Ban

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Mística


Amansando as Águas




Vou às águas.

Assim, peço: “a bênção, Senhora!”

Que a Senhora me proteja das ondas, das pedras, do além mar.

Que a Senhora esteja comigo.

E com todos os que me acompanhem.

Que as ondas me reconheçam

E que eu seja parte do teu mar...

Que as tuas ondas me conduzam.

Como fazem à espuma do mar.

Que estejas comigo, Senhora!

E que me protejas, Senhora!

E que me protejas, Senhora!

E que me protejas, Senhora!



Meu Pai Oxalá


Atotô Abaluayê
Atotô babá
Atotô Abaluayê
Atotô babá

Vem das águas de Oxalá
Essa mágoa que me dá
Ela parecia o dia
A romper da escuridão
Linda no seu manto todo branco
Em meio à procissão
E eu, que ela nem via
Ao Deus pedia amor e proteção

Meu pai Oxalá é o rei
Venha me valer
O velho Omulu
Atotô Abaluayê

Que vontade de chorar
No terreiro de Oxalá
Quando eu dei com a minha ingrata
Que era filha de Iansã
Com a sua espada cor-de-prata
Em meio à multidão
Cercando Xangô num balanceio
Cheio de paixão

Atotô Abaluayê
Atotô babá
Atotô Abaluayê
Atotô babá


(Vinícius de Moraes/ Toquinho)

Um comentário:

Walter Jr disse...

“Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça...”
Mário Quintana

Feliz recomeço em 2008.
Walter Jr e Solange