Ban

quinta-feira, 5 de março de 2009

opinião


Vamos jogar o foda-se!


Carta Aberta à Joana Pessoa II





Na tarde de hoje, caro leitor, fui surpreendida por uma intimação judicial, derivada de um processo por “danos morais”, movido contra mim pela doutora Joana Pessoa, presidente da Organização Social Via Amazônia.


Ao ler tal peça acusatória, eivada de mentiras, dela só pude extrair uma conclusão.




A de que, mais uma vez, a doutora Joana Pessoa recorre ao seu expediente favorito, o único que talvez conheça em sua tristíssima trajetória: o ataque acanalhado e covarde, através do uso de dinheiro público, para tentar intimidar os cidadãos que “ousam” lhe fazer frente.



Ao ler tal peça acusatória, também me pareceu que a doutora Joana Pessoa padece de uma arrogância patológica: crê, piamente, que pode comprar tudo e todos, para escapar impune aos crimes que comete contra o meu, o seu, o nosso dinheirinho.



É certo, doutora Joana, que não possuo dinheiro; aliás, nem palmo de terra num cemitério qualquer...



Não controlo, como a senhora controla, tubos e mais tubos de dinheiro público.



Não posso comprar grandes veículos de comunicação, nem grandes bancas de advogados... Ou que se pretendem, hoje, no Governo do PT, grandes bancas de advogados...



No entanto, doutora Joana Pessoa, possuo uns tantos atributos que Deus, em sua infinita misericórdia, teve a Bondade de me conceder: coragem, dignidade, honra, caráter. E, sobretudo, capacidade investigativa.



É certo, doutora Joana Pessoa, que essa será uma luta de Davi contra Golias; do tostão contra o milhão; de um mero cidadão contra as “falanges do mal”, que empestam este estado e este país.



Mas, para a sua infelicidade, doutora Joana, devo lhe dizer que nada temo: afinal, tenho comprovação de tudo o que escrevi.



E, ao contrário da senhora, creio, sim, no Poder da Sociedade. No imenso Poder do Cidadão, do Contribuinte.



Parte-me o coração, no entanto, constatar a que ponto desceu o PT, nessa coisa de abrigar “operadores” da sua laia.



Causou-me espanto, doutora Joana Pessoa, o fato de a senhora me processar – a mim, repórter - não pela matéria publicada neste blog, mas, pela matéria publicada em O Liberal.



Causou-me espanto, sobretudo, o fato de nesse mesmo processo covarde, hediondo, a senhora ainda tecer elogios a O Liberal, como se aquele jornal nada tivesse a ver com a divulgação do Caso Hangar.



Como se eu tivesse determinado a publicação desse triste episódio nas páginas de O Liberal. E – pasme-se - fosse responsável até pela manchete escolhida no referido jornal.



Como se eu, repórter, pudesse dizer: publiquem ou não publiquem isso e aquilo.



Como se eu, enfim, me chamasse Maiorana...



Mas, bem vistas as coisas, nem deveria me espantar: afinal, a senhora fez publicar uma página igualmente covarde, no referido jornal, logo após a publicação do Caso Hangar.



No entanto, doutora Joana, padeço de um mal incontornável: acredito nas pessoas. E, mesmo quando cometem canalhices, me disponho a crer que não poderão descer ainda mais.


Lamento, profundamente, que a senhora insista em retomar essa questão.


Lamento que a senhora me obrigue a ir fundo no Caso Hangar.



Quem acompanha este blog sabe que deixei isso de lado, não por acaso.


O fiz, em primeiro lugar, porque tenho plena consciência de até onde esse explosivo caso poderá levar – talvez, até ao impeachment da governadora.



Afinal, entre todos os escândalos desse governo, profícuo em escândalos, o Caso Hangar é aquele que tem a possibilidade de estabelecer a ligação mais concreta entre o crime, a improbidade, e a governadora do Pará.




Por isso, logo depois daquela matéria, fugi do Caso Hangar como o diabo foge da cruz – apesar de todas as “dicas” que recebi, vindas de empresários, promotores, jornalistas, anônimos.



E até – pasme-se – busquei convencer as oposições de que esse era o melhor caminho a trilhar, tamanhas, eu sei, são as conseqüências desse escândalo...




Pesou em tal decisão, é verdade, as minhas três décadas de militância política: o pudor que sinto, apesar de jornalista, de investigar profundamente a “metodologia” petista.



Pesou, também, a conversa que tive com um petista extraordinário, logo após a divulgação do Caso Hangar.




Pesaram, sobretudo, os amigos petistas que fiz ao longo da minha vida, e o sofrimento que eu sei que lhes causará a “evisceração” do Hangar – da mesma forma que sofreram os tucanos, quando eviscerei os escândalos da dupla Marcelo Gabriel/ Chico Ferreira...



Até me havia recolhido a uma espécie de auto-exílio; a uma fase contemplativa, digamos assim.




Havia como que me retirado da arena política, para pensar, para refletir acerca da minha vida...



No entanto, lá estava eu, entre incensos e mais incensos, entre mantras e mais mantras, quando a senhora, doutora Joana Pessoa, em sua arrogância patológica, resolveu como que “me chamar” de volta à arena...


E, o que é pior: através de um ataque covarde. De contra-ataque irrecusável, pois...


Lamento, não pela senhora, que, a meu ver, não passa de uma criminosa comum, que, simplesmente, se utiliza da política para se dar bem.




Lamento pelo PT. E até pela minha xará, que, sinceramente, creio que não merece – como já disse a tanta gente!... – um final tão melancólico...



E quando esse magnífico petista me procurou, para jogar água fria no Caso Hangar, ele até referiu gente que aí trabalha, cuja biografia não merece ser enlameada pela investigação dessa imensa lavanderia.




E eu aquiesci. Por tais pessoas. Pelas importantes lutas que travam e que já travaram. E até porque não desconheço os esquemas a que são obrigados a recorrer os partidos brasileiros, para angariar dinheiro para as eleições.




Aquiesci porque pesou o compromisso que tenho – ao contrário da senhora – com a transformação da sociedade brasileira.




Mas, infelizmente, a sua ação, o seu processo, doutora Joana, me obriga a ir até o fim...




Me obriga a tomar decisões que eu, neste meu auto-exílio, não queria tomar...




Me obriga a mexer pedras, nesse grande tabuleiro político, que eu hesitava em mover, à espera da definição de 2010...


Lamento, como já disse.





Mas, agora, vamos jogar o “foda-se”.




Um jogo que não conhece paralisação, doutora Joana.



Um jogo, como se diz em política, que “só termina quando acaba”.


Um jogo que vai até a última gota, sem qualquer comiseração em relação ao adversário...




Lamento que a senhora tenha tomado esse caminho.



E eu vou até lhe dizer como a senhora, na sua obtusidade, raciocinou.


A senhora pensou: “Bom, eu processo essa fodida, elogio o jornal em que ela trabalha e, assim, a isolo; deixo-a sem chance de defesa; deixo-a a minha mercê”...



“Assim, saio livre, leve e solta de todas as acusações”...




Não foi assim, doutora Joana Pessoa, que a senhora raciocinou?




Não lhe vou dizer que é um raciocínio de todo ruim.



Peca, no entanto, por dois “detalhes”.



O primeiro: a senhora, simplesmente, não “combinou comigo”, como se diz, essa sua “estratégia”: a senhora se esqueceu de me dizer que era para ficar quieta, caladinha, diante de um possível massacre...



Em segundo lugar, a senhora desconheceu o básico: em uma mesa de jogo, há, necessariamente, mais de um jogador.



E isso quer dizer que a gente pode até tentar adivinhar o jogo alheio. Mas, não há jogador, doutora, por melhor que seja, que possa prever, de fato, as cartadas alheias...



Creio, sinceramente, que a senhora deveria ter escolhido outro opositor.


Um que lhe desse, ao menos, possibilidade de defesa...



Que publicasse: “Acho que”; “Dizem que”...



Porque, doutora Joana, eu jamais “acho”: eu provo!...

E ainda que isso me custe dias e dias e noites e noites... E até um bocado de tintura nestes meus cabelos brancos...



Lamento que, entre tanta gente, a senhora tenha escolhido a mim...



Lamento que a senhora tenha me “acordado” do meu retiro espiritual...


Pois que, agora, nem pense em desistir do seu processo: para parar esse processo a senhora tem de me consultar.



E eu não vou aceitar paralisação, doutora Joana.



Agora, porque a senhora quis assim, nós vamos jogar o “foda-se” - até o fim...




E que Deus, doutora Joana, em sua infinita misericórdia, tenha Piedade de nós!




FUUUIIIIII!!!!!!!





(Ei, Joana, diz pros Weyl se acalmarem com o que o que vou tocar agora... Pra estes tempos tão bicudos do PT...)





Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores


Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão...
em, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...


Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não...

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer...


(Geraldo Vandré)

21 comentários:

Anônimo disse...

É o que dá minha cara Perereca. Fostes ter "consideração" com os teus companheiros e agora vais ter que te defender. Bem que te avisaram, que não deverias parar com o assunto, que deverias ir fundo e fazer o teu papoel de jornalista. Mas ainda há tempo de recuperar o tempo perdido. Desejo sucesso nessas empreitada: a jornalística e também a jurídica.

Anônimo disse...

oxalá os maiorgrana não te deixem só nessa parada.
mas, se isso acontecer trava a luta de cabeça erguida.essa senhora pensa que é rainha, rainha má dizem.

Anônimo disse...

Vai fundo Perereca! Explode essa porcaria dessa mulherzinha vulgar, horrorosa por dentro e por fora, medíocre, provinciana e decrépita

Anônimo disse...

Perereca,

Mete bronca que não estás só !

A Hidra de Lerna PTelhista não sobreviverá à tua (nossa)hercúlea luta.

Falemos como Leônidas :- "Melhor, combateremos à sombra :"

Afinal o Status Quo do governo paraense nada mais é que uma coletânea desenxabida de patricinhas e mauricinhos da fina flôr da burguesia,coopitada pelo Stalinismo dos Zédirceu/Lula.

Os petistas históricos devem se orgulhar de ter em suas fileiras esta brava "guerrilheira" de nome Joana.(que vergonha!!!)

Tens uma vantagem. Êste bicho de sete cabeças tem um mau costume: Êle é autofágico.

Os Petistas clamam com olhos anuviados pelo poder :"Apesar das oposições o PT cresce...".

Sim, cresce porquê não é mais nem a vaga sombra do que se mostrava há alguns anos atrás.(OU ERA TUDO DESFARÇATEZ ?)

Cresce porquê escolheu se igualar aos facínoras e bandidos que comandavam o país em meio às bandalheiras de praxe (FISIOLOGISMO, CORRUPÇÃO, CAIXA DOIS,ETC)

Isto me faz perguntar:- "Será que os militantes realmente honestos escolheram mesmo este caminho ?" ou "Será isto tudo um grande plano "A la Gramsci" que finalmente levará o socialismo ao poder eterno ?

Não, nada disso. William de Ockhan nos ajuda:

A resposta mais simples é:

O PT É BURRO !!!!!


Fôda-se, Amem !

Anônimo disse...

Sta. Perereca,

Essa é a minha primeira postagem aqui, tenha boa sorte nesta empreitada, que digo necessária.
Aqui estarei acompanhando e auxiliando no possível.

Além do Hangar, agora é preciso urgentemente, passar a limpo a lavagem de dinheiro da corrupção através das agências de comunicação contratadas pela secom e desvendar o escabroso crime da aquisição de agendas sem licitação.

Anônimo disse...

Essa é a perereca que nós conhecemos.
Bota pra quebrar doa a quem doer pois já está nas ruas outro escândalo da petezada que é os kits escolares comprados sem licitação.
E ai vai um ditado para a Gov. e a sua amizade com essa joana. "Quem anda com porco farelo come"

Ainda bem que 2010 está perto

Pebas é bacana disse...

Essa é a Perereca que conheço; já estava com saudades.
Beijos

Anônimo disse...

Espero, espero mesmo, que agora você não desista, pois muita coisa ainda vai rolar e você sofrerá bastante para provar a verdade. A mais pura verdade, que você se arrependeu de continuar a revelar. O PT é mais podre e se utiliza dos meios mais baixos para perpetuar-se no poder. Haverá muito choro e ranger dentes. Que você resista e coloque outras pessoas a par das provas que possues, inclusive com dossiê e tudo.
Não é só a Joana que não tem escrúpulos, ela é uma das. Mas, tem gente, muita gente graúda por baixo deste pântano. Não se deixe levar por ameaças, resguarde-se e continuem sem dó nem piedade sua luta. Espero que tenhas sucesso, mas a luta vai ser árdua e cansativa. Continue e procure pessoas que possa te ajudar e em quem você confie piamente. Sorte!

Anônimo disse...

Zi filha.
Já acendí as vela toda!
Pa alumiar teu caminho.
Conte con nóis
que os mensageiros estão contigo !

Fôda-se . Amem !

Anônimo disse...

Ana,nas suas investigações vc não terá como poupar sua Xará, pois encontrará as digitais dos Manos, dos Ex (marido,cunhado,namorados que são muitos,amiguinhos...)em todas as esferas das negociatas . Mas nos diga quem são os Weiyl . Seriam eles Azulinos ?

Anônimo disse...

Vá fundo Ana Célia!

Fôda-se, Amém!

Anônimo disse...

Diga aí pra nós quem foram os petistas que adoçaram o seu coração, pra você não tocar mais no assunto Hangar ?
Que vergonha, jornalista Ana Célia.
Sua credibilidade foi pra retrete.

Anônimo disse...

Obrigado Ana Célia pela reportagem sobre a corrupção e roubo no hangar. Foi muito boa e eu achei muito estranho que nos dias seguintes reportagens sem nada ou com o inverso no mesmo jornal.

Agora que descobrir que aquela reportagem foi sua, fiquei seu fã, muito competente.

Nessa briga eu aposto em você, acho que saberás explorar as contradições dessa zinha.

Estarás contando com uma multidão de gente séria que só precisa ter consciência dos fatos.

Ana Célia Pinheiro disse...

Ao anônimo das 8:03


Publiquei seu comentário porque, sinceramente, não gosto de censura.


Dia desses censurei um comentário mais pesado e até hoje que me debato com isso.


Gosto, mesmo, é que as pessoas se expressem, mesmo que seja para criticar.


Acho bacana esse exercício de reflexão.


Embora considere que as pessoas deveriam se identificar, quando quisessem pegar mais pesado...


Por mim, até conversaria olho no olho com você, anônimo. Porque esse é o tipo de conversa que mais aprecio, aliás...


Quanto ao petista magnífico que “adoçou” a minha boca, como você diz, ele se chama Charles Alcântara.


Nem perguntei pra ele se poderia citar o nome dele, mas, vou citar assim mesmo.


Logo depois do episódio do Hangar, o Charles me procurou angustiado.


E eu, angustiada estava...


Sentamos, por ironia, no bar do Jatene... O Ventura.


Ele tomou uns chops; eu, uma sangria (e antes que você, anônimo, pense em “envenenar” as coisas, quem foi deixar e buscar o Charles foi a mulher dele, a Débora. Ah!... E o Jatene não aparece por lá, nem para dar uma canja!...).


Conversamos longamente, eu e o Charles. De tucano para petista. Ou de petista para tucano, como você ache melhor.


Falamos, é claro, sobre política, esquerdas, Brasil, Pará, transformação social.


E, é claro, sobre essa relação rançosa entre tucanos e petistas...


(E desde então, é verdade, sempre que falamos, não perco oportunidade de tentar cooptá-lo; afinal, o grande Charles Alcântara é o tipo de quadro que todo e qualquer partido adoraria ter...)


Conhecemo-nos, infelizmente, já quando ele era chefe da Casa Civil.


E eu digo “infelizmente” porque considero que perdi imenso tempo, por não conhecer, antes, pessoa tão bela...


Desde então, nos falamos sempre que possível.


E disso, nunca vou me esquecer: sempre que estou aflita, pode ninguém me ligar, mas, me liga o Charles...


Nem que seja só pra me dizer que posso contar com ele...


Gosto da “maciez” do Charles, porque eu, também, sempre que possível, também “macia” sou...


Creio que não há motivo para que sejamos de outra forma, principalmente na política.


Ele é petista; eu, tucana.


Vemos o mundo, creio, da mesma forma. Queremos, creio, a mesmíssima coisa. Mas, temos formas diferentes para chegar a esse objetivo...



Respeito isso.



E não vejo, sinceramente, motivo para “inimizade” por causa disso.


Até porque divergimos é quanto “aos caminhos”.


Mas, o nosso objetivo, ao fim e ao cabo, é o mesmo.


Não vejo o Charles como uma pessoa “equivocada”. Nem creio que ele me veja assim.


Divergimos, mas, nos respeitamos.


E isso, sim, é fundamental!...


Creio que a minha relação com o Charles é muito parecida com aquela que tenho com o grande Mário Cardoso.


Divergimos, mas, já trabalhamos juntos. E, sinceramente, espero que muitas outras vezes possamos estar juntos...


Creio que a nossa análise do mundo, de tucanos e petistas, da iniqüidade de um sistema que não pode perdurar; da busca de uma sociedade mais justa, igualitária, é a mesmíssima – e até quanto a esse grande pomo da discórdia das esquerdas, que é a “dimensão”, o lugar da democracia...


E eles, apenas, optaram por um caminho, que é diferente do meu...


Mas, sinceramente, anônimo, eu ainda prefiro olhar com bem mais carinho aquilo que nos une, do que aquilo que nos separa.


Até porque a sociedade que queremos, você há de convir, está muito, muito distante...


E os “tijolinhos” que a gente possa colocar aqui, para que ela se realize, lá, muito lá na frente, dependem muito mais da nossa capacidade de encontrar, justamente, aquilo que nos une, hoje, já.


Por isso, espero ter lhe esclarecido, anônimo: o petista magnífico com quem conversei foi o Charles Alcântara.


E longe de “adoçar” a minha boca (até porque ele não tem poder para “adoçar” ninguém; mas, tem, sim, capacidade de diálogo), tivemos, em verdade, foi um debate político pra lá de bacana – e, por vezes, até com algumas farpas recíprocas...


Mas, em resumo: ele mostrou a sua capacidade no “sapateado de catita”; eu mostrei a minha.


E, ao fim e ao cabo, creio que nos ajudamos mutuamente, numa angústia que eu penso que, afinal, é de todos nós... Em relação a essa “coisa” que é a arrecadação de recursos...


Espero ter “saciado” a sua curiosidade, anônimo.


Volte sempre.


Mas, por favor, quando quiser “bater”, se identifique.


Quem sabe até que não possamos tomar uma “gelada”, né mermo?



Abraços,

Ana Célia

Anônimo disse...

Anônimo das 8:03, você não acha que para cobrar que ela te der um nome você teria a obrigação de dizer quem você é?

Secundarizar o informante e priorizar a informação invergonha por que? Explica isso! Por quê?

Assim parece que sua capacidade de discernimento é fraca e que a honestidade do que dizes é capenga.

Anônimo disse...

Ana, que bacana a tua atitude viu?
Demonstrou que isso sim é democracia!E o Charles, o cara é 10 - uma pena que, como ele, as pessoas do bem do PT estão sendo "limadas", "fritadas" ou simplesmente "se libertaram" dessa podridão. Eu sou uma dessas pessoas - "cargo cativo" NUNCA MAIS! minha luta por dias melhores será em outra arena. Prefiro guerrear com leões do que com porcos.
Parabéns, vc ganhou meu respeito!

Anônimo disse...

Eu fico imaginando se a Perereca trabalhasse na Folha de São Paulo, com essa sua confissão de que aliviou os petistas, ao atender o "pedido" de um amigo.
Seria demitida sumariamente, sem dó nem piedade, sem direito a sair pela porta da frente.

Hanny disse...

Mana perereca!
Minha força e minhas solidariedades nessa luta. Não te esquece que foram a inteligência e a sagacidade de Davi que venceram Golias.
beijocas
Hanny

Anônimo disse...

Ela queria ser Joana D'arc e acabou se transformando em Joana da Arca ($$$) da xará Carepa.

Anônimo disse...

bom dia,

se realmente a senhora quiser lhe mando diariamente noticias de sacanagens realizadas neste governo e no do passado.
(detran, arcon, susipe,hangar, ophir loiola)
Estou a sua disposiçao.

grato.

Anônimo disse...

é isso ai perereca...mete ficha mesmo...se todos fisessem do jeito q estais fazendo...o Estado, e até mesmo o pais naum estaria desse jeito...jogado as traças...e o pior...traças famintas pro dinheiro...Aff