhum dos sucessores teve.

Anônimo disse...

Isa Cunha se foi Vera Tavares ficou.....
Eras das irmãs paidéguas!!!

Anônimo disse...

Realmente o Almir, pai daquele criminoso, fraudador e ladrão do dinheiro público, realmente inaugurou uma "era":
Era uma vez o dinheiro da Celpa;
Era uma vez a integridade;
Era uma vez a honestidade;
Era uma vez a sinceridade;
Era uma vez a simplicidade;
Era uma vez um Estado chamado Pará.
Só conto do vigário, digno de um grande vigari...
Se ele inaugurou uma "era" deixou de inaugurar presídio para trancafiar marginais como aquele que ele mesmo gerou!
ERAS de ti!