Ban

terça-feira, 15 de abril de 2008

Mário


Mário Cardoso, o virtual candidato do PT




A deputada estadual Regina Barata renunciou, agora à noite (15/04), a sua pré-candidatura a prefeita de Belém, pelo Partido dos Trabalhadores (PT).



Com isso, o ex-deputado e ex-secretário estadual de Educação, Mário Cardoso, é o virtual candidato do partido à prefeitura da capital: o prazo de inscrição das pré-candidaturas petistas encerrou às 18 horas de hoje, sem o registro de outros pré-candidatos.



Regina disse que renunciou em prol da unidade partidária. E considera que, a partir da consolidação da candidatura de Mário Cardoso, “há um acordo para que o PT tenha candidato próprio à prefeitura de Belém”.



Fonte próxima à deputada contou, aliás, que Regina resolvera habilitar-se à disputa, justamente com esse objetivo: “Circulavam afirmações de que o presidente Luís Inácio Lula da Silva indicava o apoio a outro partido. E ela entendeu que a candidatura do PT, na capital, é inegociável. Não teria cabimento ocuparmos, apenas, a vice de alguém, uma vez que somos um partido grande e até já administramos Belém, recentemente, durante oito anos”.



Pelo telefone, Mário Cardoso considerou normal a decisão de Regina. “É o processo democrático. Como tínhamos que acumular o apoio das pessoas com quem íamos conversando, talvez que eu tenha tido mais êxito do que ela”.



Mário informou, também, que aproveitará as datas dos debates que haviam sido marcados com Regina, para a realização de plenárias, que ajudarão na organização e futuro planejamento de campanha.



O blog também conversou com uma fonte petista, que garantiu inexistir, agora, qualquer possibilidade de o governo petista apoiar a eventual candidatura de Priante, do PMDB, à prefeitura da capital.



“Temos os governos estadual e federal e vamos continuar conversando com o PMDB, que é o nosso principal aliado em ambos os níveis” – disse a fonte – “E Priante, certamente, participará dessas conversas, mas como dirigente do PMDB, e não como candidato”.



E acrescentou: “O PMDB tem de resolver o problema dele. Não há como o PT abrir mão de uma candidatura própria em Belém”.



A fonte lembrou que o nome de Mário Cardoso nasce com bom respaldo popular para a disputa: dos 900 mil votos que teve, em 2006, para o Senado Federal, cerca de 250 mil vieram da capital.



Já no caso de Priante, dos 450 mil votos que obteve, para o Governo do Estado, apenas 91 mil vieram de Belém.



O apoio de Ana Júlia a Mário Cardoso é dado como certo, devido à existência de um compromisso da governadora de apoiar o candidato sagrado nas prévias partidárias.



“E, aliás, sempre foi assim” – observou uma fonte – “Pode até haver disputa, mas, quando o partido decide, todos cerram fileiras em torno da decisão”.



O encontro estadual do PT que sacramentará a candidatura de Cardoso está marcado para o próximo 28 de maio.

Nenhum comentário: