Ban

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Carta II

Uma Carta de Amor II


Se o teu corpo mergulha no meu
Mergulham no ventre da terra
Cometas e constelações!...

E o tempo e o mundo
Se deixam levar
Nas asas dos passarinhos
Embriagados de manhã!...

Se teus olhos repousam nos meus
O pensamento enlaça o pensamento
E o teu espírito é o meu espírito
E o teu corpo é o meu!...

Como se fôssemos um do outro,
Desde o começo dos tempos,
Se os teus olhos encontram os meus
A alma se dissolve na eternidade!...

E eu parto em teu encalço.
A escalar montanhas
Derrubar muralhas
Transpor desertos
Vencer batalhas
Para buscar a alma
Que se perdeu de mim!...

É o teu rosto que se levanta no horizonte
É o teu cheiro que me traz o vento
É a tua voz... à procura da minha voz!...

Se o teu corpo mergulha no meu
Abrem-se os portões dos céus!...

E os anjos acolhem o peregrino
Que de muito, muito longe...
Vem para alcançar... o coração de Deus!

Belém, 17 de maio de 2007

2 comentários:

Anônimo disse...

Perereca.
Nenhum post sobre a inauguração do Hangar superfaturado, com o metro quadrado mais caro do planeta - conforme suas matérias - adotado como de sua propriedade pela Ana Julia Carepa?

Ana Célia Pinheiro disse...

A minha resposta, anônimo, está publicada no Diário do Pará, no dia da inauguração do Hangar, como você bem sabe, aliás. Mas, se você fizer questão, posso comentar o assunto aqui, como já fiz tantas vezes. Não há informação publicada que não tenha sido, várias vezes, checada. Até porque sou chatíssima em relação a isso. Pergunte a quem trablha comigo, anônimo. Nesse ponto, sou até mais realista que o Rei...
Bjs, Ana