Ban

domingo, 2 de dezembro de 2007

Circe

Circe


Às vezes é preciso refazer caminhos. Confrontar-se consigo. Ir buscar a própria alma.. Nas nuvens, na terra, nos abissais.

É preciso possuir-se, num caso de amor profundo. Como quem decobre que é a origem de tudo o que é.

Abrir as cortinas, bater os tapetes e pendurá-los ao sol.

Mover-se. Reencontrar aquilo que importa; o sonho que nos conduz.

Mergulhar...Uma vez, duas, três...Recobrar o fôlego e, novamente, mergulhar e mergulhar e mergulhar.

Descobrir que a vida é feita de Circes, que nos seduzem a cada porta.

E ver além da neblina.

Ver-se num gigante, parir-se num gigante, a espiar além dos desertos e das colinas verdejantes, o porto que deixamos para trás.

E seguir em frente, com novos barcos e novas velas, com outros marujos, em um novo mar...

Mover-se e mover-se sempre.

Sempre que a Circe se torne previsível...



Nasce Selvagem

Mais do que a um país
que a uma família ou geração
Mais do que a uma passado
Que a uma história ou tradição

Tu pertences a ti
Não és de ninguém

Mais do que a um patrão
A uma rotina ou profissão
Mais do que a um partido
que a uma equipa ou religião

Tu pertences a ti
Não és de ninguém

Vive selvagem
E para ti serás alguém
Nesta viagem

Quando alguém nasce
Nasce selvagem
Não é de ninguém

Quando alguém nasce
Nasce selvagem
Não é de ninguém
De ninguém

(Delfins)

Nenhum comentário: