Ban

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Valéria

Valéria




Tenho muita esperança de que Valéria vença estas eleições.


Não, ela nunca será a minha candidata ideal – nenhum candidato pefelista, alguma vez, será.


Temos diferenças profundas, ideológicas.


E, tenho certeza, tão logo as eleições terminem, vamos começar a quebrar o pau...


Mas, apesar de tudo, tenho certeza de que Valéria, neste momento, é o melhor para a minha Belém.


Primeiro, por uma questão pragmática: é a única candidata em condições reais, concretas, objetivas de derrotar o Dudu.


E isso, que venho dizendo desde o ano passado, as pesquisas de opinião começam a confirmar.


Em segundo lugar porque, apesar de todas as mumunhas do Dourado, é preciso reconhecer que ele é competente na área da Saúde.


Lamento, profundamente, que ele seja de tais mumunhas – como já lamentei, aqui, o desperdício de talento social de Jader Barbalho.


Mas, assim como respeito o brilho político de Jader, também respeito a competência técnica de Dourado.


Penso que um técnico da estatura de um Dourado, que criou um serviço como o 192, que foi, depois, transposto para o Brasil inteiro, pelos arquiinimigos petistas, tem, sim, alguma coisa a oferecer a Belém.


E como a equipe do Dudu e o próprio Dudu só têm a nos oferecer rolos e mais rolos, a mim parece que, neste caso, a opção é, pragmaticamente, pelo menos pior.


Apesar da certeza do Dourado, não incluo Valéria nesse balaio.


Vejo Valéria como uma mulher inteligente, capaz e sinceramente preocupada, comprometida com as questões sociais.


O caminho que ela adota, para fazer frente a tais preocupações – o assistencialismo puro e simples – não é, certamente, o caminho que, alguma vez, eu escolheria.


Mas, também reconheço que a pobreza e a miséria deste estado são tamanhas que, sem uma cesta básica, fica difícil manter o sujeito vivo, de pé, respirando, até uma eventual transformação social...


Certamente que a mudança social pensada por Valéria, nem de longe se aproxima da transformação que eu penso para esta sociedade, para este mundo.


Aprendi, porém, a respeitá-la, como, afinal, respeito todos os jogadores deste grande jogo político.


Nunca me permiti proximidade da Valéria, embora tenha sido sua assessora, como já disse aqui.


Sempre resisti a todas as tentativas nesse sentido, feitas por assessores muito próximos a ela.


Sempre achei que isso não seria ético, correto. Uma vez que sempre compreendi que estaremos, na maioria das vezes, em canoas opostas.


É uma postura bem diferente daquela que tive em relação ao Mário Cardoso, por exemplo. Que, apesar de ser petista, e eu, tucana, guarda, comigo, bem lá no fundo, profunda identidade...


Mário e eu, embora que por caminhos diferentes, queremos chegar ao mesmíssimo tipo de sociedade.


Já a Valéria será sempre uma antagonista, nesse tipo de projeto social.


Vamos nos bater por coisas aparentemente simples, como a redução da menoridade penal. Que os pefelistas, certamente, defenderão – com o apoio, é claro, da maioria da sociedade, do “senso comum”. Mas que nós, tucanos e petistas, rechaçaremos com todas as forças deste mundo.


Vamos nos bater por uma sociedade, de fato, igualitária, em termos de oportunidades e do usufruto daquilo que é socialmente gerado – e não por aplacar, através do assistencialismo, o revolucionário descontentamento popular...


Mesmo assim, vou de Valéria, e não de Mário.


E tenho certeza de que não vou me arrepender.


Lá adiante, certamente, nos estapearemos...


Mas, cá com os meus botões, tenho a convicção de que Valéria também fará umas coisas bem bacanas pela minha Belém...


Mais não seja, com a sua sensibilidade, vai impedir que tanta gente morra, na porta dos nossos postos de saúde, do nosso pronto socorro, dos nossos hospitais...



FUUUIIIIII!!!!!



Aos companheiros do PSDB. Porque, afinal, todos somos uns “goiabas”... Quer dizer: amarelos por fora. Mas, vermelhíssimos, por dentro...



Vermelho



A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som
Da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão!...



O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Vermelho!...



A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som
Da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão!...



O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Meu coração!...



Meu coração é vermelho
Hei! Hei! Hei!
De vermelho vive o coração
Eô, Eô...
Tudo é garantido
Após a rosa vermelhar
Tudo é garantido
Após o sol vermelhecer...


Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou!
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou...(2x)


A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som
Da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão!...



O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Vermelho!...


A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som
Da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão...


O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
(Vermelho!)
Meu coração!...


Meu coração é vermelho
Hei! Hei! Hei!
De vermelho vive o coração
Eô, Eô...
Tudo é garantido
Após a rosa vermelhar
Tudo é garantido
Após o sol vermelhecer...


Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou!
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou...(4x)


(Chico da Silva)

5 comentários:

Anônimo disse...

Acho que não há, em Belém, eleitores suficientes para colocar no segundo turno, duas pessoas iguais, muito parecidas, em tudo!

Anônimo disse...

Tu tá ficando "doidona" ao tentares eleger a "Boneca de Porcelana" do "caduco" derrotado na útima eleição...Sou mais o "JARDE"!!!

Anônimo disse...

É impressionante como você é uma pessoa completamente desencontrada.Sempre parecendo perdida,sempre parecendo de mal com a vida,sempre parecendo mal amada.É uma pena que uma pessoa brilhante como voçê,não tenha buscado ainda,ajuda com algum profissional que possa te ajudar a acabar com esse devaneio,sim devaneio,pois,o seu texto sobre a Barbie está me parecendo oportunista demais e tente entender uma coisa:VOCÊ NÃO PRECISA ESTAR SE HUMILHANDO ASSIM.VOCÊ NÃO PRECISA!!!!

Anônimo disse...

ô Ana,
Já que você está tão proxima da Valéria, diz pra ela que pago R$250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais) à vista no Apto deles do Atalanta, R$50.000,00 (cinquenta mil reais) a mais do que o avaliado.
É um Excelente negócio, acho que ela topa né mermo?
Tenho uma curiosidade: se ela(e) nasceu rica, os irmãos também nasceram, né? Como estará a honesta(?) fortuna dos parentes, nesse mesmo período de vida pública do casal? E olha que nem estou contabilizando o período em que eles ganhavam uma fortuna apresentando telejornal, se é que existe jornalista rico no Estado, conhece algum?

Ana Célia Pinheiro disse...

Resposta coletiva:



Vá se preparando, Anônimo das 7:56: Dudu e Valéria correm na merma faixa do eleitorado – que é a maior fatia do eleitorado de Belém.
Não a escolhi como candidata à toa. Pragmaticamente, voto nela porque é a única, de fato, capaz de derrotar o Dudu.
Ainda vou escrever sobre isso, mais adiante.
Obrigada pela visita.
Bjs




Ao Anônimo das 4:16: essa é a sua opinião, que eu respeito. Você vai de Jader, eu vou de Valéria, que não é, simplesmente, uma boneca de porcelana, visse? Pelo contrário, é uma pessoa, uma mulher bem bacana.
Brigadão pela visita!
Bjs




Ao Anônimo das 10:21:

Mano, nem vale a pena te responder. Porque, quem se esconde no anonimato para ofender as pessoas, quem é tão baixo, tão pequeno, tão canalha, tão covarde, não merece nem resposta, né mermo? E agradeço, sinceramente, se você nunca mais aparecer por aqui, neste cafofo tão bem freqüentado. O seu lugar, maninho, é lá naquele covil do baratão...




Ao Anônimo das 2:59:

Mano, não sou tão próxima, nunca fui, nem dela nem dos Barbalho. Aliás, faça você mermo essa oferta a ela, né mermo? Que eu também vou fazer umas ofertas bacanas ao Barbalhão, pela Cinderela... Que, a essas alturas, mano, até vai virar Gata Borralheira...
Bjs