Ban

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Assume, Barata, assume!

Assume, Barata, assume!

(Ou: Cada um dá o que tem e come o que gosta!...)


A Perereca, depois de trozentas grades, arresolveu ajudar o “jornalista” Augusto Barata: vai lançar a campanha “Assume, Barata, assume!...”.

Vejam só, leitores: trata-se de uma iniciativa humanitária! Daquelas que amerece até um “We are the world”!...

Afinal, vocês já pensaram na aflição do Baratão, a vida inteira aprisionado numa gaveta, a se debater com a própria sexualidade?

Sinceramente, que já nem aconsigo dormir: passo as noites a me desfazer em lágrimas, compungida...

Todo mundo assumindo, até fazendo paradão - e só o Barata sem conseguir liberar o roscofe... Vocês têm de convir que é de partir o coração!...

Daí que, do alto dessa minha vastíssima experiência, arresolvi aconselhar o coitado. Não aconsigo evitar, leitores! Faz parte dessa minha índole boníssima!...

A primeira coisa que tens de saber, Baratão, é que essa história de que dói à beça é tudo lári-lári!... Vai por mim!...

Só aprecisas é relaxar. E pedir pro teu parceirão pra ter muito, muito cuidadinho...

Ah, e apede pra ele caprichar nas preliminares!... Especialmente, naquelas cafungadas bem másculas no teu cangote. Vais subir pelas paredes, mano!... Hum!..

É claro que não apodes esquecer a camisinha e o KY. Por favor, não cai nessa do cuspão!... Isso pode até ser bacana no Querelle. Mas, o Fassbinder era o Fassbinder, sabe como é que é...

E não podes ficar tão empolgado, a ponto de jogares o roscofe no pisão...

Tens um blog pra cuidar, maninho!... E precisas ter um certo cuidado com as preguinhas, em especial a Zizi...

Como vai ser a tua primeira vez, também arrecomendo que evites um homão adubado, sabe como é, um daqueles parrudões, que a gente tem vontade de morder desde os dedinhos dos pés... (E, cá entre nós, a gente sabe que já sentiste isso, né, Baratão?...).

Pra primeira experiência, maninho, asserve, assim, como direi, um sujeito mediano.

Mas que funcione, mano. Porque se for uma pica paraguaia como a tua, vais acabar mais rebelado do que nunca.

Porque não vai haver o que alevante o bicho – nem guindaste... E aí vais continuar vociferando contra tudo e todos, pensando que a gente é que tem culpa de continuares assim, “vilgem, vilgem”...

Ah, sim, maninho, tem uma coisa very, very importante!

Mulher tem de manter uma certa compostura, né mermo? Aliás, tu sempre insistes nisso no teu blog, que nem o teu guru, o Clô...

Daí que quando o sujeito estiver, assim, resfolegando no teu cangote, tens de fazer, como direi, um certo “cu doce”...

Não vai logo te abrindo todo, mano, mesmo que estejas doidinho pra assoltares a franga – ops, o roscofe!

Afinal, ele apode até pensar que já deste pra todo mundo. E que coisa horrível é mulher que dá, né, Baratão? Especialmente, as filhas da puta, que dão pra todo mundo, menos pra ti, né mermo?

Por isso, maninho, assossega o facho e adeixa o teu macho pedir e resfolegar. E só quando vires que ele está bem doidão é que apoderás dizer: vai, bem, mete, benhêee!...

Tenho certeza, Baratão, que se fizeres tudinho conforme te aconselhei, vais ficar outro!

Primeiro, porque vais acabar com esse horror, esse ódio – melhor dizendo, essa inveja que tens das mulheres.

Afinal, nunca terás uma “perseguida” – a não ser que te operes. Mas, bem que apodes arresolver essa tua problemática através do roscofe...

Dá, maninho! Li-be-ra! Isso não é problema algum! Ta todo mundo dando. Vais levar pra sepultura, é?

Sem essa de vergonha, mano! Vergonha é nem dar e nem comer, ou seja, o jeito que vives hoje...

Tenho certeza de que - depois de liberares o roscofe - vais acabar com essa mania de ficares patrulhando quem come quem...

Vais, afinal, experimentar essa coisa maravilhosa que é um orgasmo. E daqueles bem suadinhos...

Por fim, quero deixar, apenas, uma explicação aos leitores da Perereca.

Num apensem - gentalha! - que, só por causa dessa aula de grátis de liberação do roscofe, que eu sou “dessas” que andam por aí...

Mamãe é testemunha de que continuo quase tão casta como vim ao mundo...

Tudo o que escrevi foi, assim, por ouvir dizer...

4 comentários:

Rogério Pereira disse...

A cada novo post da briga sua com o "Barata" e também no blog dele a seu respeito, torna seus blogs menos interessantes, antes eu era leitor freqüente, passei a ser quinzenal, e esta é a primeira vez neste mês que acesso. Hoje estou retirando seu blog dos meus "favoritos", assim como eu já fiz com o dele, espero que vocês se encontrem logo na rua para resolver isso no braço. E espero que outros jornalistas passem a escrever sobre política do Pará.

Nezimar Borges disse...

“CARA AMIGA” . ESTOU FAZENDO UM TRABALHO DE DIVULGAÇÃO PELOS PRINCIPAIS E MAIS VISITADOS BLOG´S DO PAÍS. POSSUO UM SITE INDEPENDENTE SOBRE A TRAJETÓRIA POLÍTICA E SOCIAL DESTE QUE É UM ÍCONE DA ESQUERDA BRASILEIRA, JOÃO CAPIBERIBE. SE POSSIVEL AJUDAR NA DIVULGAÇÃO, POIS PRECISAMOS QUE MAIS PESSOAS SAIBAM DA VIDA E DA LUTA DESTE AMAZÔNIDA PELAS CAUSAS SOCIAIS E AMBIENTAIS. POR FIM, SABER DA GRANDE FARSA MONTADA POR SARNEY – INIMIGO FERRENHO DE CAPIBERIBE NO AMAPÁ - E SEUS ALIADOS PRÓXIMOS PARA TIRAR JOÃO CAPIBERIBE DO SENADO FEDERAL. E QUE CONSEGUIU A CONTENTO.

UM ABRAÇO DE SEU LEITOR

VISITE ; HTTP://WWW.HISTORIADOCAPI.COM.BR

MACAPÁ-AMAPÁ-AMAZONIABR
NEZIMAR BORGES

Ana Célia Pinheiro disse...

Caro Rodrigo:

Fico-lhe grata pela atenção passada e lamento tê-la perdido.
Sei que os leitores deste blog, assim como de outros blogs, possuem um certo nível de exigência.
E se há uma coisa de que sempre me orgulhei é isto: o nível da “gentalha” que freqüenta a Perereca...
Há duas coisas aí, que você me deu espaço para comentar.
A primeira é que este blog nunca se pretendeu sério – mas, eu sei, seu sei, também nunca se quis baixo nível, né mermo?
Tá bom, talvez eu tenha errado na dosagem. Talvez não tenha considerado o respeito que vocês mereciam, apesar das minhas divergências com aquele desqualificado.
O que posso dizer? Há pouco, argumentava com alguém que não é possível tratar o Barata com o mesmo grau de civilidade com que nos habituamos a tratar todas a pessoas.
Dizia que tudo o que tenho feito é dar ao Barata uma boa dose do próprio veneno.
Foi maldade? Foi. Mas pode ter sido, também, um bocado de ingenuidade. A crença de que é possível fazer com que mesmo os seres desclassificados caiam na real.
O problema é que, às vezes, alguém tem de se apresentar para limpar a sujeira - exatamente o que eu fiz.
Sinto se lhe decepcionei e a outros leitores, que não estão habituados a descer aos confins do inferno.
Sinto, também, se não tenho podido guarnecer este blog de informações, para torná-lo mais introspectivo. Mas, talvez, só mudando de emprego, consiga retornar às origens...
Não vai ser fácil: não tenho um tostão no bolso, sobrevivo do meu trabalho e ainda tenho de administrar uma casa.
Mas, confesso que tenho saudades daquelas segundas-feiras em que editava este blog como se fosse uma revista semanal: com notas, entrevistas e matérias exclusivas – e é claro, as minhas análises chinfrins...
Lembro do orgulho que sentia quando algumas pessoas – vejam só – me recomendavam que a notícia que estavam dando era para publicar na Perereca – e não nos jornalões.
Lembro da liberdade de reportar. De publicar o que ninguém publicava. Do jornalismo que a gente faz questão de assinar embaixo.
Pensei em fazer isso, novamente. Matérias não faltam. Preciso é resolver, antes, a minha relação cada vez mais conflituosa com o Diário.
Quem sabe não arresolvo, é mermo? Por que não?
Obrigada pelo toque
E volte, Rodrigo. Volte sim!

João Cabral disse...

Desculpe por comentar nesse tom, mas acho que vc tá perdendo o respeito por si mesmo... O que é uma pena. Nunca pensei em encontrar uma postagem dessa natureza. De qualquer forma, foi um grande prazer ler seu blog antes dessa peleja. É um adeus, e como tal, vida longa ao seu blog.