Ban

terça-feira, 14 de novembro de 2006

Alcoforado

Mariana I

Do alto do convento, da manhã à tardinha,
Os olhos de Mariana eram o céu e o mar.
Da manhã à tardinha, eram ondas a rezar.

E dos muros partiam asas
Entre oceanos, quimeras.

O mundo e um deus reposto,
Das dores cerradas no peito,
Quem dera ao Amor comovessem,
E sangrassem - às pedras, às gentes!...

Mas eram os muros, as grades, as correntes.
O indizível em céu e mar.

E Mariana contentou-se, enfim,
Com o que o Deus lhe dera,
Com que o mundo lhe dera
Com a vida, sempre abençoada.

E seus olhos se fecharam, ao encontro de Deus.

Mas, dizem, inda hoje,
dos muros partem asas.
Da manhã à tardinha,
Entre as ondas,
A rezar, a rezar...

(Belém, 14/11/2006)

Nenhum comentário: